1. Spirit Fanfics >
  2. A Irmã >
  3. X - Os Shichinintai

História A Irmã - Capítulo 10


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei meus Hayous <3

Capítulo 10 - X - Os Shichinintai


Fanfic / Fanfiction A Irmã - Capítulo 10 - X - Os Shichinintai

A Irmã

Capítulo X – Os Shichinintai

 

— Ahaaa, você é irritante. — InuMary resmungou ao virar o rosto para o lado e encarar o pequeno rio que seguia um arrozal.

— Você que é irritante, maldição! — InuYasha gritou raivosamente.

Fazia poucos dias que a jovem hayou conseguira exterminar o morto-vivo, e tendo conseguido mais um fragmento, seu irmão tentava lhe tomar o mesmo. Os dois caminhavam na frente do grupo e reclamavam um do outro. Eram como duas crianças brigando por um brinquedo novo.

— InuYasha. — a voz da miko soou, fazendo o grupo parar de andar e os irmãos sem virarem para olha-la. — Ali! — ela apontou para o outro lado o arrozal, onde um grupo de soldados descia o rio.

— Keh, outra guerra. — o hayou bufou virando o rosto e retomando o seu caminho.

— Humanos são engraçados. — a hayou riu cínica. — Gostam de se matarem.

— Não, não acho que é isso. — o monge olhou pensativo para os saldados portando espadas e escudos. Também levavam bandeiras e seguiam o comandante que montava a cavalo. — Não sinto que é uma guerra entre humanos.

— Será que eles estão indo dominar alguma coisa? — a exterminadora indagou.

— Isso é muito pretencioso. — InuYasha resmungou virando o rosto e encarando novamente os humanos.

O grupo voltou a caminhar, seguindo o rio e olhando atentamente os trabalhadores que estavam no arrozal.

— Ouvir falar que a patrulha da fronteira foi totalmente aniquilada. — disse um velho que se apoiava na enxada.

— Deve ter sido terrível. Nenhum humano poderia ter feito aquilo. — outro velho falou.

Os jovens que passavam prestavam a total atenção na conversa alheia.

— Então os rumores são realmente verdadeiros? — um velha se encontrava no meio. — Os Boureis da Shichinin-zuka(sepultura de Sete Pessoas) foram ressuscitados?

— Boureis Shichinin-zuka? — Kagome murmurou, confusa e curiosa.

— Ei! — Miroku desceu a ribanceira afim de perguntar os velhos o que estava acontecendo.

Logo todos os velhos subiram a ribanceira junto com o monge, que parecia serio ao ter ouvido os rumores. InuMary encontrava-se um pouco afastada do grupo, mas ainda ouvia atentamente o que os velhos falavam.

— A Shichinin-zuka é uma sepultura para acalmar os Shichinintai(Tropa das Sete Pessoas/Exercito dos Setes). — explicou uns dos velhos que cruzava os braços e olhava para o monge.

— O que são os Shichinintai? — Miroku perguntou.

— Mais de uma década atrás, eles chegaram aqui oriundos da província do Leste. Os Shichinintai era uma tropa formada por Sete Mercenários. Não serviam a senhor alguém, mas trabalhavam em guerra a guerra. Os setes eram tão fortes, que podiam fazer o trabalho de cem homens. Mas seu estilo de matança era desumano demais. Aqueles que eram mortos pela Shichinintai eram esquartejados ou queimados... — a velha engoliu em seco, como se lembrasse do horror que já viveu.

— Eles eram um grupo de humanos malignos que amavam matar. — outro velho completou a explicação.

InuMary deu um sorriso de lado, parecia interessante. Mas a descrição que acaba de ouvir, lhe lembrava algo. Algo que sua mente ainda não queria recordar.

— Os líderes que temeram a força dos Shichinintai, armaram um plano e mandaram todos os caçarem. Dizem que eles lutaram duro e conseguiram escapar para as montanhas, mas estavam em grande desvantagem numérica. E um pouco tempo depôs, foram finalmente capturados. E cada um deles fora decapitado e queimado.

— Ainda assim, os aldeões temeram uma maldição vinda deles. Então ergueram uma sepultura na base da montanha sagrada. E essa é a Shichinin-zuka.

O grupo de jovens olhavam para os velhos que acabaram de revelar a história dos Shichinintai.

Ouviram uma risada, e todos se voltaram para InuMary que ria estranhamente.

— Humanos são realmente hipócritas. — a hayou colocou as mãos na cintura enquanto encarava os velhos. — Então, pelo que eu entendi, no momento em que precisam dos Shichinintai na guerra, não temeram em chamar. E depois que a guerra acabou, decidiram eliminar os que salvaram suas províncias? Não é engraçado? — virou-se para InuYasha. — Eles simplesmente se matam!

InuYasha franziu o cenho, por mais que ela estivesse certa, ela não admitiria. Já havia visto muitas guerras entre humanos, eles sempre acabam se matando e traindo uns aos outros. Era o ciclo humano, não haviam como negar algo que sempre faziam.

— Uhum, Boureis... — Miroku divagou olhando para cima.

— O que você acha? — Sango perguntou ao monge.

— Sem o youki do Naraku por aqui, é possível que toda a corja tenha escapado.

InuMary nada disse, sabia que tudo era possível neste mundo onde vivia. E tinha plena certeza que o cadáver que atacou os lobos, pertencia a essa trupe. E estranhamente, aquele zumbi parecia terrivelmente familiar. A Hayou tentou não focar nisso, vivera tanto tempo que já começara a confundir as coisas. Balançou a cabeça e olhou para o grupo que debatiam a volta dos mercenários. InuYasha riu e disse que se eles aparecessem em sua frente, era só matar. Não que ele estivesse erado, mas aquilo soou tão divertido para a jovem, que a mesma sorriu zombeira do irmão.

Não demoraram muito para reunissem em uma clareira para comer. InuMary havia caçado alguns coelhos para o grupo, ela havia se tornado a caçadora oficial dos jovens. Apesar de não gostar muito de alimentar os humanos, InuMary via aquilo como um treinamento para a mente e o entendimento. Seu irmão estranhamento gostava daqueles humanos e até Sesshoumaru tinha uma humana consigo, isso fez a Hayou querer entender um pouco aqueles dois. E como não era muito boa conversando com eles, resolver apenas alimentá-los por hora.

Enquanto comia, um som alto os assustou. No mesmo momento as orelhas dos Hayous ficaram e alerta e seus olhares se cruzaram. Algo estava a acontecer, algo que cheirava estranho.

— Isso, um tiro? — Kogome parecia incrédula.

— Tiro? — InuYasha indagou. — Armas?

— Sinto cheiro de pólvora. — InuMary levantou-se e apontou o nariz na direção do cheiro. — E sangue. Muito sangue.

Os humanos arrelharam os olhos, pareciam estar curiosos em relação aquilo. Então os irmãos saíram em disparada pelas arvores em direção ao som e aos cheiros de pólvora e sangue humano. Enquanto corriam, InuMary conseguiu decifrar outro cheiro que lhe lembrava o cadáver de outra noite. O cadáver que atacou Koga e seus lobos youkais. Sorriu, então realmente estava certa. Aqueles eram realmente os Boureis que ressuscitaram. InuYasha e InuMary saíram da floresta em um pulo e pousaram em uma estradinha, no mesmo momento o Hayou fez uma cara de espanto quando em sua frente viu vários humanos mortos no chão e um único ser no meio do mar de sangue.

— O que é? — a Miko perguntou enquanto tentava alcançar os Hayous.

— Não venha! — InuYasha virou-se para ela e gritou, tentando poupa-la da visão sangrenta.

InuMary revirou os olhos visivelmente incomodada com aquilo. A humana tinha que ver o que os humanos faziam um com outro e com os outros seres. Seus olhos amarelados focaram-se no ser que uma vez já fora um humano traído por sua própria espécie. Mas então uma sensação lhe percorreu, o rosto a frente não era todo estranho. Cabelos negros, pele pálida e lábios vermelhos como que se ele tentasse se parecer com uma mulher. Vestia-se uma yukata rosa com detalhes em verde e um cachecol lilás. Seu rosto era afeminado com maquiagem, mas ele era claramente um homem.

Aquele ser, que fedia a cemitério, olhou para os irmãos. Arregalou os olhos, parecia que recolherá alguém. Seu rosto se iluminou ao dar um sorriso alegre.

— Você seria a... InuMary?

Todos os olhos se voltaram para a Hayou que tentava se lembrar de onde aquele ser lhe conhecida e por que ele parecia tão familiar. Foi então que suas memórias de doze anos atrás regressaram abruptamente, fazendo seu coração dar um pulo estranho.

— Jakotsu? — murmurou mais para si mesma.

Era ele mesmo. Apesar de não gostar de humanos, há doze anos a jovem apreciou um grupo de guerreiros humanos que mais pareciam youkais. Fortes e idiotas, eles morreram em uma emboscada. Os Shichinintai eram eles, agora ela lembrava.

— Ahh, é você mesmo! — Jakotsu deu alguns pulinhos de animação. — Bankotsu-aniki vai ficar feliz!

InuMary ergueu as sobrancelhas perante ao nome que foi citado.

— Ele também reviveu?

— Claro.

Sem pensar duas vezes, InuMary caminhou em direção ao ser ressuscitado.

— Espere, você conhece esse maldito? — InuYasha quis saber ao segurara-la pelo braço. — Olhe o tanto de humanos que ele matou.

— Oh... — Jakotsu olhou para o Hayou que se parecia com InuMary. — Que gracinha você! Que orelhinhas lindas!

— O que? — o jovem deu um passo para trás, aquilo soava estranho.

— Eu amei essas orelhinhas, me dê elas. — sorrindo de um jeito anormal, Jakotsu ergueu sua espada.

— Ah, mas InuMary também tem as orelhinhas. — Kagome indagou, sem entender nada.

— Eu não me interesso por mulheres.

InuMary que não se importou com os humanos, soltou-se de InuYasha e caminhou em direção a Jakotsu.

— Onde ele estar?

— Indo para onde nos mataram. — o ser respondeu com uma expressão sombria. No mesmo instante, a Hayou sacou o que eles pretendiam. Vingar-se daqueles que armaram contra o grupo. A jovem de cabelo platinado respirou fundo, não sabia por que estava tão euforia que só o pensamento lhe deixava afoita.

Ela estava pronta para correr quando a voz de seu irmão inundou seus ouvidos.

— Onde você vai, maldita? Pensei que realmente estaria do nosso lado! Não disse que iria me acompanhar?

Virando-se de leve, InuMary olhou o irmão recém descoberto.

— Quão tolo você é? Nunca disse tais palavras, você que deduziu isso tudo sozinho. — fria e dura, a Hayou alcançou-lhe um olhar mortal, deixando claro para não segui-la.

— Ahh, posso ficar com ele? — Jakotsu olhou-a com suplica.

— Faça bom proveito. — fora a última coisa que disse antes de correr e voltar para a floresta, desaparecendo por entre as arvores. 


Notas Finais


Então amores, no próximo cap. teremoas mais um flash back das memorias de InuMary '3'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...