História A garotinha inútil, cresceu. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Inochi Yamanaka, Itachi Uchiha, Naruto Uzumaki, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Sasusaku Naruhina
Visualizações 29
Palavras 2.614
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiie, mais um capítulo.
Boa leitura a todos!
❤😘

Capítulo 2 - A garotinha inútil, morreu.


Fanfic / Fanfiction A garotinha inútil, cresceu. - Capítulo 2 - A garotinha inútil, morreu.

A garotinha inútil, morreu.



"Fechando os olhos relembro do meu pensar vazio
Que me atava à insegurança e medo infântil
Do que adianta sonhos sem boa auto estima?
Escrevia em minha vida uma poesia inteira com a rima
Inútil, sem praticar qualquer habilidade
Tão futil, não agi como ninja de verdade
Cega pela paixão, murchando em meu próprio jardim
Como eu seria ajuda caso alguem precisasse de mim?"

(Felícia Rock)


Mais uma semana havia se passado rapidamente na Vila oculta da folha. Todos se levantavam de suas camas para se preparar para mais um dia. E já alguns outros saiam de suas respectivas casas para levarem suas crianças pequenas para a escola. 


Sakura Haruno, termina de tomar seu banho quentinho e em poucos minutos se veste. Logo desce lentamente pela a escada comprida da casa dos Harunos, seguindo rumo ao corredor que dava diretamente para a cozinha da grande casa. 


Ainda estava muito magoada com tudo que aconteceu, conseguia ouvir plenamente a voz de Uchiha Sasuke falando aquelas coisas horríveis para ela.


Palavras tão cruéis, que a deixaram completamente dilacerada por dentro! Não, ela não conseguia entender como depois de tudo isso e tantas outras coisas que ela já passou. Como ainda podia continuar amando aquele Uchiha frio e insensível? Ele era um veneno letal para sua alma cheia de profundas feridas e abismo.


Uchiha Sasuke, ele nunca ligou para os seus sentimentos, sempre a desprezou com todas as suas forças. Sempre a menosprezou e deixou bem claro para ela a sua repulsa! Na verdade, Sakura sempre seria a irritante para ele. 


Sou tão idiota... — Escuta sua Sakura interior, falar audívelmente em sua cabeça. 


A rosada fecha os olhos esmeraldinos e balança a cabeça para os dois lados, fazendo os cabelos róseos se movimentarem no embalo da sacudida. Com suas mãos pálidas e pequenas, pega delicadamente a xícara de café preto meio amargo. Senta-se a mesa levando a xícara em instantes aos lábios avermelhados e sorve quase todo o líquido quente em segundos.


Levanta os olhos a cima da parede de azulejos claros e ver ali um relógio antigo de parede. Esse que pertencia aos seus falecidos pais, antes de morrerem naquela guerra maldita! Sakura foca o olhar em seus ponteiros por alguns segundos, logo desviando a atenção daquele objeto e voltando a se perder minuciosamente em seus pensamentos.


Como queria ser mais forte, mostrar para todos que Sakura Haruno não é tão fraca como eles todos pensam. Queria ser capaz de enfrentar seus inimigos interiores de dentro. Mas as vezes desconfiava que eles fossem mais forte  que ela mesma. 


— Merda... — Xinga baixinho, pegando um pano em cima da mesa de granizo e limpando onde havia respingado um pouco de seu café preto meio amargo. 


Aperta o pano entre os dedos finos, lembrando-se que havia marcado com Ino e a princesa Tsunade de se encontrarem na rua, e partirem para o local do evento que a Hokage vai dar hoje na aldeia.


Não seria nada exagerado, apenas uma festinha de ações de graça, em prol de ajudar as pessoas que perderam tudo depois da última guerra que se acendeu. 


A flor de cerejeira não podia negar, não estava nenhum pouco animada para festas. Mas sempre foi uma mulher de honrar com suas palavras e com seus compromissos! Se ela disse que iria, então ela vai. 


Desconfiava que Ino estivesse percendo coisas de mais, ultimamente. Pois a loira sentia-se no direito de lhe perguntar se ela estava bem. Por mais que Sakura soubesse que nunca iria dizer nada. Mesmo não estando, como ela não estava bem, não iria falar mesmo. Não tinha porque preocupar seus amigos, sua melhor amiga.


Levanta-se da mesa e pega seu sobretudo vinho, que estava pendurado em um gancho na frente da porta da sala de estar. Após vesti-lo, sai de casa indo para seu encontro com Tsunade e Ino Yamanaka.


[...]


Meia hora depois, Sakura chega de frente ao enorme ginásio. Local onde a festa ia ser celebrada. 


A rosada olha para os dois lados procurando por Ino e a Hokage Senju. Suspira baixo ao ver que nenhuma das duas mulheres haviam chegado ali. 


— Hey, Sakura-chan!!! — Escuta de longe um grito estridente, acompanhado de uma voz demasiadamente irritante. Naruto! 


— Tsc... Não precisa gritar, Naruto seu baka. 


Sakura se vira para o mesmo, pronta para lhe repreender por está gritando como um débil mental no meio da rua. Mas se surpreende ao se deparar com uma cena cômica pra ela.


Sim, Naruto Uzumaki estava de mãos dadas com Hinata Hyuuga. Caminhando em sua direção com um sorrisão escancarado na cara, enquanto a morena estava corada, com seu jeitinho tímido de ser.


— O-olá, Saky-chan. — Hinata a cumprimenta, de forma tímida.


Sakura sorrir, puxando Hinata para um abraço apertado. Sabia o quanto a amiga amava aquele loiro cabeça oca! Há quanto tempo Hinata estava guardando aquele sentimento todo dentro dela.


— Olá, Hina-chan. — A rosada mantém o sorriso meigo, olhando dócil para eles.


— Hey, Sakura-chan. Está vendo só? Eu tô namorando a Hinata! — O loiro da outro sorriso inconveniente, deixando a morena Hyuuga vermelha como um tomate e sem graça pelo modo que ele disse. Recebendo um soco na cabeça por parte da rosada, que o olhava feio. — Aii, Sakura-chan!!! — Resmunga choroso, massageando o local da cabeça que fora atingido pela Haruno.


— Que idiota! Olha como fala, seu burro. — Ralha, olhando séria pro mesmo e logo olha pra Hinata como quem diz: Não ligue, com o que ele disse. 


— Eu não falei nada demais, só que... — O loiro continua, sendo prontamente interrompido por Hinata.


— T-tá bom, N-Naruto-kun. — Segura a mão do loiro, apertando delicadamente entre a sua.


O loiro sorri, abraçando a namorada pela cintura com carinho em seu olhar! Sakura olha para os dois e sorrir se sentindo feliz por eles. Naruto e Hinata mereciam toda a felicidade desse mundo.


Em seu interior, sentia-se um pouco triste. Pois quem ela ama, nunca iria olhar para ela com amor ou qualquer outro olhar de carinho! Na verdade, Sakura duvidava se sequer existia amor dentro daquele Uchiha arrogante.


Não, provavelmente não existia nada de bom dentro dele. Estava tão perdida em meio aos seus pensamentos! Que nem se quer ouviu Naruto a chamando já há um bom tempo. 


— SAKURA-CHAN!!!? — Grita alto, próximo ao ouvido da rosada, fazendo-a dá um pulo pelo susto. 


— Argh... Naruto!!! — Trinca os dentes com força, apertando os punhos até os nós dos dedos ficarem brancos. — O que é? Peste.  


O loiro a olha com seus enormes olhos azuis turquesa, colocando a mão no queixo e a analisando na cara dura. Gesto que a deixava mais irritada ainda. Naruto era impossível quando queria, e como era.


— Hum... Tudo indica que você estava pensando no Sasuke-teme, não era? Dattebayo. — O Uzumaki sorrir de orelha a orelha, fazendo Sakura corar fortemente. — Não disse, hehehe! 


— Cala a boca, Naruto, seu baka!!! — Sakura grita, socando a cabeça do mesmo de novo, fazendo o loiro cair sentado meio atordoado no chão.


— N-Naruto-kun?! — Hinata exclama, gaga.


— Desculpa Hina-chan, mas o Naruto as vezes pede pra apanhar. — Sakura diz, olhando feio para o amigo cabeça oca.


Logo sente um abraço apertado por trás, seguido de duas cabeleiras loiras. A rosada sorrir mais leve e retribui o abraço da amiga.


— Oiie, testudinha. — Ino lhe cumprimenta, apertando ainda mais o abraço e a deixando sem ar. — Oiie, Hina-chan e Naruto.


— O-oi, Ino-chan e Hokage-sama. — A morena retribui o cumprimento, olhando-as meiga.


Tsunade move a cabeça em um gesto de cumprimento, enquanto segura as bolsas com ultizilhos para a decoração da festa.


— Iaee, Tsunade baa-chan... Aii!!! — Naruto tenta abraçar Tsunade, mas é prontamente parado com um soco dado pela mesma. 


A loira mais velha o olha com chamas nos olhos, apertando os punhos com força. Sempre odiou a audácia de Naruto ao chama-la de "vovó". Ela não tinha idade para ser avó, muito menos cara de velha. 


— Ora, seu moleque! Se voltar a me chamar de vovó novamente, eu te quebro todos os ossos da cara. — Aperta os cabelos do mais novo entre os dedos, puxando. 


— T-tá bom, baa... Tsunade-sama. —Se corrige no último segundo, sorrindo amarelo. 


A hokage o mira com seriedade, caminhando para dentro do local da celebração. Sakura e Ino reviram os olhos, soltando uma leve risada acompanhada de Hinata.


— Naruto sempre será tão Naruto. — A Yamanaka fala, rindo. Vendo Hinata e Sakura assentir em concordância.


— Gente, vamos indo. Precisamos começar a decoração! — Anima-se Sakura, puxando Ino pela mão, enquanto é seguida pelo casal de namorados.


Os quatro entraram lá dentro, reparando que tinham muito o que fazer. Faltava apenas poucas horas pra festa começar, então tinham que se apressarem o mais rápido possível. 


Sakura pega uma caixa com fitas e tesouras, indo para um canto mais tranquilo, logo começando a recortar as bandeiras e preparar os artesanatos para a decoração da festa de ações de graça. Observa silenciosamente os seus amigos pegando os materiais e focando-se em seus próprios afazeres.


[...]


18:30 da PM - Festa de ações de graça - Konohagakure.


As ruas estavam cheias de pessoas e crianças animadas, saltitantes. Que agarravam firmemente as mãos de seus pais e saiam correndo em direção as barracas de doces e jogos. 


Cada um se divertia a sua maneira, outros prestigiavam a belaza que ficara o local da festa! Ah, como era bom ter uma festa na Vila, depois daqueles episódios terríveis de guerra. Assim todos podiam se reunirem e se divertirem sem medo. 


Sakura terminava de se arrumar e olhava-se tempo demais na frente do enorme espelho do seu quarto. Estava com um penteado trançado pro lado e uma maquiagem bem leve, destacando apenas olhos e boca! Ajeita o forro de sua saia godê, ajustando também sua blusa de cor vermelha sem decote na cintura. 


Estava muito bonita, não que sua autoestima estivesse lá em cima. Sabia que raramente se achava bonita! Mas ela podia muito bem dizer: Que estava 'apresentável'.


Respira fundo e pega sua carteira de mão, olha-se mais uma vez no espelho para conferir seu visual e logo desce as escadas, saindo de casa. 


Enquanto caminhava em leves passos firmes e sincronizados pelas ruas movimentadas de Konoha, Sakura se perde em pensamentos; pensando no que Naruto lhe dissera hoje mais cedo.


Será que ela estava mesmo pensando naquele moreno rabugente? A verdade é que ela estava cansada de ser pisada e maltratada como uma ninguém. Sabia que não devia mais insistir em algo que não tem mais jeito. Uchiha Sasuke era uma causa perdida para sua pessoa.


Sacode a cabeça para os dois lados, espantando os pensamentos insistentes que rodeavam sua cabeça sem parar. Olha para o palanque onde Tsunade-sama palestrava veementemente, falando com as pessoas de sua Vila. 


Como admirava e amava a sua mestra. A mulher que a acolheu nos braços quando ela mais precisou. E lhe ensinou tudo o que sabia hoje, devia muito a Tusnade.


Não, Sakura não se considerava melhor que sua sensei. Por mais que as aldeias lhe digam isso, sabia que lá no fundo seria impossível de superar aquela que te ensinou a ser forte e destemida, era praticamente impossível de superar Tsunade Senju. 


Sakura olha para trás ao sentir uma mão ralhar em seus cabelos, e se vira dando de cara com quem ela menos queria.


— Karin... — Murmura, num leve mover de lábios. 


A ruiva sorrir cínica, se aproximando lentamente da rosada. Olha Sakura com desprezo e pega uma mecha dos cabelos róseos entre seus dedos brancos.


— A própria, em carne e osso. — Sorrir mais grande, olhando nos olhos esmeraldinos com extrema falsidade. 


Sakura se afasta de perto dela, franzino o cenho e olhando para a mesma sem esboçar nada em sua face. 


Vai lá, quebra ela!!! — Ouve sua Sakura interior, gritando alto em sua cabeça. Balança a cabeça pros lados, mantendo o olhar firme sobre a ruiva a sua frente.


— O que faz aqui, Karin? — Pergunta, indo direto ao ponto, nunca gostou de arrodeios.


A Uzumaki solta um riso forçado e mexe nos próprios fios ruivos.


— Ah, eu? — Aumenta o sorriso maldoso, fazendo questão de ser cínica com a rosada. — Eu vim ver o meu Sasuke-kun, ele disse que estava com saudades da única mulher da vida dele. — Karin olha para as unhas compridas esmaltadas de preto, fazendo pouco caso da Haruno. 


Sakura sente seu coração acelerar, enquanto a dor que ela não sentia há muito tempo, invade-lhe por inteiro. Mas como sempre, disfarça! Jamais daria o gostinho de Karin zombar dela.


— Que legal. — Sorri forçada, sendo claramente sarcástica. 


— Sabe, Sakurinha... — Dá um passo a frente da rosada. — Eu estive conversando seriamente com o Sasuke-kun, e olha, fiquei sabendo de umas coisas... 


— É mesmo? Não estou nem um pouco interessada.


Sakura se vira para sair dali, mas logo sente a mão da ruiva agarrando seu braço e lhe virando de volta pra ela. 


— Tem certeza, Saky-chan? Mas eu prefiro dizer mesmo assim. — Aperta o braço da rosada mais forte, fazendo questão de encara-la nos olhos verdes com deboche. — Ele disse que você é uma irritante, que ele jamais olharia para alguém tão chorona e inútil como você. Sabe Sakurinha? O Sasuke-kun tem nojo de você, porque você é feia e não serve para nada além de chorar e atrapalhar as missões dos outros. — Karin fala cruelmente, humilhando Sakura na frente de todos. 


As pessoas ao redor delas murmuravam baixinho e comentavam entre si, fazendo burburinhos enquanto se juntavam para verem a ruiva humilhando a médica-nin com covardia. 


Sakura tentava inutilmente lutar contras as lágrimas que ameaçavam caírem de seus olhos claros! A moça de cabelos róseos ouvia aquelas palavras frias ecoando repetidas vezes em sua mente, como uma tortura. 


— M-me solta... — Sente a voz falhar e um nó apertado se formar em sua garganta, sentindo lágrimas escorrerem por sua face avermelhada livremente. 


— Que foi? Eu falei a verdade. Não foi mesmo, Sasuke-kun? — A ruiva sorri, com os olhos brilhantes, olhando pro Uchiha que estava atrás da Haruno. 


— Hm. — Sasuke resmunga, dando de ombros. 


Aquilo fora a gota d'água, havia quebrado o resto do coração que pulsava dentro dela. Então ele estava o tempo todo ali? Não, ela não merecia isso. Era demais pra ela. 


— Eu disse para me soltar. — Puxa o braço com toda a força, quase derrubando a ruiva pela brutalidade do movimento. Olha para Karin com frieza e impassibilidade. — Eu prefiro ser inútil, fraca, choron e feia. Do que ser tão vadia e sem qualidades como você! — Sorri amarga em meio as lágrimas, sentindo o brilho de seus olhos aos poucos sumirem. — Mas a minha dignidade ainda continua intacta e de pé. Sem aparências e futilidades, assim como a sua. — Levanta a mão e circula seus dedos finos ao redor da garganta da ruiva sem sal, apertando com força. — Da próxima vez que abrir essa sua boca imunda, para falar qualquer coisa que diga ao meu respeito. Eu quebrarei o seu pescoço, como se quebra o pescoço de uma galinha qualquer. Porque é isso que você é; uma qualquer. — Solta a ruiva, jogando-a com força no chão. 


Olha para a multidão que as rodeavam, passando ao meio do povo e saindo dali sem esboçar nada. Não teria mais piedade de ninguém, ai daquele que ousasse se meter em seu caminho de agora em diante.


A garotinha inútil, morreu. 




Continua...?


Notas Finais


Foi isso aí, meus amores! Espero que gostem. Me perdoem também se houver algum erro de escrita ou ortográfico. Muito obrigada a quem leu e até o próximo capítulo. Beijão! ❤🌷


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...