1. Spirit Fanfics >
  2. A Jornada Divina de Natsu Dragneel >
  3. Bruxa do Início e... o retorno de Ultear.

História A Jornada Divina de Natsu Dragneel - Capítulo 85


Escrita por:


Notas do Autor


E aí, meu povo, como estão indo? Espero que bem.

Venho trazendo mais um capítulo para vocês.

Se perceberem, hoje estamos fazendo 4 anos! 4 anos de fanfic! E como uma leve comemoração fiz um Hentai para vocês!

Leiam as notas e comentem sobre o que acharam do capítulo.

Capítulo 85 - Bruxa do Início e... o retorno de Ultear.


Fanfic / Fanfiction A Jornada Divina de Natsu Dragneel - Capítulo 85 - Bruxa do Início e... o retorno de Ultear.

 

No Rochedo dos Sonhos, existiam muitos indivíduos espetaculares, muito mais poderosos do que os próprios deuses.

A Família Real do Sonho Eterno...

O Rei Demônio Astral Trinity...

A Bruxa do Início...

Muitos deles criaram suas próprias lendas ao longo da história, perdurando seus nomes em contos além da compreensão, como seres além da compreensão mundana.

E a Bruxa do Início não era diferente – como um Ser Extraordinário ela possuía força para bater de frente para com os deuses. Seu domínio sobre a magia alcançou o cume absoluto, sendo chamada também de a Grande Mestra por sua grande compreensão na magia.

Poucos conheciam a verdadeira bruxa e como ela realmente se parecia. Tal mulher era possuinte de olhos negros e cabelos brancos como neve, junto a uma pele levemente bronzeada, que realçava sua beleza mais madura.

Aquela era Briar Koubfer, a Bruxa do Início, a Maga Suprema.

E naquele instante essa grande maga estava sendo persuadida – ou obrigada mesmo – por um rosado a ajudá-lo no que ele lhe pediu, não podendo nem contestar ou falar algo sobre o assunto.

Briar – Pronto, terminei o círculo magico para a transmissão mítica – suspirou pesado, apontando para o círculo magico logo as suas costas.

O local era um conjunto de coisas em um local só: ali possuía estantes imensas e praticamente infinitas de livros junto a pergaminhos antigos, mas no centro dessa imensa biblioteca, poderia ser encontrada uma fonte termal com uma barreira em seu entorno para não estragar os livros e pergaminhos com humidade, e nesse mesmo cômodo ainda, poderia ser encontrada uma cama enorme. Ali parecia ser o quarto e local de trabalho de Briar, tudo ao mesmo tempo.

Natsu, depois de coagir Briar a fazer o que ele queria, invadiu a casa sem nem mesmo se importar com a opinião da morena nesse assunto.

Natsu – Hm, ótimo – elogiou, encarando o círculo mágico bem elaborado – O selo entorno do cristal será quebrado e então reforçarei as fórmulas mágicas para transforma-las em Grimórios – explicou o que faria a seguir.

O pingente dado a ele por Mavis flutuava levemente sobre o círculo mágico, brilhando. Natsu tinha que quebrar a barreira imposta pela loira, para assim liberar os códigos mágicos presos ali junto à alma de Ultear e Eris. Depois de libertá-la, bastava ele fundir os códigos mágicos a alma de Ultear e Eris, e transmitir uma quantidade exorbitante de energia para seus corpos.

Um Grimório nasceria naturalmente com o grande acumulo de energia ao longo dos séculos, podendo levar até mesmo milênios, mas Natsu pretendia entregar uma grande quantidade de energia e ajudar às garotas a refina-la corretamente, tornando-se Grimórios em instantes.

Esse fato até assustou a própria Bruxa do Início. Quem era louco o suficiente de criar um Grimório desse modo, céus?! Seu círculo magico poderia sim fazer isso, em teoria, mas a quantidade exorbitante de magia não era algo que poderia ser compreendida, mesmo ela não possuía toda essa capacidade.

Natsu, ao lado do círculo magico, ergueu sua mão em direção ao pingente –... Anular... – sussurrou levemente, destruindo completamente a barreira em torno do pingente.

Duas formas translucidas ganharam forma sobre o círculo magico, mas numa velocidade, suas formas perderam brilho e começaram a desaparecer. Vendo isso ocorrer, Natsu injetou grande quantidade de energia sobre o círculo magico, fazendo-o brilhar fortemente.

As formas translucidas ganharam forma, revelando Ultear e Eris em seu lugar. O processo de Eris era mais simples, ela já era um Grimório em primeiro lugar, seria necessário suprir a necessidade de poder magico dela; mas no caso de Ultear, o processo era mais complicado, pois ele ainda teria que fundir os códigos míticos ao seu corpo e ajudá-la a suportar tal fardo, porém, isso tudo não importava, os olhos de Natsu estavam brilhando com uma convicção de que teria ambos de volta ao seu lado!

Natsu – Wendy, Kitty.

A azulada e o Grimório tomaram postos, logo atrás do rosado. Elas eram as melhores em controle magico, algo que Natsu tinha certo problema em controle. Ele tinha o poder, mas não a habilidade de utilizá-lo ao extremo, e por isso, seria necessário a colaboração de ambas as garotas, para ajudá-lo a canalizar com precisão a fusão de poder magico de Ultear e Eris.

Porém, todo o processo fora até que rápido e sem problemas. Natsu possuía todo poder necessário, e Wendy e Kitty eram as melhores em controle. Rapidamente, os corpos translúcidos ganharem forma física e cor, tornando-se em algo físico.

Natsu – Ultear... Eris... – sussurrou levemente, sorrindo aliviado, sentindo leves gotículas em seus olhos – Bem-vindas.

 

Os olhos de Ultear estavam vagos quando ela os abriu, mas quando se acostumou, a primeira coisa que viu foi a face de Natsu próxima a sua, com lágrimas em seus olhos.

Os lindos olhos de Ultear brilharam com lágrimas escorrendo. Um leve sorriso brilhou em sua face, engasgando-se em suas próprias palavras e sentimentos daquele momento.

Ultear –... Me desculpa... não pude vencer... e ainda, aquilo aconteceu... – nem mesmo pode completar o que queria dizer, sendo abraçada pelo rosado –... Natsu...

Natsu –... Não se preocupe com nada! – a pressionou com maior força – Você... só por você estar bem... isso já me deixa muito feliz, Ultear.

Ambos os olhares deles se encontravam fixos um no outro. A saudade que sentiram era profunda. Poderiam não estar longe nem 3 dias um do outro, mas o medo de Natsu de a perde naquele instante em que a viu morrer em sua frente sem poder fazer nada, o deixou marcado, marcando profundamente sua alma com um medo de perder qualquer uma das garotas... qualquer uma das mulheres de sua vida. E Ultear, mesmo que não tivesse sentido o tempo passar, sentiu o medo da morte e de se afastar do que lhe importava... isso era assustador.

Ambos se beijaram. Lento e profundamente. Os braços do rosado estavam firmes em torno da garota, segurando-a com todo carinho e ternura que ele transbordava naquele momento.

Wendy, mais afastada, assistia a cena de Natsu e Ultear.

Wendy – Fico feliz que ela esteja bem, mas ficar assistindo dá um certo gosto ruim na boca... – suspirou levemente – Eris, como está o novo corpo? Desconfortável? – questionou, virando seus olhos para a garota.

Eris – Perfeito – respondeu, corada – Ah... só de imaginar que o Mestre reconstruiu esse meu corpo completamente com suas mãos... hm... fico até excitada.

Wendy – Ah, essa está perdida – negou com a cabeça – Bom, completamos um de nossos objetivos com a nossa vinda aqui, isso é ótimo – virou sua cabeça na direção do rosado – Natsu...

Não completou sua fala. Um tique nervoso fez as sobrancelhas da azulada baterem uma contra a outra, assistindo Natsu retirar sua roupa enquanto abraçava Ultear, já pelada. Num único instante, Natsu se moveu com Ultear em seus braços para a cama que tinha naquele cômodo.

Briar – Eu não acredito. Ele está querendo copular em cima de minha cama?! – esbravejou, incrédula – Espere aí, seu moleque!

Wendy assistiu a bruxa andar até o rosado, que largou Ultear para prestar atenção ao que a mulher falava – Oh, isso vai funcionar? Quando Natsu começa ele... – viu Briar ser jogada sobre a cama pelo rosado e tendo seus lábios roubados –... Quando ele começa... ele vira uma besta desenfreada! – negou com sua cabeça, assistindo a cena, levemente corada.

 

Natsu naquele momento beijava profundamente Briar, que tentava se soltar dele. Quando se afastou da mulher, viu essa tentando respirar profundamente.

Briar – O que pensa estar fazendo?! – rosnou baixo, corada.

Natsu – Não gostou? – questionou.

Briar – Não, não gostei! – limpava os lábios, realmente irritada.

Natsu – Entendo...

Ultear, naquele momento, não ligava para o que estivesse ocorrendo. Seus finos braços circularam entorno do pescoço de Natsu, enquanto desferia diversos beijos no rapaz, subindo por sua clavícula até seus lábios, roubando não só esses, como sua atenção.

As mãos de Natsu naquele momento ganharam vida e começaram a festa pelo corpo bem torneado de sua senpai, agarrando com paixão os seios dessa e brincando com seus mamilos róseos.

Ultear – Uhm... – tentou segurar, mas acabou por gemer entre o beijo.

Natsu simplesmente sorriu de canto, lambendo seus lábios. Os ágeis dedos do rosado desciam vagarosamente pelo abdômen da garota, descendo ao seu íntimo, local que fora invadido por dois dedos do rosado. A morena agarrou os ombros de Natsu, respirando descompassadamente e reprimindo seus gemidos contra a pele de Natsu, pressionando avidamente suas coxas contra o musculoso braço do rosado.

A garota choramingava baixo, rangendo seus dentes e arraiando os ombros do rosado com suas unhas, sentindo-o cada vez mais dentro de si, alargando seu íntimo e brincando com seu clitóris com seu dedão, fazendo-a de brinquedo para seus dedos.

Briar encarava tudo aquilo realmente espantada. Sua casa, seu local de trabalho, seu quarto...! As pessoas que ela tinha conhecido uma hora atrás realmente estavam usando sua cama para transarem na maior cara de pau. Rangendo os dentes, a mulher ergueu-se de sua própria cama e saiu do local bravejando e amaldiçoando tudo em seu caminho.

Ultear – Ela não gostou, Natsu... hm! – gemeu, prendendo-se cada vez mais ao corpo do rosado.

Natsu – Achei que ela gostaria. Desculpe se isso lhe incomodou.

Ultear – Não, de modo algum – retirou suas mãos, levando-as a face do rosado – Me deixou até mais excitada.

E mais uma vez se beijaram.

Natsu retornou a roçar seus dedos em torno do intimo da garota enquanto penetrava-lhe com dois dedos. A região da garota estava a cada instante mais molhada, Natsu podia sentir perfeitamente – toda vez que remexia com seus dedos dentro dela a sentia espremer e se contorcer com ainda mais espetáculo, expirando e inspirando rapidamente e o encarando com paixão brilhando em suas írises.

Vendo uma mulher tão linda como Ultear completamente rendida ao prazer... Realmente fazia a luxúria dentro de si queimar feito lava...

Não mais estando no controle, terminou de retirar suas próprias roupas e se jogando sobre o corpo feminino abaixo do seu.

O encontro entre seus olhares só fora interrompido quando a morena jogou sua cabeça para o alto, gemendo enquanto era penetrada pelo rosado, arfando pesadamente.

Natsu mexia-se de forma lenta e vagarosa sobre o corpo da mulher. Queria aproveitar o êxtase de senti-la em seu entorno, rangendo seus dentes ao sentir Ultear não só o pressionar ao extremo com seu íntimo como também lhe sussurrando palavras eróticas em seu ouvido, deixando-o simplesmente ainda mais excitado.

Mas por mais que desejasse que o momentum fosse duradouro, sentia-se em seu limite a muito tempo. Queria descarregar todo seu desejo e amor em Ultear.

Levantando a mulher, Natsu colocou a morena sobre seu colo, não interrompendo sua ligação a ela de modo algum. Nitidamente ainda sentia ela o pressionar com um fervor escaldante. Suas peles coladas estavam suadas e os movimentos de ambos não aquietava de modo algum, apenas se intensificava mais e mais, desejando o contado ainda mais entre seus corpos.

Sentindo o clímax da mulher, Natsu, segurando-a por suas grossas coxas, ergueu-se junto a ela, ficando de pé, assustando a morena, que prensou com ainda mais fervor seu corpo contra o corpo do rosado.

Natsu grunhia baixo toda vez que penetrava a garota com uma excitação deslumbrante, sentindo todo aquele êxtase alucinante envolvê-lo. Cada investida dada ao corpo da jovem fazia com que essa não só revirasse seus olhos, como chegasse ao seu findável clímax, gozando sobre o membro ereto do rosado.

E não fora demorado para que Natsu também chegasse ao seu clímax, derramando-se dentro da jovem enquanto grunhia de modo selvagem, abraçando-se com ainda mais paixão ao corpo dela.

Ultear deitou sobre cama, completamente cansada.

Wendy – Uau... eles estavam bastante selvagens... – corou levemente. Foi então que a azulada, após esses pensamentos, passou a suar frio – Hm? Porque Natsu-san está me encarando?

Nem mesmo ouve tempo para Wendy reagir. Natsu apareceu em sua frente, sorrindo de canto a canto de sua face, enlaçando sua cintura e a puxando para a cama, jogando-a ali.

Wendy corou levemente, sentindo o rosado enroscar suas mãos sobre a calça dela, a retirando lentamente, junto a sua calcinha.

Wendy – Ele nem pergunta nada... – permanecia corada, sentindo o rosado pedir permissão para retirar a camisa dela – Isso é vergonhoso, mas... eu quero.

Num único momento, Wendy ficou nua, demonstrando seu pequeno e delicado corpo para Natsu, que engoliu em seco pesadamente. Wendy tinha se desenvolvido bastante nesses poucos anos, mas se comparada ao grande corpo de Natsu, o dela era pequeno, e esse contraste deixava Natsu levemente excitado, principalmente por Wendy sempre ficar envergonhada nessas horas.

Natsu – Calma... – sussurrou levemente ao ouvido da azulada quando tocou sua perna gentilmente deixando-a levemente assustada – Já fizemos isso antes, você não deveria se sentir mais à vontade?

Wendy – M-Me desculpe – desviou seu olhar.

Natsu sorriu minimamente. Vê-la envergonhada daquele jeito o deixava mais e mais excitado, querendo descobrir as novas faces da garota.

Soltando leves beijos no pescoço da garota, Natsu subiu vagarosamente pelo seu corpo, enquanto penetrava-a, ouvindo-a gemer, arraiando com fervor sua coluna.

Os doces lábios da azulada soltavam cada vez mais suspiros e gemidos, excitada, arraiando com voracidade o corpo de Natsu, enquanto o próprio sentia-se mais e mais excitado sentindo a quente e húmida intimidade da azulada aperta-lo com ferocidade.

Em algum momento, Natsu ergueu-se, ficando de pé junto à Wendy, com essa sendo erguida – e em momento algum, o contato de seus íntimos separou-se.

Mais forte...

Mais quente...

Mais... Mais... Mais...!

O tesão que sentiam em momento algum esfriou, somente esquentava mais, e mais!

Natsu – UHGM!!! – gemeu alto, quase que gozando dentro da azulada.

Ultear, que esteve de escanteio descansando, ficou de joelhos sobre a cama. Com seus leves dedos, introduziu dentro de Wendy, fazendo-a gemer e contorcer-se por inteiro, gozando.

Já Natsu foi atacado diretamente em seus testículos – a pequena e húmida língua da morena circulava-o por inteiro, em um momento, ao coloca-lo por inteiro em sua boca e suga-lo, faz Natsu urrar em um gemido profundo, espalhando-se profundamente dentro de Wendy.

O quente momento duraria durante horas, afinal, ele estava reafirmando seu amor por elas, desejando e amando cada vez mais suas meninas.


Notas Finais


Então, como foi? Faz um tempo que fiz Hentai. Espero que tenham curtido.

O próximo capítulo deve estar saindo logo, logo meu povo.

Comentem o que acharam, fiquei tanto tempo sem fazer Hentai, então nem me lembro se fiz algo bom ou não.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...