1. Spirit Fanfics >
  2. A irmã Weasley e o cálice de fogo >
  3. Finalmente o jogo

História A irmã Weasley e o cálice de fogo - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


oie gente desculpa a demora para postar mas ta ai um capitulo fresquinho também quero já pedir desculpa pelos erros ortograficos capas estão sendo feitas por mim

Capítulo 5 - Finalmente o jogo


Fanfic / Fanfiction A irmã Weasley e o cálice de fogo - Capítulo 5 - Finalmente o jogo

capitulo 8 Irlanda vs Bulgaria

Agarrados as comprar, o Sr Weasley á frente, todos corram para a floresta seguindo o caminho iluminado pelas lanternas. Ouviram a algazarra de milhares de pessoas que se movimentavam á volta deles, gritos gargalhadas e trechos de canções. A atmosfera de excitação febril era extremante contagiosa, Mellison não conseguia parar de sorrir. Caminharam pela floresta durante vinte minutos, conversando e brincando em voz alta, Mel pulou nas costas de Fred e este começou a carrega-la, até que finalmente emergiram do outro lado e se viram á sombra de um gigantesco estádio.  

-Tem capacidade de Mil pessoas -Disse Mel a Harry que parecia espantado com tudo o que via. 

-Lugares de primeira! - Exclamou a bruxa do Ministério ao portão quando verificou as entradas deles - Camarote de honra! suba direto, Arthur o mais alto possível  

As escadas de acesso ao estádio estavam forradas com carpetes púrpura berrantes. Eles subiram com o resto da multidão, e foi quando começaram a subir que mel desceu das costas do irmão e começou a andar ao lado de Harry. O grupo do Sr Weasley continuou subindo e finalmente chegou ao alto da escada, onde havia um pequeno camarote, armado no ponto mais alto do estádio e situado exatamente entre duas balizas de ouro. Umas vinte cadeiras douradas e púrpura tinham sido distribuídas em duas filas, e Harry ao entrar na primeira com uma cena que ele jamais imaginaria ver.  

Cem Mil bruxos e bruxas iam ocupando os lugares que se erguiam vários níveis em torno do longo campo oval. Tudo estava banhado por uma misteriosa claridade dourada que parecia se irradiar do próprio estádio. ali do alto, o campo parecia feito de veludo. De cada lado havia três aros de gol, a quinze metros de altura, do lado oposto ao que estavam, quase ao nível dos olhos de Mel, haviam um gigantesco quadro-negro. Palavras douradas corriam pelo quadro sem parar como se uma gigantesca mão invisível as escrevesse e em seguida as apagasse, observando melhor, Mel viu que o quadro projetava anúncio no campo. 

Mel espiou para dentro do camarote estava praticamente vazio tirando pelo elfo doméstico sentado em uma cadeira, a ruiva viu o Harry indo em direção ao elfo e conversar com ele. quando este voltou Rony perguntou   

-Então isso e um elfo doméstico? - Repugnou Rony - Esquisitos, não são? - Mel já tinha os visto antes em hogwarts de vez em quando escapava no meio da madrugada para roubar alguma comida na cozinha.  

-Doby era ainda mais esquisito - disse Harry, com veemência.  

Rony tirou o onióculo e começou a testá-lo, observando a multidão embaixo, do lado oposto do estádio.  

-Vai haver um desfile com as mascotes dos times antes da partida - Leu Hermione no programa do jogo    

-AH, a isso sempre vale a pena assistir - disse o Sr Weasley - Os times nacionais trazem criaturas da terra natal, sabem, para fazer farol. 

O camarote foi-se enchendo gradualmente em volta deles durante a meia hora seguinte. O sr Weasley, Percy e Harry não paravam de apertar mãos, Percy se levantou tantas vezes da cadeira que Mel até perdera a conta.  

O ministro da Magia, chegou, e Percy fez uma reverência tão exagerada que seus óculos caíram e se partiram. Muito encabulado ele os consertou com a varinha e dali em diante permaneceu sentado, um velho amigo os dois já se conheciam e fudge apertou a mão de Harry paternalmente, perguntou como ele estava e apresentou-o aos bruxos de um lado e de outro. 

-Harry Potter, - disse ele em voz alta ao ministro búlgaro, que usava esplêndidas vestes de veludo preto, enfeitadas com ouro, e aparentemente não entendia uma única palavra de inglês- Harry Potter...ah, vamos, o senhor sabe quem é...o menino que sobreviveu ao ataque de você-sabe-quem...ternho certeza de que o senhor sabe quem é...o bruxo Búlgaro de repente, viu a cicatriz de Harry e começou a algaraviar em voz alta e excitada, apontando para a cicatriz.  

-Sabia que íamos acabar chegando lá - disse Fudge, esgotado a Harry - não sou grande coisa para línguas, preciso de Bartô Criycg nesses encontros, a vejo que o elfo doméstico está guardando o lugar dele... bem pensado esses Búlgaros danados têm tentado arrancar da gente os melhores lugares...ah, aí vem Lúcios! 

Mel foi a primeira a se virar de presa quando o nome foi pronunciado, logo sendo seguida por Harry, Hermione e Rony. Avançando vagorosamente pela segunda fila. Em direção a três lugares ainda vazios, bem atras do Sr Weasley, vinham ninguém menos que os antigos donos de Dobby - Lúcios Malfoy, seu filho Draco e uma mulher que Mel supôs que fosse a mãe do garoto.  

Mel e Draco se encararam, sorriram disfarçadamente um para o outro.  

-Ah, Fudge - Disse o Sr Malfoy, estendendo a mão para o ministro da maga, ao chegar mais próximo -como vai? acho que você não conhece minha mulher Narcisa? Nem nosso filho, Draco?  

-como estão? - isso Fudge, sorrindo e se curvando para a Sra Malfoy - E me permitam apresentar a você o Sr. Oblansk (" Ivakibsjm sebgir"), bem o ministro da Magia da Bulgária, e de qualquer modo ele não consegue entender nenhuma palavra do que estou dizendo, portando não faz diferença. E vejamos quem mais, você conhece o Sr Malfoy se encontraram fora na livraria Floreiros e Borrões, e os dois tinham partido para uma briga. Os olhos frios e cinzentos do sr Malfoy examinaram o Sr Weasley e depois a fila em que ele estava. 

-Meu Deu Arthur - disse ele baixinho - Que foi que você precisou vender para comprar lugares no camarote de honra? com certeza sua casa não teria rendido tudo isso, não? -  

-Lúcio acabou de fazer uma generosa contribuição para o Hospital Mungus para Doenças e Acidentes Mágicos. Está aqui como meu convidado - Fundge, que não prestava atenção na conversa dos dois comentou   

-Que...que bom- disse o Sr. Weasley com um sorriso muito forçado    

Os olhos do Sr Malfoy se voltaram para Hermione que corou de leve, mas retribuiu o seu olhar como determinação. Harry sabia exatamente o que estava fazendo os lábios do Sr Malfoy se crisparem. O Sr Malfoy se orgulhavam de ter o sangue puro, em outras palavras, consideravam qualquer pessoa que descendesse de trouxas, como Hermione, gente de segunda classe. No entanto, sob o olhar do ministro da Magia, o Sr.Malfoy não se atrevia a dizer nada. Acenou a cabeça com desdém para o Sr Weasley e continuou a avançar em direção aos lugares vazios. Draco lançou a Harry, Rony e Hermione um olhar de desprezo, mas assim que seu olhar se encontrou com o de mel ele mudou para um olhar doce e tranquilo como se ele precisa-se apenas daquilo para o tranquilizar ou coisa do tipo. depois se sentou entre a mãe e o pai.  

-Babacas Nojentos - Murmurou Rony quando ele, Harry e Hermione tornaram a se virar para o campo. No momento, seguinte, Ludo Bagman adentrou o camarote de honra.  

-Todos prontos? - perguntou ele, o rosto redondo e excitado brilhando como um queijo holandês - Ministro, podemos começar?  

-Quando você quiser Ludo - disse Fudge, descontraído.   

Ludo puxou a varinha, apontou-a para a própria garganta, disse "sonorus!" e então, sobrepondo-se á zoeira que agora encha o estádio lotado, falou, sua voz reboou, ecoando em cada canto das arquibancadas:  

      "Senhoras e senhores...Bem- vindos! bem-vindos! á final da quadridentíssima vigésima segunda Copa Mundial de Quadribol!"   

Os espectadores gritaram e bateram palmas. Milhares de bandeiras se agitaram, somando seus desafinados hinos nacionais á barulheira geral. O grande quadro-negro defronte apagou a última mensagem (Feijõezinhos de todos os sabores Beto Botts - Um risco a cada dentada!) e passou a informar BULGARIA:ZERO, IRLANDA:ZERO  

"EE agora, sem mais demora, vamos apresentar... os mascotes do time búlgaro!"  

- Que será que eles trouxeram? - perguntou o Sr. Weasley, curvando-se para a frente na cadeira - ah-ha! - Ele de repente tirou os óculos e limpou-os depressa nas vestes -Veelas!  

-O que são veel?...  

mas cem veelas deslizaram pelo campo e a pergunta de Harry ficou respondida. Veelas eram mulheres...as mulheres mais belas que Harry jamais vira...só que não eram- não podiam ser - Humanas. Isto deixou Harry intrigado, a pele delas refulgia como o luar e os cabelos eram louro prateados e se abriam para trás mesmo sem ter vento algum.  

As aveelas começaram a dançar e a cabeça de Harry ficou completamente bem aventuradamente vazia. Mel apenas observava a reação do amigo colorido, ela sabia o efeito que as avelas fazia nos homens, e sabia que não era culpa dele se ele ficou hipnotizado por elas, era o que elas faziam. Quando se deu conta Mel pode ver Harry e Rony a pronto de pular de uma altura absurdamente alta  

-Harry o que é que você está fazendo? - Mel perguntou tirando Harry de sua hipnose.   

Gritos indignados começaram a encher o estádio.  A multidão não queria que as veelas se retirassem. Harry concordava, ele iria, é claro, torcer para a Bulgária e se perguntou meio vagamente porque estava usando um grande trevo verde preso ao peito. Entrementes, Rony distraidamente, despetalava os trevos do chapéu. O Sr Weasley, sorrindo curvou-se para Rony e tirou o chapéu das mãos do filho.   

-Você vai querer isso depois - disse ele - depois que a Irlanda disse a que veio   

-Hum? - exclamou Rony, fixando, boquiaberto as veelas, que estavam enfileiradas a um lado do campo  

-Homens - Mel burburia sentando-se, Hermione deu um puxão em harry  o trazendo de volta á cadeira dele  

-Desculpa Mel eu não sei o que me deu - ele pediu a Mel assim que a viu  

-Loiras vemos todos os dias meu caro Harry, uma ruiva como eu e única e rara de se encontrar - bastou apenas dizer aquilo para deixar Harry corado  pelos seus atos, e culpando seus hormônios de adolescente.  

"E agora", trovejou Ludo Bagman, "por favor, levantem as varinhas bem alto...para receber os mascotes do time nacional da Irland!"  

No istante seguinte,algo que lembrava um imanso cometa verde e ouro entrou velozmente no estádio. Deu uma volta completa, depois se subdividiu em dois cometas menores, que se projetaram em direção ás balizas de repente, um arco-Íris atravessou o céu do campo unido as duas esferas luminosas. A multidão fazia "aaaah" e "oooh" como se presenciassem um espetáculo de fogos de artifícios. Depois o arco - íris foi-se dissolvendo e as esferas se aproximaram e se fundiram, tinham formado um grande trevo refulgente, que subiu em direção ao céu e ficou pairando sobre as arquibancadas. Parecia estar deixando cair uma espécie de chuva dourada...  

-Excelente! - Berrou Rony, quando o trevo sobrevoou o camarote, fazendo chover pesadas moedas de ouro, que ricocheteavam nas cabeças e cadeiras. Apertando os olhos para ver melhor o trevo, Mel percebeu que na verdade ele era composto de milhares de homenzinhos barbudos de colete vermelho, cada qual carregando uma minúscula luz ouro e verde.   

-Leprechaus! - Exclamou o Sr Weasley, fazendo-se ouvir em meio ao tumultuoso aplauso dos espectadores, muitos dos quais continuavam a disputar o ouro e a procurá-lo por todo o lado em volta e embaixo das cadeiras.  

-Toma aqui, Harry - gritou Rony, feliz, metendo um punhado de moedas de ouro na mão do amigo - pelo onióculo! agora você vai ter que me comprar um presente de Natal, ha! 

O maior dos trevos se dissolveu e os Leprechauns, que são duendes irlandeses, foram descendo no lado do campo oposto ao das veelas e se sentaram de pernas cruzadas para assistir á partida.  

"E agora senhora e senhores, vamos dar as boas-vindas...ao time nacional de quadribol da Bulgária! apresentado por ordem de entrada...Dimitrov!"  

Um a um os competidores foram adentrando ao campo o mesmo para os Competidores da Irlanda, assim todos os jogadores bem posicionados prontos para a partida  

-COMEÇOU A PARTIDA - berrou Bargman   

Mel nunca vira uma partida tão ferozmente os competidores eram tão rápidos que Bargman so tinha tempo para apontar para eles harry assistia os lances e tudo pelo onióculo.   

E o primeiro ponto foi da Irlanda feito por Troy um dos jogadores   

-Quê? - Harry gritou ao Bagman que havia acabado de anunciar o gol Harry estava ocupado demais tentando ver o jogo pelo Onioculo   

-Harry, se você não observar em velocidade normal, vai perder todos os lances! - Gritou mel, que dançava aos pulos, agitando os braços no ar enquanto Troy dava uma volta no campo para comemorar o gol. 

Mel entendia-se o suficiente de quadribol para saber que os artilheiros irlandeses eram fantásticos. Deslocavam-se em harmonia, parecendo ler o que ia nas mentes uns dos outros, e erra assim quando ela jogava com Fred, Jorge e Harry, em apenas dez minutos a Irlanda marcou mais duas vezes, elevando sua vantagem para trinta a zero e provocando uma onda de gritos e aplausos dos torcedores de verde. 

A partida tornou ainda mais rápida, porém  mais brutal. Vollkov e Volchanov, os batedores Búlgaros, atiravam os balaços com bastonadas fortíssimas nos artilheiros irlandeses e estavam começando a impedi-los de executar alguns dos seus melhores movimentos, duas vezes eles foram obrigados a dispersar e então finalmente,  Ivanova conseguiu passar por eles, driblar o goleiro Ryan e marcar o primeiro gol da Bulgária.   

-Dedos nos ouvidos! - Berrou o Sr Weasley, quando as veelas começaram a dançar comemorando o lance.   

Cem mil bruxos e bruxas prenderam a respiração quando os dois apanhadores, Krum e Lych, mergulharam no meio dos artilheiros, tão velozes que pareciam ter pulado sem paraquedas de um avião. Harry acompanhou a descida deles com o onióculos, apurando a vista para procurar o pomo... 

-Eles vão colidir! - Hermione berrou no ouvido de Mel. Que estava espantada na hora. no enteando Vítor Krum se recuperou do mergulho e se afastou em círculos. Lynch, bateu no chão com um baque surdo que pôde se ouvido em todo o estádio. um enorme gemido subio dos lugares ocupados pelos irlandeses  

-Idiota - Lamentou Rony - Era uma finta de Krum!    

Bagman pediu tempo, e parecia que os medibruxos iam examinar o Lynch  

-Ele está bem só levou um encontrão - disse Carlinhos, tranquilizando Gina que estava pendurada por cima da lateral do camarote, horrorizada  

enquanto Harry prestava atenção nos apanhadores, Mel estava muito mais focada nos Artilheiros, ela sempre fazia isso quando assistia esse tipo de jogo gostava de ver as jogadas deles e aprimorar para tentar fazelas.  

decorridos quinze minutos de velocidade e fúria, a Irlanda acumulara uma vantagem de mais de dez gols. Agora liderava por cento e trinta pontos a dez e a partida estava começando a ficar mais desleal.   

Depois de dois pênaltis a favor da Irlanda a partida atingira um nível de ferocidade que ultrapassava tudo o que os garotos já tinham visto. Os batedores dos dois lados jogavam sem piedade: principalmente Vlkov e Vulchanov pareciam nem ligar se os seus bastões estavam fazendo contato com balaços ou com gente, quando os giravam violentamente no ar. Dimitrov disparou um balaço em cima de Moran, que segurava a goles, e quase a derrubou da vassoura.  

-Eu vou tentar fazer aquilo para nossos jogos - Disse Mel animada, prestando atenção em cada movimento dos artilheiros.  

E então uma falta feita pela Bulgária fez com que os mascotes começassem a discutir entre si e virar uma verdadeira guerra no campo, até os próximos Bruxos do Ministério invadirem o campo para separar as veelas e os leprechauns, mas sem muito sucesso, entrementes, a batalha no campo não era nada comparada a que estava ocorrendo no ar. Mel se virava para cá e para l, espiando pelo oníoculo, pois a  goles trocava de mãos com a velocidade de uma bala... nem mesmo Bagman conseguia acompanhar a bola  

A gritaria da torcida irlandesa mal conseguia abafar os gritos agudos das veelas, os estampidos que agora vinham das varinhas dos funcionários do Ministério e os berros furiosos dos búlgaros. A partida recomeçou imediatamente.  

O batedor da Irlanda levantou com violência o bastão contra o baloço que acertara em cheio Krum, ouviu-se um lamento ensurdecedor da multidão, o nariz de Krum parecia quebrado, saía sangue para todo lado, mas Hassan Mostafa não apitou já que o juiz parecia distraído com as Veelas  

-Tempo! anda ele não pode jogar assim, olha só para ele - Gritava Rony   

-Olha o Lynch! - berrou Mel no ouvido de Fred  

O apanhador irlandês repentinamente mergulha mel teve certeza de que aquilo não era uma finta de Wronski; era pra valer   

-Ele viu o pomo - berrou Harry - ele viu! Olha para ele correndo   

metade da multidão parecia ter compreendido o que estava acontecendo, a torcida da Irlanda se levantou com uma grande onda, animando o apanhador... mas Krum voava na esteira dele. Como conseguia enxergar aonde ia, Mel não fazia ideia, gotas de sangue voavam pelo ar á sua passagem, mas eles emparelhavam com Lynch agora e os dois disparavam em direção ao chão...ele emparelhava com Lynch agora os dois disparavam em direção ao chão...  

-Eles vão bater!.... -Gritou Hermione tampando os olhos  

-Eles não vão Berrou Mel  

E tinha razão - Pela segunda, vez Lynch bateu no chão com um tremendo impacto e foi imediatamente pisoteado por uma horda de veelas raivosas  

-O pomo onde está o pomo? - Fred Berrou   

-Ele pegou Krum pegou, terminou o jogo - Mel gritou em seguida, krum, as vestes vermelhas tintas com o sangue que escorrera do seu nariz, tornava a levantar voo suavemente, o pomo erguido lá no alto, um brilho de ouro na mão   

O placar piscou por cima da multidão Bulgária: cento e sessenta: Irlanda cento e setenta, mas os torcedores não pareciam ter percebido o que acontecer. Então, lentamente, como se um grande jumbo começasse a aquecer as turbinas, o rugido da torcida da Irlanda foi se avolumando e explodiu em urros de alegria  

-VENCE IRLANDA! - Gritou Bargman, que, como os Irlandeses, parecia estar espantado com o inesperado desfecho da partida " KRUM CAPTURA O POMO...MAS A IRLANDA...deus do céu, acho que nenhum de nós esperava uma coisa dessas!  

-Nos sim - Gritou Mel pulando com Fred e Jorge comemorando a vitória.   

-Para que foi que ele pegou o pomo? - Berrou Rony, ao mesmo tempo que continuava a pular, aplaudindo com as mãos no alto - Ele encerrou a partida quando a Irlanda estava cento e sessenta pontos á frente, o idiota!  

-Ele sabia que o time não ia conseguir se recuperar - Disse Harry aos gritos, tentando se sobrepor á zoeira geral e aplaudindo com estrépito, e encantado com a bela da Mel ele nunca havia visto a garota tão histérica daquele jeito e gostou do que via o sorriso dela iluminava mesmo naquela multidão.  

-Os artilheiros Irlandeses eram bons demais...ele queria encerrar a partida nos termos dele foi só - Mel explicou já mais calma  

Os times foram até o camarote, o time vencedor pegou a copa mundial, o camarote estava completamente cheio pelos jogadores de ambos os times, e finalmente apenas quando o time irlandês saio do camarote para das mais uma volta nos campos e comemorarem grande vitória. Foi até Mel, Fred e Jorge e entregou o saquinho de moedas aos três  

-Eles vão comentar isso durante anos - Disse Rony rouco - 


Notas Finais


espero que tenham gostado


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...