História A historia de um cara normal-( One-Shot) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amargura, Depressão, Deus, Dor, Esperança, Família, Ironia, Mudança, Ódio, Rancor, Sarcasmo
Visualizações 1
Palavras 1.972
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia)
Avisos: Insinuação de sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eu não acho que alguem vai ler isso mas, caso tenha sentido curiosidade e vindo ate aqui, espero que aprecie, perdoe os pequenos erros de escrita, eu escrevi essas historia na virada de noite e presciso guardar ela em algum lugar...
Por sinal quando eu escrevi eu tava ouvindo "Don't cry" do guns n Rose veja se gosta e tenta entrar ma vibe ( ou coloque uma musica que você gosta a sua escolha :)

Boa leitura
-Roy

Capítulo 1 - Just a normal day- One-Shot


Um homem se encontrava conversando com Deus enquanto olhava para o

espelho de seu banheiro. Ele tinha uma aparência jovial mas as grandes olheiras

e barba para fazer o deixavam bem mais velho do que sua real idade. O homem

estava debatendo com Deus.

-Quando que fiquei assim?- perguntou para Deus em tom de súplica.

-Você sempre foi assim, bem no fundo você sabe disso.-Deus respondeu em tom de

ironia.

-Você sempre achou que o mundo lhe devia algo. Nunca gostou realmente de nada, e

sempre culpou os outros pelos seus erros, que por sinal são muitos.- continuo

Deus falando calma mas rispidamente.

-Se sempre estive ao teu lado então eu sei, também sei que como covarde que você

é nunca admitirá.- Deus disse com convicção.

O homem que tudo ouvia calado algumas vezes tentou contestar mas ao abrir a boca

lhe faltavam palavras e em uma única sentença ele decidiu seu futuro.

-Pra mim já deu, eu cansei, eu desisto de tentar, fique feliz você venceu.- Ele

dizia com uma voz cheia de cansaço.

-Não não acabou você é covarde de mais para ISSO eu conheço você isso é um

blefe.- disse Deus em uma risada

O homem deixou Deus no espelho de seu apartamento subiu até o térreo andou

calma mente até a ponta e antes de pular ele parou por um segundo e pensou.

-Ele tem razão eu não tenho coragem pra fazer isso￾Ao tentar sair da o mesmo escorregou e caiu e enquanto esperava o fim ele só

conseguia rir de sua morte, patética, igual sua vida. Sentindo o chão próximo

ele fechou os olhos e aceitou seu destino até que tudo congelou o mesmo a pouco

metros do chão não conseguia se mover tudo estava parado e ele só conseguia

ver uma figura conhecida desde sua infância um homem branco alto de cabelos

cacheados crespos. Deus. Ele estava observando a cena, em sua cara estava

estampado um sorriso de pura diversão para com a vista que ele estava tendo.

Depois de um longa gargalhada o mesmo disse

- Vamos fazer um passeio meu caro, pra ver onde você errou￾7 Anos

O homem que estava travado junto com o resto do mundo se assustou com a mudança

repentina de ambiente e começou a se familiarizar com o novo loca onde eles

estavam, sua antiga casa quando seus pais ainda eram casados e a vida era mais

simples. Ao lado dele estava Deus que assistia aquilo com interesse.

-Aqui foi onde eu nasci- Dizia Deus

A cena estava completamente paralisada mas o homem se lembrava claramente dos

eventos ocorridos. O homem que a lembrava das memórias perdidas de sua infância

estava perplexo com as palavras de Deus então nada falou.

-Esta preparado ? Vai ser uma viajem e tanto.- Deus disse dando tapinhas nas

costas do homem enquanto a cena começava.

Estavam uma mulher e seu filho não muito velho de apenas 7 anos, o menino não

se parecia em nada com o homem que observava a cena, apenas a cor dos olhos

azuis, mas os olhos do homem tão cansados e mortos em nada pareciam o da criança

brincando alegremente com sua mãe.

único tesouro e conquista.>

O menino ouvia aquilo atento às palavras da mãe com uma inocência de criança,

com sete anos mas nenhum amigo aquele era um menino muito tímido, mesmo assim

ele se esforçava na escola pois não tinha nada melhor do que ouvir o elogio de

sua mãe, naquela idade ele já entendia algumas coisas como por exemplo que o pai

não gostava dele, mas o menino não entendia o porquê até aquele dia. Ele

continuou brincando alegremente com sua mãe até o horário que seu pai chegou do

trabalho, o mesmo estava cansado por causa do expediente, ao chegar em casa não

conseguia disfarçar o olhar de nojo para com seu filho, maldito erro ele

pensava, pois a vinda de uma criança bagunçou a vida do casal que sempre fora

feliz. Ele não tinha mais tempo para nada sempre estava a trabalhar, sua mulher  se ocupava com a criança e não tinha tempo para ele, tudo culpa daquela cria

pensava o pai.

- Ele parece você.- Dizia Deus na consciência do homem.

O pai cansado, esperou a mulher ir tomar banho pegou um cigarro para fumar,

enquanto fumava na sua própria amargura ele viu de longe um pequeno ser o

observando o pequeno disse;

ideia, não só uma Idea como A ideia.

chegou perto ele o segurou calma mente e disse;

novamente, só de pensar nisso eu tenho vontade de vomitar.> o pequeno que olhava

fixamente pro rosto do pai saiu chorando de lá.

A cena novamente ficou preta e tudo parou

O homem lembrava daquilo com amargura seu pai sempre o ódio e nunca fez questão

de esconder mas essas lembranças foram enterradas muito fundo pois só lhe

causavam dor. Ele não entendia o porquê de Deus estar lhe mostrando aquilo.

-Nesse dia eu fui criado, nesse dia você mudou, provavelmente foi aqui que

começou.- Deus disso calmamente

-Pronto pro proximo?- Deus disso com um sorriso divertido e logo depois o

ambiente mudou novamente

O homem não estava nem um pouco preparado para aquilo coisas que a anos ele

tentava esquecer sendo jogado em sua cara mesmo assim ele ficou calado esperando

a próxima cena.

14 Anos

Havia um jovem com um grupo de adolescentes fumando no pátio da escola.

- O lado engraçado é que você odiava cigarro mas para não parecer o careta da

turma fumou.- Deus disse em tom cômico .

Ao lado desse jovem havia um linda adolescente que estava escorada em seu

ombro.

- Há paixões de jovens, como eu sinto saudade, eu lembro daqui foi onde eu me

manifestei pra você pela primeira vez.- Dizia Deus na mente do homem que já

sabia o que viria a seguir.

A adolescente sussurrou algo no ouvido do jovem, o mesmo parecia bem feliz pois

a seguiu para longe do grupo rapidamente após aquilo.Os dois seguiram até o

local onde eram guardados as coisas para a educação física, colchões, tatames,

redes de vôlei e por aí vai. Ao entrar ali ps dois começaram a se agarrar o

jovem começou a tirar a própria roupa a adolescente tirou sua blusa enquanto se

agarravam algo estranho aconteceu a adolescente o empurrou para longe fazendo o

mesmo se desequilibrar enquanto o jovem caia ela pegou as roupas jogadas por ali

e correu trancando a porta deixando o jovem semi-nu aos poucos o jovem foi

entendendo que ele foi enganado e provavelmente logo chegariam ali vários de

seus amigos para zoar- lo. O jovem sentou com as mãos na cabeça chorando sempre

se perguntando o motivo daquilo ter acontecido com ele, ele só conseguia ouvir

a voz do subconsciente falando que a culpa era dele por ser tão descartável.

-Um adolescente que prostitui a própria personalidade para entrar em um grupo

esperava encontrar que tipo de pessoas lá?- Deus disse com ironia.

O a cada segundo que passava o jovem só conseguia sentir desprezo e ódio por

aquelas pessoas, ele já conseguia ouvir o passo do grupo em direção dele as

risadas estavam altas, ele era um grande piada.

Tudo parou e ficou preto novamente, Deus estalou os dedos e eles foram novamente

pra uma próxima lembrança.

16 ano

O homem reconheceu de imediato a memória e como ele odiava aquela memória.

um colégio diferente com pessoas diferentes, mas o jovem também estava

diferente movido a ódio e amargura ele tentava seguir a vida dele mas quase

sempre o mesmo se média em confusão.

- Não gosta muito daqui?- Perguntou Deus zombeteiro.

O homem nada falou enquanto ansiava sair dali.

O jovem deitado em sua mesa na hora do intervalo só pensava em como sair dali,

ele não gostava do local nem das pessoas dali mesmo assim todo santo dia ele

estava lá, era sufocante. O único ponto positivo é que o jovem arranjou uma

amiga para qual ele sempre conversava, ela era seu porto seguro, ela sempre o

ajudava a sair de problemas ela era uma pessoa boa.

A amiga começou a andar com uns tipos estranhos, começou a mudar, o jovem nada

falava pois não queria perder a amizade dela até que ela começou a se distanciar

dele. O jovem demorou de perceber essa distancia entre ele mas quando aconteceu

foi um choque ele ficou muito deprimido e amargurado, esses sentimentos logo

foram tomados por um maior, o ódio. O jovem um dia estourou ele não aguentava

mais aquele situação e foi perguntar do que se tratava. A amiga estava junto de

seu namorado que era rapaz alto do 3 ano. O jovem tentou começar uma conversa

que foi rejeitada a amiga estava o tratando rudmente sem motivo aparente, o

mesmo foi ficando com raiva até começarem a verdadeira discussão, o eles

disseram o que não devia ser dito por ninguém, o jovem despejou seu odio e

desprezo na mesmo quantidade que a amiga,os dois sabiam que não tinha como

voltar a atrás mas como último ato a amiga resolveu presentear o jovem dizendo

para seu namorado que o jovem na verdade estava com ciúmes e queria colocar

chifres nele, o namorado levantou e o jovem não teve chance , não pode nem se

defender, o desprezo e ódio que ele sentia foram sendo consumidos por um vazio

sem fim deixado de presente pela amiga.

- O mais engraçado é que você realmente se arrepende sobre as coisas que você

disse-me Disse Deus normalmente.

O jovem perguntava em sua mente o porquê dele sempre passar por humilhações, o

porquê dele sempre ser trocado e a voz em sua cabeça que estava mais alta do que

nunca só respondia a mesma coisa pra pergunta

Deus congelou a cena novamente e disse

-A próxima é a última- e logo o cenário mudou novamente.-

O homem perguntou de um modo quase inaudível

-Porquê está me mostrando isso?-

Deus simplesmente sorriu e começou a cena

O homem observava horrorizado ele sabia onde estava, a 1 semana atrás no

velório de seu pai.

Lá ele viu sentando um homem alto branco de cabelos cacheados e crespos de olhos

azuis, próximo ao caixão sentado, tinha pouca gente, seu pai não era um homem

muito sociável, o homem só pensava em como sair dali e como fugir que nem uma

criança foi aí que ele percebeu como desde a infância ele não tinha evoluído

nada. Assistir a cena de novo foi tão ruim quanto da primeira vez mas o homem

fez em silêncio.

Ao acabar Deus não fez nenhum comentário sarcástico de praxe apena estalou os

dedos e fez o homem voltar para aquele banheiro olhando para p espelho.

- Tudo aquilo fez de você quem você é hoje, você não pode mudar isso … - Deus

estava explicando com calma- mas você pode mudar você mesmo quem sabe uma pessoa

melhor ? Ou uma pior ? Não importa desde que te faça bem… a vida não costuma

dar segundas chances mas quem escorregou do alto do prédio foi eu, então

aproveite a sua- Deus dizia com um sorriso maroto no rosto- Eu sou você uma

parte de você é você uma parte de mim mas eu só cresci pois você deixou ao viver

na amargura e tristeza, eu sou só uma existência pífia então aproveite.

O homem que continuava a observar o espelho ainda via o rosto de Deus, não ele

via o rosto dele mesmo e com uma única sentença ele decidiu seu futuro

- Eu vou mudar…….


Notas Finais


Eu duvido mais ainda que alguem chegue ate aqui, mas obrigado por ler, espero que tenha apreciado, o final foi a coisa mais otimista que pensei em tempos, espero pelo menos que tenha dado a você que leu alguma esperança

Abraços
-Roy


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...