História A Garota do Guarda Chuva Roxo - Capítulo 8


Escrita por:

Postado
Categorias One Piece
Personagens Eustass "Captain" Kid, Franky, Monkey D. Luffy, Nami, Nefertari Vivi, Nico Robin, Personagens Originais, Rebecca, Sanji, Trafalgar D. Water Law
Tags Chuva, Descobertas, Desejos, Drama, Guarda-chuva, Law, One Piece, Revelaçoes, Romance, Trafalgar Law, Trafalgar Law X Oc
Visualizações 26
Palavras 3.032
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Espero que gostem.
Uma pergunta nas notas finais. Se puderem responder, ficarei grata.

Capítulo 8 - And Now ?


Fanfic / Fanfiction A Garota do Guarda Chuva Roxo - Capítulo 8 - And Now ?

And Now ?

 

“Embora ninguém possa voltar

Atrás e fazer um novo começo,

Qualquer um pode começar agora

E fazer um novo fim.”

 

 

1 semana depois

 

  “Pressão caindo !”, vozes se exaltavam dentro daquela sala de cirurgia. O cirurgião apenas ficava focado naquele órgão pulsante que ele sulturava com muito zelo, o anestesista ficava de olho na respiração vagarosa daquela paciente. Penguin observava tudo com muito cuidado enquanto ia fazendo suas anotações mentais sobre aquela cirurgia cardíaca.

  Após estabilizar o músculo em seu local correto, ele se preocupou em voltar a colocar a pressão em seu nível correto. Ele foi fechando músculo por músculo, osso por osso e pele por pele até deixar tudo em seu local como antes.

 “Pronto. Cirurgia acabada.” Anunciou Trafalgar. Os outros médicos que acompanhavam a cirurgia começaram a ressuscitar a mulher de aproximadamente quarenta e seis anos, após ela se encontrar estável ligaram uma bolsa de sangue do tipo na veia dela, já que tinha perdido muito sangue.

   Deram uns toques finais e levaram a mulher para a UTI na qual ficaria em observação até se encontrar melhor para descer para o andar dos dormitórios e apartamentos do hospital. Trafalgar tirou as luvas e a mascara e saiu daquela sala acompanhado de seus amigos, tiraram toda aquela roupagem suja de sangue e colocar algo mais confortável e limpo.

  Os corredores pareciam mais longos do que o costume, após três horas e meia de cirurgia ele se encontrava cansado após passar tanto tempo de pé e uma certa tensão em cuidar de uma paciente que mal sabia que se encontrava infartada. Malditos médicos de merda que mal sabem diagnosticar um infarto, isso se passava na cabeça do jovem cirurgião.

  Shachi andava enquanto estalava todos os ossos de seu pescoço e braços, Trafalgar só queria sentar em algum canto da sala dos médicos e tirar um pequeno cochilo. Provavelmente Peter ia querer jogar vídeo game enquanto come algo  e Shachi comer algo enquanto bebe uma cerveja gelada.

  Os homens trocavam de roupas rapidamente, estavam todas suadas e com manchas vermelhas na região das mangas e abdômen. Jogaram aquelas roupas num cesto de lixo hospitalar para ter seu descarte de maneira correta.

- O que vamos fazer agora ? – Indagou Penguin que abria a boca de sono

- Dormir. – Respondeu Law

- Comer e beber. – Disse Shachi dando um sorriso

  Os três deram risada e continuaram o caminho para irem embora. A cabeça de Law estava pesada por vários motivos e a cirurgia de hoje tinha esgotado suas energias, embora esteja acostumado com isso, ainda o deixava esgotado. Cada dia que se passava as linhas debaixo de seus olhos, mostrando o pouco tempo que descansava.

- Querem ir para meu apartamento ? Podemos pedir pizza e tenho cerveja lá. –Disse Peter animadamente

- Vamos ! – Gritou animadamente Shachi

  Os dois olharam em direção ao médico tatuado que apenas deu um sorriso de lado e levantou as mãos em forma de rendição. Aquilo animou os três.

 

(. . .)

 

  Sentado de forma “largada” no sofá do apartamento da casa de seu amigo, Law apenas observava o rapaz de cabelos castanhos escuros e de cabelos levemente avermelhados jogarem Xbox enquanto devoravam as três pizzas que mal tinham entrado dentro da residência.

- Então Law, quem era aquela moça que você foi se encontrar aquele dia ? – Indagou o de fios avermelhados

  Law abriu um pouco mais seus olhos com aquela pergunta.

- É a garota do guarda chuva. – Disse calmo

  Os dois rapazes olharam para ele com uma certa malicia, o que fez Trafalgar revirar os olhos com a ação infantil daqueles homens.

- É uma colega. Apenas isso. – Mentiu

- Quer dizer que uma colega consegue te deixar de mal humor e ignorar aquela garçonete ? Se não tiver interesse, eu tenho. –Soltou Peter que devorava um pedaço de pizza de pepperoni enquanto jogava

  Law pegou uma latinha de cerveja vazia e jogou na cabeça do amigo por causa do comentário, Shachi dava risada e pedia para fazer novamente a cena para que pudesse filmar e postar em suas redes sociais.

  Enquanto os dois rapazes sentados no chão discutiam, o tatuado observava a última conversa que teve com sua irmã mais nova que tinha bloqueado em tudo que era possível e nunca atendia nenhuma ligação sequer dele. Aquilo o deixava inquieto por causa disso, não gostava e nunca gostou de Luffy, sempre o achou um idiota infantil no corpo de um jovem adulto. Não sabia como Nami tinha começado a gostar daquele babaca.

  Ele desligou o celular e decidiu se ajeitar naquele sofá bege antigo e dormir um pouco, mesmo no meio daquela barulheira e gritaria. Precisava descansar, mesmo que fosse pouco.

 

(. . .)

 

  A mulher esguia de longos cabelos negros e olhos claros devorava um livro sobre a evolução da moda, enquanto escutava atentamente o desabafo de sua aflita mãe. Não que ela não sentisse nada de aflição ou medo por sua irmã mais nova, ou que apenas se preocupasse com o do meio por estar mais próximo do que a outra. Apenas se preocupava de seu modo peculiar sem demonstrar muito seus sentimentos.

  A mulher mais velha da qual Robin puxou os olhos e características faciais estava sentada no sofá enquanto assistia algum filme de romance, algo que trouxesse um pouco de doçura em sua vida que em poucos dias tinha virado de ponta cabeça.

- Law, mesmo tendo me perdoado, sinto que está magoado. – Ela disse calma

  Robin levantou o olhar para a loira platinada, que ainda estava de olhos vidrados na televisão. Talvez se encara-se sua filha mais velha, lágrimas viessem à tona. Ser mãe é uma das profissões mais difíceis do mundo, ter que equilibrar tudo e não deixar nunca a peteca cair.

- Entendo. Talvez seja um pouco duro, descobrir de anos que o homem que o criou não era o seu pai biológico. – Voltou a sua leitura

  O silêncio voltou a reinar entre as duas, Olvia olhava para o pescoço magro de sua filha onde tinha um pequeno roxo, nunca entendeu a causa de Robin nunca apresentar nenhum dos rapazes com quem saia. As vezes ela achava que sua filha tinha uma queda por mulheres mas a mesma negou.

- E Nami ? O que fazer com ela ? Preferiu ficar com aquele rapaz do que com sua família. – Disse com uma voz magoada

  Robin fechou o livro e colocou em cima de sua coxa enquanto observava sua mãe com um olhar enigmático.

- Ela está numa fase, rebelde. Mas ela não é estúpida de fazer algo que ferre com a vida toda dela. Nami é esperta igual uma gata de rua. – Disse calma

  Olvia deu risada ao escutar o modo que Robin se referia e comparava sua irmã mais nova, mas tinha que concordar. Nami sempre foi astuta.

- E aquele rapaz, ele parece ser tão. . .despreocupado. – Disse colocando a mão no pingente de crianças em seu cordão de ouro

  Robin deu um leve sorriso ao escutar sua mãe escolhendo um adjetivo para descrever o namorado de sua filha. Imaginaria o que a mãe dela diria ao conhecer alguns dos rapazes com quem saiu e se deitou por diversão apenas, não pensava em nada sério por enquanto, queria primeiramente subir em seu cargo na revista.

- Luffy. Ele não me parece uma má pessoa,  uma vez ela comentou que ele cresceu com uma babá muito rigorosa e com um avó delegado. Talvez não seja tão despreocupado ou burro em fazer algo de errado. – Disse pensativa

  Ambas sorriram tentando se convencer que algo bom estava acontecendo entre os dois, nos quais ninguém sabia onde se encontravam ou o que estavam fazendo.

- E quanto ao Law ? Parece tão distante. – Pela primeira vez, sua mãe se mostrava preocupada com ele

- Não se preocupe, ele logo se encontrará. Deve estar pensando como está sua irmã ou como conquistar aquela garota. – Disse voltando a ler

- Garota ? Que garota ? Vivian ? – Indagou Olvia

  Robin então percebeu que comentou algo que sua mãe nem sonhava, Law ainda não tinha contado que ele queria conquistar uma moça que ainda mal conhecia e tinha levado um fora. Mas se conhece o irmão, ele deve estar pensando em algo enquanto se encontra fora de campo.

- Não. Vivi já deve estar em outra. Law conheceu uma outra moça, quem sabe um dia ele fale mais sobre ela conosco ? – Disse com um sorriso

- Adoraria saber mais sobre a vida dele. – Confessou a senhora

  Robin voltou a ler, Olvia pensou em se levantar porém o grande cão branco pulou no sofá, deitando sua cabeça no colo da mulher. A cara de Bepo mostrava que estava carente e em busca de carinho de uma das suas donas.

  Olvia passava sua mão levemente e vagarosamente por toda extensão de pelos densos do animal, Robin aproveitava o silêncio para terminar sua leitura com anotações.

 

(. . .)

 

1 Semana atrás

 

 Os jornais abertos na seção de empregos, com alguns anúncios grifados em amarelo e outros circulados de vermelho. O cheiro daqueles papeis estavam se impregnando na sala de estar enquanto a garota lia tudo com muito cuidado procurando algo que pagasse razoavelmente bem e conseguisse fazer, não queria ser muito exigente mas precisava peneirar bem.

  Chopper se esfregava nas pernas desnudas da mulher que mal tirava os olhos dos papeis monocromáticos em sua frente. Ela anotava todos os números de contato para ligar mais tarde e quantos currículos ela deveria imprimir para entregar.

- Mellorine, aqui seu refresco de limão ! – Disse Sanji animadamente

- Obrigada Sanji. – Disse sem tirar os olhos

  O cozinheiro loiro puxou uma cadeira na frente de sua amiga enquanto a observava, pegou um outro jornal no qual começou a esfolhear um outro jornal disposto na mesa para ver se ajudava sua amiga a achar algo.

- Por que não continua comigo lá no restaurante ? – Indagou o jovem

  Então Annabeth tirou o olhar dos jornais, abaixou o óculos que utilizava apenas em leituras para encará-lo em suas orbes. Ela apenas sorriu, não queria desagradar seu amigo que tanto lhe ajuda.

- Sabe Sanji, quero lhe ajudar. Mesmo se for o aluguel e algumas continhas, não acho certo trabalhar para você e não te ajudar em quase nada. Isso me incomoda. – Desabafou

  O moço com as sobrancelhas levemente onduladas manteve a mesma expressão.

- Mas não me incomoda. Nunca incomodou, fui eu que te chamei para morar aqui. E também eu precisava de uma ajuda no restaurante. – Respondeu calmo

- Me deixe ajudar um pouco mais, ainda irei trabalhar com você no restaurante à noite. –Disse calmo

   O rapaz nada disse, apenas continuou olhando aquelas linhas a procura de algo para a garota em sua frente.

  Alguns minutos se passaram até que o rapaz chamou atenção da moça em sua frente para que ela olhasse par um anúncio que parecia bem interessante. Três vagas abertas em uma agência para trabalhar como secretária em um hospital de base, o salário era bom e teria uma entrevista logo. Aquilo animou Annabeth.

 

 

Atualmente

 

    Annabeth tinha alisado seus longos cabelos negros, pela primeira vez ela usava uma maquiagem clara e básica de manhã. Vestida com uma saia preta social que ia até no meio de seus joelhos, uma blusa rosé com algumas rendas em preto nas mangas e gola, e para terminar suas vestes um salto alto preto em vinil.

  Sanji tinha ajudado a garota a se vestir para seu primeiro dia como secretária no hospital, trabalharia num local no qual não conhecia ninguém e a chance de recomeçar do zero em seu emprego seria agora.

  O loiro dava uma carona em seu sedan para sua amiga, colocou na rádio local enquanto tocava alguma música Havana de Camila Cabello que ajudou a tirar o modo nervoso que sua amiga apresentava.

- Está tudo bem ? – Indagou

- Sim. Não. Parece que estou pegando meu primeiro caso. – Disse com um sorriso pequeno

- Fique calma, logo perceberá que não é de todo ruim. – Disse calmo

  Sanji colocou a mão na perna de sua amiga por instinto, quando percebeu o que tinha feito tentou retirar a mão mas a garota colocou sua mão esquerda por cima e apertou levemente com carinho. Eles seguiram o caminho assim.

  Ao ver a fachada do hospital, um frio tomou conta do espírito dela mas com um certo impulso de seu amigo ela conseguiu sair do carro e seguir em frente até entrar no hospital e localizar a recepção.  Iria encontrar a moça que a contratou com outras duas moças.

(. . .)

- Annabeth e Hina, vocês iram ficar aqui neste andar. Aqui se encontram os pós-operados e os que ainda iram ser operados. Preencham fichas, atendam os telefones e coisas do tipo de secretária. Tudo bem ? – Disse a velha senhora que tinha as contratado

- Sim. – Responderam em uníssono.

    Após a senhora sair da frente das jovens, elas sorriram e se sentaram com um ar de alivio. Aquela velha sabia como impor respeito e medo nos novos empregados, tanto Hina quanto Anna, conseguiram sentir a pressão que ela cobrava de todos.

- Bom. Acho que iremos trabalhar juntas, bom trabalho Hina. – Esticou a mão

  A jovem mulher de cabelos lisos que trajava um terninho de coloração vinho arroxeado, seus cabelos eram tão loiros que quase se tornavam rosa por causa do seu couro cabeludo. Quando se encontraram pela primeira vez ela não soltava um cigarro, quase pior que Sanji no caso de fumar, mas a velha senhora Tsuru falou que só a contrataria caso não fumasse.

- Sim. Te digo o mesmo. –Disse pegando fortemente na mão da moça.

 Com um sorriso de satisfação no rosto de cada uma, começaram seu trabalho. Horas de digitação, conversas sobre informações com familiares de pacientes, ligações e respondendo e-mails. Era um andar até que silencioso por causa dos tipos de pacientes que ali se encontravam, ambas viviam passando álcool em gel a cada uma hora.

  Tsuru as vezes passava por perto para ver como as garotas andavam em seus trabalhos, Hina sempre mantinha-se com uma feição séria. Já Annabeth de vez em quando colocava um sorriso em seus lábios pintados de cores neutras, já tinha muita tristeza e preocupação naqueles corredores, não faria mal trazer um pouco de alegria.

   Uma semana se passou neste ritmo. De manhã Annabeth pegava uma carona com Sanji até o hospital enquanto ele ia fazer compras para o restaurante. Sai quase seis horas da tarde e entrava no restaurante as oito da noite que era o tempo que Rebecca conseguia cobrir a ausência de sua amiga.

  Mesmo que estivesse esgotada, ela nada deixava transparecer. Queria ajudar na morada e juntar o dinheiro para realizar seu sonho. Todos os esforços que ela tinha que fazer, faria com um sorriso no rosto. E a grana que entraria, um pouco que sobrasse ela iria mandar para a mãe dela que vivia apenas de sua aposentadoria e algumas vendas de artesanato que fazia para uma feirinha local.

   A garota que agora vivia escondendo suas tatuagens para manter seu trabalho, guardava alguns pertences seus em sua bolsa preta enquanto mantinha sua mente vagando em pensamentos aleatórios até que um cheiro de cigarro e um estalar de dedos chamou a atenção dela.

  Ao levantar seus olhos verdes acinzentados encontrou uma Hina que a encarava seriamente, então fechou o zíper da bolsa, endireitou sua postura e olhou com cara de quem não escutou uma palavra sequer de sua colega de trabalho.

- Desculpa Hina, pode repetir ?

  A mulher loira colocou a mão na testa e negou em forma de reprovação.

- Acabou nosso turno, vamos embora ? – Indagou

- Sim. Mais um dia de trabalho terminado. – Disse Anna em forma de comemoração

  Antes de entrar no elevador Hina jogou o cigarro por uma janela aberta e borrifou perfume por todo seu corpo para disfarçar o cheiro que seu vicío deixava marcado nela. Tsuru a demitiria caso soubesse que fumava escondida nos longos corredores.

- ótimo jeito de não deixar rastros hein? – Annabeth deu risada com o próprio comentário

  Hina resmungou baixo e entrou no elevador, por ser uma sexta feira e no último horário de visitas o hospital se encontrava cheio. Várias pessoas andavam de um lado para o outro, algumas tristes com as noticias de seus parentes e outras felizes pelo mesmo motivo. Poucas se encontravam na capela do hospital e muitas na cafeteria que tinha lá dentro.

  As colegas de trabalho davam risada sobre um vídeo que tinham visto no facebook e comentavam sobre, até que a jovem tatuada desviou o olhar apenas para ver ao seu redor como estava até que os olhos dela reconheceram alguém na multidão.

  Vestido com um jaleco branco com o logotipo do hospital bordado no lado do coração e nas costas, aquele cabelo negro desgrenhado com aquele pequeno cavanhaque. Law. Ele estava acompanhado de dois rapazes que falavam com ele, ambos também de jalecos.

  Um sentimento de ser observado atingiu o rapaz que olhou na direção que estava a moça que o olhava com curiosidade, então em um pequeno gesto ele colocou a mão na cabeça a cumprimentando como se levantasse um pouco seu chapéu. Um dos rapazes olhou na mesma direção e lhe deu um sorriso.

  Hina incomodada com o espairecer de sua colega a puxou para que a olhasse e foi que a garota fez. Continuaram seu caminho, o coração de Annabeth bateu um pouco mais rápido ao encontrar aquele homem ali. Mesmo que ela sabendo que ele era médico, tinha esquecido que poderia ter a pequena possibilidade de se encontrarem.

  No outro lado do corredor o jovem cirurgião ainda mantinha um sorriso que entregava que gostará do que tinha acabado de ver, Shachi olhou com malicia para seu “capitão” que não escondia o sorriso.

- É a garota daquele dia, não é mesmo ? – Indagou o de cabelos avermelhados

- Sim, é ela. – Confirmou

- Onde ? – Peter perguntou afobado.

- Acabou de passar. – Puxou Law

- O que ela fazia aqui ? – Perguntou Penguin novamente

  Law apenas ergueu os ombros em forma de mostrar que não sabia o que ela se encontrava fazendo ali.


Notas Finais


Criticas, sugestões e opiniões sempre bem vindas.

Vamos a pergunta : Estava pensando em fazer um twitter, ask ou escrever por aqui mesmo como capítulos bônus um tipo de SBS para responder algumas perguntas sobre os capítulos postados da História e até mesmo algumas curiosidades sobre os personagens do modo que atuo com eles. O que acham ?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...