1. Spirit Fanfics >
  2. A garota de cabelos azuis >
  3. Eu não quero ir

História A garota de cabelos azuis - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


oii então estou começando a reescrever então se está lendo e ver algo errado ou coisa do tipo me informe, espero que gostem pois é uma historia que estou desenvolvendo faz um tempo e gostaria de compartilhar, boa leitura a todos e espero de coração que gostem

Capítulo 1 - Eu não quero ir


Dei um pulo da cama assim que senti aquela água gelada contra meu rosto me arrepiar inteira e me deixar toda molhada. Eu juro que vou matar o desgraçado hoje e não tem nem cinco minutos que olhei para aqueles olhos verdes

 - Vai se foder seu merda do caralho - gritei me levantando do chão pois acabei caindo da cama com o susto.

 - Desculpa maninha mas era isso ou escutar você me xingar por seu pai chegar aqui e te arrastar para aquele Colégio horrível que ele se orgulha tanto de comandar - Sam falou colocando o copo encima da minha escrivaninha, ele ainda tinha um sorriso esboçado no rosto por mais que estivesse puto por meu pai basicamente me obrigar a ir para o internato que ele chama de Colégio. Eu também estou puta da vida por saber que só vou vir para casa nos sábados e feriados, nunca me separei de Sam.

 - Eu vou ter que berrar com ele de volta ao telefone que eu não vou para merda de Colégio nenhum em Beverly Hills! Eu gosto daqui, gosto de Malibu, gosto dos meus amigos daqui e ele não vai mudar isso nem quem eu sou! - Gritei prendendo minha madeixas azuis em um coque - Se ele quisesse que eu fosse uma menina boazinha e educada como a filinha dele teria me criado e não sumido e deixando apenas e você e a nossa mãe no fundo do poço - falei mais baixo e arrumei meu piercing do septo o entortando um pouco

 - Vai ser só até você terminar o ensino médio Katheryne e você vai poder voltar nos sábados - ele basicamente suspirou a última parte da frase tentando acreditar em suas palavras

 -  Eu não sou alguém que fica em casa nos sábados e você sabe disso, na verdade é por isso que você quer que eu vá para me afastar dos nossos amigos! Você faz as mesmas coisas que eu por que comigo tem que pegar pesado? - encarei com o cenho franzido e ele revirou os olhos bufando.

 Sam passou as mãos pelo cabelo o tirando de seu rosto e mordeu o lábio brincando com o piercing que tem no lábio inferior no canto esquerdo, ele estava começando a se irritar

 - Eu não quero a minha irmãzinha me ligando às quatro da manhã chapada e caindo de bêbada pedindo para eu ir buscar ela na casa de um cara maior de idade em Los Angeles e ainda por cima rindo por ter perdido a calcinha e não saber nem como foi parar lá sendo que Dyn e Karen estavam de olho em você! - Ele falou tentando manter a calma com os punhos cerrados ao lado do corpo

 Revirei meus olhos e o expulsei do meu quarto para não gritar com ele às cinco da manhã. Liguei minha caixa de som aumentando o volume quando começou a tocar músicas de nirvana. Comecei a dançar enquanto arrumava minha cama de qualquer jeito e empurrava minhas roupas jogadas no chão para um canto qualquer. Andei até meu armário e comecei a revirar o pouco que ainda tinha de roupas lá. Peguei um conjunto preto de lingerie de renda, uma saia de couro preta onde o comprimento ficava acima da metade das minhas coxas, peguei também minha blusinha cinza que é quase um sutiã. Já que meu pai quer guerra ele vai ter começando com minha melhores roupas logo de manhã, espero que o velho infarte quando eu chegar na escola e me mande de volta

Fui para o meu banheiro e tomei um banho demorado de propósito para enrolar. Assim que fechei o chuveiro me enrolei na toalha, fiz minhas higienes e peguei minha nécessaire fazendo uma maquiagem bem carregada no preto no olhos, fiz um delineado bem puxado e caprichei no lápis de olho, depois passei um batom roxo mate e sequei os cabelos deixando eles lisos e soltos por preguiça de fazer algo.

Sai do meu banheiro e vesti a roupa que tinha escolhido calcei um tênis skatistas preto e coloquei uma tornozeleira com um pingente de um violão prateado que ganhei de minha mãe a alguns anos atrás de aniversário. Eu sei que ela provavelmente estaria decepcionada se visse quem eu me tornei hoje, se soubesse que já fui detida em uma delegacia uma noite toda por que meu irmão estava bêbado demais para ir me buscar e meu pai achou bem feito eu ficar lá pelo estrago que eu fiz no carro de uma vadia e na cara dela também, ela ficaria feliz por saber que eu contínuo a mesma menina determinada mais no momento não estava em que ela sempre sonhou e sim em estragar minha vida. Olhei para cima para evitar o choro e arrumei minha saia a deixando mais em cima para ficar mais colada, peguei a jaqueta de couro de Sam que roubei e meu telefone escutando ele gritar para eu ir comer e desligar a música que a veia da Sra. Scoot já havia ligado reclamando

Desliguei meu som e andei até a cozinha sorrindo debochada quando ele me olhou de cima a baixo e me levantou uma sobrancelha mexendo no cabelo

 - Você sabe que não vai sair assim? Está querendo briga logo agora com ele? Já foi a semana toda assim por essa merda de escola Thery! - Ele falou franzindo o cenho

 - Ele não vai poder brigar quando eu já estiver lá e nem se brigar eu não ligo! Sem contar que minhas roupas estão todas no carro e... - comecei a me explicar mais ele me cortou

 - Não vai adiantar brigarmos eu já vou ficar pouco tempo com você não quero outro gelo estilo Thery - ele falou rindo e eu o acompanhei na risada já que a última vez que eu dei gelo nele eu fiquei quase duas semanas fora de casa de festa em festa e só acabou porque eu fui parar em um bar e batizaram minha bebida por sorte Tyler entrou no bar e me trouxe para casa enquanto eu o espancava em seu ombro e jurava castrar o mesmo

 - Ok eu vou dar uma trégua para você por que sei que está tão puto quanto eu - ele deu risada e me puxou para um abraço enquanto murmurou um 'eu vou sentir sua falta marrenta'

Sam me levou até minha Toyota preta e me deu um beijo na testa me fazendo prometer que ligaria para ele assim que chegasse sem nenhuma distração. Eu liguei o som do meu carro no máximo e sai queimando os pneus e rindo quando escutei algo que Sam jogou bater no carro avisando que era para eu parar de graça. Foram os 26 minutos mais longos da minha vida, eu só consegui pensar em como minha vida é uma merda enquanto fumava e dirigia, não vou sentir falta de ninguém dali além de Sam não sou de me apegar a ninguém por mais que goste da minha turma eu sei que eles são uns idiotas e só querem me foder e Lucy só me trata bem por que meu irmão come ela as vezes mais sei que a vontade dela é devolver o olho roxo que eu deixei antes dela andar com a turma.

Estacionei em frente ao dormitórios e dei uma olhada na mensagem de Rebeca a minha meio irmã, a princesinha perfeita, que dizia para mim encontrar ela e meu pai em frente ao segundo dormitório. Desci da caminhonete e andei até a frente do dormitório vendo que o lugar estava bem vazio já que as aulas já começaram. Conforme eu me aproximava eu via o borrão que deduzi ser meu pai ficar mais vermelho e mais bravo e Rebeca avermelhar pelo meu sorriso desafiador e minha pose de autoridade, tinha um garoto ao seu lado de cabelos pretos mais eu nem dei importância

 - Você não consegue cumprir um horário Katheryne e que roupas são essas? Isso é uma escola não uma balada! - Ele começou a berrar e parou ao ver o meu divertimento

 - Você está rindo katheryne sério? - Rebeca me censurou e eu revirei os olhos

 - Não estou rindo estou apreciando - debochei - Onde está meu quarto eu preciso voltar a dormir a ressaca da noite passada está me matando e digamos que quando o garoto cujo eu não lembro o nome falou que iria me fazer lembrar dele no outro dia quando andasse eu não acreditei mais talvez...

 - Meu Deus Katheryne ninguém precisa saber disso - Rebeca esbravejou vermelha igual um tomate e eu dei risada ao ver que meu pai estava da mesma forma

 - Vão me mostrar o meu quarto e sumir da minha vista ou querem que eu de detalhes do tamanho do... - Eu comecei a falar mais meu pai me segurou pelo braço e saiu me arrastando para dentro do prédio enquanto eu escutava o som irritante dos sapatos de Rebeca batendo no chão.

Chegamos em frente ao dormitório 134 e meu pai girou a chave mostrando um quarto maior que a casa de Sam, o quarto tinha dois andares, uma cama estava embaixo e pela decoração imaginei ser de alguma nerd princesinha e o andar de cima estava limpo e com tudo branco e novo esperando por minha chegada, no local havia uma cômoda, a cama de solteiro na parede, uma janela grande do chão ao teto que dava a vista para o pátio dos dormitórios e ali havia uma escrivaninha com um Mac, tinha uma arara e alguns armários, e bastante espaço para eu colocar o que quisesse e já estava imaginando como ficaria lindo com as minhas coisas. Estava tudo bem demais até eu me tocar na decoração do andar debaixo e franzir o cenho

 - Com quem eu vou dividir isso? - Perguntei me arrependendo ao meu pai falar

 - Com Rebeca acho que será algo bom para aproximar você e... -  eu nem escutei o resto do discurso sobre eu ser amiga da minha meia irmã idiota e sai do quarto andando de volta para o estacionamento, quando choquei contra algo minha raiva foi ao limite e olhei para cima me levantando

 - Tem olhos para que o retardada - gritei encarando a loira que parecia envergonhada por ter me derrubado ou perplexa por minhas roupas já que o namorado estava do lado e me encarava de cima a baixo - Saiam da minha frente antes que eu... - nem deu tempo de eu terminar de falar e meu pai já estava agarrado ao meu braço

 - Você sabe que eu odeio que me dê as costas Katherine - ele gritou e eu me desvencilhei dele pronta pro ataque quando o garoto que andava ao lado de Rebeca sem se importar com o mundo me segurou

 - Não vai querer falar coisas desnecessárias para seu pai de volta e levar mais um tapa em público katheryne -  o garoto falou. Quem ele pensa que é? Eu falo com meu pai da maneira que eu quiser! Mais ele tem razão levar outro tapa como o da semana passada na frente dos alunos que se formam para ver a briga

 - Eu não preciso que ninguém me diga o que eu tenho ou não que fazer - Resmunguei para o garoto e o empurrei andando até minha caminhonete

 - Não ouse sair do estacionamento ou eu vou com o conselho na sua casa e você vai voltar obrigada - Meu pai gritou,  encostei minha cabeça no volante grunhindo enquanto mexia o piercing da minha língua dentro da boca para tentar pensar

No fim acabei cedendo e o garoto idiota me ajudou com as malas, meu pai foi chamado a diretoria e Rebeca foi para a aula de artes então sobrou eu e esse cara no meu quarto, o pior é que eu tenho impressão de conhecer por mais que não tenha visto seu rosto já que ele está mais de cabeça baixa

 - Qual seu nome? Eu já...

 - Não sei se lembra de mim - ele respondeu antes de eu perguntar e levantou a cabeça com um sorriso de lado.

 O garoto até era interessante tinha um piercing no nariz e um alargador pequeno, por um instante reparei que ele usava uma calça preta, uma blusa cinza e uma jaqueta de couro. Seu cabelo era preto e bagunçado meio enrolado, ele tinha uma pele clara como a minha a boca meio rosada e olhos azuis cintilantes. Não era alguém de jogar fora

 - Meu nome é Ryan sou o namorado da sua irmã - falou, o encarei como se fosse um alien repassando o olho por seu piercing, alargador e as tatuagens no braço que subiam para o pescoço e seu tronco

 - Nem fodendo! - gritei 


Notas Finais


se leram até aqui e gostaram leiam os outros caps vai que eu faço você leitor gostar dessa historia e talvez ganhe um comentario, fav ou vocês gostem aponto de colocar na lista de leitura kk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...