1. Spirit Fanfics >
  2. A irmã Bennet >
  3. Capítulo 4

História A irmã Bennet - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Bem, aqui estou
Por causa do corona eu vou precisar ficar em casa, ou seja, escrever bastante. As suas escolas também foram suspensas? E o que vcs vão fazer para se distrair?
Aproveitem a leitura☺

Capítulo 5 - Capítulo 4


Fanfic / Fanfiction A irmã Bennet - Capítulo 5 - Capítulo 4


Elizabeth

Faz alguns minutos que estou na frente de meu espelho, apenas checando se meu vestido não estava amassado, ou sujo, e se meu penteado não está torto. Deixei metade do meu cabelo solto e fiz um coque com minha franja cumprida e deixando propositalmente fios rebeldes do lado do meu rosto. Minha roupa era escura, cor de vinho para ser mais exato, e de magas cumpridas com um decote simples na frente e um maior atrás. Respiro profundamente antes de me retirar de meu quarto e descer as escadas, o jantar já havia sido preparado pela nossa empregada, era apenas esperar os convidados e ele seria servido.

Por algum motivo meu estômago está se revirando, e minhas mãos estão suando e agora estou esfregando-as no meu vestido para aliviar a tensão. Olho freneticamente para janela, esperando alguma movimentação. Meu irmão mais velho se aproximou de mim e ficou ao meu lado.

-Por que está tão ansiosa irmã? -Cris me perguntou olhando também para a janela, procurando por algo.

-Eu apenas estou olhando para as estrelas, nada demais. Percebeu que elas estão muito bonitas! -Falei olhando para ele. E voltei a olhar para frente. Ele apenas me olhou pelo canto do olho e sorriu.

Meu pai está com o cabelo mais ajeitado e está trajando suas melhores roupas, meus irmãos não estavam diferentes. Já Agatha e Gisele estão vestindo roupas elegantes, e bem chamativas, que compraram mundo à fora, e usam cabelos elaborados e chiques. Claro, que minha madrasta reclamou que estou muito simples e comum para tal visita, e eu apenas respondi que estava elegante o suficiente para receber qualquer um. E ela apenas ignorou. Foi quando ouvimos barulhos de cavalos, e eu olhei para fora e avistei nossas visitas se aproximando.

Meu pai saiu de casa para receber os convidados, sai também, logo após meus irmãos, Agatha e Gisele, e fiquei em pé lado de minha irmã.

-Boa noite Senhora Darcy. - Vi meu pai abrindo a porta da carruagem e estender a sua mão para a Sr. Darcy.

-Igualmente Sr. Bennet. -Ela falou e papai acenou com a cabeça. -Oh, boa noite rapazes. E boa noite querida amiga. -Falou ela se aproximando de Agatha e dando um leve abraço. E apenas deu um aceno de cabeça para Gisele ao meu lado. -E você deve ser a “famosa” Elizabeth Bennet, é um prazer conhece-lá finalmente.

-Boa noite senhora Darcy, também é um prazer conhecer você. Ouvi muitas coisas agradáveis sobre sua pessoa. -Falei fazendo um leve reverência. A mais velha a minha frente usava um vestido escuro, por conta do recente luto do marido, e usava um coque elaborado e elegante, estava cheia de joias e maquiagem.

-Boa noite senhorita Elizabeth, acho que se lembra de mim. Sou a Georgiana. -A mais nova se aproximou de mim, e trajava um vestido rosa claro e um colar dourado, seus cabelos estavam em um coque baixo e muito frouxo.

-Claro que me recordo de você senhorita Georgiana. E fico feliz que também se lembou do meu nome. -Falei dando um leve e gentil sorriso. Ela sorriu também e entrou junto com sua mãe. Fitzwilliam logo se aproximou de mim, e trajava uma roupa totalmente escura, que ressaltava sua pela clara e olhos azuis.

-Boa noite Srta. Bennet. -Ele mal olhou em meu rosto e fez uma pequena reverência e logo entrou na casa junto com a minha e sua família. E eu apenas dei um “boa noite” sussurrado, já que ele estava muito apresado e não deve ter escutado.

Todos estavam na mesa de jantar lindamente preparada. Meu pai estava na cadeira da frente, à sua esquerda sentava Sra. Bennet, Gisele, Matthew e eu, e do lado direito da mesa estava, Sra. Darcy, Cristofer, Srta. Georgiana e Sr. Darcy, nessa ordem. Comíamos a comida com algumas conversas no ar, também havia piadas antigas e lembranças de algumas situações engraçadas. Já eu não comentava muita coisa, acho que foi por medo de Agatha me repreender ou comentar algo, e eu era atraída, constantemente, pela face do homem na minha frente, que agora comia a comida servida. Meu irmão um pouco mais velho percebeu meus olhares e meu silêncio e resolveu dar uma “ajuda”.

-Bem, Sr. Darcy acho que já comentei sobre minha outra irmã para você. -Falou Matthew tomando um gole de seu vinho.

-Creio que sim meu amigo. Mas não sabia que a mesma tinha voltado de viagem. -Ele falava se dirigindo ao outro, e não a mim, mesmo estando a sua frente.

- Oh eu jurava que tinha comentado sobre isso, bem, ela visitou aquela biblioteca de Londres que você falou para mim outro dia.

-É verdade? -E nesse momento foi a primeira vez que ele me olhou nos olhos naquela noite. Eu podia sentir minhas bochechas corarem aos poucos por causa de seu olhar penetrante.

-É verdade sim. Conhecia o bibliotecário, pois ele fornecia alguns livros didáticos para o internato, então passávamos horas conversando sobre algumas obras literárias. -Falei devolvendo o mesmo olhar que Sr. Darcy me dera.

-Aposto que conheceu muito bem esse bibliotecário em Londres! Com esse papinho de livros, que deselegante. -Agatha se meteu na conversa com sua voz de desgosto, deixando todos da mesa chocados. Eu apenas larguei meus talheres e comentei:

-Bom, se a senhora tivesse me perguntado antes como foi minha viagem, eu teria lhe contado que conheci Sr.Clark por acaso no internato, pois sua esposa era uma cozinheira da escola. Eu era muito amiga da mulher, ela me tratava muito bem. E um dia ela me chamou para jantar em sua casa nas férias, foi nesse dia que conheci oficialmente o Sr. Clark e sua filha, Jane Clark, que por acaso também estudava no internato apenas um ano mais nova. E eu e Sr. Clark ficamos quase a janta inteira falando apenas de livros de fantasia. Até ele me deu de presente alguns livros repetidos do seu estoque quando soube que eu iria embora. -Eu falava com postura, e sempre direcionava meu olhar para cada um da mesa, especialmente Sra. Bennet que ficou extremamente envergonhada. E no final lhe dei um pequeno sorriso. -Também fiquei muito amiga da filha deles. Acho que contei a vocês?! -Perguntei aos meus irmãos que apenas concordaram com a cabeça.

-Que interessante. Quais livros ele lhe deu? -Sr. Darcy ignorou totalmente o comentário de minha madrasta e continuou nossa conversa anterior. E o restante da mesa, continuaram suas conversas, até mesmo Sra. Bennet. Que depois começou a oferecer mais vinho aos convidados.

-Vários para falar a verdade. Posso até mesmo mostrar na biblioteca de meu pai, claro depois do jantar. -Após minha fala ele pareceu ficar ainda mais contente. Conversamos o restante do jantar, falando de viagens e sonhos, acho que foi a primeira vez que fui eu mesma perto de um homem, que não fosse da minha família, e isso foi diferente e muito agradável.

Depois da refeição, cumpri minha promessa e levei Fitzwilliam para a nossa biblioteca, ela era pequena mas muito aconchegante para ler. Mostrei alguns dos meus livros favoritos, também alguns de poemas que meu pai possuía.

-Engraçado seus irmãos gostam de livros de ciência, e quase não leem. Já você é apaixonada por uma estante de fantasia. -Falou Sr. Darcy passando seus dedos longos pela estante de madeira e as capas duras dos livros. -Igual a mim. -Ele comentou baixo, acho que era mais para ele do que para mim.

-É verdade! Ninguém nessa casa ousou mexer na parte de Lizzie dessa biblioteca quando estava fora! -Falou Matthew com uma taça de vinho na mão, se intrometendo na conversa.

-Verdade, outra vez sem querer mexi em seus livros, ela ficou dias sem olhar para mim. -Cristofer comentou, também com uma taça em mãos.

-Nem é para tanto, só gosto de tudo organizado. Separo minha estante pelos tamanhos e pelos… -Fui interrompida por Sr. Darcy que complementou minha frase:

-Autores. Também gosto dos meus livros organizados dessa forma. -Ele apenas olhou para mim e eu sorri.

-Elizabeth, meu irmão também possui uma grande biblioteca lá em casa, e ele não deixa ninguém entrar lá sem sua autorização. E sempre que saí de casa ele tranca o lugar. -Falou a irmã de Fitzwilliam com um sorriso, e assim deixou o irmão envergonhado.

-Isso mesmo, lembro-me que Fitzwilliam não deixava nem a empregada limpar o local! Ele mesmo que tirava o pó da estante, até mesmo em Londres, lembro do meu marido brigando com ele por causa disso. -Agora foi a vez de Sra. Darcy deixar o filho mais sem jeito. E eu apenas dei uma risadinha baixa para ele.

-Podemos mudar de assunto? -Sr. Darcy falou rapidamente antes de qualquer um fazer algum comentário sobre o assunto.

-É claro! Quase me esqueci, Sra. Darcy poderia me acompanhar até o jardim? Preciso mostrar como a noite está bonita! -Falou minha madrasta já se levantando e esticando o seu braço para a outra, que entrelaçou na hora e saiam do cômodo em seguida, ambas com um sorriso no rosto.

No começo achei um bocado estranho, mas ao olhar pela janela percebi que a noite realmente estava bonita. Cheia de estrelas no seu e uma lua cheia e branca. Os rapazes na minha frente começaram suas conversas sobre caça e montaria, e mesmo que eu gostasse do assunto não podia me intrometer, princialmente por causa da visita. Já Georgiana e Gisele continuaram a conversar sobre algum assunto, porém percebi que Srta. Darcy estava muito desconfortável, pois ela constantemente olhava para mim como forma de ajuda. Então eu rapidamente me aproximei dela e me sentei ao seu lado, e ela se virou para mim começando uma conversa totalmente aleatória sobre um assunto, deixando de lado minha “irmã”.

Vários minutos se passaram, quando as mais velhas adentraram o local novamente, que se sentaram próximas a janela para fofocar sobre algo mais particular. E então a Sra. Darcy se levantou da poltrona e anunciou que estava muito tarde e que precisava voltar para casa.

E assim, todos estavam do lado de fora agora, se despedindo. Eu estava mais afastada das famílias e acenava gentilmente para todos, e percebi que Sr. Darcy, após se despedir de todos, entrou rapidamente na carruagem e pegou algo, e foi em minha direção apressadamente.

-Eu não tinha muita certeza no início, mas acho que isso lhe pertence. -Ele estendeu meu querido livro que eu havia perdido naquela manhã.

-Achava que tinha perdido meu Moby Dick na floresta, fiquei chateada no começo, e eu iria procurá-lo no dia seguinte. Muito obrigada Sr. Darcy, acho que salvou minha vida. -Falei abraçando meu querido livro no peito. Acho que nunca me perdoaria se não o encontrasse.

-Vi que na primeira página estava escrito Lizzie, não entendi muito bem, mas quando ouvi Matthew comentar seu apelido, imaginei que seria seu. E depois que você fez pela minha irmã, acho que é o mínimo que posso oferecer. -Ele falou se aproximando um pouco e fazendo uma reverência de despedida e entrando na carruagem por último.

Ficamos acenando até o veículo desaparecer no horizonte. Minha madrasta rapidamente se aproximou de meu pai e cochichou algo em seu ouvido, depois entrou na casa. A expressão de meu pai passou de neutra para surpresa, e logo entrou apressado. Meus irmãos se aproximaram de mim devagar, já sabia que fariam algum comentário sobre essa noite.

-Nossa, que jantar! -Cristofer estava no meu lado direito, e comentou alegre.

-Realmente! Que jantar agradável. Principalmente os olharem do Sr. Darcy dava para nossa Lizzie. -Matthew do outro lado falou para mim com um sorriso.

-Que tipo de olhar? Apenas estávamos conversando sobre literatura! Já que, vocês dois, apenas gostam de ficção científica ou sobre guerra, e papai apenas poesias. Mas ao contrário, Sr. Darcy possui um ótimo gosto para as histórias de fantasias. Nada demais falar sobre isso. -Falei olhando para os rapazes que permaneciam seus olharem distantes e mantinham seus sorrisos travessos.

-E do que Fitzwilliam estava falando, quando disse sobre “e depois que você fez pela minha irmã, acho que é o mínimo que posso oferecer.”? -Falou Cris, tentando imitar a voz grossa de seu amigo, e se virando para mim, com um sorriso desconfiado.

-É verdade, o que você fez para nosso amigo ficar tão agradecido? Ele nunca falou assim com ninguém, acho que nem para a própria irmã. -Perguntou Matthew, que também se direcionou para mim com os braços cruzados.

-Quer saber, vocês são muito intrometidos! Não podem fazer esse tipo de pergunta para uma dama! E se estão tão curiosos, perguntei para Sr. Darcy, boa noite. -Falei olhando feio para eles e entrando em casa, e ouvi as altas risadas dos meus irmãos do lado de fora.

Deixei meu querido livro sobre o criado-mudo, e fui até a janela pensando: “Ele gosta mesmo de literatura fantástica, que estava disposto a procurar o dono de um livro que ele encontrou na mata. Engraçado, nunca tinha conhecido outro homem que gostasse de livros assim, apenas Sr. Clark, mas não conta. E pude até mesmo falar sobre minhas imaginações, e ele até contou sobre as suas. Espere um pouco, eu não posso gostar dele, eu apenas o vi duas vezes! Ou posso?”


Notas Finais


Obrigada por lerem mais um capítulo
Até a próxima😊

Capítulo 4: https://pin.it/2g3M9kp
Vestido da Lizzie:
https://pin.it/2wPpzrk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...