História A guarda do Kazekage - Capítulo 2


Escrita por:


Capítulo 2 - Fogueira cerimonial


Fanfic / Fanfiction A guarda do Kazekage - Capítulo 2 - Fogueira cerimonial

No clã hamada não é admitido homicídio, os Hamada não matam uns aos outros, eles se protegem.
Regra n°1 do manual de convivência Hamada



Eu dormi por menos de duas horas até akemi me acordar puxando minhas cobertas e batendo em minha cabeça com um travesseiro.

— vai dormir akemi.— reclamei antes dela me puxar pelos pés até o chão.

— o Yudi quer você na sala para uma reunião.— ela disse pausadamente batendo na minha cara com um travesseiro.

— Então ontem realmente aconteceu?— perguntei me lembrando de tudo, e me segurando para não chorar.

— Aconteceu.— ela disse fungando.

Nós descemos as escadas juntas em silêncio, não tinhamos o que falar, não sabiamos como reagir, mas era como se tudo que aconteceu ontem fosse só um sonho ruim.

Todos estavam lá sentados na mesa por ordem de idade, tendo na ponta Yudi, entre kenichi e Yui, ao lado de Kenichi estava Ryuzaki,de frente para Ryuzaki estava Rikki e depois deles tinham dois lugares vagos, depois do lugar vago estavam Hiroshi e Sayuri, depois de Hiroshi, estava Tochyko e de frente para ela Yumi em sua cadeirinha de bebê. Na outra ponta estava Chie.

— Como vocês sabem, nós vamos ter que reorganizar os cargos ocupados pelos membros do clã.— disse Yudi sério.— como os mais velhos, eu, Kenichi e Yui ocuparemos o posto de líderes principais.

— Chie vai continuar como representante dos Hamada no conselho de anciãos.— disse kenichi calmo, Kenichi embora seja menbro do clã, não tem nenhum parentesco comigo, na verdade os sobreviventes estão divididos em duas metades, os meus parentes, que seriam yui, yudi, Akemi, Sayuri, Tochyko, Oroka( meu irmão mais velho) e yumi. E o restante são os netos do Chie, sendo eles Ryuzaki, Rikki, kenichi e Hiroshi.

— Acho que Rikki e Ryuzaki poderiam trabalhar na anbu, são habilidosos e ocupariam posição de liderança rapidamente.— Disse Yui, seus olhos cor de mel estavam avermelhados por chorar e seus cabelos loiro escuros estavam bagunçados levemente.

— mas ai sobraria o cargo de Guarda costas do Kazekage para Akemi e Saori, e eu não acho que elas serão adequadas, são jovens demais, Saori tem aquele problema nas cartilagens que impede ela de lutar a curta distância e Akemi não desenvolveu o Kekkei Genkai ainda.

— E mesmo assim somos mais fortes que você.— Disse Akemi com raiva.— o controle do elemento terra da Saori é melhor que o seu, e eu sou mais forte que a maioria das pessoas aqui.

— Continua sem experiência, são apenas genins.— ele disse sem se afetar pela morena.

— E você acha que o fato de eu ser uma genin me impede de te dar um sacode?— perguntou Akemi se levantando.

— para falar na verdade, sim.

então o fogão ligou sozinho e uma chama quase acertou o rosto de kenichi.

— olha só, uma dominadora do fogo, como você vai treinar o kekkei genkai que desbloqueou agora e proteger o kazekage ao mesmo tempo?— perguntou o moreno ao perceber que a chama que quase o atingiu era obra de akemi.

— Não sei se você sabe, mas serão nós duas como guarda costas.— eu disse me levantando e olhando kenichi com raiva, e então uma torneira estourou e espirrou um monte de água na direção dele,  parece que não foi só akemi que desbloqueou um poder novo.

— Acho que já resolvemos isso, elas vão ser guarda costas, e os garotos vão para anbu, agora, o que vamos fazer com os menores?— perguntou Yudi.

— O pai de hiroshi era representante exterior do clã quando o Kazekage viajava, ele ia junto para representar os interesses dos Hamada, acho que Hiroshi é adequado para o cargo, mas só quando for maior.— disse Yui e todos concordamos.

— Tochyko e sayuri podem treinar o ninjutsu médico, e assim todas as áreas com um rombo ficam preenchidas.— disse Kenichi.

— mais alguma coisa?— perguntou Chie visivelmente cansado.

— A fogueira cerimonial em homenagem aos que morreram vai ser acesa hoje ao anoitecer. Tochyko, você é melhor com palavras do que todos nós, então vai fazer o discurso. o Kazekage nos deu um recesso de 30 dias para nós nos reorganizarmos e começarmos a trabalhar normalmente, e eu acho que falei em nome de todos quando disse que não queremos mais viver na antiga sede do clã depois do que aconteceu, então vamos nos mudar para um pequeno bairro que tinha algumas casas pequenas livres. Saori, seu irmão vai voltar de Konoha mês que vem, e vocês dois vão ficar responsáveis por suas irmãs menores.

ditas essas palavras nós fomos cada um para o quarto em que dormiu, e por pouco eu não esqueci Yumi em sua cadeirinha de bebê, para falar na verdade eu realmente esqueci, só notei que a pequena existia quando Tochyko apareceu atrás de mim com a menor no colo.

— Saori me espera.— disse Tochyko correndo atrás de mim.

— Desculpa.— eu disse pegando minha irmã do colo dela.— eu só… tô consada.

— Tudo bem, eu cuido dela pra você dormir.— Disse a menor sorrindo para mim.

— Você não precisa fazer isso, eu sou a mais velha.— eu disse respirando fundo e caminhando até o quarto.

— Nós duas sabemos que você não tá muito bem, eu posso cuidar dela até você se sentir melhor.— disse a pequena de cabelos brancos sorrindo para mim.

— Você é tão forte, garota.— eu disse abraçando minha irmãzinha.

— Nós duas vamos ter que ser, para a Yumi ter o privilégio de poder ser fraca quando crescer.— ela disse fazendo carinho nos meus cabelos.

Nós entramos no quarto e eu fiz yumi dormir, enquanto Tochyko escrevia o discurso que apresentaria na fogueira, quando terminou se deitou do meu lado, me usando como travesseiro.

Ela adormeceu lá, comigo fazendo carinho nos cabelos platinados da pequena, e não demorei a dormir juntamente com minhas adoráveis irmãs.



(...)


Já era quase o horário em que seria acesa a fogueira, e eu vestia Yumi com um vestido preto enquanto Tochyko se arrumava.  A garota de cabelos brancos usava um kimono preto igual ao meu, e eu havia amarrado seus cabelos num rabo de cavalo baixo.

Meus cabelos estavam presos pela metade por uma presilha pertencente a minha mãe, e assim como minha irmã eu usava um kimono preto até meus joelhos. 

Sai do quarto encontrando meus colegas todos de preto, e em silêncio nos fomos até a antiga cede do clã, onde seria feita a fogueira.

Pegamos lenha no deposito de mantimentos e arrumamos tudo, eu pude ver que diversos shinobis que não eram do clã apareceram para ver o evento, eles não percebiam que aquilo era algo privado e pessoal?

Akemi foi até mim e ficou parada do meu lado, Ryuzaki repetiu o gesto, assim como todos os menbros do clã restantes, agora nós formavamos uma roda em volta da fogueira prestes a ser acesa.

Ryuzaki pegou um pedaço de madeira seca e usou seu kekkei genkai para incendiar a ponta do mesmo, Hiroshi e akemi imitaram o movimento do garoto de cabelos e olhos negros, e acenderam a fogueira.

Reparei que grande parte da vila estava nos observando naquele momento, incluindo o kazekage e seus filhos. Tochyko deu um passo a frente iniciando seu discurso.

— Nosso clã surgiu muito antes de suna, nós viemos de uma plantação de arroz, e então viemos para cá e nos tornamos a principal arma do Kazekage, nós evoluímos, e sobrevivemos a guerras, sobrevivemos a crises, e dentro de nós agora tem a força de todos os entes queridos que perdemos, nós não apenas precisamos nos reconstruir, como nós vamos. Por que é isso que os Hamadas fazem, ser reconstroem, se renovam, por nós, por nossas famílias que perdemos, e pela nossa vila.— disse a garota sem demonstrar a menor tristeza, a mensagem que deveria ser de luto, era mais de esperança do que qualquer outra coisa.— não devemos nos esquecer das pessoas que perdemos, pessoas boas, ninjas habilidosos, nós não sabemos quem os matou nem por que fez o que fez, mas vamos descobrir, e essa pessoa vai pagar, porque ninguém tira a vida de um Hamada e sai impune.

Nesse momento eu já estava chorando, assim como a maioria dos jovens lá presentes.

Nós ficamos mais um tempo lá, pouco a pouco as pessoas iam embora e ficamos apenas nós de frente para a fogueira. 11 crianças e um senhor de 93 anos.

Eu me sentia sem chão, não tinha nenhum pouco da força que precisaria, não fazia a menor idéia de o que faria da minha vida, tinha perdido tudo o que eu tinha, meus pais, meus amigos, a maior parte da minha família.

Como eu iria conciliar cuidar de minhas irmãs mais novas e trabalhar para o kazekage ao mesmo tempo? Como eu iria conseguir cuidar sozinha de uma casa? Eu não sabia nem fritar ovo!

As dúvidas perseguiram a minha cabeça durante todo o trajeto que fiz até a nova casa em que viveria com minhas irmãs, era uma casa com espaço suficiente para quatro pessoas, teria um quarto para cada uma de nós e sobraria um para meu irmão quando ele chegasse de Konoha, uma cozinha pequena e uma sala misturada com sala de jantar, um banheiro perto dos quartos, uma área de serviço e um quintalzinho em que yumi poderia brincar com Tochyko quando fosse maior, não era um lugar ruim.

Levei yumi, que já estava dormindo até seu quarto, colocando ela no pequeno berço que o kazekage mandou montarem para mim, quando eu me sentisse melhor eu passaria na minha antiga casa para pegar algumas coisas de lá, para fazer a casa nova ter uma cara de lar.

Mandei Tochyko ir tomar banho e separei uma roupa para ela por depois, arrumando o quarto dela para ela dormir, e logo a pequena também foi para a cama.

Então foi a minha vez, eu caminhei até o banheiro, tirei minhas roupas e deixei a água do chuveiro me molhar, até que comecei a chorar novamente, eu não sabia mais o que era água do chuveiro e o que era lágrima, eu não aguentaria ficar sem meus pais, eu não aguentaria cuidar delas sozinha, eu era só uma garota de 11 anos, não queria me tornar uma adulta tão rápido.

Não sei quanto tempo fiquei lá, mas quando minhas mãos já estavam ficando enrugadas eu sai do chuveiro e me sequei com a toalha, vesti uma camisola simples e me deitei na minha cama abraçando um travesseiro, não consegui dormir, mas mesmo quando amanheceu eu não saí da cama.

Ryuzaki veio em casa, Tochyko tinha chamado ele por conta do meu estado, então ele levou minhas irmãs para um passeio por suna, e devolveu as mesmas quando anoitecia, yumi tinha sido trocada e já estava dormindo, Tochyko não demorou para ir tomar banho. Elas estavam se virando sem mim, e eu não sentia vontade de me levantar, era como se algo me puxasse para o colchão.

No dia seguinte quem veio foi Akemi, e depois Ryuzaki denovo, eles ficaram se revesando por uma semana para ver quem cuidava das meninas, eu me sentia uma inútil.

Eles de as vezes vinham no meu quarto, me obrigavam a comer, falavam comigo mas eu não respondia, só não tinha forças para isso.

Eles eram tão mais fortes do que eu.

Mas um dia, depois de uma semana e meia, eu subitamente me levantei, e resolvi me reerguer.



Notas Finais


Eai, o que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...