1. Spirit Fanfics >
  2. A garota marcada (Jungkook) - BTS >
  3. Você não está sozinha

História A garota marcada (Jungkook) - BTS - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Trouxe mais um capítulo da minha história, espero que gostem ❤

Quero só deixar um aviso super rápido para vocês !

➡️ Os protagonistas vão começar a se envolver a partir do 3° capítulo
➡️ Os acontecimentos vai ser um pouco lento, porque o enrredo da história não permite ir mais rápido
➡️ Pode conter erros
➡️ Se gostarem comentem e favoritem por favor

E .. é só isso, e também queria agradecer você que está acompanhando minha história ❤

🦄 Boa leitura 🦄

Capítulo 2 - Você não está sozinha


Fanfic / Fanfiction A garota marcada (Jungkook) - BTS - Capítulo 2 - Você não está sozinha


                       Jk On

Depois de um dia super cansativo na empresa, estou indo para casa da minha namorada, que mora na cidade ao lado de Busan, poucos minutos de viagens.

                          (....)

— Oi amor ! - me aproximei para beija-la, mais Hana se esquivou, e eu franzi o cenho estranhando sua atitude — Aconteceu algo ?

— Sim, você não liberou o cartão ainda - cruzou seus braços e se sentou no sofá emburrada.

Encaro a mesma, desacreditado com a sua atitude ridícula e infantil.

— Hana, eu disse que liberaria o cartão, pra coisas importantes, e não pra ir em shopping e cabeleleiros.

Hana me fuzila com seus olhos pequenos, e eu suspiro me sentando ao seu lado.

— Mas bebê, você sabe que eu amo me cuidar pra você - disse ela manhosa subindo em meu colo.

Hana e eu estamos juntos a 1 ano, eu gosto dela, mais sua possessão por dinheiro me desanima, ela é muito bonita e foi um dos motivos que mais me encantou, mais não basta só beleza, e infelizmente ela é só bonita por fora.

— Pra mim ? - ri sem vontade — Hana você fica dias sem me procurar, e quando me procura é pra pedir dinheiro, eu nunca neguei nada a você Hana, você sabe, dinheiro não é problema eu tenho e tenho muito - suspirei e pendi minha cabeça pra trás com os olhos fechados — Eu vou voltar pra casa , eu vim pra ficar com você mais acho que não me quer aqui.

— Não é isso bebê, mais se quiser ir pode ir - saiu do meu colo e foi para seu quarto.

Segui a mesma com meu olhar até a entrar em seu quarto, e me surpreendi, aliás vindo dela nada mais me surpreende, depois dessa atitude.

Me levantei e sai batendo a porta forte de sua casa, fui pro carro e pisei fundo no acelerador.

Namoral o que deu em mim ? Desde quando eu fico carente ? Depois da forma que Hana me tratou, fiquei com um aperto no peito, eu gosto dela e eu queria um pouco de reciprocidade da mesma, mais tô vendo que só meu dinheiro vale pra ela. Céus, será que vou morrer sem amar e sem ser amado ?

Não quero volta pra minha antiga vida de galinha, já tenho 25 anos, tenho minha empresa e responsabilidades, não posso agir como um moleque de 18 anos.

                           (....)

Estava na metade do caminho de casa, distraído até meu telefone tocar, pego o mesmo na mão, mas o deixo cair, ainda dirigindo me abaixo para apanhar meu celular  

Quando pego o celular, me levanto e me assusto com um o impacto forte no meu carro. Pisei no freio, fazendo meu peito bater no volante, olho pelo retrovisor, e vejo uma pessoa caída no chão, imediatamente desci do carro e corri até o corpo deseperado.

Ao me aproximar, vejo que era uma mulher, uma linda mulher, me abaixo e tiro um pouco dos seus fios de cabelo que estava em seu rosto, para que eu pudesse visualizar melhor, e me surpreendi com a tamanha beleza, fiz um tour pelo seu corpo com meus olhos e vi marcas e cicatrizes, alisei seu rosto e pus meu ouvido próximo ao seu seio esquerdo e consigo ouvir seu coração.

— Ótimo, ela tá viva - disse aliviado e peguei a bela moça no colo estilo noiva.

Corri até o carro e pus a moça no banco de trás, fechei a porta e fui para o lado do motorista, sentei no banco e travei o cinto. Olhei no retrovisor mais uma vez, para me certificar de que a moça estava confortável.

Liguei meu carro e pisei fundo no acelerador, em busca de um hospital mais próximo.

                            (....)

— Jungkook ? - perguntou jin com os olhos arregalos, direcionando seu olhar para moça que estava em meus braços.

— Eu atropelei ela jin - falei baixo com a voz trêmula — Me ajuda ?

Sem enrolação, Jin pediu pra trazerem maca e oxigênio para começar os procedimentos de primeiros socorros.

Jin é um dos melhores médicos de Busan, e é como um irmão para mim.

Pus ela na maca ainda desacordada e as enfermeiras entraram com a bela moça pra sala de exames, para Jin examina-la melhor.

Me sentei em um dos bancos que tinha do lado de fora, pra aguardar notícias.

                           (....)

— Jungkook ? - uma voz grossa ecoa pelo corredor, virei-me e me aproximei do Jin.

— Como ela tá ? - perguntei preocupado — Ela vai ficar bem ? ‐ Jin estava com um semblante sério, e isso me assustou.

— Melhor você entrar na sala, poderá ver com seus próprios olhos - pediu e eu o segui logo atrás.

Entramos na sala e lá estava a bela moça, de olhos fechados ainda, sinto um aperto no peito só de imaginar que eu possa ter a ferido gravemente, me aproximei junto com Jin e pude vê melhor suas marcas e cicatrizes, seu pulso está em carne viva, tornozelos roxos, seus lábios entreaberto mostrava leves cortes, fiz mais um tour pelo seu belo corpo dourado e Jin levanta seu vestido.

Meu coração aperta, meus olhos se embaça, engulo em seco ao ver que todo seu corpo está marcado, alisei sua enorme cicatriz e deixei uma lágrima escapar. Olhei para o Jin e ele não estava diferente de mim.

— Ela era torturada Jin - minha voz sai falha — Deu algo nos exames ? - pergunto e jin assentiu.

— Ela tem lesões pelo corpo todo, e o que mais me surpreendeu foi que ela está com cortes fundos nas costas, e estão infeccionados ‐ afirmou Jin e eu ouvia tudo com atenção, imaginando que tipo de monstro faria algo de mal a uma mulher.

— Será que ela tem família, casa, alguém ? - indaguei e reprimi meus lábios — Melhor chamarmos o Jimin, ele é psicólogo poderá conversar com ela ‐ sugeri e fitei a pobre moça novamente.

— Pode ser, irei liga na casa dele, ok ? - assenti e o mesmo saiu com seu celular na mão.

Não sei porque estou tão preocupado assim, nem a conheço, mas algo me diz que devo conhecê-la melhor, quero saber sua história e saber do porque dela estar no meio da estrada sozinha e no escuro.

— Jungkook pode vim aqui por favor ? - perguntou Jin ao abrir a porta, assenti e fui em direção a ele, mas antes de sair fitei a jovem mais uma vez.

                     S/n On

Ouço um barulho de porta e algumas vozes abafadas, abro meus olhos aos poucos, para me acostumar com a luz forte, sinto meu corpo doer ao tentar me sentar, finalmente me sento e encosto minhas costas na cabeceira que julgo ser uma maca, passo meus olhos na enorme sala com cheiro de medicação e aperto meus olhos sentindo uma leve tontura.

— Aí ! - resmungo ao sentir uma agulha no meu braço direito.

Enquanto tentava tirá a tal agulha do meu braço, ouço vozes masculina se aproximar da porta. Imediatamente me encolho na cama e sinto meus olhos marejar.

— Oi.. você tá bem ? - perguntou um homem alto vestido de branco.

Nego com a cabeça, já sentindo as lágrimas molhar meu rosto.

— Não, vamos machucar você, tá bom ? ‐ sorriu fechado — Olha esse homem aqui, te trouxe para o hospital - apontou para outro homem desconhecido por mim — Se lembra de algo ? - perguntou se aproximando da minha cama.

Em um ato de defesa, abaixo minha cabeça e aperto meus olhos.

— Já disse que não vamos te machucar, queremos te ajudar - subi meu olhar e encarei os dois homem que estão a minha frente.

— Posso me apresentar ? - perguntou o moreno e eu assenti — Sou Jeon Jungkook - sorriu e estendeu sua mão.

— Sou... a.. a - suspiro — Sou a S/n - me apresentei com a voz baixa e peguei em sua mão.

— E eu sou, o Dr Seokjin, mais pode me chamar de Jin - estendeu sua mão também.

— Você é de onde S/n ? - perguntou jungkook.

— Do Brasil - respondi com a voz chorosa.

— E porque está na Coreia ? - perguntou o Dr Jin.

Reprimi meus lábios desviando meu olhar, e suspiro pesado ao lembrar do motivo que estou aqui.

— Se você não quiser... - interrompo Jeon.

— Meus pais foram mortos quando tinha dez anos, na nossa casa e... - minha voz falha e eu aperto os olhos — E, eu fui trazida pra cá pelo desgraçado que matou meus pais - desabafo ainda de cabeça baixa.

Ouço a porta mais uma vez ser aberta e levanto meu olhar para porta e vejo um homem loiro entrar que também vestia branco.

— Desculpa a demora - sorriu sem graça — Bom, sou o Jimin, serei seu psicólogo e você é a ?

— Sou a S/n - minha voz saiu baixa.

Observo o loiro puxar uma cadeira se aproximando, e olho para os outros dois que estavam em pé atrás do loiro.

— Olha S/n, irei te fazer algumas pergunta e quero que seja sincera nas respostas, ok ? - afirmou e eu assenti — Se você se sentir desconfortável, nos avise que eu paro - assenti mais uma vez — Lembrando que estamos aqui para te ajudar, não somos seus inimigos, tá bom - sorriu fofo eu e assenti novamente.

— Relaxa, vamos tentar te ajudar - falou Jeon sorrindo.

Toda vez que Jeon Jungkook fala algo, sinto minha pele se arrepiar, sinto que ele é um homem do bem, e eu acho que posso confiar, sinto que também posso confiar no Dr Jin e no Dr Jimin, talvez seja a hora de pode dividir essa dor.

— Jin disse que você tem marcas e cortes pelo corpo, e muito deles estão infeccionados, você pode me dizer o porque de não ter ido ao médico ? - perguntou Jimin concentrado me olhando nos olhos.

— Não procurei... porque fui mantida trancada dentro de um porão nojento, e só saía a noite para ... - paro de falar envergonhada e sinto minha voz embargar.

— Para ? - perguntou jin confuso.

— Para ser abusada, por... - suspiro e limpo minhas lágrimas com o dorso da mão – Velhos nojentos ou com qualquer um que oferecesse dinheiro para fênix.

Os olhos de Jin e do Jeon, quase saltam para fora, literalmente após ouvir o que acabei de falar.

— E essas marcas ? - perguntou Jeon com raiva nos seus olhos — Foi o infeliz do fênix ?

— Sim, eu era espancada todo dia a noite, pois era seu maior prazer me ouvir gritar e chorar - ri sem vontade — Ele dizia que podia gozar, só de ver meu sangue escorrer pelo chão - abaxei a cabeça e limpei novamente minhas lágrimas que insistia molhar meu rosto.

– Você quer continua ? - perguntou Jimin e ergui minha cabeça concordando.

Respirei fundo e pus uma mecha do meu cabelo atrás da orelha.

— Com que idade começou às agressões e os abusos ? - perguntou Jin com seus olhos marejados.

— Com 15 anos ! - reprimi meus lábios, para não chorar — Jimin ? - o chamei e ele direcionou seu olhar a mim — Quero parar - pedi com a voz chorosa.

— Acho que tá bom por hoje - disse ele se levantando — Descanse, você precisa - sorriu e se afastou.

— Irei perdir para virem te ajudar tomar banho e fazer curativos em você - disse Jin e eu assenti me deitando novamente.

— Amanhã estarei aqui, você não tá sozinha - disse Jeon antes de sair com Jin e Jimin.

Assenti e acompanhei o mesmo com meu olhar até sumir do meu campo de visão .


Jeon Jungkook foi o anjo que eu tanto pedi ?



Notas Finais


Então esse foi o capítulo de hoje ❤

🐰— Se gostarem comentem e favoritem ❤

🐰 — Tentarei trazer um capítulo por dia ou um dia sim / dia não, depende de vocês ❤

Até a próxima bjs da drika 💋💋


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...