1. Spirit Fanfics >
  2. A irmã de Harry Potter >
  3. Perebas Pettigrew

História A irmã de Harry Potter - Capítulo 61


Escrita por:


Notas do Autor


Check-in de capítulo longo? OK!

Capítulo 61 - Perebas Pettigrew


POV Harry

 

Não teve jeito, nada tocou o ministro ou ao professor Dumbledore, do topo da escadaria de pedras que dava acesso a Hogwarts e a cabana de Hagrid, vimos o carrasco descer o machado em Bicuço. Hermione na hora virou para Rony e o abraçou chorando, enquanto eu a abraçava também, estávamos concentrados naquele momento até que Rony gritou:

- Ai! Ele me mordeu. - alguns minutos antes, na cabana, Hagrid entregou Perebas, o rato de Rony, a ele, que se sentiu aliviado em ver seu animalzinho.

Meu amigo soltou o rato no momento em que o mordeu e o roedor, por sua vez, saiu correndo dali e Rony começou a correr atrás do rato gritando:

- Perebas, volta aqui!

- Rony! - Hermione chamou ele começando a correr atrás dos dois, então fiz o mesmo.

- Rony! - gritei também, mas em vão.

Ronald corria em disparado, assim como o rato, foi então que quando estava chegando perto do salgueiro lutador, meu amigo pulou no chão e conseguiu agarrar o rato, enquanto ainda um pouco distante Hermione e eu o observamos conversando com Perebas:

- Perebas, você me mordeu!

De repente Hermione falou:

- Harry, olha, você sabe que árvore é essa?!

Acho que ela sabia, mas só queria constatar, então respondi:

- Isso é mal, - então eu olhei pra Rony e gritei - RONY, CORRA!

Sentado no gramado com Perebas, ele apenas olhou pra mim com um olhar de medo e apontando em nossa direção, disse:

- Harry, Hermione, corram! - foi então que ao olhar pra trás nós vimos um grande lobo preto, o mesmo lobo que surgiu quando Hannah e eu saímos da casa dos Dursleys antes que o Nôitibus nos encontrasse.

O lobo ladrou nos olhando fixamente, foi então que escutamos Rony gritar novamente:

- É O SINISTRO! - foi nesse momento que ele latiu e correu em nossa direção, porém ele deu um grande salto por cima de mim e Hermione e avançou diretamente pra Ronald, o agarrando pela perna direita e puxando - AH, HARRY!

Eu e Hermione começamos a correr atrás de Rony que gritava desesperado, enquanto o lobo o arrastou para dentro de um buraco que havia nas raízes do salgueiro lutador, ao qual corremos e não conseguimos o alcançar, foi então que um dos galhos do salgueiro nos empurrou fazendo com que caíssemos longe, imediatamente nos levantamos e vimos a árvore se agitar, foi nesse momento que olhei pra ela e disse:

- Vamos!

Hermione e eu corremos em direção ao buraco enquanto o salgueiro descia em nossa direção seus galhos, até que ele resolveu girar um de seus galhos e Hermione gritou:

- SE ABAIXA! - não tive tempo, um dos galhos me arremessou pra longe e meu óculos caiu.

Escutei Hermione gemer, fiquei com medo que o salgueiro a tivesse acertado, foi quando eu vi, mesmo que com a visão embaçada, que ele ia me esmagar, então rolei pro lado e continuei o observando, até que escutei o grito de Hermione, foi então que resolvi levantar para procurá-la e quando fiz, tive de me abaixar, um dos galhos da árvore tentou me acertar e por acaso Hermione estava agarrada a ele.

Eu precisava fazer algo, então busquei por meus óculos e logo os encontrei, assim que os pus vi Hermione vir em minha direção gritando:

- HARRY! - ela me agarrou pela blusa e me levou do chão.

Os galhos do salgueiro rodaram mais uma vez conosco e logo ela me soltou me fazendo cair diretamente no buraco e em seguida ela também entrou caindo em cima de mim gritando.

- Me desculpe. - pediu ela envergonhada enquanto saia de cima de mim.

- Sem problema. - respondi enquanto me levantava.

- Onde será que isso vai dar? - perguntou ela.

- Eu tenho um palpite, - respondi enquanto batia a mão em minha blusa, me limpando, seguindo o túnel em que estávamos, ele não era tão estreito, havia uma escadaria e suas paredes eram de pedras - tomara que eu esteja errado.

Observar o mapa do maroto durante as noites em claro me dava noções de várias passagens que havia conectando Hogwarts com as redondezas e pelo que eu me lembre, essa era justamente a passagem que dava diretamente para casa dos gritos.

Hermione e eu seguimos com cautela até chegarmos numa portinha de alçapão ao qual abri e tratei logo de subir e ajudar minha amiga, nós começamos a seguir quando ela concluiu:

- Estamos na casa dos gritos, não estamos?

Eu apenas a respondi dizendo:

- Vamos. - comecei a subir as escadas do lado do alçapão, foi então que escutamos um grito de Rony vindo exatamente da direção em que estávamos indo.

Tratei de subir o mais rápido que pude as escadas até que numa sala à frente do topo da escada encontramos Rony sentado num pequeno puff.

- Rony! - disse aliviado.

- Rony, você está bem? - perguntou Hermione.

Infelizmente eu não tinha tempo pra saber se ele estava bem, precisava saber de outra coisa, então o perguntei:

- O cão, cadê ele?

Rony apontou nervoso pra porta dizendo:

- Harry, é uma armadilha, ele não é um cão, é um animago!

Foi então que olhando para o chão, vendo o rastro que havia do Rony até a porta, Hermione e eu nos viramos e demos de cara com um homem vestido com trajes sujos e em mal estado, cabelos na altura dos ombros, barba não muito curta, era ele, Sirius Black. Ele fechou a porta e começou a caminhar em nossa direção, foi então que Hermione se colocou entre mim e ele dizendo:

- Se você quer matar o Harry, terá que nos matar também.

- Não, só uma pessoa vai morrer hoje. - respondeu ele.

Foi então que a raiva me possuiu e eu disse:

- Então vai ser você! - empurrei Hermione e voei no pescoço de Black para enforcá-lo.

Com toda minha força eu o derrubei no chão e ainda com uma de minhas mãos em seu pescoço, tratei de puxar e apontar minha varinha pra aquele infeliz, Sirius Black riu e disse:

- Você vai me matar? Vai, Harry?

Comecei a tremer feito vara verde, eu estava hesitando, não sabia o por quê, foi então que escutei as portas se abrirem num estrondo e ao virar vi o professor Lupin apontando a varinha pra mim e conjurando:

- Expelliarmus. - em segundo minha varinha voou de minha mão e com um sinal de cabeça, Lupin mandou que eu saísse de cima de Sirius, então imediatamente o obedeci indo pro lado de Hermione.

- Ora, ora, Sirius, você está meio acabado, não está? - disse o professor avançando devagar pra cima de Black, ainda apontando sua varinha pra ele, enquanto ele permanecia deitado no chão - Finalmente o corpo reflete a loucura interior.

Imediatamente ele respondeu:

- E você entende muito bem da loucura interior, não é, Remo? - com isso, o professor Lupin abaixou a varinha e estendeu a mão para Sirius, que a agarrou e se levantou dando um abraço nele, emocionado, ele começou a falar - Eu o achei, ele está aqui!

- Eu sei. - respondeu Lupin.

Sem entender absolutamente nada, apenas observei a cena enquanto Hermione avançava cautelosa.

- Eu o achei e vamos matá-lo! - disse Black feliz.

- NÃO! - gritou Hermione interrompendo o momento dos dois - EU CONFIEI NO SENHOR E ESSE TEMPO TODO TEM SIDO AMIGO DELE. - ambos olharam pra nós de um modo meio frio, aquilo estava me incomodando muito - Ele é um lobisomem, por isso ele não tem dado aula.

O professor Lupin começou a avançar em direção da Hermione perguntando:

- Há quanto tempo você sabe?

Hermione o respondeu:

- Desde que o professor Snape pediu a redação.

- É, Hermione, das bruxas da sua idade, você é uma das mais inteligentes que eu já conheci, a única que é páreo pra você é a Hannah. - disse ele.

- AH, CHEGA DE CONVERSA! - gritou Sirius Black - Anda, vamos matá-lo!

- Espere. - pediu Lupin.

- EU JÁ ESPEREI MUITO! - rebateu Black - DOZE ANOS DE ESPERA EM AZKABAN!

O professor suspirou e tornou a nos encarar, ele nos analisou por um tempo até que virou novamente para Sirius e estendeu sua varinha dizendo:

- Está bem, mate-o, mas espere mais um minuto, Harry tem o direito de saber por quê.

- Eu sei por quê. - falei no mesmo instante fazendo que a atenção deles se voltasse a mim - Você traiu os meus pais, por sua causa eles estão mortos.

- Não, Harry, não foi ele, - interviu Lupin - alguém realmente traiu os seus pais, mas foi alguém que até recentemente eu achava que estava morto.

- E quem foi então? - perguntei.

- Pedro Pettigrew, - respondeu Sirius Black - e ele está nesse quarto agora. VAMOS, APAREÇA, PEDRO! SAIA, VAMOS BRINCAR!

De repente, o professor Snape entrou correndo pela porta conjurando:

- Expelliarmus. - a varinha voou da mão de Black fazendo ele e Lupin virar para o professor - Ah, como é doce a vingança, sonhei tanto que fosse eu a encontrá-lo.

Lupin resolveu intervir:

- Severo … - imediatamente o Snape apontou a varinha para ele.

- Eu disse a Dumbledore que estava ajudando o seu amigo a entrar no castelo e olha só, agora eis a prova. - disse Severo.

- Brilhante, Snape, mais uma vez você botou a mente aguçada pra funcionar e chegou como sempre a conclusão errada, não é? - Sirius Black disse indo em direção ao professor - Agora se você nos dá licença eu e Remo temos um assunto inacabado pra resolver.

Snape apertou a varinha na garganta de Black e questionou:

- Me dê um motivo, eu imploro.

- Severo, não seja tolo. - interviu Lupin.

Então Black disse:

- Ele não pode evitar …

- Sirius, cale a boca! - interrompeu Remo.

- AH, CALE A BOCA VOCÊ! - gritou Sirius.

- Olhe vocês, brigando como um casal de velhos. - debochou Snape.

- Por que não vai embora brincar com seu kit de química, hein? - perguntou Black debochando.

O professor Snape não conteve a raiva, ele apertou ainda mais a varinha na garganta de Sirius Black e perguntou:

- Você sabia que eu podia matá-lo agora? Mas por que negar isto aos dementadores? Eles estão tão ansiosos para ver você. - o fugitivo por sua vez começou a recuar e então Snape debochou - Estou detectando um sinal de medo? Estou sim! O beijo de um dementador, pode-se imaginar como deve ser difícil passar por isso, dizem que é quase insuportável de se presenciar, mas vou fazer um esforço.

Foi então que decidi agir, disfarçadamente fui até o bolso de Hermione e comecei a puxar sua varinha.

- Severo, por favor. - pediu Lupin.

Foi então que o professor Snape abaixou a varinha e apontou a saída dizendo ao Black:

- Vá na frente.

Severo olhou pra mim enquanto eu fui avançando em direção a ele e Sirius, então apontei a varinha de Hermione na direção deles e quando menos esperava, virei para o professor e conjurei:

- Expelliarmus. - Snape voou pra longe numa cama velha e empoeirada.

Escutei Hermione e Rony ficarem perplexos, foi então que Rony falou:

- Harry, o que foi que você fez?

- Atacou um professor. - complementou Hermione.

Sem me importar com meus amigos, continuei apontando a varinha para Black e Remo e perguntei:

- Fale desse Pedro Pettigrew.

Imediatamente o professor Lupin respondeu:

- Ele estudou com a gente, achávamos que era nosso amigo.

- Não, ele tá morto, - respondi na hora e apontei para Black - você o matou.

- Ainda não, - interviu Remo - também achava isto até que você disse ter visto ele no mapa.

- O mapa tava mentindo. - gritei.

- O mapa nunca mente, - gritou Sirius nos interrompendo - Pettigrew está vivo e ele está bem ali.

Ele apontou para Rony e logo o ruivo respondeu nervoso:

- Eu? Ele é maluco? Eu …

- Você não, seu tolo, - interrompeu Black - o seu rato.

Rony pareceu refletir por uns instantes, até que o disse:

- O Perebas está na minha família há …

- Doze anos?! - disse Sirius indo em direção a ele - Uma vida muito longa pra um rato comum como ele. Ele tem um dedinho faltando, não tem?

- E daí?

Foi quando comecei a ligar os pontos e disse:

- Só o que acharam de Pedro Pettigrew foi o seu …

- Seu dedo. - falou Sirius - Esse covarde cortou o dedo pra que todos achassem que estava morto e depois ele se transformou num rato.

- Quero ver! - pedi e assim Black voou na mão de Rony tentando pegar o rato.

Vendo a resistência do meu amigo, pedi:

- Dá o rato pra ele.

- Mas o que ele está tentando fazer com ele? - disse Ronald choramingando - PEREBAS, DEIXE-O EM PAZ!

O professor Lupin pegou sua varinha do chão e deu minha varinha a Sirius Black que soltou Perebas em cima do piano que havia no cômodo, o rato começou a correr e ambos começaram a atacá-lo, foi quando ele conseguiu sair do piano e quando ia sair por um buraco, Black o acertou e em segundo o rato se transformou num homem, que ficou entalado no buraco.

Sirius e Remo foram até o homem e o arrancaram de lá, o jogando pra trás perto do piano sob o olhar perplexo de Rony, o homem, por sua vez, olhou para eles e disse:

- Remo? Ah, é o Sirius, meus velhos amigos! - ele correu em direção a eles mas tentando passar pela porta, então eles o agarraram novamente e o jogaram para trás, ele olhou pra mim e começou a avançar - Harry, olhe só pra você, se parece tanto com seu pai, igualzinho ao Thiago, nós éramos grandes amigos.

Quando estava pra me tocar, Sirius correu pra cima dele e disse bravo:

- Como se atreve a falar com Harry? - Pettigrew correu pra trás do piano e Sirius correu atrás dele - Como se atreve a falar do Thiago na frente dele?

O professor Lupin e Black cercaram Pedro e então o professor disse:

- Você entregou Thiago e Lilian ao Voldemort, não foi?

Choramingando, ele respondeu:

- Eu não queria entregar, o Lord das Trevas, não tem ideias das armas que ele possui. Diga você, Sirius, o que teria feito? O que você teria feito?

- EU MORRERIA, - respondeu ele gritando enquanto Pettigrew tentava escapar por debaixo do piano - EU NÃO TRAIRIA MEUS AMIGOS.

Corri pra porta para impedí-lo de sair, foi então que ele me agarrou e começou a dizer:

- Harry, o Thiago não queria que me matassem, o seu pai … seu pai teria me poupado, - Remo e Black começaram a puxá-lo até arrancá-lo de cima de mim - ele teria me … PIEDADE!

Eles o empurraram pra perto do piano novamente e apontaram suas varinhas para ele, Sirius disse:

- Você devia saber, Pedro, que se o Voldemort não o matasse, nós o mataríamos.

- NÃO! - gritei na hora os intervindo.

Pettigrew me olhou com alívio, enquanto o professor Lupin olhou pra mim suspirando:

- Harry, este homem …

- Eu sei o que ele é, - disse o interrompendo - mas vamos levá-lo pro castelo.

Na hora Pettigrew se ajoelhou e começou a agradecer:

- Deus te abençoe, garoto, Deus te abençoe.

Eu me aproximava dele quando ele resolveu se jogar aos meus pés, na hora eu recuei e disse:

- Não me toque! Nós vamos levá-lo ao castelo, os dementadores vão cuidar de você.

Pettigrew tremeu de medo, mas não me importo, ele irá pagar pelo que fez aos meus pais de uma forma ou de outra.


Notas Finais


UFA! Tamo entrando na reta final, graças aos céus podemos dar um "ALELUIA" pra Cálice do Fogo, mas vejo a hora!!!
NÃO ESQUEÇAM DE COMENTAR!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...