História A Gêmea de Reiji - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers, Uta no Prince-sama: Maji Love 2000%
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Tougo Sakamaki "Karlheinz", Yui Komori, Yuma Mukami
Tags Drama, Incesto, Reiji Sakamaki, Romance
Visualizações 183
Palavras 3.163
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - VI


Enquanto isso na barraca de Shu e Reiji...

Shu e Reiji foram obrigados a dormir na mesma barraca, e cada um estava na ponta de cada lado do colchão, quase caindo por motivos frescos de “anti-yaoi”.

Ambos não conseguiam dormir graças ao barulho perturbador de gemidos na barraca ao lado. 

- Maldito seja... – Eles se olham. – Tsc!

Flashback

Reiji estava com Yumi adormecida em seus braços, enquanto Shu discutia com o mesmo.

- Ela vai dormir na minha barraca!

- E se você tentar algo? Ela dorme comigo!

- TSC! Olha quem fala... É mais seguro ela dormir na minha barraca do que dormir com...

- VOCÊ! - Dizem os dois juntos.

- Acho melhor ela dormir na minha barraca... Sou amigo dela, e é melhor do que com vocês dois... – Diz Ai empurrando Reiji e Shu e arrancando Yumi dos braços de Reiji, e em seguida andando tranquilamente com Yumi no colo para a barraca.

Narrador 

 - Tsc... Eu não deveria ter deixado...

 - Maldito seja...

E assim os dois irmãos ficaram a noite toda ouvindo os gemidos de sua irmã com outro cara.

Fim da História. (Só que não...)

Enquanto isso na barraca de Renata e Subaru...

Renata 

- Sabe Renata... Faz um tempo que você tem andado distante... – Diz Subaru engatinhando até mim. – Nós não conversamos mais como antes...

- É verdade... Eu estou com saudade de passar um tempo com você... Nós poderíamos ir tomar banho de cachoeira, se você quiser.

- E aproveitando que não tem ninguém por perto e já é noite...

Subaru nem me espera dizer alguma coisa e nos teletransporta para uma fonte.

- Uou... Vai com calma, eu nem coloquei a minha roupa de banho...

- Você não vai precisar disso... – Diz ele rasgando o meu vestido.

- Você ficou doido?! Essa roupa era nova...

- Depois você compra outra. – Ele me empurra no rio. Eu dou um grito.

- S-Subaru! Eu n-não sei nadar! – Antes de eu terminar a frase ele já tinha pulado na água e me segurado.

Ele me olha por alguns segundos.

E então me beija.

Não vou mentir, o beijo foi molhado... Mas mesmo assim foi bom.

Ele me segurava em seu colo. Logo o mesmo me dá outro beijo. Tivemos que nos separar pela maldita falta de ar, e quando me dou conta...

R.I.P. ROUPAS ÍNTIMAS. 

- S-Subaru... Eu não vim aqui pra isso...! – Ele coloca um dedo em meus lábios.

- Shhh... Vem satisfazer o seu namorado... Apenas não estrague o momento. – Diz ele beijando o meu pescoço. Um arrepio percorre a minha espinha.

Ele tira suas roupas, me fazendo me espantar... Tipo... Assim do nada?!

Subaru me penetra com dois dedos, e solto um gemido. Ele começa movimentos de vai e vem lentos.

O mesmo aumenta a velocidade dessa vez com três dedos. Ele novamente me beija, mas sem parar com o trabalho dos dedos.

- Você gosta quando eu te toco assim...? – Diz ele diminuindo a velocidade, e agora me penetrando com apenas dois dedos. – Onee-chan...?

- E-Eu gosto quando v-você me toca assim... N-Não me tortura! Eu nunca fui má com você!

Subaru tira seus dedos da minha intimidade, e se coloca entre as minhas pernas. Ele me penetra sem aviso prévio. Solto um alto gemido.

Ele começa a se movimentar lentamente.

O mesmo começa a estimular meu clitóris com o dedo, e eu estava gemendo muito.

Subaru tentava conter os gemidos com medo dos outros ouvirem... Já eu? Eu já tinha perdido a minha sanidade... Estava gemendo loucamente enquanto Subaru já estocava com muita agilides. Eu já tinha perdido a cabeça.

Logo dois gemidos mais altos do que os demais foram ouvidos... Indicando que gozamos juntos. Nossos gemidos saíram em perfeita harmonia naquela floresta silenciosa... Eu abraço o peito de Subaru.

Ele me abraça.

- Obrigado... Por me satisfazer... – Diz ele ofegante.

Eu não digo nada, apenas fecho os olhos e adormeço.

***

Acordo na barraca vestindo uma camisa de Subaru. O mesmo ainda dormia, e estava me abraçando por trás.

Tento me levantar, porém Subaru me puxa de volta e me abraça novamente, me fazendo ficar de frente para seu peitoral, me fazendo sentir sua fragrância viciante.

- E-Eu posso sair...? – Pergunto hipnotizada pelo seu perfume.

- Não... – Responde ainda sonolento, me imprensando ainda mais com o seu corpo.

Tento o empurrar, mas ele é muito forte... Então não adianta. Vou ter que voltar à dormir...

Yumi

Acordo com Ai dormindo tranquilamente em cima de mim... Até aí tudo bem... Mas... Ele estava... PELADO?!

Espera... Eu também estou pelada! E Ai está dormindo em cima dos meus peitos.

O QUE NÓS FIZEMOS ONTEM?!

*Musiquinha de Flashback*

" Eu me sinto culpada... Estou tirando a virgindade do Ai!

Como esse Android Sente Prazer?

- Puro? Vou te mostrar o puro...

- V-Vai mais rápido! "

Ele é tão... Tão... Perfeito.

I-Isso n-não foi um s-sonho?!

Tá na cara que não... Quem dorme com um cara super gato dentro de uma barraca fechada, e não faz nada?? – Penso fazendo carinho nos cabelos ainda soltos de Ai.

Com Reiji e Shu...

Os gemidos finalmente haviam cessado.

Mas logo quando Shu estava pegando no sono, o som de gemidos novamente invadiu os ouvidos de Shu.

E os gemidos não eram de Yumi...

- Não... A minha Imouto não! – Diz ele se segurando para não sair da barraca e arrebentar a cara do homem que estava dormindo com sua irmã.

- Essa noite vai ser longa... – Diz ele tentando se concentrar em seu livro ao som dos gemidos. Sem sucesso. – Tsc... Espera... Ouvi uma voz... Aquela era a voz do Subaru...

- Maldito...

- Eu não entendi muito bem... Ele disse algo parecido com: “Você gosta quando eu te toco assim...?”

- MALDITO SEJA! SUBARU VOCÊ VAI SE VER COMIGO!

Shu não suportava a ideia de sua irmãzinha transar... Por ele ela ficava virgem pra sempre.

Já Reiji... Ele queria ver o circo pegar fogo. Shu havia tirado a pureza de sua irmãzinha. Agora ele que aguente as consequências.

- Acho melhor você apenas ouvir os gemidos de Subaru com sua irmãzinha... Se interromper Subaru vai querer te matar e Renata vai ficar uma fera... – Diz ele indiferente, mas rindo por dentro.

 - Ah Subaru... Você está ferrado...

***

No dia seguinte… Bom… vou resumir.

Ai, Subaru, Renata e Yumi, dormiram feito pedra.

Pena que não posso dizer o mesmo de Shu Reiji… Pobres vampiros.

Reiji estava com a cabeça nas nuvens, imaginando como pôde deixar que Ai, simplesmente a arrancasse de seus braços…

E dormido com a sua Imouto-chan.

Shu… Só pensava em matar Subaru com suas próprias mãos… E estava pensando seriamente em trocar ideias de como matar da maneira mais dolorosa possível com Reiji, que manja desse tipo de assunto.

- Mais e então… Reiji… Você pode me emprestar aquele seu livro que contém variáveis métodos de tortura…? - Pergunta Shu com esperança.

- Não vai dar não… Estou usando ele agora… - Então Shu reparou que Reiji estava folheando o livro em busca de torturas dignas.

Shu se aproximou de Reiji; Nem muito longe nem muito perto… (Eu shippo!!! Yaoi!!!) e começou a ler com o mesmo.

Na barraca de Yumi e Ai…

Yumi estava pensativa… Se perguntando… O porquê da mesma ter dormido com Ai…

Isso… É errado! - Pensa ela. - Eu estou noiva dos meus irmãos… Mas… Já está feito.

Yumi vestiu uma lingerie nova, e suas roupas casuais. Saiu da barraca e começou a adentrar a densa vegetação da floresta proibida (GUARDE BEM ESSA PALAVRA!).

O fato de usar botas ajudava a mesma de andar dentre a vegetação densa.

Logo, depois de andar por alguns minutos, Yumi percebeu que estava perdida.

Ótimo… Estou perdida. - Pensa ela. - Eu já estou ferrada mesmo…

Um vento forte bate.

E o que a trouxa faz? Como o vento não era o suficientemente forte, Yumi começa a correr.

Continue a nadar, continue a nadar(Não me segurei)…

Yumi para de correr ofegante. Ela olha para o céu quase inexistente, coberto pelas árvores.

O dia estava ensolarado. Graças à vegetação, a floresta estava escura; Mas não chegava a ser assustadora.

Yumi dá um passo para frente, e se assusta. Ela estava à beira de um penhasco! A mesma tinha pisado em falso na rocha, e por um fio não perdeu o equilíbrio.

Yumi tentou se teletransportar para a sua barraca… Porém não conseguiu.

O-O que é isso?! Meus poderes não estão funcionado desde… O-Ontem?! - Pensa ela entrando em desespero.

Sem poderes a garota não passava de uma adolescente normal. Frágil, delicada… E… Fraca.

- Ficar sem poderes é ruim… Não acha…? - Fala… Kino.

O príncipe vampiro.

- K-KINO! N-NÃO SE APROXIME! - Grita ela dando um passo para trás.

- Por que não…? Está me estranhando? - Ele dá um passo em sua direção. - Não vou te fazer mal, minha princesa… Yumi. - Fala ele sarcástico.

Yumi arregala os olhos, e dá mais um passo para trás, pisando onde não havia mais chão, e assim caindo do penhasco. Kino corre até ela, e tenta a segurar pelo pulso, porém não foi rápido o suficiente.

- Droga! - Grita ele frustrado.

Yumi caía rapidamente do precipício… Sua vida toda passava em câmera lenta em sua cabeça. 

As brigas de Ayato… O beijo de Yuma… A preguiça de Shu… Renata a provocando… Reiji sempre cuidando da mesma.

“Não sei o que seria de mim se algo acontecesse com você… Saiba que eu te amo.” - Yumi lembrou-se da frase recente que Reiji lhe dissera.

- Me desculpe por morrer assim, Onii-chan… - Diz ela segundos antes de cair no rio presente no fim da queda.

A correnteza forte fez com que a mesma batesse a cabeça em uma rocha, causando um machucado.

A cor vermelha do sangue logo foi levada pela fortíssima correnteza.

Yumi imediatamente perdeu a consciência.

Lutando para se manter acordada, só conseguiu pensar na figura de um anjo lhe salvando em uma hora dessas.

Acabou pra mim… - Pensa ela logo desmaiando com a pancada, e a dor.

As águas cristalinas levaram o corpo inconsciente de Yumi para cada vez mais longe… E mais fundo.

O corpo frágil de Yumi não sobreviverá submerso por tanto tempo…

O rio responsável por vários assassinatos a cada ano desagua em um pequeno e isolado igarapé.

Era raso; Na autura de um tornozelo. E o chão era cascalho no lugar de areia; Fazendo com que a pele branca de Yumi se ferisse cada vez mais. 

O pequeno igarapé era realmente pequeno… Do tamanho de uma piscina de dez mil litros.

***

Haviam se passado cinco horas. E Yumi continuava com a vida sustentada por apenas um fino fio de seda. O igarapé agora estava tingido de vermelho, graças aos diversos graves ferimentos de Yumi.

Logo a mesma iria morrer de perda de sangue… Desidratação… Ela poderia morrer de traumatismo ucraniano… Apenas um milagre faria Yumi sobreviver à isso.

Não muito longe dali… Renata estava seguindo uma trilha que levaria até um riacho… Ela iria se banhar no mesmo.

Chegando no igarapé, Renata observa a água suja de sangue… E solta a toalha que estava carregando.

- Como isso aconteceu?! - Se pergunta assustada.

Seus olhos correm pelo lugar… E param quando a mesma avista um corpo ensanguentado. Ela reconhece o rosto, e as roupas rasgadas… Renata dá um grito de desespero e dor, e corre até a irmã. Segura seu rosto, e começa a dar tapinhas fracos com esperança de que a mesma recuperasse a consciência.

- Yumi! Por favor! Fala comigo! - Ela grita com lágrimas nos olhos.

Renata abraça o corpo ainda inconsciente de Yumi.

- Por favor! Eu te amo! Vamos, acorde! Você é a minha melhor amiga… É você quem eu quero defender! É você quem eu quero irritar… Apenas... Acorde… - Diz Renata chorando com a voz já fraca.

Na barraca de Reiji e Shu… Os garotos ouvem gritos de desespero, e imediatamente olham um para o outro.

- Renata?! - Dizem os dois uníssono saindo em disparada em direção ao grito.

Shu estava preocupado. Nunca tinha ouvido Renata gritar desse jeito. Era um grito de… Sofrimento. Esse pensamento fez com que o mesmo corresse mais rápido.

Os gritos eram perturbadores. Renata estaria sofrendo tanto a esse ponto? Reiji estava curioso e preocupado.

Os dois chegam no igarapé, e imediatamente veem Renata aos prantos abraçada à um corpo morto.

Reiji tenta identificar o rosto… Yumi.

O mesmo corre até Renata e pega Yumi nos braços, e colando suas testas. Lágrimas finas desciam de seus olhos.

- O que você fez agora… Sua idiota! - Diz ele com dificuldade, graças aos soluços.

Shu imediatamente abraça Renata, e tampa seus olhos, para não ver o corpo quase que mutilado da irmã. Ele a impede de chegar perto, e a mesma desesperadamente tenta chegar perto de sua irmã… Morta.

Reiji abraça o corpo.

- Shu… Vamos! - Chamou Reiji impaciente.

- Pra onde? - Pergunta ele cabisbaixo.

- Salva-la, idiota! É um milagre que ainda esteja viva… - Diz ele olhando para Yumi, e logo em seguida desaparecendo.

***

- Como é que é?! - Grita Karl frustrado.

- Calma… Você vai sobreviver sem a sua preciosa “princesa dos vampiros”... - Diz Kino totalmente despreocupado.

- URUSAI! (Cala a boca/Calado) - Karl começou a andar de um lado pro outro.

- Vai acabar fazendo um buraco no chão, Coroa! Aliás, o meu quarto está…

- Me deixe sozinho.

- Mais…!

- AGORA! - Grita ele se virando com fúria para Kino. - Não sou obrigado a suportar suas reclamações depois de uma incompetência sua! Você não está em posição de exigir nada, Kino. (Turn Down For What!) - Karl estava ofegante de raiva. Kino imediatamente fez uma curta reverência, e se retirou da luxuosa sala do trono.

Ao ter certeza de que estava sozinho, Karl quebrou o cristal do lustre, e as janelas. Os cacos de vidro logo fizeram cortes que logo cicatrizaram no mesmo. O chão agora estava coberto de vidro.

- Aquele… Incompetente! O que… - Karl se ajoelhou no chão coberto de cortantes. - Eu farei…? - Ele apoiou sua testa no chão, a cortando.

Vocês não devem estar entendendo…

Karl pediu à Kino, para ir buscar sua amada filha, Yumi; E trazer para seu castelo.

- Eu pedi apenas uma coisa… Como ele pode ser tão incompetente à esse ponto?! - Grita ele frustrado. - Até parece que não tenho sorte nesta vida… Agora só me resta a minha Renata… E os lixos dos meus filhos… - Se lamenta ele. - Isso… É frustrante!

  ***

- Mais e o Subaru…? - Pergunta Renata com a voz fraca.

- Subaru que se foda! Vamos para casa! - Diz Shu segurando Renata para que a mesma não se soltasse e fosse atrás do albino. Depois de uma luta, Shu conseguiu enfiar Renata a força na limusine, e a mesma deu partida.

Todos estavam presentes na limusine, menos Subaru. Shu estava com sede de vingança, e decidiu abandonar o pobre albino.

Todos estavam surpresos, e abalados pelo que aconteceu à Yumi. Reiji estava com a mesma no colo, fazendo carinho em seus cabelos. Renata estava sentada ao lado de Reiji; O simples fato de estar próxima à irmã já bastava.

  ***

Depois de três torturantes horas, os garotos chegaram à mansão, e Reiji levou Yumi para o seu quarto de imediato, e já a colocara em sua cama.

- Tsc… Droga. - Murmura ele enquanto despia a irmã. (Não pensem em besteiras!)

Quando Yumi estava completamente nua, Reiji tentou limpar os ferimentos de áreas perigosas sem pensar em coisas pervertidas.

Quando Yumi estava completamente limpa, Reiji a cobriu de esparadrapos e curativos, a vestiu com uma roupa bem leve,  a cobriu com um lençol fino. O mesmo se sentou na beira da cama, ao seu lado, e segurou a sua mão, olhando fixamente para o rosto da mesma.

- O que você fez agora, sua idiota…? - Murmura ele.

  ***

- Shu-nii… Eu acho que vou tomar um banho. - Diz Renata se levantando da cama.

- Espera! - Diz Shu agarrando o pulso da mesma. - Você… Não quer que eu te dê banho? - Renata corou violentamente e saiu de perto de Shu. - É que você ainda parece em choque… Estou com medo de você tentar se matar lá dentro. - Diz ele agarrando novamente o pulso de Renata.

- N-Não seja tonto! Por que eu iria querer uma coisa dessas?!”

- Você era muito próxima da Yumi…

- De qualquer maneira… Acho que vou ter que recusar a sua generosa oferta… - Renata rapidamente pega uma toalha e se tranca dentro do banheiro. Shu se senta na beirada da cama e solta um suspiro.

- O que ela pensa que eu sou…? Um estuprador? - Murmura ele consigo mesmo.

"Tecnicamente você É um estuprador. Tem noção de quantas noivas de sacrifício quase engravidaram de você?" A consciência de Shu fala.

- Tsc… - Shu se deita na cama e coloca seus fones de ouvido, logo fechando os olhos e apenas contemplando a doce e tranquila melodia da música.

- Acho que não foi desta vez, soldado… - Diz Kino, que apenas observava tudo da janela.

- Saia daqui, verme repugnante… - Diz Shu ainda sem abrir os olhos.

- Não seja malvado, “Shu-kun”... - Ele fingiu estar ofendido, e então se senta na cama. - Como estão lidando com a morte da minha “princesa”...? - Shu abre um olho.

- Como sabe disso? - Fala Shu se virando para Kino, com os dois olhos abertos.”

- Como eu sei? O príncipe dos vampiros precisa estar sempre atualizado das novidades… (Essa frase saiu um pouquinho gay...)

- Aliás… Kino. Apenas eu posso chamá-la de “minha princesa”. Seu corpo e alma não são dignos de pronunciar tais palavras para Yumi.

- Vocês nobres são tão arrogantes… Acham que apenas por estar com um título mais alto podem tratar as pessoas como lixo. É por isso que eu odeio os aristocratas.

- Ninguém perguntou a sua opinião. - Diz Shu acostumado a dar patadas. -  Mais uma coisinha… Yumi não está morta.

"Com certeza não está, seu otário." Pensa Shu.

- Não está morta? Tenho que avisar isso para Karl… Ele não sabe disso, e está destruindo o castelo todo. Quem não o conhece até pensa que ele é uma decepção, por não conseguir manter o controle. - Kino se levanta da cama, e se aproxima novamente da janela. - De qualquer forma… Eu vou indo. Já devem ter sentido falta do gostoso aqui. Então tchau! - Kino se joga ainda de costas para a janela, e imediatamente, milímetros antes de encontrar o chão, se teletransporta para o castelo de Karl.

- Ele é ainda mais repugnante de perto… Como isso é possível? - Diz Shu fechando novamente os olhos, e adormecendo.

  ***

- SHU! ACORDA SEU DESGRAÇADO! - Grita Subaru com raiva. Shu abre os olhos lentamente, e vê o albino todo molhado, e começa a rir descontroladamente, levando um soco de Subaru. - VOCÊ ACHA QUE EU ESTOU BRINCANDO?!

- VOCÊ É IDIOTA?! - Diz Shu depois de se recuperar do soco.

- FOI VOCÊ QUE TEVE A BRILHANTE IDEIA DE ME DEIXAR PRA TRÁS, NÉ SEU MERDA?!

- VOCÊ QUE DORMIU COM A MINHA IRMÃ!

- IDIOTA! UMA HORA OU OUTRA ISSO IRIA ACONTECER! - Subaru estava indignado, Shu havia o abandonado por uma “besteira” dessas?

- Mais eu preferia que não fosse tão cedo… - Shu disse quase inaudivelmente, que se Subaru não tivesse a super audição, não conseguiria escutar.

- Você também tirou a pureza da Yumi… Então não pode dizer nada de mim com a Renata. - Subaru saiu do quarto.

Shu imediatamente se teletransportou para o seu quarto, e se jogou em sua cama, desejando que nada disso que estivesse acontecendo fosse realmente verdadeiro.

O mesmo fecha os olhos, e segundos depois, sem dificuldade alguma adormece. (Novidade)



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...