1. Spirit Fanfics >
  2. A jornalista >
  3. Treze

História A jornalista - Capítulo 13


Escrita por:


Capítulo 13 - Treze


Fanfic / Fanfiction A jornalista - Capítulo 13 - Treze

Point Of View - Marco Asensio 

Há três anos eu me tornei pai, não foi algo planejado, mas aconteceu, em uma viagem aos Estados Unidos com minha noiva, quando chegamos em Austin, nós fomos conhecer o orfanato que eu faço doações mensais, mas que nunca surgiu a oportunidade de conhecer o espaço e as crianças, e lá conhecemos a Ava, ela tinha sete anos, estava próximo ao seu aniversário de oito eu e Sara nos encantamos por ela, tinha centenas de crianças encantadoras lá, mas Ava era diferente, tanto fisicamente, como no seu jeito de ser, ela também gostou da gente de cara. Passamos nossas férias com ela, eu me interessei pela adoção e já comecei a da entrada na documentação que precisava, como ela já era maior que as outras crianças, o processo foi mais rápido, normalmente os casais querem bebês de colo. Adotá-la foi a melhor decisão que já tomei em toda minha vida, mesmo algumas pessoas dizendo que eu não deveria adotar uma criança "grande", eu não me importei, eu amo tanto essa garota, que dói de imaginar algo de ruim acontecendo com ela, daqui há uma semana minha pequena vai completar onze anos, e nosso relacionamento não poderia ser melhor. 

Moro com meu pai e o meu irmão, minha mãe faleceu quando eu era adolescente, mas eu sei que ela iria amar ser avó, meu pai se tornou o avô mais babão que eu conheço, o Igor também é o tio mais bobo que Ava poderia ter, e eu que tento manter a pose de rígido, para que ela não se torne uma garota mimada demais. Sara ainda não mora com a gente, eu adotei Ava sozinho, no seu novo registro de nascimento, consta apenas o meu nome. Sara se considera muito nova para se tornar mãe, e desde que Ava veio morar com a gente, ela ficou diferente, aliás, as vezes eu a acho indiferente com minha filha e isso vem me incomodando. Nossa última briga foi justamente por isso, ela queria que viajássemos de novo só nós dois e eu já havia combinado que nossa próxima viagem de férias seria quando a Ava estivesse de férias do colégio e iriamos pra Disney, ela adora os parques e eu também, mas Sara queria ir pras Maldivas sozinha comigo. 

 Sinto falta da Juliana, e sinto vergonha por ter sacaneado com ela e deixado-a sozinha no momento que ela mais iria precisar de mim, mas eu tive que me afastar. Marina me chantageou na época, ela conseguiu hackear meu celular e eu tinha umas fotos da Juliana nua, ela iria vazar na internet se eu continuasse com a Juliana, e eu não poderia correr esse risco, e para que as fotos não vazassem, tive que desembolsar vinte mil euros e ficar longe dela. Fiz um acordo com a Marina e ela cumpriu o que prometeu, deletou as fotos e não me procurou mais. Eu amo a Sara, mas não tem um dia se quer que eu não olhe o Instagram da Juliana e sinta vontade de segui-la novamente, queria contar sobre a Ava, ela iria ficar tão empolgada e dizer que eu sou louco, queria saber sobre a Verena, eu só vejo as fotos dela no Instagram do Toni, e nunca ele publica o rosto dela. Eu também nunca contei nada na mídia sobre a Ava, e tento esconder sua identidade, as poucas fotos que publiquei dela na rede, não da para visualizar o rosto. Quero que ela tenha uma vida o mais normal possível, afinal, ela estuda em um colégio convencional, faz aulas de karatê algumas vezes por semana, e ainda estuda em casa o espanhol, quando ela chegou aqui, só falava inglês, mas agora fala muito bem o espanhol. 

— Pai, eu posso ir com você? — Ava perguntou encostada na porta de madeira e eu assenti. Karim marcou uma festa pós-jogo na casa dele hoje e a maioria das caras vão. 

— Claro. Vamos daqui há meia hora, dá tempo você tomar banho, porquinha! — Falei com tom de brincadeira e ela riu. 

— Hoje está tão frio pai, posso ir assim? 

— Seu tio disse que você não tomou banho hoje antes de ir pro estádio. — Coloquei o relógio no braço e penteei os cabelos. 

— Meu tio é um mentiroso! Ele que não tomou banho. — Protestou revirando os olhos e eu ri. Aqui é uma luta na hora do banho. Pré-adolescentes não são fáceis. 

— Vai logo pro banheiro Ava Louise Asensio. 

— Mas pai... 

— Agora. — Cortei-a e ela assenti irritada, mas se calou e saiu. — Rápido! 

×

 

Sara não está falando comigo desde ontem, e não foi pro jogo por birra, mas eu não fiquei atrás dela também, já é adulta e sabe muito bem o que faz e fala. Ava segurou minha mão e caminhamos em silêncio pelo enorme jardim, Karim mora numa mansão, três vezes maior que a minha casa. Avistei Toni, Cristiano, Marcelo e Gareth sentamos ao redor de uma mesa de madeira, as crianças estavam na piscina, certamente essa piscina é aquecida, o frio hoje está quase congelante, eu e Ava estamos usando moletom e calça jeans. 

— Vou falar com a tia Clarice. — Ela disse soltando minha mão e apontou para o lado oposto dos rapazes. Avistei Juliana na roda das mulheres e meu coração acelerou instantaneamente, mas que porra! Ela nunca veio pra Madrid depois que se mudou pra Turim. 

— Ok, cuidado. — Falei sério e ela assentiu e saiu e eu me aproximei da mesa dos caras, eles estavam conversando alto e dando gargalhadas.

— Cadê a Sara? — Marcelo perguntou me puxando para sentar do lado dele 

— Deve está com raiva em casa. — Dei de ombros e ele revirou os olhos. 

— Vocês brigam demais, como aguenta? — Toni perguntou sério e eu neguei com a cabeça.

— Nem eu sei, meu amigo.— Falei sincero e eles riram. 

— Vocês transam? Pode ser falta de sexo. — Perguntou o português com tom de brincadeira e eu mostrei o dedo do meio pra ele.

— Óbvio. Todos os dias. — Respondi dando de ombros e eles riram alto chamando atenção das mulheres. Lancei um olhar para Juliana e ela também me olhou, acenei para ela, mas fui ignorado. 

— Então troca de mulher, meu amigo. — Bale comentou e eu dei um tapa de leve em sua cabeça. 

— Vocês são péssimos conselheiros amorosos. — Revirei os olhos e eles continuaram rindo. 

— Amor, podemos ir? — Juliana disse chamando o Cristiano. Olhei-a dos pés a cabeça e ela não me olhava, estava mais bonita do que a última vez que nos vimos. 

— Mas já? — Perguntou o anfitrião se aproximando da gente e me cumprimentou apertando minha mão. 

— Estou muito cansada, Karim. — Ela disse sem graça. 

— Eu queria ficar mais um pouco, matar a saudade desses desgraçados. Você viu o Marquinho amor? Agora ele é pai, virou homem! — Cristiano comentou sorrindo e eu gargalhei. 

— Me respeita cara, sou pai de família. 

— Olá Marco! Vi sua mocinha, ela é linda. — Juliana me encarou e sorriu sem graça e eu assenti, 

— Sim, puxou ao pai. — Respondi convencido e eles riram. — Ronaldo, se importa de eu trocar três palavras com a Juliana lá dentro? 

— Que isso brother? Claro que não. — Ele respondeu sorrindo e eu assenti. Juliana ficou me encarando séria e saiu em direção a casa do Karim e eu a segui. Caminhei em silêncio atrás dela e ela abriu a porta da sala, ouvi as risadas vinda atrás da gente e sorri. 

— Ju, quanto tempo! — Falei fechando a porta atrás de mim e ela assentiu. 

— Três anos, né? 

— Sim, me conta sobre sua vida em Turim, e a Verena? Queria conhecê-la. 

— Marco, acho que não somos mais amigos há anos. — Ela disse séria e eu engoli seco e assenti. 

—  Podemos retomar nossa velha amizade Juliana. Eu sei que te devo um pedido de desculpas. 

— Não tem volta Marco, você me magoou muito, eu não quero mais sua amizade, aliás, acho que nunca fomos amigos de verdade. — Os olhos dela se encheram de lágrimas e eu respirei fundo. 

— Ju, eu tive meus motivos. Só quero que me perdoe, não precisa ser agora, mas um dia quem sabe. — Falei sem graça e ela assentiu. 

— A Verena está ótima, é a cara do Toni. E a Ava? Ela é adotiva? — Ela perguntou mudando o assunto e passou as mãos nos olhos. 

— Depois quero ver uma foto dela. Sim, eu adotei ela, há três anos moramos juntos. 

— E a mãe? 

— Eu sou pai e mãe, minha noiva não quis assumir a responsabilidade comigo, adotei-a sozinho. — Sorri e ela deu um risada sem graça. — Tá rindo de que? 

— Nunca imaginei que você seria pai, e pelo que as meninas me disseram, você é um paizão Asensio. Fico feliz com seu amadurecimento, sua filha é linda, muito educada e simpática, me contou várias coisas sobre você. Dá pra ver que ela te ama muito. 

— Amor é o que não falta lá em casa. Ava mudou nossas vidas, o Igor é tão babão e meu pai é ainda mais. — Falei empolgado e ela sorriu. 

— O Igor ficou chateado comigo, perdemos o contato. — Comentou sem graça e eu assenti.

— Ele gosta de "tomar" minha dor. Sempre fomos assim, se eu tiver mal com alguém, ou estiver sofrendo por alguém, ele também fica do mesmo jeito. — Dei de ombros e ela riu. 

— Queria encontrar com ele e falar umas verdades, vocês são dois cara de pau. — Disse séria e mordeu o lábio inferior. — Sinto muito sua falta Asensio. 

— Estou aqui, pode falar "as verdades". — Fiz aspas com os dedos e ela riu. — Eu também sinto sua falta. Não queria que nossa amizade tivesse acabado daquela forma. 

— Já xinguei tanto você mentalmente durante alguns meses, que acho que já basta. — Ela deu de ombros e eu ri. — Eu também não queria que tivesse sido daquele jeito, você sumiu e me ignorou quando eu mais precisei do seu apoio. 

— Eu sei, espero que um dia me perdoe por isso Ju. Podemos ser amigos novamente? — Mordi o lábio inferior e ela assentiu. 

— Claro. 

— Pois me dá um abraço. — Falei me aproximando dela e nos abraçamos forte, ela colocou a cabeça na curvatura do meu pescoço e eu beijei seus cabelos. — Eu nunca quis ser só seu amigo, Ju. — Sussurrei sem graça e senti seu corpo tremer. 


Notas Finais


Espero que gostem meus amoresssssss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...