1. Spirit Fanfics >
  2. A garota da casa ao lado 𖠰 >
  3. A carne que mata a fome

Hist√≥ria A garota da casa ao lado ūĖ†į - Cap√≠tulo 17


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 17 - A carne que mata a fome


Fanfic / Fanfiction A garota da casa ao lado 𖠰 - Cap√≠tulo 17 - A carne que mata a fome

No capítulo anterior...


- Ahh esse sorrisinho. - Eu fico corada e ele começa a me fazer cócegas.


Caímos na gargalhada e eu não conseguia parar de rir e tentar escapar de suas mãos até que ele para e fica sério. Senti um fogo em seus olhos, ele me devorava com os olhos.


- Posso beijar você? - Eu corei mais ainda. Como ele era fofo e respeitoso.


- P-pode. - Ele lentamente sela nossos lábios e damos início a um beijo calmo e tranquilo.


__________


Com uma de suas mãos, ele acariciava meu rosto corado e se apoiava na cama com a outra mão. Eu afundava minhas mãos em seus cabelos negros e macios. 


- H-harry. - Eu digo interrompendo o beijo.


- Você não quer continuar não é? Me desculpe eu...


- Não é isso! É que eu quero que você faça uma coisa pra mim. - Eu digo tentando não gemer, seu cheiro me invadia e ele estava tão perto.


- Oq seria? - Ele diz beijando meu pescoço. 


- Tire meu vestido.


- O que? - Ele para e me olha nos olhos.


- Tire meu vestido, por favor. - Eu me ajoelho na cama e viro de costas para ele. 



Harry


Ela estava mesmo fazendo aquilo? Ela tinha certeza do que estava fazendo? 

Eu estou prestes a tirar o vestido dela, ah meu Deus. Eu pareço um adolescente virgem que nunca viu uma mulher nua na vida, mas eu nunca havia visto ela. 


Eu afasto seu cabelo com delicadeza e começo a descer o zíper de seu vestido azul lentamente, minha mão treme um pouco. Quando eu chego ao final, pego o tecido macio e o puxo para cima o retirando. 


Quando eu acabo de tirar tudo, me deparo com coisas que eu nunca imaginaria em toda a minha vida. Sempre pensei que ela fosse machucada psicologicamente apenas, mas não era só isso. 

Suas costas eram cobertas por cicatrizes de arranhões, tapas, cortes, mordidas e provavelmente chicotes. Ela não usa sutiã, oq me dá uma ampla visão. 


- Isso faria qualquer um desistir de fazer amor comigo! - Ela diz com a voz embargada e cobre o rosto com as mãos.


- Não acho isso. Eu amo cada pedacinho de você, até aquele que você mais odeia. Não deixarei de te amar por conta dessas cicatrizes, elas a tornam única. Você é linda Liz! E isso não a tona menos bonita ou algo assim. - Eu beijo uma cicatriz no meio de suas costas lhe causando arrepios. Começo a beijar todas elas com carinho e vou subindo para seu pescoço, beijando e dando leves chupões, mesmo sendo fracos, acabaram ficando bem marcados devido a sua pele clara e sensível.



Ela se vira para mim e rapidamente me beija, um beijo longo e eu a deito na cama novamente. Vou beijando seu pescoço quente e descendo para seus pequenos seios, beijando e chupando com cuidado.


- Harry! - Ela geme meu nome e eu fico cada vez mais excitado.


Não aguentando mais o desconforto, eu retiro minha calça em alguns segundos e pego ela encarando meu amigo por cima de minha cueca box.


- Tinha me esquecido de como é...grande. - Ela sussurra.


Não fale bobagens Liz, estou me controlando para não foder você agora mesmo. 


- Ah é? - Eu sorrio maliciosamente antes de beijá-la e me deito sobre ela novamente, que sente meu membro ereto em suas pernas.


- Ahh. - Ela geme baixinho. 


- Gosta disso? - Eu digo enquanto chupo um de seus mamilos. 


- G-gosto. - Ela diz com dificuldade. 


Vou descendo para sua barriga sexy, quase não há cicatrizes aqui. Desço mais um pouco e chego em suas partes íntimas. Ela está usando uma calcinha de renda branca, provocação como na primeira vez.


- Eu posso? 


- Por favor! Arg. - Ela diz se mexendo na cama. 


Eu rapidamente tiro sua calcinha e começo a chupar delicadamente. Ela aperta os lençóis da cama e se contorce de excitação.


- Ah, Harry! - Como ela me deixa doido com isso. 


Eu lentamente coloco um dedo dentro de sua intimidade, como ela está...molhada e quente. Ela tenta segurar os gemidos mas sem sucesso.


- Me faça sua Harry! Agora! - Ela ordena, necessitando de mim dentro dela, não aguentando mais.


Eu tiro minha cueca, pego uma camisinha na gaveta de meu criado ao lado da cama e coloco rapidamente.


- Você tem certeza disso? - Eu digo em seu ouvido.


- Tenho. 


Após isso eu a penetro lentamente e ela geme um pouco de dor. Ela é tão apertada. 


- Eu estou machucando você? - Digo com a respiração ofegante.


- S-só me deixe acostumar um pouco com você, é grande demais. 


Porra, como ela gosta de dizer isso. 


Ficamos alguns segundos parados até eu me mover e começar a dar lentas estocadas. 


- Eu amo você. - Eu digo me movendo, suado e morrendo de tesão.


- Também amo você. Ah! - Oh céus como essa garota mexe comigo. 


Eu aumento um pouco mais a velocidade e ela geme mais alto. Eu também não consigo conter alguns gemidos. 


- Eu estou quase...- Eu penetro um pouco mais. - Harry! Oh! - Ela se derrama e sinto sua intimidade pulsar, me fazendo gozar também. 


- Ah! - Eu gemo e ficamos parados por alguns segundos comigo dentro dela, recuperando o fôlego. 


Lhe dou alguns selinhos e lentamente me tiro de dentro dela, me deitando ao seu lado e nos cobrindo com um lençol.


- Você não acha que está um pouco abafado aqui não? - Eu digo.


- Depois d-disso... - Ela cora.


- Não. Eu realmente sinto que aqui está abafado. - Eu dou uma pausa. - Não deve ser nada. 


- Tudo bem... 


Acabamos dormindo de conchinha e minhas mãos entrelaçadas em sua fina cintura. 


[...]


Liz 


Acordo aos poucos e sinto um cheiro inconfundível, irresistível e totalmente único. O cheiro dele, como eu amo esse cheiro.


Mas peraí, onde eu estou? 


Eu abro os olhos e me deparo com uma janela aberta, as cortinas balançam contra o vento e o sol ilumina o grande quarto, olho para o lado e vejo a melhor visão de todas. Harry me fitando com seus olhos ônix e um sorriso de lado. 


- Bom dia, pequena Liz. - Ele diz sorridente e um pouco corado.


- Bom dia bonitão. - Eu digo acariciando seus cabelos negros.


- Como você está? - Provavelmente ele se refere a ontem.


- Melhor do que nunca! Não poderia ter sido melhor. 


Foi ótimo! Simplesmente perfeito, mas eu estou tão dolorida. 


- Será mesmo que não pode ser melhor? - Ele me beija.


- Você tem uma baita energia não é? - Eu digo dando gargalhadas e interrompendo o beijo.


- Acho que sim. - Ele afirma com a cabeça, rindo um pouco e logo após começa a tossir muito.


- Você está bem?! 


Uma sombra de preocupação veio sobre mim e ele tira a mão que estava tampando a boca. Havia sangue em suas mãos. Ficamos nos encarando por alguns segundos até eu tentar argumentar algo.


- Oq é...


- Não é nada! Eu estou bem.


- Tudo bem...tenho que ir para casa tomar um banho. - Eu me levanto e percebo que estou nua. - Ah meu Deus! 


- Calma! Você ainda tá com muita vergonha...pega o lençol. Eu não quero te forçar a nada. Cof cof.


- O-obrigada. 


- Toma banho aqui. O banheiro é ali. - Ele aponta para uma porta a minha frente.


- E minhas roupas? 


- Eu arrumo algo pra você. Vou pegar toalha e o resto das coisas. 


- T-tudo bem. - Eu entro no banheiro e fecho a porta.


O banheiro é luxuoso e há um enorme espelho que me chama atenção. Me observo e vejo algumas marcas em meu pescoço, desgraçado.

Eu abro o chuveiro e deixo a água cair sobre meu corpo, me lembrando de cada detalhe da nossa noite maravilhosa. Eu queria mais daquilo! Foi tão espetacular. Não foi como o Sr. Santana me obrigava a fazer e... pare de pensar nessas coisas Liz! Pare já! Você já superou tudo isso. Harry foi tão delicado e atencioso, ele foi tão incrível.


Toc toc


- Liz? Eu posso entrar? - Era ele.


Entrar? Oq ele queria dizer com entrar? 


- Só vou deixar as roupas e a toalha. - Ele diz um pouco pra baixo.


- T-tudo bem. 


Ele entra devagar no banheiro e deixa as roupas e a toalha sobre a pia do banheiro e vira as costas.


- Harry!


- Oq foi? - Ele se vira e fita o teto para não olhar para mim e provavelmente ter uma ereção indesejada. 


- V-você não quer t-tomar ba...nho comigo? 


- Você tem certeza disso? Não está dizendo isso só pra me agradar e...


- Quero você aqui! - Eu interrompo, exclamando. - E-eu quero você comigo!


Ele vem caminhando em direção ao chuveiro, se livrando das roupas no meio do caminho e abrindo bruscamente o box.

Ele rapidamente me toma nos braços e me beija ferozmente, com intensidade, fogo, mas um toque de cautela. Eu solto um gemido abafado. 

Sua língua é rápida e eu me esforço ao máximo para acompanhá-la. Ele desce para meu pescoço e começa a falar em meio a beijos e carícias.


- Você me deixa louco sabia? - Eu já sentia sua ereção crescendo cada vez mais e esbarrando em mim, sentia a vontade que ele tinha de me foder naquele momento. Seus toques eram urgentes, necessitados. Eu gemia sem me segurar.


- Harry! Eu... - Ele para e encosta a cabeça na parede, com a água caindo sobre suas costas e seus cabelos negros escorrendo água. 


- Eu perdi o controle de novo. Droga. - Ele serra os punhos.


- Não é isso! Você não tem noção do quanto eu quero fazer isso, mas eu não estou nem um pouco acostumada. Você é muito...


- Eu sei. - Ele me interrompe. 


- Eu quero muito fazer isso, mas estou dolorida. Preciso ir aos poucos. 


- Tudo bem. Mas podemos tomar banho juntos mesmo assim? - Ele diz tentando não gemer ou me agarrar novamente.


- Claro, meu amor. - Eu sorrio.


Ele pega o sabonete e começa a ensaboar meus ombros lentamente, ensaboando meu pescoço, descendo sobre os seios e eu não consigo conter alguns suspiros e gemidos. Era torturante, mas tão bom.


- Você...me faz tão bem, Liz.


- V-você também me faz tão bem. Acho que poderíamos ficar aqui para sempre se dependesse de mim. 


- Sem duvidas. 


Ele ensaboa meu corpo todo e me enxágua após isso. A última vez que alguém me deu banho, foi quando precisei de ajuda para lavar os ferimentos após me resgatarem. 


Eu pego o sabão e começo a ensaboar o moreno a minha frente. Ele é alto, então tenho q ficar na ponta dos pés para ensaboar seu pescoço e ombros. Vou descendo até chegar no abdômen e peitoral, sua respiração estava um pouco alterada e ele soltava leves suspiros em alguns momentos. Desci até chegar em seu membro e antes de tocá-lo, ele solta um gemido. 


- Eu posso? - Eu digo pegando seu membro.


- P-pode. Oh se pode. - Ele levanta a cabeça e fita o teto.


Eu o começo a movimentar minha mão e o alívio em alguns minutos. E em meio a água morna caindo sobre nossos corpos, a neblina do banheiro fechado e muitos beijos e carícias, nos amamos intensamente. Acabamos o banho e de algum modo estranho ele não parava de tossir. 


[...]


Passamos o dia no parque e comendo besteiras das carrocinhas. -sem dúvidas eu passaria mal com isso depois- Ele não poderia ter sido mais clichê em quase me obrigar a ir na roda gigante para nos beijarmos quando ela chegar ao topo ou quando ele foi em um brinquedo super radical e me deixou morrendo de medo com um urso girante nos braços, que ele havia ganhado no tiro ao alvo. Com certeza eu guardaria essa pelúcia para sempre. 

Logo após ele me levou até em casa e ficamos conversando um pouco, até Amber me chamar para contar algumas fofocas que ela afirmava ser super interessante e termos que nos despedir. O dia foi perfeito, poderia ser assim todos os dias.


Notas Finais


Olá queridos leitores!
Como vocês vão?
O capítulo de hoje foi grande hein? E eu diria que foi bem "hot" e intenso como um alguém imaginou xD
Será que tem algo de errado? Oq será que está rolando?

Logo, logo eu farei o bônus de Amber e Jake :D
Att. Hanna


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usu√°rios deixam de postar por falta de coment√°rios, estimule o trabalho deles, deixando um coment√°rio.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...