1. Spirit Fanfics >
  2. A garota do time 7 >
  3. Treinamento de Genin

História A garota do time 7 - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Imagem: Gai e Lee

Capítulo 4 - Treinamento de Genin


Fanfic / Fanfiction A garota do time 7 - Capítulo 4 - Treinamento de Genin

Kakashi gemeu vencido. Ele realmente não tinha motivos para fracassar o time. Por pior que fosse, seus dias de vagabundagem na casa do sensei estavam prestes a terminar, pois ele estava retornando à atividade como um Jounin-sensei.

Seu único arrependimento era não ter amarrado nenhum dos três contra a tora de madeira. Quando o relógio marcou às 12 horas em ponto, ele sabia que o teste havia terminado e que seus pupilos fofos tinham sobrevivido.

Seus os olhos se curvaram alegremente. — Vocês todos passam. Parabéns, agora somos oficialmente o Time Sete. Quem teria pensado nisso, hum? — ele revirou o olho visivelmente. — Agora, eu vou levar o relatório do teste para o Hokage. Vocês estão dispensados ​​por hoje. Até amanhã, às sete horas aqui.

— Ei! — Naruto gritou. — E o teste da campainha?

— Talvez outro dia. — Kakashi disse sem ânimo. — Quando você não precisa levar um dos seus colegas de equipe para o hospital.

Naruto franziu o cenho e olhou para o lado. Seus olhos azuis analisaram a única garota do time. — Ei, você está bem? — o loiro perguntou se aproximando de Harumi.

— Ah, sim? — Harumi respondeu insegura. A verdade era que cada centímetro do seu corpo doía. Ela tinha vários cortes nos braços e pernas por causa da explosão dos selos, ainda que pequenos.

— Você não está sangrando? — Sasuke perguntou, com olhar penetrante, desafiando a garota contrariá-lo.

— Eu... Nem sinto. — ela murmurou de volta. A verdade era que sua boca ainda latejava de dor e ela tinha certeza que havia quebrado pelo menos duas costelas. Mas Harumi não queria parecer ainda mais fraca na frente dos seus colegas de time.

— Você provavelmente está em choque. — Naruto assentiu confiante, então se aproximou de Sasuke e murmurou: — Ela se machuca muito facilmente.

— Fale baixo. — Sasuke respondeu. — Pelo menos ela tentou. Ela nos ajudou bastante... E ainda não me chamou de Uchiha-sama. 

— Acho que ela ainda não ligou para nenhum de nós. — respondeu Naruto em um sussurro baixo, e então ele sorriu. — Bem, Haru-chan! Passamos, ttebayo! Que tal todos nós irmos comemorar em Ichiraku?! 

— Dobe, ela tem que ir ao hospital. — enfatizou Sasuke. — A comida pode esperar. E você não está ferido também? 

— As minhas feridas já curaram. — Naruto encolheu os ombros. — Sangue Uzumaki tem as suas vantagens. 

— Você acha que também posso bater em seu cérebro e ver se ele vai curar rápido? — Sasuke brincou de volta. — Porque poderíamos tentar torná-lo mais inteligente, se você quiser. 

— Ohi, Uke-chan. — Naruto respondeu calorosamente. — Você não ousaria fazer isso. — desafiou. 

Os dois brincavam, ignorando completamente a presença de Harumi, então a garota sussurrou.

— Eu... ah... bem, eu vou para o hospital... então... tchau? — Com essa última palavra murmurada, e sem sequer receber uma resposta, ela começou a se afastar. Harumi queria muito alguma droga que aliviasse as suas dores. Parecia que cada centímetro do seu corpo lamentava de dor, além do baixo nível de chakra, porque ela tinha gastado bastante chakra ao realizar os selos.

-oÕo-

Kakashi Hatake olhou cautelosamente para a lista de exames.

— Você entende por que ela está no time agora? — Minato Namikaze perguntou enquanto rabiscava calmamente a papelada, que era o inimigo mortal de todos os Hokages.

— Na verdade, eu não entendo porque decidiu me torturar. — respondeu Kakashi. — Ela não é a melhor kunoichi da turma.

— Sim, mas olhe as notas dos demais alunos. — enfatizou Minato, — Exceto os filhos dos clãs, quero dizer. 

Kakashi fez o sugerido e fechou os olhos calmamente. — Nos últimos meses, todos os garotos tiveram notas baixas e todas as garotas aumentaram suas notas.

— Sim, todos eles propositalmente falharam no último teste escrito. Eles provavelmente sabiam da tradição de colocar o 'Dead-Last' no Rookie of the Year e no First Kunoichi. Considerando quem eles eram, o risco de reprovar na academia parecia menor em comparação com a chance de estar em sua equipe.

— Então... Nohara Harumi não sabe? Ninguém mais contou a ela? 

Minato suspirou cansado. 

— Talvez ela não se importe, ou talvez realmente não queira estar no time. Lembro-me do meu sensei me dizendo que somente pessoas loucas gostariam de ficar em um time com prodígios. Ele estava praticamente na mesma situação, com Orochimaru e Tsunade, sendo ambos os novatos do ano, além de que Tsunade era a neta do primeiro Hokage. 

— Devo fazer algo em particular sobre isso? — Kakashi perguntou. — Treiná-la especificamente ou algo mais? 

— Não, nada disso. — Minato balançou a cabeça. — Apenas conduza os três com igualdade. Ela pode não ser prodígio em muitas áreas, mas certamente tem o talento Uzumaki para fuuinjutsus, mas esta área deve ser coberta por sua avó. Espero que ela possa ter um efeito estabilizador nos outros dois, sabe? Sendo alguém normal entre três prodígios.

Kakashi assentiu ciente de que o Hokage havia o considerado nessa equação. Não seria fácil para Harumi ter que lidar com um sensei e dois colegas de time sendo bons em quase tudo.

— Além disso, — continuou Minato. — Espero que você entenda que, como Jounin-sensei, tem a tarefa de proteger seus alunos. Não me importo se alguém faz os olhos do filhote e Naruto decide de repente que ele quer ajuda exclusiva. Se alguém cheirar um pouco a sujeira, névoa, raio ou mesmo areia, quero que você cancele a missão. Entendido? 

— Sim, sensei. — respondeu Kakashi. — Eu sei o que estou fazendo. 

— Bom, ou estarei liberando Kushina em você. — Minato assentiu sabiamente enquanto Kakashi estremecia. — Você pode sair.

Kakashi desapareceu em um piscar de olhos no momento seguinte.

-oÕo-

Harumi entrou no grande hospital de Konoha e seguiu até a recepcionista. Ela nunca chegou a frequentar muito um hospital, mas ao que tudo indicava agora, em sua vida, aquele lugar se tornaria parte da rotina.

A recepcionista fez um breve cadastro e a encaminhou para a sala de triagem. A enfermeira avaliou os seus ferimentos, e chegou a cuidar dos cortes mais simples e depois a direcionou para o saguão, para aguardar o médico.

A genin sentou em uma das cadeiras disponíveis e soltou um suspiro cansado. Ela olhou ao redor e analisou as demais pessoas que pareciam esperar por atendimento. Seu cérebro estava meio que dizendo-lhe que se ela tivesse ferimentos de treinamento não deveria esperar sua vez como alguém com apenas uma dor de dente. 

Harumi fechou os olhos quando encostou a cabeça contra a parede, atrás de si. Aquele teste serviu apenas para salientar como era fraca. Sabia que tinha sido útil para seu time, contudo, diante das habilidades dos seus companheiros, ela sabia que era muito despreparada para a vida de um ninja. Aquele treinamento tinha sido horrível. 

Depois de quase meia hora esperando, Harumi estava pronta para desistir da assistência médica e ir para casa. Ela considerou que talvez a sua avó conhecesse algum jutsu de curar. Seu estômago roncava. Queria tanto comer algo.

— Nohara Harumi. — a enfermeira chamou seu nome e apontou para a sala de atendimento. 

Ao entrar, Harumi sentou-se em uma maca forrada com uma folha de papel branco e esperou mais uma vez.

Cinco minutos depois, o médico chegou.

— Olá, qual o problema? — o homem perguntou olhando para a prancheta em suas mãos.  

— Tive um acidente de treinamento. — respondeu Harumi. — Acho que machuquei a mandíbula e minhas costelas doem quando respiro fundo. 

Ela reparou no homem.

Seus cabelos, cinzas que iam até os ombros, estavam presos por um elástico. Ele usava óculos redondos. Parecia bastante jovem. Talvez fosse algum residente ou enfermeiro. Harumi leu na placa em seu uniforme, Dr. Yakushi Kabuto.

— Bastante azar, não? — respondeu o homem com uma risada leve e largou a prancheta antes de aproximar-se dela. Suas mãos brilharam levemente com uma aura verde e ele as direcionou em seu rosto. Harumi tentou não encarar o homem nos olhos, porém não pode reprimir totalmente a sua curiosidade.

— Alguém fez um número feio em você. Teste genin? — o médico perguntou. Harumi apenas acenou. — Acredito que fraturou a mandíbula, nada grave, por sorte. Você veio aqui com alguém? 

— Não. — respondeu Harumi. — Todos eles tinham algo mais a fazer. 

O médico Kabuto fez algo com os dedos, que Harumi não sabia dizer, entretanto a fez suspirar aliviada quando depois de alguns minutos a dor na sua boca começou a desaparecer.

— Recomendo que você não fale muito nos próximos dois dias. Por sorte, não quebrou nenhum dente. Ao menos passou?

— Hun? — ela o olhou confusa.

— Passou no teste do seu Jounin?

— Ah, sim… — murmurou quando o médico terminou de tratar a sua mandíbula e depois passou a verificar qualquer outro ferimento.

— Isso é bom! Tire a jaqueta, por favor. — ele pediu.

Harumi moveu os braços devagar para retirar a jaqueta preta de capuz. Ela gemeu quando sentiu uma pontada de dor nas costelas.

O médico guiou a mão com jutsu de cura por seus ombros, costas e costas. — Hn. Machucou algumas costelas. Lá vai você. — acrescentou quando terminou. — As demais feridas são superficiais… Acredito que podem curar naturalmente. É sempre assim com vocês crianças. No momento em que eles lhes dão armas, vocês simplesmente não percebe o que são até se machucar uma vez. Os sortudos estão feridos nos campos de treinamento. — ele deu uma tapinha gentil no ombro de Harumi. — Você não é a primeira a fazer reparos hoje. 

Harumi assentiu entorpecida.

— Que bom que passou. — o homem então gesticulou para ela descer da cama. — Você está livre para ir. 

— Obrigada. — Harumi curvou-se e saiu, com a jaqueta debaixo do braço.

Seu estômago roncou, mas ela apenas avançou. Não adiantava tentar ir ao Ramen Ichiraku, onde provavelmente estavam seus dois companheiros de equipe. Ela entendeu a mensagem muito bem. Ela não se encaixava no mundo 'prodígio' deles. Infelizmente, ela teria que ficar com eles por um tempo. Ela, com certeza, teve toda a sorte do mundo.

Tudo que queria naquele momento era ir para casa, tomar um banho e comer algo. Seus passos foram morosos enquanto seguia para o bairro que morava. Inicialmente considerou em passar no trabalho do seu pai, mas desistiu. Harumi duvidava que tivesse forças para isso.

Após levar mais tempo do que normalmente gastaria para chegar em casa, ela retirou as sandálias e entrou pela porta. Era uma casa de dois andares, modesta, mas agradável. Ficava em um dos bairros calmos de Konoha, distante dos complexos dos clãs e dos campos de treinamento, mas ainda próxima ao centro da aldeia.

— Vovó, cheguei! — ela disse com cuidado enquanto arrastava seus pés pelo chão.

— Seja bem-vinda. Acredito que tenha passado? — a senhora perguntou. Ela estava sentada confortavelmente em uma poltrona de cor mostarda, situada próxima à janela da sala. Seus dedos seguravam duas grandes agulhas de tecer lã.

— Sim! Desculpa a demora, tive que passar no hospital. — Harumi disse e não pode evitar estremecer com o olhar curioso da sua avó. — Nada grave. Eu vou tomar banho. Papai chegou?

— Ainda não! Vá se limpar que vou esquentar sua comida.

— Obrigada, vovó!

Ela arrastou seu corpo cansado para as escadas que davam acesso ao segundo piso da casa, perante os olhares avaliadores de sua avó. Yumi podia ser rigorosa, mas ainda assim se preocupava com sua neta.

-oÕo-

3º dia como genin

Kakashi apertou os olhos quando o sol da manhã brilhou sobre o monte dos Hokages. Ele ficou acordado por mais tempo do que queria, meditando sobre seus genins. Ele conhecia a capacidade dos dois membros masculinos do time e tinha um plano mais detalhado para trabalhar com eles. Era a garota quem lhe preocupava. Suas habilidades eram até acima da média da academia, porém, considerando os perigosos dobrados que a equipe enfrentaria devido possuir herdeiro do Uchiha e filho Hokage, Harumi naquele momento era um peso morto.

Parecia que Harumi precisaria de ajuda especial. A garota era introvertida e insegura. Claro, ela tinha habilidades em armadilhas e fuuinjutsus, mas seus Taijutsus, Ninjutsus e Genjutsus eram muito rudimentares. 

Os garotos pareciam apreensivos próximos a ela. Kakashi entendia. Naruto sempre teve que conviver com pessoas que se aproximavam dele por causa do seu pai, que era Hokage - amigos interesseiros. Já Sasuke lidava com uma adoração desenfreada da população, principalmente a feminina, devido o clã o qual pertencia e a ‘traição’ do seu irmão mais velho.

As deficiências de Harumi eram as mais evidentes, e poderiam levar mais tempo para serem corrigidas. Então ele acordou com o alarme, antes das cinco, e foi procurar Maito Gai em seu campo de treinamento favorito.

Kakashi tinha conhecimento sobre os jounins habilidosos para lidar com desenvolvimento de genins crus mais rapidamente. Se ele quisesse fazer uma lapidação rápida nas habilidades ninjas, Maito Gai seria o jounin indicado. Ele supôs que seu “rival” poderia, muitas vezes, ter caído de cabeça quando criança. Repetidamente. Somente isso poderia explicar sua obsessão com o spandex verde e o poder da juventude depois que ele se tornou um Jounin.

Hayate Kakashi sabia que tinha as suas próprias peculiaridades. Como o fato que já era 8h e que seus genins estavam esperando-lhe, e ele não ligava.

Pelo menos Gai era previsível em suas peculiaridades. Todas as manhãs, quando seu time não estava em missões, ele e Rock Lee estavam acordados antes do amanhecer, trabalhando em combinações ridiculamente intrincadas de taijutsu. Pelo menos ele concentrou algumas das suas excentricidades de maneira positiva. Dizia-se que seu taijutsu estava entre os melhores de sua geração e ele aceitou um aluno com bobinas de chakra subdesenvolvidas e o transformou em um shinobi eficaz.

Kakashi supôs que o estresse extra em completar missões sem recorrer a ninjutsus ou genjutsus, era responsável por Rock Lee ter adotado a loucura verde de spandex com seu sensei.

Por outro lado, era difícil argumentar contra os resultados. O genin vestido de verde se movia tão rapidamente que seus olhos tinham dificuldade em acompanhá-lo, mesmo sem chakra. Os socos dele estavam deixando fragmentos visíveis nos grossos registros de treinamento. Harumi poderia aprender muito aqui.

Gai ergueu os olhos do pupilo e mostrou o que provavelmente pensava ser um sorriso encantador. — Kakashi-san, você acordou cedo para ver o poder da juventude!

Kakashi gemeu. 

— Eu sabia que poderia encontrar você aqui.

A expressão de Gai se tornou um pouco presunçosa. — Fiquei sabendo que você agora tem um time de genin. Temos que marcar uma competição entre eles.

— Ma-mas… Eles têm ainda um longo caminho. Os seus genins já tem seis meses de experiência.

— Lee! 

— Gai-sensei! 

Kakashi sabia que precisava cortar isso pela raiz. — Eu queria falar com você sobre algum treinamento complementar para Tenten e Lee, e outra coisa que surgiu. 

Maito Gai pode ser auto absorvido, super entusiasmado e completamente sem senso de moda, mas ele não era estúpido. — Lee! Faça cinco voltas ao redor de Konoha! 

— Sim, Gai-sensei! E se eu não puder fazer isso sem parar, vou subir ao topo do monumento Hokage, andando apenas com as minhas mãos! 

Gai aplaudiu quando o aluno decolou. Kakashi se perguntou se Harumi estaria segura convivendo com esses dois. Ele não queria imaginar sua aluna vestida de verde.

Kakashi organizou seus pensamentos quando Gai se voltou para ele e cruzou os braços no que ele parecia pensar ser uma pose séria. 

— Agora que Lee está testando sua resistência, o que você gostaria de discutir? — Seu sorriso era um pouco assustador demais para o gosto de Kakashi.

— Estive pensando em sua ideia sobre o uso do nosso conhecimento especializado para um melhor desenvolvimento do potencial dos nossos alunos. — disse ele com cuidado.

Normalmente Kakashi preferia não misturar as coisas, mas ele reconhecia as habilidades de seu rival. 

— O quê?— As sobrancelhas grossas de Gai se juntaram em confusão.

— Bem, — continuou Kakashi, — Eu pensei que seria uma boa ideia, então gostaria de fazer uma troca. Tenho uma aluna que precisa de muito trabalho extra em seu taijutsu. Se ela pudesse se juntar a você e Lee pela manhã, ela também forneceria a Lee um parceiro de treino. Em troca, ela ajudará Tenten em Fuuinjutsu e a ser alvo móvel. — O outro aluno de Gai, Hyuuga Neji, realmente não precisava da aula particular. Seu Byakugan podia ver através da maioria dos genjutsu e Kakashi não queria lidar com outro prodígio. Ele já tinha dois.

Gai passou o polegar sobre o queixo em sua pose de “pensamento profundo”. — Qual é a sua aluna?

— Nohara Harumi. — respondeu Kakashi, esperando para avaliar a resposta de Gai.

Para crédito do homem, ele apenas assentiu pensativo. — Oh, ela é parente da sua antiga companheira de time? — A pergunta era inocente.

Kakashi apertou o único olho visível. Ele não gostava de ser lembrado dos companheiros que perdeu tão tragicamente na terceira guerra do mundo Shinobi.

As deficiências de Harumi eram evidentes e poderiam levar mais tempo para serem corrigidas e aprimoradas. Se ela não melhorasse rapidamente, acabaria morta na primeira missão fora da aldeia, ou mataria seus colegas.

— Ela tem baixa resistência, pouca habilidade ninjutsus, taijutsus e genjutsus, mas é hábil em fuuinjutsus e armadilhas. Poderia ajudar Tenten na selagem de suas armas e dar um alvo móvel. — O ex-anbu sorriu. O anzol foi jogado, agora era só esperar o peixe morder a isca. — Ela é esforçada, não ficaria surpreso se, depois de se acostumar com sua rotina, ela superasse o seu aluno.

Maito Gai nunca rejeitou um desafio de qualquer tipo. Ainda mais vindo de Kakashi. — Yosh! Certo! Vamos testar os poderes de sua juventude! Kakashi-san envie-me sua aluna aqui amanhã pela manhã e faremos dela um gênio de trabalho duro, perdendo apenas para o meu Lee-kun! 

Isso foi tão fácil que Kakashi sentiu um lampejo de culpa. — Bom, e eu pedirei Harumi para lhe avisar sobre o treinamento de genjutsu para que os seus alunos possam se juntar a nós. 

-oÕo-

Harumi acordou um pouco depois das 6h da manhã. Ainda estava com sono, considerando o cansaço devido o teste de treinamento e por ter ido dormir tarde enquanto repassava com seu pai todas as táticas que usou no treinamento de sobrevivência. Por sorte, sua avó não quis treinar fuuinjutsus aquela noite.

Ela tomou um banho gelado para ajudar a despertar e preparou o café da manhã para ela e sua família. Algo simples, mas certamente nutritivo. Ao terminar, ela seguiu para o campo de treinamento sete, 15 minutos antes das 7h. Estava ciente que Kakashi chegaria tarde, porém era seu dever cumprir a ordem determinada referente ao horário.

Não foi surpresa quando viu que foi a primeira a chegar ao local. Harumi depositou sua mochila encostada em uma árvore, afastou-se alguns metros e começou a fazer alongamentos.

Depois de repassar toda sua rotina de exercícios de alongamento, ela sentou no chão com as pernas cruzadas e fechou os olhos. Ela havia aprendido muito cedo, antes de entrar na academia, sobre meditação. Sua avó sempre dizia que não adiantava ter o corpo preparado para a batalha se sua mente não estava.

Era um pouco depois do horário marcado quando seus colegas de time chegaram. Eles resmungaram um “bom dia” e foram ocupar o meio do campo de treinamento. Os dois começaram uma leve longarina de Taijutsu.

O relógio marcava 8h quando Harumi finalizou a sua meditação. Permanecendo sentada, ela analisou Sasuke e Naruto. Os dois estavam concentrados em sua pequena disputa. Ela permitiu-se observar seus movimentos. Sasuke tinha mais graça em seus ataques, enquanto os de Naruto eram mais poderosos. Havia uma diferença gritante entre o estilo de ambos, mas de alguma forma se complementam.

Duas horas depois do horário marcado Kakashi chegou ao campo de treinamento.

— Olá!

— Você está atrasado! Papai disse para chegar no horário! — Naruto gritou.

Kakashi apenas sorriu e abanou a mão em desdém. 

— Enfim, fico feliz em ver que meus fofos genins já estão trabalhando. Naruto e Sasuke, eu quero que ambos corram 100 voltas no campo de treinamento. Sem parar.

— Está excluindo-a? — Sasuke perguntou se referindo a Harumi.

— Isso é uma punição para os dois que chegaram 30 minutos atrasados. — Kakashi disse com olhar afiado. — Eu avisei que deveriam chegar no horário, independente de eu estar aqui ou não.

“Como ele sabe o horário que chegamos?”, Harumi pensou com curiosidade.

— Ei, você também chegou atrasado. — Naruto gritou.

Kakashi sorriu por debaixo da máscara. — Eu sou o sensei. Façam o que eu mando sem questionar. Vão!

Sasuke revirou os olhos e puxou Naruto pelo colarinho da jaqueta, enquanto o loiro ainda esbravejava sobre o atraso de Kakashi.

Harumi manteve seus olhos no homem mais velho. Ela levantou uma sobrancelha para ele. — O que queria falar comigo em particular, sensei? — ela perguntou com cuidado.

Kakashi riu. — Oh, fui pego em flagrante. — disse se referindo ao fato que não queria que os garotos ouvissem o que iria falar com a garota. 

Harumi riu inquieta e coçou a parte de trás da cabeça, um pouco envergonhada. — Bem, foi meio óbvio. Eu… lamento pelo meu desempenho ontem. — disse ela e curvou o corpo em referência. 

— Não vejo necessidade!

Ela ergueu o corpo e o encarou confusa. — Eu não…

— Você formulou o plano de ação… Se sacrificou para me encurralarem e ainda usou com maestria os selos. Por que está se desculpando?

— Eu… Não sou ingênua. — disse corando, envergonhada. — Sei que estou muito abaixo das habilidades de meus companheiros. — Harumi teve cuidado ao escolher suas palavras. — Em uma missão de verdade, teria sido morta.

Kakashi estreitou o olho visível. — Bem, isso é verdade. Você teria sido morta em dois segundos.

 Os olhos de Harumi se arregalaram e sua boca se abriu de forma engraçada.

— Enfim, eu queria apenas lhe avisar que passará a acordar às 5 horas da madrugada todos os dias.

Harumi inclinou a cabeça para o lado de forma curiosa e confusa. — Por quê?

— É quando Gai-sensei faz um treinamento extra de taijutsu com seu aluno, Lee. Você se juntará a eles todos os dias nos quais estivermos em Konoha, compreendido?

— Você não vai me treinar? — ela perguntou com um tom ferido, parecendo um pouco confusa e decepcionada.

— Não se preocupe, você continuará treinando comigo e com o resto da equipe em nossos horários normais de reuniões. Este é um treinamento extra. Você trabalhará com Maito Gai porque ele é um dos melhores mestres de taijutsu que eu conheço. Ele será capaz de mostrar a você coisas que eu não posso necessariamente fazer.

— Você não é meu sensei? — ela perguntou perplexa.

— Sim, eu sou. Embora você deva chamar Gai de 'sensei' também. Apesar do que você possa pensar, não é uma fraqueza admitir que alguém é melhor do que você em algo. De muitas maneiras, é uma força. Gai é a melhor pessoa para ensinar taijutsu... — disse Kakashi sem delicadeza. — Você entende que suas habilidades em suas áreas são medíocres? Que está tão longe de seus companheiros e que neste momento é apenas um peso morto?

Harumi abaixou o olhar e acenou com a cabeça.

— É por isso que os shinobis funcionam melhor em equipes, Harumi. Todo mundo tem pontos fortes e fracos diferentes. E cabe a cada um melhorar. Requer sacrifícios e esforço.

Harumi olhou para o homem mais velho por um momento antes de começar a assentir.

— Bom. Então você estará se reportando a Gai na área de treinamento vinte e três todas as manhãs, às 5h30, nos dias em que a equipe dele e a nossa estivermos em Konoha. Também ajudará a sua aluna em tiro alvo e selagem. Quero que você obedeça às instruções de Gai quando estiver trabalhando com ele, mas você ainda é minha aluna. 

Harumi assentiu um pouco menos segura de si desta vez.

— Bem, agora vá se juntar aos seus colegas nas voltas pelo campo de treinamento.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...