História A Jornada de Nate - Fryed - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Lendas Urbanas, Mitologia Egípcia, Mitologia Grega, Mitologia Nórdica
Personagens Personagens Originais
Tags Addewid, Fryed, Nate
Visualizações 9
Palavras 1.859
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


As vezes coloco em primeira pessoa, as vezes em segunda, as vezes coloco em passado, as vezes em presente. Mas não é um problema, pelo menos não pra mim, espero que para vocês também não.

Capítulo 3 - Apresentação do Inferno


Fanfic / Fanfiction A Jornada de Nate - Fryed - Capítulo 3 - Apresentação do Inferno

 Nate acorda em um misterioso quarto escuro. Ao levantar, percebe que a gravidade é maior, não percebe só isso, também ouve vozes de pessoas sofrendo dentro de sua cabeça. Ao abrir a porta do quarto, vê um mundo completamente diferente, escuro, sombrio, silencioso, mas mesmo assim, era possível ouvir vozes de sofrimento.

Ao andar um pouco, ele percebe um castelo meio longe de sua atual localização.

- Para um mundo escuro, um castelo vermelho não é tão ruim.

Mas quanto mais andava em sua direção, mais longe parecia, até que Nate decide descansar por um momento, ele se senta em uma das pedras que lá haviam e fecha os olhos por um momento.

Ao abri-los novamente, percebeu que estava em frente ao portão do castelo. Ao abri-lo, Nate encontra um grande salão vazio, apenas com uma espécie de trono em seu centro. Quando chegou um pouco mais perto, notou que havia alguém ali sentado. E em uma fração de segundo, Nate pula para trás de medo. Isso só havia acontecido duas vezes em toda sua vida. Não importava quem ou o que estivesse ali sentado, Nate percebeu que possuía uma aura maligna.

-Quem é você e o que ousa fazer em meu Reino do sofrimento?

-Uau! Parece até que estou no mundo dos mortos, o tão famoso Inferno. Eu estou apenas de passagem, não sei como cheguei aqui. Diz Nate tremendo.

-Hm, interessante, diga-me mais, qual a última coisa que você se lembra antes de vir parar aqui?

-Eu estava enfrentando alguém. A propósito, quem é você?

-COMO OUSA SE REFERIR A MIM USANDO A PALAVRA "VOCÊ"? POR UM ACASO VOCÊ QUER CONHECER O QUE ACONTECE AQUI DENTRO? SERIA UMA HONRA FAZER VOCÊ DESCOBRIR!!! A propósito, sou um dos 4 Lordes do Inferno, Lúcifer, eu moro na porta de entrada pro Inferno, aqui é o lugar mais calmo, bem, não é calmo, mas é o menos conturbado. E me responda algo, como era essa tal pessoa que você enfrentou?

-Caramba!! Me assustei agora. Bem, não vi bem como era, sempre estava escondido nas sombras, e toda vez que tentava acertá-lo, parecia que nada o atingia, até que joguei um orb de luz negra, aí consegui atingi-lo, mas quando atingi, acabei parando aqui.

-Mas que coisa interessante, talvez você tenha encontrado meu sobrinho, ele é o Major da Escuridão, sua fraqueza é seu elemento principal, escuridão. Bem, talvez seja por isso que você está aqui. Caso um humano mate um dos Imperadores do Submundo, acabará no mesmo, e o único jeito de voltar, é ir no templo do Imperador que assassinou, ressucitá-lo, e fechar um acordo espiritual com ele.

-Você acha mesmo que vou revive-lo? E mesmo se eu o revivesse, por qual motivo ele faria um acordo comigo? Ele iria querer que eu apodrecesse aqui.

-Caso ele não feche um contrato, não poderá voltar a vagar pelo mundo dos vivos, e não se preocupe. Caso o mesmo humano mate um dos Imperadores duas vezes, este não irá mais ao outro mundo.

-Então eu vou precisar matar cada Imperador do Inferno duas vezes? Existem quantos?

-Cerca de 30, não me lembro muito bem. Mas não se preocupe, quando os 7 Majores não puderem mais ir ao mundo dos vivos, quem os matou não irá mais ao mundo dos mortos, apenas quando sua hora chegar.

São 4 Lordes, 7 Majores, 4 Guardiões, 4 Bestas, 3 Semi-Lordes, 4 Cavaleiros, 2 Criaturas e 1 Ser Supremo; estes são os Imperadores do Inferno.

-Então você está me dizendo para vir ao Inferno mais 13 vezes?

-13? Mas são 7 Majores.

-Quando eu matar o último pela segunda vez não voltarei aqui, certo?

-Tem razão, não havia pensado nisso. Bem, meu jovem, te darei uma dica. Deixe o Major Espiritual por último, ele é o mais poderoso, e caso você o derrote antes de algum outro, esse outro não fechará um contrato com você, pois se o mais forte perdeu, ele também perderia, fechando ou não o contrato, ele não irá mais ao mundo dos vivos.

-Hum, muito obrigado pela informação. A propósito, quais os poderes dos outros Majores?

-Fogo, raio, espírito, escuridão, luz, desmaterialização e sentido. Desmaterialização é o segundo mais poderoso. O Major do Sentido tem os 5 sentidos totalmente melhorados, além de conseguir prever 5 segundos do futuro.

-Impressionante! Eu ganho alguma coisa caso os derrote?

-Você será capaz de controlar uma pequena parte da magia do Major derrotado. Caso derrote meu sobrinho mais uma vez, controlará um pedaço do poder da escuridão.

-Isso será muito útil. Lúcifer, foi um prazer conhecê-lo, vou vê-lo outras vezes, até mais. Quer que eu mande um recado pra algum outro Imperador?

-Caso você encontre outro Lorde do Inferno, diga para ele que o estoque de doces está acabando.

-Não entendi muito, mas tudo bem. Outra pergunta, o que acontece caso eu o mate?

-Garoto, isso foi um desafio? Haha!! Você é engraçado. Bem, caso você consiga me derrotar, que é quase impossível, você tomará meu lugar como porteiro do Inferno, eu não recomendaria, é muito chato.

-Bem, era só pra saber mesmo, gostei de te conhecer. Tchau!

-Até mais, garoto. Espero que um dia possa testar suas habilidades.

-Também gostaria de, um dia, te enfrentar, Lorde Lúcifer.

Eu estava indo na direção que Lúcifer havia me indicado. Ele me deu um mapa do Inferno, e ele é gigante. Quanto mais perto chegava, mais altos eram os gritos na minha cabeça, parecia que ia explodir.

Ao chegar no templo, vejo um altar e uma espécie de chama roxo-escuro em seu topo. Ao chegar perto da chama, tentei controlá-la, mas não consegui. A chama começou a falar:

-Ora, ora, parece que meu assassino enfim chegou, estava te esperando.

-Então parece que você é o tal Major da Escuridão. Nossa, que assustador. -Diz Nate com um tom sarcástico.

-Sim, sou eu, como descobriu? Por um acaso falou com meu tio? Lúcifer?

-Sim, foi com ele mesmo, por quê? Algum problema?

- Nenhum. Bem, eu gostaria de fechar logo o pacto para podermos voltar ao seu mundo, não gosto daqui, já está tudo destruído. Mas o seu mundo está praticamente inteiro. A única coisa que o está infectando são os seres humanos, essas criaturas imundas que não cuidam de si próprias.

-Nesse ponto tenho que concordar. Ok, como se faz esse tal pacto?

-Você precisa de uma pétala da Flor de Elgys Maid. Você acha que consegue?

-Bem, aqui no meu mapa tem uma tal de Elgys Maid. Sim, eu consigo.

-Tudo bem, então, boa sorte aí.

-Muito obrigado, Major.

Nate viajou por um longo caminho até encontrar a flor que tanto precisava. Mas ao chegar lá, ele sentiu uma presença poderosa vindo de um misterioso anel. Cheguei perto para ver o que tinha de tão especial nele, mas não vi nada além de uma espécie de pílula. Um fantasma apareceu de repente atrás de mim e me disse para tomar a pílula e usar o anel. Involuntariamente meu corpo se moveu e o obedeceu. Quando coloquei o anel, senti uma grande energia fluindo no meu corpo, não consegui explicar direito o que havia acontecido. Mas quando tomei o remédio, fiquei inconsciente. Acordei de volta ao meu mundo, em uma cama em um quarto desconhecido. Levantei correndo e encontrei Uketashi com sua família, fiquei surpreso por um instante, até que o pai de Uketashi me falou que alguém que se escondia nas sombras apareceu junto comigo pedindo para cuidar de mim, me disse que o Major havia dito que agora eles estavam quites. Não entendi o porquê do quites, sendo que eu também precisava sair do Inferno, mas depois aceitei, mas mesmo assim ficou na minha cabeça.

Ao me despedir da família de Uketashi, encontrei muitas famílias reunidas querendo me agradecer. Demorou para cumprimentar todos, mas consegui. Percebi que o anel ainda estava em meu dedo.

Ao voltar para Fryed, já estava mais conhecido, com fama de herói, de salvador da pátria. Enquanto andava pelas ruas, vi dois ladrões tentanso roubar dois jovens que estavam dormindo. Fui até lá para impedir o crime, mas quando cheguei, os ladrões haviam caído no chão, não havia acontecido nada de estranho para isso. Fui até os dois e perguntei o que havia acontecido.

-Ei, o que aconteceu? Por que eles desmaiaram?

-A resposta dessa pergunta é óbvia, eles desmaiaram de medo.

-Medo? Como assim?

-Você não sabe o que é medo? Medo é uma emoção humana que te ajuda a saber suas fraquezas.

-Disso eu sei, mas medo do que? De quem?

-Medo de mim, é óbvio.

O garoto de cachecol e cabelos brancos se levantou e falou para Nate:

-Quem é você e o que pretendia ao tentar nos salvar dos bandidos? Ninguém faria isso sem um motivo.

-Realmente, eu tinha um motivo para "tentar" os salvar dos bandidos. Eu preciso ficar conhecido como uma espécie de herói neste Reino.

-E com qual propósito?

-Montar uma rebelião e acabar com a ditadura opressora.

-Uau! Adorei! Quero te ajudar!

-Ok, quanto mais melhor. Qual seu nome?

-Eu havia perguntado primeiro, lembra?

-Ah! Sim, me lembro. Meu nome é Nate. Agora pode me dizer o seu?

-Não quero.

-Como assim, "não quero"?

-Eu simplesmente não estou com vontade.

-O nome dele é Arthur Hy-Lak, da casa de Lak, Guardião do Dia e da Neve. -Diz a jovem que estava dormindo.

-Muito obrigado. -Diz Nate com uma reverência.

-Minha dama, por que? Ele pode saber quem somos, não podemos baixar a guarda desse jeito.

-Nate não sabia que éramos tão importantes até você falar sobre baixar a guarda.

-Vocês estão falando disso na minha frente, e na cara dura. Quem são vocês?

-Somos o desconhecido que conhece o incompreensível. Somos os viajantes dos mares e dos ares. Nós somos piratas. -Diz a garota que ainda não se apresentou.

-Dama! Por favor, fique quieta.

-Quieta por qual razão? Ele tem uma razão nobre e, para trabalharmos juntos, não podemos manter segredos uns dos outros. Está me entendendo?

-A propósito, quem é você? -Pergunta Nate.

-Mas que tom arrogante de se falar. "Ela" é minha protetora, e eu sou o protetor dela. Dama Lucy, a Major do exército de Ifreann.

-Uau!! -Diz Nate com um tom impressionado. -Então vocês são piratas de uma força misteriosa que quer ajudar o Reino? Ok, eu aceito a ajuda de vocês.

Ifreann é o nome de uma organização misteriosa com rumores que dizem estarem em todos os lugares. Ninguém sabe quem são eles, nem eles mesmos, apenas Majores, Generais e o Maestro (chefe) da Organização sabem de seus integrantes.

-Na verdade, nós aceitamos a sua. Hahaha!! -Diz Arthur rindo.

-Ok então, vamos trabalhar juntos, haha! -Diz Nate rindo.

Enquanto os três andavam pelos becos, Lucy ouve um grito e avisa os dois quê estavam conversando. Durante a correria, apareceu um assaltante roubando uma bolsa, Arthur joga um dardo tranquilizante em seu pescoço e o assaltante desmaia na hora. Ao chegarem ao local que supostamente Lucy havia ouvido o grito, eles não encontram nada, nenhuma pista, nenhum rastro. Nate suspeitou que havia sido o Major da Escuridão, mas o local estava totalmente claro, não havia nenhuma sombra, o Sol estava no topo.


Notas Finais


Agora a coisa vai ficar mais divertida. Espero que estejam gostando!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...