História A Herança Fatal ( Camren ) - Capítulo 28


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Visualizações 91
Palavras 1.079
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: LGBT, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 28 - 28 - capítulo


Camila tornou a descer, vestida com calça jeans e blusa branca de algodão de mangas compridas. Helen nunca a vira naquele tipo de traje. Só a via no escritório em “tailleurs”, maquiada. Agora a via em trajes que realçavam sua verdadeira personalidade. Era muito mais atraente assim. Ela a olhou com aqueles olhos magnéticos e Helen sentiu um arrepio.


 -- Já tomou o desjejum ?


 -- Não, estava esperando-a.


 Camila olhou para a bandeja sobre a mesinha. Sentou numa poltrona e serviu-se de um copo de suco de laranja.


 -- Coma o mingau primeiro – aconselhou Helen – O suco é ácido e seu estômago está vazio.


 Camila sorriu, bebendo o suco de uma só vez. Colocou o copo na bandeja e pegou sua tijela de mingau.


 -- Estava com sede – justificou-se – E você? Não vai comer nada?


 Helen serviu-se de um copo de suco e de uma torrada, passando manteiga  de amendoim e olhando para Camila, que comia o mingau sem muita vontade, de cabeça baixa.


 -- Camila, não acha que seria bom ir-se daqui? Esse foi o local do crime. Isso é muito deprimente. Phil Scott disse-me que você está liberada, já prestou depoimento e não é uma suspeita. Somente deve informá-lo para onde for.


 Camila a fitou com olhar sombrio.


 -- Não sou suspeita?! Todos que rodeavam Lauren são suspeitos, Helen! Precisava ver as perguntas que me fizeram! Perguntas de ordem pessoal, que nunca me tinham feito em toda minha vida. Mas tiveram que me liberar porque sou inocente. Sabem que quem matou Lauren foi a mesma pessoa que a raptou, descontente com a posse dela na presidência da Jauregui Corporation. E eu não tinha motivos para isso. Pelo contrário, só tive a perder.


 -- Entendo. . . mas, insisto na pergunta : não gostaria de sair daqui?


 -- Tenho casa na Filadelfia. Mas não quero voltar para lá. Eu dividia a casa com uma pessoa que não quero ver mais. O apartamento de Lauren deve estar nas mãos da família, mas nem que eu pudesse, não voltaria para lá. Não tenho estrutura para ficar naquele lugar sem Lauren. 


 Helen a fitou com ar ansioso.


 -- Moro em um apartamento confortável na rua 59, com esquina para o Central Park. Você pode ficar lá comigo, até resolver o que vai fazer de sua vida. Moro só e  o apartamento tem espaço para mais uma pessoa.


 Camila a olhou indecisa.


 -- Você mal  me conhece , Helen. Como pode me oferecer isso?


 -- Conheço-a o suficiente. Talvez mais do que você pensa.


 Camila sorriu com amargor.


 -- Sei, conhece minha vida privada pelos jornais. Sei que eles expuseram a minha vida. Só não podem afirmar que eu era amante de Lauren porque meu depoimento foi sigiloso e a família dela poderia processar os jornais por calúnia à memória dela.


 -- A polícia concorda com a imprensa?


 Camila a fitou nos olhos, um olhar firme e direto.


 -- Helen, sei que já sabe que Lauren e eu éramos amantes. Não precisa disfarçar. E a polícia sabe também. Eu contei toda a verdade. Eles não podem revelar meu depoimento porque eu não sou culpada e meu advogado pediu sigilo para proteger-me. Mas a imprensa já fez seu trabalho. Sei que todos sabem e comentam minha ligação com Lauren. É, você deve saber tudo de mim. Não sei como não tem medo de estar comigo.


 Helen estendeu a mão e a pousou sobre a de Camila, olhando-a nos olhos. A latina ficou surpresa em ver neles um calor inimaginável, em uma quase estranha.


 -- Eu a entendo, Camila. E respeito seus sentimentos. Quero, se possível, que confie em mim e pense que só desejo ajudá-la.


 Os olhos de Camila se encheram de lágrimas. Ela se sentia tão perdida e só!


 -- Não, você não pode entender o que sinto, Helen. Esse vazio, essa sensação de que nada mais importa, essa dor!


 Camila começou a tremer. Levou as mãos ao rosto, curvando-se para a frente. Helen aproximou-se e pousou as mãos sobre as dela, tentando retirar suas mãos do rosto.


 -- Não chore, Camila. . . não adianta. Você tem que ser forte e esquecer. A vida continua.


 Camila retirou as mãos do rosto. Não estava chorando, mas o seu olhar era desesperado.


 -- Ah, se eu pudesse chorar! Mas não consigo mais! – Gemeu – A dor agora é grande demais, para ser extravasada em lágrimas! Eu só queria morrer! Isso que queria!


 Helen resolveu ser dura:


 -- Camila, pensei que fosse forte, mas vejo que é muito fraca e não sabe enfrentar uma tragédia! Reaja! Sua vida continua! Não adianta ficar aí se lamentando pelos cantos, enchendo a cara de bebida! Não seja masoquista e volte a viver! Quantas pessoas passaram por perdas semelhantes e  tocaram suas vidas para frente! Não seja covarde e reaja!


 Camila a esbofeteou, revoltada por suas palavras. Helen foi lançada para trás e caiu de costas no chão, olhando-a surpresa e magoada.


Camila ficou imóvel, olhando-a . Helen passou a mão pelo rosto. Olhava-a com tanta mágoa nos olhos, que Cabello baixou os olhos, arrependida e envergonhada por sua agressão.


 -- Sentiu-se melhor fazendo isso? – Perguntou Helen, com voz trêmula.


 Camila sacudiu a cabeça, negativamente. Ergueu-se do sofá e estendeu as mãos para ela. Helen aceitou suas mãos para levantar-se. A latina não as soltou. Levou-as aos lábios, beijando-as e a fitando nos olhos.


 -- Perdoe-me, Helen. Você não merece isso. Está sendo tão amiga, e eu  a agredi. Mas, entenda que não foi à você que agredi. Foi à mim mesma. Você tem toda razão. Eu precisava ouvir essas coisas que me disse.


 Helen sorriu. Disfarçou à custo a emoção de ter as mãos beijadas por ela. E o toque das mãos de Camila a deixava de um jeito que teve de reagir com uma brincadeira:


 -- Que direita forte você tem! E eu pensando que estava fraca! Podia desafiar até o Tysson!


 Camila sorriu, achando graça no modo dela falar e na comparação com o boxeador. Helen sorriu também. Camila subitamente ficou séria. Olhou-a surpresa. Helen a fitou curiosa.


 -- O que foi?


 -- Não notou? Eu sorri! Você conseguiu fazer-me sorrir! Não pensei que pudesse mais fazer isso! Quer saber de uma coisa? Vou com você para sua casa. Isso, se ainda você aceitar dividir seu espaço com uma pessoa como eu.


 Helen sorriu de pura felicidade.


 -- Oh, Camila! É claro que aceito! E estou muito feliz em ver que já está voltando a ser aquela Camila que conheço!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...