1. Spirit Fanfics >
  2. A Irmã de Hannah Baker. >
  3. Fundo do poço.

História A Irmã de Hannah Baker. - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Fundo do poço.


Fanfic / Fanfiction A Irmã de Hannah Baker. - Capítulo 1 - Fundo do poço.

Me pergunto até quando eu continuaria evitando eles, passando a noite e o dia em bares fedorentos, bebendo bebidas alcoólicas, fumando e transando com qualquer um que aparecesse em minha frenta. Já haviam se passado apenas horas desde quando eu descobri sobre a morte dela e eu ainda estava devastada, meus sentimentos eram compostos por culpa e ódio, eles estavam acabando com o resto da sanidade mental que me sobrava... quando soube da morte de Hannah, eu me senti sem chão, como se o mundo havia desabado sobre os meus pés. Eu estava me sentindo um monstro por não estar ao lado dos meus pais nesse momento tão doloroso e devastador, por imaturidade, eu havia saido de casa bem nova, com os meus 17 anos, deixei todos para trás, meus amigos, minha família e principalmente, minha irmã mais velha.

É claro que eu arrependia amargamente de ter feito isso, mas eu era orgulhosa demais para ter admitido isso naquela época, agora eu estou aqui, com os meus 19 anos e sem um teto para morar, vivendo à base de bebidas e homens. Sim, minha vida havia se tornado deplorável.

A bebida estava fazendo efeito em meu sangue, minha cabeça latejava e eu já não conseguia parar em pé. As mulheres dançavam nas pistas de dança, praticamente peladas e algumas outras se esfregavam nos homens. Eu sabia que a minha ressaca amanhã seria dolorosa, a dor de cabeça viria impiedosamente. Mas, tudo o que eu queria neste momento, era os meus amados pais de volta... estava sentindo tanto a falta deles, que seria bem provável que eu me levantesse daqui e saisse correndo para a casa deles, que ficava em outra cidade. 

Eu não queria ser dependente deles, por isso fui embora, mas eu não sabia que a minha vida viraria de cabeça para baixo desta forma... em meio às dores de cabeça e gritaria, deixo minhas lembranças me guiarem até o dia da morte de Hannah.

Flashback on:

Era mais um dia infernal como os outros, havia sida demitida do único emprego que eu consegui, empregada doméstica. Sim, eu me deixei chegar no fundo do poço.

Eu estava chegando perto do ponto de ônibus, extremamente brava com a vida que Deus havia me dado... até que o meu celular toca, bufo e o pego, era o meu pai... hesitei por um momento e finalmente atendi o telefonema.

— O que é... — paro ao ouvir ele chorando — Pai?

— Emma... — ele diz fungando — Eu sinto muito. — e então, sinto uma dor no peito, já desconfiando de que algo de grave havia acontecido — A sua irmã se suicidou. — paraliso imediatamente, sinto o celular escorregar da minha mão e cair no chão.

Não, aquilo não seria possível. Como assim? Eu perdi a minha irmã? E então, um flash de lembranças minhas e de Hannah se passam em minha cabeça e eu caio de joelhos no chão, a dor em meu peito aumentava cada vez mais e eu não conseguia mais conter o choro doloroso que estava por mim. E então, eu chorei, chorei como eu nunca havia chorado.

Eu sentia as pessoas passando por mim e me encarando, mas eu não dava a mínima, só queria que aquela dor insuportável saísse de mim. Eu sentia pingos serem derramados em mim, insinuando que estava começando a chover... chuva... era o que Hannah mais amava.

Eu fiquei por algum momento no chão, até me levantar com dificuldades e ir ao primeiro bar que eu encontrasse. 

Flashback off:

Limpei algumas lágrimas que insistiam em cair e ouço alguns passos se aproximarem. Olho para trás e vejo dois homens se aproximando de mim, o maior se sentou ao meu lado direito e o de pele negra do meu lado esquerdo. 

— Dia ruim, princesa? — perguntou o do lado esquerdo, eu estava extremamente bêbada, não estava nem conseguindo responder direito — Qual é o seu nome? 

— Emm...a — falei com dificuldades e quase caindo do banco.

— Certo. Ei, amigão. — ele chama o garçom — Trás um bebida para ela. — o de pele negra se vira para mim — Você aceita? — assinto com a cabeça, segundos se passam e a bebida chega.

— Aqui, tome. — pego o copo da mão do cara musculoso e bebo tudo — Isso, gosto de meninas obedientes. — falou o negro.

Sintos eles passando suas mãos pelo o meu corpo e eu tento me afastar, sem sucesso algum, eu estava fraca demais para isso, e então, senti uma enorma vontade de dormir, me deitei sobre o balcão e fechei os olhos. Mas, antes de eu dormir, escutei alguém gritando o meu nome e logo depois, eu apaguei. 


Notas Finais


Mais uma história para vocês, espero que gostem.<br /><br />(Obs: não sei como funciona o boa noite cinderela, caso eu tenha falado algo de errado, me perdoem).


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...