1. Spirit Fanfics >
  2. A intrusa >
  3. Quatorze

História A intrusa - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Alessa na foto.

Capítulo 15 - Quatorze


Fanfic / Fanfiction A intrusa - Capítulo 15 - Quatorze

bom dia- Jared coçou os olhos entrando na cozinha.

Ele vestia uma bermuda preta até as coxas deixando as pernas definidas a mostra, sem camiseta , algumas gotículas de água caiam dos cabelos escorrendo pelo peitoral . Olhei discretamente por alguns segundos voltando  os olhos do meu omelete.

Assim que acordei com as risadas vindas do lado de fora levantei e tomei um banho rápido. Era Jensen e Alessa na piscina, estavam rindo e jogando água um no outro. Ela dava gritinhos enquanto ele jogava água nela gargalhando. Alessa reclamava do cabelo molhando enquanto ele sorria para ela.

Não parece que estavam separados, nem que ela colocou vários chifres na linda cabeça loira dele.

Diferente de ontem, hoje fazia calor quando acordei Quando me viram na janela fizeram um sinal para que eu fosse até eles o que neguei. De forma alguma iria para a piscina com eles, então sequer me dei ao trabalho de vestir um biquíni, shorts e uma camiseta confortável era o suficiente, tinha planos de me isolar em algum canto da casa, assim que a conhecesse.

Sai devagar pela porta dos fundos para conhecer o lugar, já que ontem estava escuro e não consegui enxergar nada.

A casa era uma espécie de cabana de luxo, essas que tem o telhado em forma de triangulo, toda de madeira envernizada deixava tudo mais bonito e requintado, por todos os lados tinham arvores, exceto pela parte da frente que tinha um lago enorme com um pequeno píer, ali uma mesa, guarda- sol e cadeiras de madeira envernizada, vi algumas espreguiçadeiras e um canteiro bem cuidado, como se fosse uma entrada de flores roxas que levava até lá.

Olhando em volta não parecia ter outras  casas, estávamos totalmente isolados, na verdade depois do lago existiam mais arvores, notei que a única forma de atravessar por ele era nadando, talvez depois das arvores tivesse casas.

 Provavelmente iria para o lago depois do café ficar sozinha, a cor verde da água me dava uma sensação boa, era gostoso pensar em me isolar no lago durante o final de semana. Mesmo sabendo que seria uma tortura ficar aqui por dois dias pelo menos tinha uma distração, Alessa jamais entraria na água sabendo que pode estragar seu lindo cabelo loiro. Jensen e Jared iriam fazer de tudo para agradar ela depois do que aconteceu.

Como se ela sentisse alguma coisa, ela estava muito bem para..” esquece”.

Agradeci mentalmente que ninguém tinha essa preocupação comigo, na verdade foram rasos no assunto “como você está”e toda a atenção recaiu sobre Alessa, mais um bom motivo para sair de cena e aproveitar um pouco da paz e do silencio desse lugar.

Voltei para  a casa a procura de alguma coisa para comer, com sorte tinha ovos , bacon e cereal, me servi e sentei na mesa de madeira sozinha, aproveitando o meu momento para pensar, toda aquela sensação de paz e silencio era agradável, era como estar no meu antigo apartamento sozinha em uma noite de sábado. Pode parecer dramático, que eu fale para que pensem em como minha vida era patética. Na verdade ela era perfeita, admiro as pessoas que apreciam sua companhia, eu era uma dessas pessoas e não existia nada mais agradável do que ficar sozinha comigo mesma.

A viagem até aqui foi no mínimo estranha, Jensen demonstrou um certo interesse, estava intrigado com as coisas que falei e de uma forma “inocente” queria ser mais sobe as minhas atitudes.

Tinha que ficar esperta com ele, esperta com as coisas que sentia. Eu tinha todo o tempo do mundo para bolar estratégias e sair do foco dele, não quando tudo parecia forçado, como se ele fizesse por querer.

Pode ser verdade, ou pode ser coisa da minha cabeça..

Estava decidido, depois da viagem eu iria me afastar. Estar aqui é um pequeno desvio, iria aproveitar porque sabia que na minha volta teria muitas coisas para resolver e eu precisava ter tudo pronto, tudo planejado para que no final as coisas aconteçam conforme planejado.

Daí sim a guerra iria começar.

-bom dia- falei pegando o garfo, levando até a boca com comida.

- sabe como fui parar no quarto?-falou dando um beijo na minha cabeça , pegando em seguida café na cafeteira- merda de dor de cabeça.

- Jensen levou você- falei dando de ombros- tenho remédio na bolsa se precisar.

-acho que preciso nesse momento.

- melhoras Jared.

- bem, acho que bebi um pouco..

-um pouco? Bebeu todas..

- espero não ter falado nada demais.

-fica tranqüilo, você foi um anjo.

-ela está mentindo- ele entrou pela cozinha com uma toalha nos ombros.

- estou?- revirei os olhos.

- chamou ela para dormir com você. Que garoto malvado- Jensen e pegou uma caneca servindo um pouco de café- não se controla nem quando tá de porre Tristan.

-eu fiz isso? Que vergonha..eu..bem..me desculpe..?

-esta tudo bem Jared , acontece. Não foi o primeiro nem o ultimo homem a dar perda total.- falei levantando- tenham um bom dia rapazes.

-onde vai?- Jared perguntou interessado.

-até o lago.

-iria com você se não estivesse com dor de cabeça. Minha cabeça parece que vai cair- falou apertando as têmporas.

- toma um café bem forte, ajuda- falei beijando a bochecha dele- Volto daqui a pouco.

-vou com você- Jensen falou inocente, o que me fez pensar seriamente se queria passar mais algum tempo sozinha com ele.

Ou se ele estava forçando momentos juntos comigo.

-não precisa..

- vamos garota. Também gosto de andar pelo lago.

- vai lá, vou tomar café e encontro vocês assim que possível  - Jared sorriu- onde esta minha irmã?

-foi para o quarto tomar um banho. Disse que o cabelo dela esta horrível, vamos Enrika?

 

** ** ** ** ** ** ** *

 

Cada passo meu me deixava mais apreensiva. Precisava ser o mais cautelosa possível, foi o meu foco durante todo o trajeto.

Jensen estava de bermuda e sem camiseta, ainda molhada do banho de piscina de mais cedo, o caminho até o lago parecia interminável, mas não andamos mais que quatro minutos em silencio..parecia uma eternidade. Tudo que escutava era as batidas do meu coração e a respiração dele que estava pesada.

-como passou a noite?- perguntou casual assim que chegamos até o pequeno píer de madeira.

-bem, obrigada.

- nossa trégua acabou?- falou parando por uns instantes para me encarar, pegou um maço de cigarros no bolso e uma caixa de fósforo acendendo em seguida.

Apertei o passo, sentando no chão e colocando os pés na água, sentindo a água gelada em cada movimento meu.

Seria perfeito se ele não estivesse aqui.

- não me interessa ser sua amiga, Jensen.           

Fui o mais fria e  direta que podia ser, acho que precisava mesmo me afastar desse homem. Toda essa gentileza me deixava com o pé atrás, porque ele é tão insistente?

- porque?- soltou a fumaça no ar, segurando cigarro entre os dedos.

- acabou o noivado com a Alessa e quer garantir a sua fatia?- saiu sem querer e sem pensar- ou garantir a diversão do final de semana? Estou na duvida.- falei irônica coçando o queixo.

-fica linda até quando está irritada- sorriu- está me dizendo que acha isso? Que eu me aproximei por algum interesse?- riu- acha que estou tão desesperado assim?

- eu não conheço você, na verdade ninguém aqui. Cada dia uma pessoa fala algo diferente, é difícil julgar na minha posição.

- ainda não respondeu minha pergunta- falou sério- eu tenho opções Enrika, não preciso disso.

-responda você a minha primeiro.

-não preciso me aproximar de mulheres pelo dinheiro, tenho tanto ou mais quanto você- encheu o peito para falar- não preciso atacar nenhuma garotinha quando tenho metade dessa cidade a disposição.

-ui, que soberbo- ri- e a outra metade?

-a outra metade já foi usada por mim - falou frio- não preciso  seduzir você ou outra mulher para conseguir as coisas, fica tranqüila.

-se esta dizendo- falei puxando os pés de volta.

-eu sei que me odeia porque dormi com sua amiga morta.

Aquilo me fez gelar.

Meu corpo todo estremeceu, minha respiração ficou pesada  sequer  consegui olhar para ele. Como ele pode tratar ela assim? Como ele pode chamar ela de a amiga morta?

Enrika foi muito mais do que isso, ela foi a minha irmã, a garota que juntei os cacos quando ele a quebrou  e que me deixou o maior presente da vida, Jamie.

- Giulia Hayes era o nome dela, não?- a voz saiu gelada, me cortando- ou como eu a conheci, Enrika Bennet. Concordou  em ela usar o seu nome?

-que bom que lembra dela.

- na verdade só lembrei quando soube que ela tinha morrido.

-então as mulheres são só isso ?

Estava em choque, sem reação e provavelmente sem cor nenhuma no rosto.

-porque tem essa mania de me julgar? De achar que eu sou a pior pessoa do mundo?

-porque você é- falei explodindo- não quero falar sobre a..Giulia agora, se puder me deixar sozinha, eu agradeço imensamente.

-essa é a minha casa- deu de ombros- fico onde quiser.

-ótimo- me levantei rapidamente- então eu vou.

-espera- segurou meu braço- se quer saber me deixa contar.

-não, eu já sei o suficiente.

-sabe que ela mentiu que era você?

-e  você mentiu para ela também.

Era insuportável falar que ela mentiu, que ela era Giulia. Era como dar razão a ele.

-estava a negócios na cidade- ele falou me olhando nos olhos, o maxilar travado- conheci ela em uma festa, era uma garota inocente, tímida e assim que me disse seu nome eu associei aos Bennet..principalmente por sermos amigos de longa data, nossas famílias.

-e resolveu mentir para ela- conclui.

-não..eu só não estava ali procurando um relacionamento. Mas a sua amiga insistiu e acabamos passando uma noite juntos, depois vieram outras e quando vi ela já estava praticamente passando todas as noites comigo.

-você é nojento.

-no outro dia ela perguntou meu nome, eu sei lá porque não falei antes, mas então eu disse que era Dean- soltou meu braço.

Eu estava petrificada, meu corpo pesava toneladas, sequer conseguia me mover.

- só inventei o nome porque sabia eu ela estava mentindo. Não me leve a mal, Giulia não parecia uma herdeira super rica. Como achei que seria só uma transa não achei necessário falar meu nome quando claramente ela sequer falou o seu nome verdadeiro. Acontece que ela grudou em mim como chiclete e eu não soube dizer não, então combinei com ela que duraria até eu ir embora e ela concordou.- o olhar dele era de desespero- eu poderia dizer que não, mas a verdade? Eu só queria me divertir e sair com pessoas, ela era uma das mulheres que sai naquela cidade e foi só isso.

Ouvir ele me deu vontade de gritar, de chorar e falar para ele toda a verdade. Meus lábios tremiam, ele sempre soube que Enrika era o motivo do meu desprezo por ele, era por isso que ele foi tão insistente.

-eu tenho nojo de você Jensen.

- Enrika eu sei   eu esse é o motivo. Eu estava noivo, tinha compromissos  e ela sabia, todas sabiam. Nunca menti nada a ela alem do nome, ela não se importava no começo..bem, e..

-não sabe o que fez com a  vida dela- falei não segurando as lágrimas-  acabou com ela, Giulia ficou dias esperando você..esperou por anos.

-nunca prometi nada e ela sabe...sabia.

-é fácil falar quando ela sequer está aqui para se defender. A minha amiga MORTA não passou de uma trepinha para você Dean Sanders.

- eu não queria machucar você- passou as mãos nos cabelos- não queria que fosse assim. Se eu soubesse que sua amiga era uma perseguidora carente jamais tinha saído com ela, eu juro que deixei tudo claro Enrika, ela quem misturou as coisas.

- não queria? Faz diferença agora?

- ela  nunca me disse que estava envolvida caralho. Ela concordava com tudo que eu falava, como eu ia saber?

-ela ligou para você, ela disse que você sequer atendeu.

- olha, quando sai da cidade conversei com ela. Contei que estava voltando para a minha vida, que tinha sido bom o tempo que passamos juntos...ela sequer falou algo.

-e agradeceu?- falei limpando as lagrimas- agradeceu a ela?

-eu não enganei ela, porra- falou alterado- nunca disse que queria algo sério, nem sabia que para ela éramos alguma coisa...nunca prometi nada, nunca disse que ficaria ou voltaria por ela ,não passou de..diversão.- passou as mãos nos cabelos visivelmente nervoso- esta satisfeito, era isso que queria saber? Então essa é a minha verdade. Não pode m culpar se ela teve esperanças quando claramente não dei nenhuma a ela.

As palavras dele eram de cortar, jamais acreditaria em uma virgula daquele homem.

Era um mentiroso descarado e eu o odiava mais por isso. Por culpar ela pela situação quando ela jamais..ela não podia se defender.

-não fale, não olhe e nunca mais toque em mim. Nunca mais fale essas coisas dela, sequer a conhecia.

- esta exagerando- segurou minha mão- Enrika..

- eu odeio tanto você que chega a doer -falei puxando minha mão com força- não sabe tudo que causou a ela, não sabe.

-não posso ajeitar as coisas com ela, você sabe. Não estou mentindo para você.

- sempre soube quem eu era?

-desde o dia que conheci você.

- eu só quero ficar sozinha- falei andando.

Sai do píer e fui direto para o lado das árvores. Eu me odiava por chorar, mas pouco ligava por chorar na frente dele.

Tudo que Jensen falava era mentira, era fácil culpar Enrika que não podia se defender. Eu sei tudo que e vivi com ela, fui eu quem segurou Jamie mesma antes dela, fui eu quem a abraçou quando ela chorava o abandono.

Sempre fui eu.

Sem me preocupar entrei pelo meio das árvores, sentindo o peito pesado, uma vontade imensa de gritar, de chorar, chorar e chorar até essa dor passar.

Eu poderia chorar para sempre, mas isso nunca acabaria, nenhuma lágrima iria desfazer tudo que aconteceu . Ele sempre seria ele, sempre seria o cara idiota e enganador..e ela sempre seria minha amiga morta.

Sentei em algumas pedras depois de andar por alguns minutos, chorei tudo que estava entalado dentro de mim, até não conseguir mais chorar.Eu só sentia dor, aquele azedo na garganta de quem carrega o mundo nas costas.

Quando escutei o barulho das folhas sequer me movi, só não queria falar com ninguém. Continuei de cabeça baixa olhando para os meus joelhos, meus cabelos colados no rosto.

- Enrika..

-porra caralho- falei com raiva- para de me seguir por ai. Não entendeu que quero ficar sozinha?

- eu me sinto péssimo por ver você assim.

Ele parou na minha frente, estava olhando para os pés dele, sem levantar o olhar.

-nada que eu fale vai melhorar as coisas ou vai mudar o meu passado com ela. Seja lá o que ela falou para você eu me desculpo nesse momento. Não sabia que machucaria você, nem sabia o eu Giulia sentia e se  isso me torna uma pessoa ruim..me desculpe.

Não falei, não o encarei, apenas levantei e sai. Andando como se minhas pernas estivessem trocadas.

-me deixe em paz- sussurrei- me esquece.

Jensen me alcançou em segundos, parando na minha frente. Ele era mais alto que eu, encarei o peitoral sem olhar nos olhos dele.

-olha para mim- falou segurando meu rosto com as mãos- me deixe explicar.

A voz dele era uma suplica.

-quer explicar porque se preocupa comigo ou porque se preocupa com o que fez a ela?- minha voz era um fio.

-com as duas, se eu soubesse não teria passado de uma noite. Se..

-eu entendi, mas nunca poderei perdoar você por quebrar o coração da minha irmã.

Então ele fez a mesma coisa que fez ontem, ele se curvou segurando o meu rosto, colando nossas testas me olhando no fundo dos olhos. As mãos desceram pelo meu pescoço, afagando meus ombros até descer pelas costas onde passou as mãos com suavidade, um carinho quase invisível.

Fiquei imóvel, como se aquilo não estivesse acontecendo. Jensen me puxou para si, meu corpo bateu no peito dele, como um choque me fazendo acordar para a realidade. Então ele me abraçou enterrando o rosto no meu pescoço, respirando no meu pescoço e me fazendo arrepiar por inteira.

Não tive reação, sequer consegui pensar.

-me desculpe- sussurrou no meu ouvido.

Ele pode achar que é besteira minha me magoar por coisas que ele fez, eu tinha uma criança que dependia de mim, um filho que ele abandonou quando se aventurou em uma cidade pequena enganando uma pobre moça.

Jensen não sabia que existia uma criança, ele não sabia que existia um filho e nem uma mulher devastada. Ele não sabia de nada.

Meu  corpo todo tinha acordado, como se eu estivesse dormindo por um longo tempo. Era difícil lutar com a raiva e a magoa quando ele me fazia sentir aquelas coisas se  aproximando tanto de mim. Era como se o corpo dele me queimasse, me perguntei se ela sentia isso.

Se era isso que ele causava nela, se era assim todas as noites que ele passou com ela.

Meus olhos estudavam o rosto dele, a expressão que ele fez, nunca tinha visto essa expressão de pesar no rosto dele. Eu só queria sumir naquele momento, não queria estar ali por mais conforto que sentisse. Era uma mistura de conforto e repulsa..

Então ele avançou, fechei os olhos de imediato quando os lábios dele se chocaram contra os meus com delicadeza. Abri a boca de forma voluntária quando a  língua dele entrou na minha boca, as mão estavam na minha cintura, pressionando meu corpo contra o dele enquanto ele me beijava com calma, como se temesse alguma reação negativa minha. Por instinto segurei seu pescoço me deixando levar pela sensação que ele causava.

Era como engolir fogo e  esquentar o corpo por dentro. Cada movimento dele, cada investida me deixava confusa. Eu senti ódio e tesão se misturando, me consumindo rapidamente como uma vela na chuva.

Os lábios amassados contra os meus, a língua quente passeando pela minha boca.

Eu faria qualquer coisa nesse momento pela sensação que era ser beijada por ele. Queria pensar em Enrika, não consegui pensar em nada..só sentir.

-ENRIKAAAAAAAA,JEEEEENNNN- a voz vindo do lago me fez pular e sair rapidamente dos braços dele- ESTÃO TREPANDO NO MATOOOOO..????

-Droga- ele falou suspirando.

Era Alessa, ela gritava desesperada.

-melhor sairmos daqui- falei começando a andar.

Sequer conseguia olhar nos olhos dele, meu rosto pegava fogo e tudo que eu queria era sumir naquele momento.

 

** ** ** ** ** ** ** * * *

 

- achei que tinha se afogado no lago- falou com ao braços cruzados, um sorriso bobo no rosto.

Alessa estava impecável, os cabelos soltos, óculos de sol e um biquíni preto relevador com  os seios quase a mostra.

- fui dar uma volta - falei sem a encarar.

-e o Jensen?- falou desconfiada.

-não o vi, achei que estava com você- falei dando de ombros.

-Jared disse que ele saiu com você.

-não..sim- mordi o lábio- ele veio até o lago e disse que daria uma volta. Onde está o Jared?

- trocando de roupa para ir no mercado.

-ótimo, vou com ele- falei em apressando para sair. Boa sorte para encontrar o Jensen.

-Eu ainda não terminei Enrika.

-eu já, até mais Alessa.


Notas Finais


quem ta mentindo?
jensen?
enrika?
todos?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...