1. Spirit Fanfics >
  2. A guerra entre mundos >
  3. Que belo almoço

História A guerra entre mundos - Capítulo 19


Escrita por:


Capítulo 19 - Que belo almoço


Fanfic / Fanfiction A guerra entre mundos - Capítulo 19 - Que belo almoço

Cascão

Vocês devem estar achando que eu estou dormindo, tá certo ainda é madrugada e estou muito cansando, mas saber que em um dia, eu só consegui fazer uma simples pequena bolinha de ar, enquanto o Cebola simplesmente conseguiu soltar rajadas de fogos, e ainda por cima conseguiu fazer uma espécie de armadura de fogo, claro que, me deu uma certa inveja do Careca, porque sempre foi assim, não importava o quão difícil fosse para aprender, a lutar, a se defender, a usar as armas, a escalar, aprender a falar outras línguas, entre outras lições, ele sempre esteve a minha frente, tudo para ele era fácil, era questão de poucos dias ele aprendia tudo, as vezes me dava uma certa raiva, do senhor perfeição, mas eu não podia desistir, porque se eu fizesse isso, aí sim ele conseguiria, o que sempre almejou, mesmo ele não queira admitir, a solidão. Por algum tempo, eu até pensei em deixar ele provar alguns momentos de solidão, mas eu me arrependo de ter feito isso, porque foi nesses momentos sozinhos, que o Cebola fez as suas maiores burradas, a cobrança a família Hastings e aos os Forkorquents, a missão de recuperar o filho do conde, o desastre do vilarejo de Pigmentom, e por fim, a sua tentativa de suicídio, não sei qual foi a ação mais horrível, mas de uma coisa eu sei, se ao invés de deixar ele sozinho, eu tivesse falado com ele, nada disso teria acontecido, claro que, eu e ele também fizemos algumas coisas horríveis juntos, mas era concordância entre nós dois, e disso, eu não tenho arrependimento,  mas saber que ele fez tudo aquilo, e que eu podia impedir ele, me faz eu carregar um eterno peso, que eu nunca vou parar de tê-lo, por isso eu prometi a mim mesmo e a ele, que nunca, por hipótese nenhuma, eu ia deixá-lo sozinho, e definitivamente, vê ele daquele jeito,  me deu uma motivação a mais de querer ultrapassa-lo, para eu possa lutar ao seu lado, sem que ele sinta o gosto da solidão, eu não podia perder meu tempo dormindo, por causa de um a simples canseira.

-Não vou deixar você seguir sozinho na frente, Cebola. Disse a mim mesmo, enquanto me recuperava, de mais uma tentativa falha, de fazer outra bola de ar.

Magali

Depois de uma boa (quase) noite de sono, acordei um pouco mais ávida, era isso que eu precisava, um bom cochilo, antes de de ir dormir, eu estava exausta, não só fisicamente, como mentalmente também, todo aquele treinamento, mesmo que foi pouco, me deixou cansada, tá certo que diferente dos outros, eu ainda não consigo manipular o meu elemento, então não me esforçei muito nisso, mas sim em aprender o básico de luta, o meu treinamento foi basicamente aprender a dar socos e chutes, bom, é chato, mas não posso negar que preciso disso, por nesse quesito, os outros três estão na minha frente, quer dizer, os três estão na frente em completamente em tudo, principalmente o Cebola, até agora não estou acreditando que ele, de primeira conseguiu manipular o seu elemento com tamanha facilidade, parecia que ele treinava há anos. Mas agora não é hora para pensar nisso, pelo o raiar do sol, com certeza já deve estar na hora do almoço, e todos já devem estar almoçando, será que as meninas estão ainda aqui no castelo da Mônica, ontem não consegui ver nenhuma delas, acho que já devem ter ido embora, se tiverem vai se horrível, pois eu queria me despedir delas, quase nunca a gente se reunir, mas isso não vai me impedir de descer. 

E então levanto, e vou tomar o meu banho, como sempre as criadas já tinham deixado os baldes com água, para o meu banho, após o banho, escolho um vestido simples, e assim saio do meu quarto, para ir até o salão, para ir almoçar.

-Magali. Ouço a Mônica me chama

-Oi. Me viro, e vejo a minha amiga, vindo em  minha direção.

-Me espera. Disse andando mais rápido, para chegar perto de mim. -Você também acordou agora ??

Me perguntou, quando chegou perto de mim.

-Sim. A respondi.

-Eu também, estava exausta. Falou, fazendo uma careta de cansada.

-Nem me diga. Falei concordando com ela.

-Você está indo almoçar ??

Me perguntou, quando a gente voltou a caminhar.

-Sim.

-Então vamos, vou com você, estou faminta. Disse, passando a mão sobre a barriga.

-Eu nem preciso dizer, como estou. Falei, fazendo ela rir, mas eu notei que ela estava um pouco mais feliz, do que normalmente ela está.  -Mônica. A chamei, para fazer a minha pergunta.

-Oi ??

-Você parece está bem feliz ??

Perguntei a ela.

-Oras, Magali, eu estou sempre feliz. Me respondeu, com um sorriso no rosto.

-Sim, mas hoje, você parece "mais" feliz. Falei, indicando a minha dúvida para ela.

-Deve ser coisa da sua cabeça. Disse a Mônica.

-Não Mônica, eu te conheço, o que aconteceu para você está tão feliz assim ??

Perguntei, eu estava morrendo de curiosidade, para saber o motivo da alegria dela, claro que eu não vou demostrar isso.

-Ah tá bom, digamos que eu vou receber uma ótima notícia hoje. Ela falou, mais risonha ainda.

Se isso era possível.

-Sério ?? -Qual ??

Perguntei,  demostrando totalmente a minha super curiosidade.

É, a minha máscara de não-curiosa, caiu por terra.

-Na hora você vai saber, Magali. Mônica respondeu rindo. Com certeza ela falou isso, por perceber a minha curiosidade.

-Mônica, não é mais uma dessas suas loucuras, de contrariar o seu pai não né ??

Bom, já que ela não queria me contar, pelos menos vou certificar, que não é mais uma das loucuras dela.

-Claro que não, acho que ele vai até gostar da notícia. Falou, toda confiante e feliz.

Agora sim eu estou curiosa.

-Certeza ??

Perguntei. Isso está muito estranho, o que será que a Mônica está aprontando.

-Sim. Respondeu feliz.

-Então tá, vou acreditar em você. Falei, se ela estava tão feliz e confiante que até o pai dela ia gosta, bom quem sou eu para discordar.

-Pode acreditar bobinha, e você também vai adorar saber o que é. Falou rindo, e me abraçando lateralmente, 

-Hum, se você está dizendo. Falei acompanhando ela na risada, adorava quando ela estava feliz, e bom, como ela disse, eu vou adorar saber de grande notícia, que ela vai receber.

Então depois dessa conversa seguimos até o salão de jantar, para fazer nossa refeição e para nossa maior supresa, as meninas estavam lá, e estavam acompanhadas de alguns garotos, até pensei em encontrar o Quim alí, mas eu não tive essa sorte.

-Oi gente. Eu e a Mônica cumprimentamos as garotas. 

-Oi meninas. Nós cumprimentaram de volta.

-Eu pensei que vocês já tinha ido embora. Falei para elas, nos sentando nas cadeiras vazias, que estavam perto delas.

-E fica curiosa, para saber o que aconteceu para vocês duas sumirem o dia inteiro, nem morta. Nem preciso dizer, quem foi que falou isso.

-Verdade, meninas o que aconteceu com vocês ontem ??

Perguntou Marina.

-Então é...

Antes que a Mônica pudesse responder, a Denise (como sempre) a interrompeu.

-Ah espera, antes de vocês falarem, vocês conhecem os nossos novos amigos ?? Perguntou apontando para os garotos, que agora eu fui notar eles, mas só reconheci o Xavier, e o Timóteo que estava ao lado da Aninha. -Quer dizer, alguns são novos.

-Não. Respondi ao notar que tinhas outros três garotos que eu não conhecia.

-Bom, eu faço as honras então. Disse a Denise se levantando, e indo até os garotos.

-Xavier, Jeremias, Marcos Antônio e Mauro, essas são a Mônica e a Magali, e vice versa. Disse ao chegar perto dos garotos.

-Eu já conheço o Xavier. Respondeu a Mônica.

-Eu também. Respondi também, eu e ela e a Marina, sempre íamos na casa dele, para ver as novas invenções que eles faziam, quer dizer, a Marina ia mais para ficar de conversinha com um  dos alquimista, que trabalhavam para a família do Xavier, eu esqueci o nome dele, mas ele é bem bonito.

-Oi Mônica. -Oi Magali. Xavier nós cumprimentou.

-Olás garotas, eu sou Marcos Antônio, mas podem me chamar só de Toni mesmo. Disse o loiro piscando para nós duas, como se estivesse nós cortejando, ele estava assentando ao lado do Xavier, tenho que admitir que ele é bem bonito, mas só pela fala dele, demostra ser muito convencido e metido, odeio pessoas assim.

-Toni, o falastrão. Disse o Timóteo, fazendo os outros rapazes rirem dele.

-Pau-mandando. O Marcos Antônio respondeu, meio nervoso.

-O que você falou ??

Perguntou o Timóteo.

-Nada. O Marcos Antônio respondeu.

-Oi garotas eu sou o Jeremias, mas podem me chamar de Jerê, prazer em conhecê-las. Disse Jeremias, que se levantou e veio até nos e beijou as nossas mãos, achei isso uma gracinha e muito cavalheiro de sua parte. O Jeremias era um rapaz de pele morena, e tinha cabelos crespos pretos, era bem forte fisicamente, e bem alto, e diferente do seu amigo loiro, era bem educado.

-Oi Jerê prazer é o nosso. Respondemos eu e a Mônica, pela sua linda atitude.

-Eita o Jeremias, conseguiu mais moral que você Toni. Falou Xavier fazendo a gente rir.

-Cala boca, Xavier. Respondeu Marcos Antônio, de forma ranzinza.

-Sobrou o Mauro. Denise apontou para o rapaz, que tinha os cabelos lisos e pretos, que batiam até em seus ombros, e tinha uma enorme franja, que chegava a tampar os seus olhos, que eram puxados, parecia que quase estavam fechados.

-Oi, prazer. Falei dando um aceno de mão, já que o mesmo não se levantou.

-O prazer é meu. Disse, fazendo um gesto com a cabeça, em cumprimento.

-Oi Mauro. Ouço Mônica o cumprimentar.

A Mônica conhece ele, mas da onde ??

-Oi Mônica. Ele cumprimentou de volta.

-Ué, vocês dois já se conhecem ??

Perguntou Denise para eles, quer dizer mais para o Mauro, do que para a Mônica.

-É que...

Antes do Mauro responder, vejo o garoto que ontem abraçou e dançou, com a Mônica na festa, chegar por detrás dela, e colocar as suas mãos sobre os seus olhos.


-Adivinha quem é ??

Perguntou para a minha amiga.

-Ah, C... Oi Maurício. Respondeu a minha amiga rapidamente. Bom, ela talvez possa ter disfarçado o seu erro falando rápido, mas eu consegui entender o que ela ia dizer primeiro, não melhor, o nome que ela ia dizer primeiro.

-Bom dia princesa, ou melhor boa tarde. Falou o garoto, todo sorridente para a Mônica.

-Você de novo garoto. Falou Denise, de maneira ríspida. Pelo jeito, ela não foi nada com a cara dele.

-Denise. A Mônica a repreendeu.

-O que você quer aqui ??

Perguntou Denise, sem se importar com a repreensão da minha amiga.

-Bom, mesmo que eu não queira responder a certas pessoas, eu vim almoçar com uma amiga, e com meu ótimo irmão. Respondeu ele, debochado da Denise.

 -Amiga ?? -Irmão ??

Denise perguntou, com uma careta de incrédula.

-É, ele é meu irmão. Respondeu o garoto de cabelos longos e pretos.

-Affe, um ponto a menos comigo, Nimbus. Disse Denise fazendo careta de desgosto, e saindo de perto do meninos, e se sentando em sua cadeira.

-Uhhh, essa já era Nimbão. Falou Timóteo, fazendo os meninos rirem. -Aiiiii, desculpa. Falou ao levar um tapa da Aninha, ao verem isso os meninos aumentaram suas risadas, mesmo que o Timóteo fizesse uma careta de bravo para eles, não fazia eles pararem.

-Bom, já que estão todos aqui, vamos almoçar, e vocês vão contar para gente o que aconteceu com vocês duas.

Pouco depois da Denise, terminar sua fala, as serviçais começaram a trazer o almoço, assim que nos servirmos, as meninas voltaram a nós questionar sobre o porque da gente ter sumido ontem, e bom para que depois, não haja ter explicações sobre termos mentido, contei a mesma história, que eu contei ontem para o soldado, que a gente tinha ido dar uma volta a cavalo, e acabamos encontrando um animal feroz, e nos separamos, enquanto eu falava, notei que a Mônica de vez em quando, olhava para entrada principal, pelo jeito ela estava esperando uma certa "pessoa" entrar.

-Meu Deus, e como você conseguiu fugir dele Mônica ??

Perguntou a Marina, um tanto preocupada.

-Bom eu acabei encontrando um tronco oco de árvore, e me escondi nele. Mônica a respondeu.

-Nossa que perigoso. Falou Aninha.

-Mas, e como vocês encontraram os meninos ??

Perguntou a Denise.

Droga, sinceramente não queria falar sobre essa parte.

-Meninos ?? -Como assim Denise ??

Perguntou a Carmen, que até agora estava no seu mundo da lua(perfeição).

-Bom, eu ouvi dizer, que encontraram elas, o  Cascão e o  Cebola juntos. Disse a Denise, fazendo aquela faceta de maliciosa, dando segundas intenções sobre a sua fala. 

Ouviu dizer ?? Sei.

-Ah, isso é verdade meninas ??

Perguntou a Marina.

-Sim. A respondi.

-E o que vocês fizeram esse tempo todo sozinhos ??

Aninha perguntou, quando todos ouviram a sua pergunta, viraram os seus rostos imediatamente para nós duas, até a Carmen que não fazia questão nenhuma de nós olhar, o fez também, e de relance vi o garoto, que tinha dançando com a Mônica, nós olhar feio, isso eu não entendi o porquê.

-Nada gente. Eu e a Mônica respondemos juntas, e totalmente desesperadas, e nem preciso dizer que, com esse desespero na voz,  eles já começarem a pensar as libertinagem que a gente poderia ter feito( o que não é um pouco da verdade) sozinhos. -É quer dizer, bem como a gente se separou, eu não sabia aonde estava, pois eu corri que nem uma doida, e nem olhei por onde ia, até que eu encontrei os garotos e eles estavam caçando, e me ajudaram a achar a Mônica. Contei, um pouco mais confiante e calma, a mesma história de ontem.

-Ah sim, mas mesmo assim, vocês demoraram demais. Falou a Denise, ainda com aquela expressão maliciosa no rosto.

-É por que, até acharmos a Mônica, levou o dia inteiro, e além de andarmos em alerta, para não achar nenhum animal selvagem de novo. Falei para ela. Queria acabar logo com esse interrogatório.

-Hum, não sei, vou perguntar ao garotos se essa história é a verdade. Falou Denise.

-Affe, o que a Magali contou é a verdade e pronto, se você não quer acreditar, por mim tanto faz. Disse a Mônica nervosa, perdendo a paciência, fazendo todos tirarem a expressão de malícia, para assustados.

-É, eu acredito nelas. Ouço o garoto de cabelos arrepiados, e olhos puxados falar.

-Maurício, você fala isso porque, odiaria saber que a Mônica, ficou o dia inteiro com o Cebola. Falou o Mauro, fazendo os meninos rirem.

-Hunf, vai enche outro, irmão. Ouço ele resmungar, fechar a cara, ao responder seu irmão.

Bom, depois disso as meninas não voltaram a fazer perguntas sobre ontem, o que foi um alívio, pois assim eu poderia finalmente, almoçar tranquila. Era o que eu pensava, pois pouco tempo depois ouço passos vindo entrada do salão, vejo a Mônica praticamente se levantar para ver quem era, mas para sua infelicidade não era a pessoa que ela queria que fosse, e bom, eu também me encaixei nesse termo de infelicidade, quando eu vi quem era a pessoa, ou melhor as pessoas que chegaram.



Era o Cascão, e uma garota de cabelos cacheados, curtos e loiros, ela usava uma tiara cravejada de jóias, o seu rosto era lindo, o nariz fino, os lábios carnudos, as bochechas bem ressaltadas, que eram decoradas por pequenas sardinhas, o seu corpo era esguio, suas curvas bem formadas, dava uma aparência de uma linda princesa, e pelo modo como andavam de mãos dadas, com certeza essa era a noiva dele.

-E aí galera. Disse Cascão cumprimentando os meninos. -Oi meninas. Ele nos cumprimentou.

-Oi. Todas juntas, responderam ele. Bom até esperei a garota ao seu lado nós cumprimentar, mas não vi ela fazer menção nenhuma em nós cumprimentar.

-E aí Cascão, o garoto desaparecido. Ouço o Timóteo, comentar, fazendo os meninos rirem.

-Hunf. Por fim, ouço a voz da garota, ao lado do Cascão, mas foi só um resmungo.

Os garotos vendo que a garota não gostou, pararam de rir no mesmo instante.

-Eita, capricharam no almoço. Cascão comentou de forma divertida, para quebra o clima tenso que se instaurou.

-Pois é, olha o tamanho desse javali. Disse Xavier, ajudando o amigo.

-Caramba. Falou Cascão puxando uma cadeira. -Senta aqui Gabriela. Falou para garota, sentar na cadeira em que ele puxou.

-Ah, e falando em javali, vocês perderam a aposta, viu. Foi a vez do Marcos Antônio falar.

-Aposta ?? 

Perguntou Cascão pegando dois pratos.

-Esqueceram que ontem, antes da caçada, agente apostou que o grupo que perdesse, iria ficar com o trabalho de estripar as caças. Jeremias falou sobre a tal aposta.

Que nojo.

-Nossa é mesmo, eu até esqueci disso. Falou Cascão dando um sorriso.

E que sorriso.

-É, mas a gente não, e não é só porquê você deram uma de sumir, que a gente vai aliviar não hein ??

Falou Timóteo, dando ênfase na palavra sumir, dando segundas intenções, e pela cara da Gabriela, não gostou nenhum pouco dessa insinuação dele, e o Timóteo tão pouco se importou, pela sua cara, ele fez isso de propósito.

Mesmo sendo errado, admito que gostei.

-Tá certo, eu pago uma rodada de bebidas e de jogos de cartas, quando a gente for nos White's. Falou Cascão, revirando os olhos, entendendo o que o Timóteo quis fazer com a sua fala.

-Aeeeee. Ouço os meninos comemorarem.

-Mas espera aí, não é só você que tem que pagar não. Falou o Jeremias.

-Ah, é o cabeça de cebola também tá nessa. Concluiu o Mauro.

-Tá certo, eu vou falar. Cascão respondeu a eles.

-Então tá combinado ??

Timóteo perguntou.

-Táa. Ele confirmou.

-Aeeeee. Os meninos voltaram a comemorar.

Depois disso, o Cascão colocou comida em seus dois pratos, entregou um prato para a garota que se sentou ao seu lado, e se serviu do outro, e foi comer, bom apesar de estar me sentindo um pouco mal, de vê-lo junto com ela, não poderia demostrar isso para os outros, ainda mais com a Denise aqui, e bom, tinha uma bela refeição para eu terminar, mas, infelizmente uma certa pessoa, que esta ao meu lado, estava, digamos um pouco inquieta, eu sabia o porque de toda essa inquietação da minha amiga, ela queria perguntar para o Cascão sobre uma tal pessoa, mas, ela sabia que ia dar muito na cara, que ela tinha segundas intenções, ao perguntar sobre ele, e bom, além da Denise está aqui, também tinha o garoto chamado Maurício, que pelo jeito, gosta dela. Bom, como boa amiga, mesmo sabendo que a noiva do Cascão poderia me olhar feio, ou falar alguma coisa para mim,  lá vou eu ajudar a probrezinha a matar sua curiosidade. Mas antes que eu pudesse me vira, e perguntar, ouço alguém fazer isso antes de mim.

-Cascão. Carmen o chamou. Mesmo não querendo, dei uma certa olhada para noiva, para ver se ela ia fala alguma coisa, mas ela nem se importou da Carmen o chamar, talvez ela não seja tão carranca assim.

Né ??

-Oi Carmen. Cascão se virou para ela.

-Cadê o seu amigo inseparável ??

Carmen perguntou, um tanto curiosa. Bom, sim, eu achei isso muito estranho, porque a Carmen perguntaria sobre o Cebola, tá os dois podem ser amigos, mas quando a gente estava contando sobre o que aconteceu com a gente, tá certo que o lance do animal selvagem, é mentira, mas em nenhum momento, eu a vi pergunta alguma coisa sobre nós, e bom, a Carmen é totalmente alheia as coisas que não afeta ela, então vê ela perguntar sobre uma pessoa, que em nenhum momento eu vi eles juntos, é um tanto curioso, e claro, nem preciso dizer que além da Carmen, tem outra pessoa doida para ouvir essa resposta.




-Foi mal Carmen, se você queria dizer uma coisa ao Careca, já é tarde demais.  O Cascão respondeu.

-Como assim ??

Perguntou Carmen novamente.

-Ele já foi embora, Carmen. Ele respondeu.

-Mas já ??

Carmen perguntou de novo, um tanto nervosa.

Sério, agora eu estou me assustando, porque a Carmen está tão brava pelo o Cebola ir embora.

-Aham. Cascão confirmou.

-Porquê ??

E Carmen contínua com seu questionamento.

-Porque ele foi arrumar um lance do casamento dele. A respondeu.

-Mas o casamento é só daqui a uns 8 meses. Carmen falou se levantando nervosa, nem preciso dizer, que todos já estavam a olhando, e pelo jeito, pensavam a mesma coisa que eu.

Por que a Carmen, estava tão nervosa, por causa do Cebola ir embora ??

Ah, e lembrando, ele é comprometido.



-Pois é, agora são 4 meses. Cascão respondeu ele simplista, nem se importando com a Carmen naquele estado, diferente dos outros e eu, bom com exceção da sua noiva que se matinha alheia ao que estava acontecendo, e ao Maurício, que parecia gostar de ouvir o que o Cascão estava dizendo,  estavam totalmente sem entender, o por quê dá Carmen está daquele jeito.

-O que ??

Carmen e a Mônica falaram juntas, quando ouviram a resposta do Cascão, claro que todos olhamos para as duas, bom, diferente da Carmen, eu sabia o porque a Mônica ficar totalmente supresa ao saber disso.

-É, eles adiaram o casamento. Cascão respondeu, sem ao menos olhar-las, voltando a comer, como se tivesse falado coisa qualquer.

Ao ouvir aquilo, no mesmo instante me virei para a Mônica, mas ao invés dela me olhar também, ela se levantou e saiu correndo. Bom não podia deixar ela daquele jeito, me levantei e fui atrás dela. Eu sabia aonde ela ia, todas as vezes que a gente queria se esconder dos outros, nos íamos até ao final do jardim, quase ninguém ia lá, e também tinha a maior árvore do reino, quando éramos crianças sempre tentávamos subir nela, mas claro era impossível, foi ali quando a gente se conheceu, quer dizer, que eu e a Mônica, conhecemos os meninos, foi ali onde o Cascão acabou quebrando o braço, falamos que foi porque ele caiu da árvore, mas na verdade era porque eles estavam correndo da Mônica, para não apanhar, foi ali aonde a Mônica e o Cebola tiveram a sua primeira discussão, de quem seria o líder da turma, nem preciso dizer quem ganhou né ? E bom, foi ali aonde a última vez que nos reunirmos, antes dos meninos nunca mas voltarem aqui, e foi ali aonde a Mônica teve o seu primeiro beijo, advinha com quem ?? É, ele mesmo. Por isso era o nosso lugar preferido, mais da Mônica. Quando finalmente cheguei perto da árvore, vejo a minha da minha amiga, ela está sentada abraçando suas pernas, então fui em sua direção, cheguei perto dela, e sentei ao seu lado.

-Então, você vai me contar ou terei que fazer cócegas até  você parar de chorar  ??

Perguntou a ela, quando ela ouviu a última parte da minha pergunta, vejo ela dar um sorriso sem humor.

Depois se acalma um pouco, ela começou a me falar tudo que tinha acontecido entre os dois, desde o beijo dos dois na festa, da noite que passaram juntos dormindo, do que os dois fizeram  na floresta, ( fiquei chocada nessa parte).

-Então ele prometeu que ia largar ela ??

Perguntei a ela, depois de ouvi tudo.

-Foi. Disse triste.

-Em nenhum momento, você pensou que poderia ser alguma mentira dele ??

Perguntei.

-Não, eu olhei nos olhos dele, e não vi mentira quando ele falou isso. Me respondeu.

-Entendi. Falei.

-Como eu fui boba. Disse agora com raiva, voltando a chorar.

-Mônica, você não foi boba. Falei, a abraçando para acalmar ela.

-Claro que fui Magali, eu acreditei nele, e ele me enganou. Disse em meio ao choro.

-Bom, você está certa. 

-Então.

-Mas, tem uma coisa, a mesma história, duas versões, você sabe  uma parte da história, mas e a parte dele. Falei para ela, eu não estava defendendo o Cebola, ele foi um babaca por prometer isso, mas além de ficar com raiva dele, eu tinha que pensar com a razão também.

-Mas o Cascão mesmo disse, que foi ele que adiou o casamento. Falou nervosa.

-Não, Mônica, ele disse que eles adiaram o casamento, nessa história não tem só o Cebola de personagem. Falei para ela, bom, não posso tirar a razão dela ficar com raiva dele, mas faz isso com um razão certa em mente.

-É, pode ser, mas mesmo assim, isso destruiu o meu coração. Falou abandonando a raiva, e voltando a ficar triste de novo.

-É, mas conversa com ele. Falei, eu tenho certeza que essas história, está faltando partes, e eles conversando podem resolver essas partes que estão faltando.

-Como Magali ?? -Indo até casa dele ?? -Não né. Falou Mônica voltando a ficar brava.

Se decidi logo ou você chora ou fica brava, menina.

-Mônica, esqueceu que agora a gente vai se reunir, a gente é os guardiões lembra ??

Falei para ela, como eles ia se encontrar agora.

-É, verdade, quando a gente se encontrar, vou conversar com ele, para entender tudo. Falou, finalmente voltando a sorrir, claro que foi aquele sorriso que eu estou acostumada, mas é começo.

-Isso aí garota. Disse abraçando ela. -E agora que tal invadimos a cozinha, e roubarmos  os doces que sua fantástica cozinheira faz  ??

Perguntei a ela, eu sabia a resposta, desde de pequenas a gente ia até a dispensa e roubavamos os doces que tinham lá, bom na verdade, quem nos ensinou isso, foram dois garotos, mas é melhor não falar disso, pois nós lambuzar de doces sempre alegrava ela.

-Vamos. Disse dando um sorriso já um pouco maior do que o anterior.

Estava funcionando.

Mas antes que pudéssemos colocar o nosso plano ação, a mãe da Mônica aprece.

-Mônica filha, seu pai quer falar com você. Falou quando chegou perto da gente.

-Mas agora ??

Perguntou a mãe.

-Sim.

-É que eu e a Magali estávamos combinando de dar um passeio. Falou para mãe. segurei o riso, para rir sobre como ela mentiu, sobre o nosso plano de ir roubar a dispensa.

-Desculpa filha, mas seu pai que fala com você urgente, no escritório dela. A mãe falou séria, ela não ia ceder.

-Vai lá Mônica, tudo bem, eu consigo dar um passeio sozinha. Falei para ela, dando uma leve piscada, para que ela pudesse entender o que eu queria dizer.

-Ok, tchau Magali e obrigada. Disse rindo e vindo me abraçar.

-Que isso ?? -Eu sou sua melhor amiga, tchau. Falei para ela.

Depois de nós abraçarmos, vejo ela sai do jardim e indo em direção ao castelo.

-Vossa alteza. Chamei a mãe da Mônica, quando a vi se vira para ir embora também, bom, eu não tinha mais a minha parceira de roubo, mas eu tinha uma dúvida, e talvez ela possa me tira ela.

-Magali, a gente se conhece pode me chamar pelo nome. A mãe da Mônica falou, me dando aquele sorriso costumeiro, que eu via no rosto da minha amiga. As duas se parecem, e muito.

-Certo, então dona Luísa, você sabe se a família do meu noivo ainda está no castelo ??

Perguntei a ela, a minha dúvida.

-Bom que eu saiba, só está o patriarca do Hatmans, o restante da família já foram embora, Magali. Me respondeu, quando eu ouvi a sua resposta não acreditei.

-O Quim foi embora ??

Perguntei, totalmente incrédula.

-Sim, você não sabia ??

-Não. Respondi inconformada. -Você sabe o porquê ??

Perguntei, ainda não acredito naquilo.

-Sinto muito mais não, desculpa. Me respondeu.

-Tudo bem, bom vou lá então, tchau. Me despedi dela totalmente surpresa.

-Tchau minha filha. Me respondeu.



Como assim o Quim foi embora??

Por que ele não me avisou ??

Por isso ontem ele não estava lá na comitiva ??

Mas para eu quero saber disso, agora o mais importante é saber se o Quim se importa comigo ??

Ontem eu fiquei, o dia inteiro desaparecida, e pelo jeito ele nem se importou e me procurar, e aliás nem me deixou algum recado da sua preocupação, é agora quem está brava por causa de um garoto sou eu.














Notas Finais


Mais capítulo novo para vocês
Comentem o que acharam
O Cebola engano sim ou não a Mônica
A imagem do capítulo é armadura do Cascão


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...