1. Spirit Fanfics >
  2. A Lâmina do Assassino (Long Fic) >
  3. Capítulo 3: Segredos e Batalhas

História A Lâmina do Assassino (Long Fic) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Yo pessoal! Eis um novo Capitulo!
Desculpa a demora a inspiração só voltou agora
Desculpa também se o capitulo estiver ruim.
Aproveitem!

Capítulo 4 - Capítulo 3: Segredos e Batalhas


CASA DE ASAIKA

Bruno tomava uma xícara de café, lendo o jornal local. Eram 19 horas da noite, as ruas estavam estranhamente vazias naquela hora. Mas dentro de casa, ele não sabia. Asaika, sua filha, estava com ele, mexendo no celular tranquilamente. Os 2 estavam esperando Cauan, filho de Bruno e irmão de Asaika, chegar. Mas ele ia demorar pra chegar.

Sem que ninguém visse, 3 vãs negras passam pela rua. De dentro dela descem 10 homens armados de cada, cercando a rua. Eles miram as armas para a casa de Asaika.

--Filha, você quer ligar pro seu irmão?--Bruno pergunta pra Asaika.--Eu estou com um mal pressentimento...

Asaika ia ligar quando viu algo pela janela. Era um homem ajoelhado e pondo algo dentro de um cano. Mas aquilo não era um cano e sim uma...

--BAZUCA!--Asaika gritou, se jogando em cima de Bruno.

A bazuca atirou e uma explosão derrubou a parede e a cozinha da casa. Nessa hora os criminosos começaram a atirar com metralhadoras e mini-guns, destruindo a porta e as paredes com as balas. Bruno e Asaika, desorientados pela explosão, sacaram as pistolas e se deitaram no chão, tentando evitar as balas.

--Você tem um olho bom!--Bruno exclamou, olhando pra porta.--Acha que vão entrar?

--Com certeza sabem que é difícil matar você!--Asaika respondeu, ainda deitada.

Os tiros cessaram. Um dos bandidos arrombou a porta com um chute e já ia entrando quando Bruno acertou um tiro em sua testa. O outro bandido atrás dele ia atirar quando um tiro acertou sua canela. Asaika que atirou dessa vez, dando a chance de Bruno acertar um tiro na virilha do criminoso e se levantar enquanto ele gritava de dor. Quando Bruno atirou na cabeça do criminoso, um terceiro quebrou a janela e lhe acertou um chute, o fazendo cair sobre a mesa. O criminoso ia avançar quando levou uma rasteira de Asaika. Caido no chão, Bruno lhe acertou com um tiro entre os olhos.

--Precisamos de reforço!--Bruno disse a Asaika, pegando a arma do primeiro criminoso que entrou, uma espingarda, e atirando pela janela contra os criminosos lá fora.--Seu celular tá pegando?

--Ele não aguentou a explosão!--Asaika pegou a metralhadora do segundo e desferiu alguns tiros pela janela.--Cadê o Cauan nessas horas?!

Uma buzina se ouviu na rua e um carro em disparada se viu. Os criminosos atiraram mas o carro não parou. Logo eles tentaram desviar mas 5 foram atropelados e sexto foi esmagado entre uma das vãs e o carro. Os criminosos avançaram lentamente em direção ao carro quando um foi abatido por um tiro vindo de dentro do carro. Outro tiro veio, só que de outra direção, de trás de uma das vãs. Tinham 2 pessoas por lá. Uma delas, cuja voz Bruno conhecia bem, gritou:

--A CAVALARIA CHEGOU CARALHO!

--Green?--Bruno indagou.--Mas que diabos?

--FUEGO NOS TIRAS!--Gritou um dos criminosos, sua voz soando forçadamente espanhola.

Do carro saiu rolando um jovem de cabelos pretos e pele escura, que logo se levantou e atirou com uma pistola no queixo de um dos criminosos, pegando seu corpo e o chutando contra outro criminoso logo depois de pegar a arma do mesmo e usá-la pra matar outros 2. Da casa, servindo de apoio, Bruno e Asaika atiravam contra os criminosos que tentavam atacar de volta.

O que o grupo ali não sabia era que os criminosos tinham câmeras nas roupas que vestiam. Quem assistia nas câmeras estava furioso.

--Como 30 dos meus melhores homens estão perdendo para 3 policiais e um traidor?!--Ele resmungava, vendo mais um de seus homens cair.--O Sinal já foi dado não vou ser humilhado! Recuem agora!

Um sinal se ouviu no comunicador de um dos criminosos e imediatamente ele assoviou, entrando numa das vãs. Os criminosos restantes seguiram o assovio e pularam dentro do veículo, que saiu em disparada pela rua. Vitória do grupo de Bruno.

--Ufa. Vocês estão bem?--Cauan entrou na casa, abraçando Bruno e Asaika.--Graças a Deus cheguei a tempo.

--O curioso é que a polícia ainda não apareceu.--Asaika falou, olhando pros 2.--Tem algo errado.

--Tem cheiro de crime organizado.--Bruno comentou, pondo a mão no queixo quando ouviu um gemido. Tinha um criminoso apoiado na parede, tapando um ferimento de bala na cintura com a mão.--Acho que sei quem pode nos responder. Ei!

Bruno agarrou o criminoso e o sentou numa cadeira. O criminoso usava um colete e um capacete pretos, além de calças e botas grossas. Parecia até um soldado. Bruno arrancou seu capacete, fazendo o homem revelar seu rosto. Era um homem de cabelo marrom e sem barba, com olhos castanhos.

--Porque vieram aqui?--Bruno perguntou, olhando pra ele.--Vocês têm noção da casa que bombardearam? Era da minha filha.

--E... Daí?--O criminoso respondeu, olhando para Bruno.--Isso foi só um aviso... Você está se metendo com gente poderosa... Gente que não tem vergonha de matar qualquer um que se meta em seu caminho...

--Todo bandido tem o mesmo disco né?--Cauan comentou, olhando pra Green que deu de ombros. Logo o jovem foi até o bandido.--Sabe eu já ouvi tanto isso que já sei de cor. Seu chefe ou alguém acima dele mandou vocês se livrarem da gente não foi? Significa que estamos perto de descobrir alguma coisa.

--O que sabe sobre o Rei e seus Príncipes e Princesas?--Bruno perguntou ao criminoso, que se calou na hora.--Ah entendi... As Ordens vieram direto do Rei. Mas não esquenta meu rapaz, seus amigos que lhe abandonaram aqui vão dar esse recado ao Rei.

Bruno arrancou da roupa do bandido uma microcamera. Ele olhou para a câmera e apontou a lente para seu rosto, dizendo:

--Eu vou te pegar, Rei. Nem que eu tenha que pegar cada Príncipe, cada Princesa abaixo de você para isso.

Bruno apertou a câmera na mão, a quebrando. Nessa hora a polícia chegou e as coisas pareceram se acalmar por ali. Mas Bruno, Cauan e Asaika sabiam que a partir daquele momento, a paz já havia morrido...

ENQUANTO ISSO...

BORDEL PRINCESA DAS ARÁBIAS

Edgar Mohammed, um dos mais perigosos traficantes de mulheres do mundo, estava furioso. Aproximadamente 19 de seus homens haviam morrido tentando matar o grupo de Bruno e 1 havia sido feito preso. Ele mexeu na barba, seu tique nervoso, quando alguém bateu na porta.

--O que é?!--Ele exclamou, olhando para a porta de seu escritório.

--Chefe, tem um homem da Silent Killers na porta.--Falou um homem careca de terno. Era um dos seguranças do Bordel.--É o Kiro.

--Mande o Kyle receber ele. Eles têm assuntos pendentes.

Na porta do Bordel, Kiro estava. Havia uma fúria silenciosa em seus olhos, algo que ele acumulava há um bom tempo. Ele sentou num dos sofás do Bordel, os braços apoiados nos joelhos.

Nessa hora entrou um homem de cabelos loiros presos num rabo de cavalo. Ele usava óculos escuros, era muito grande e forte, além de estar usando uma blusa branca e uma calça jeans preta.

--E aí, Samurai?--Kyle, o Loiro, anunciou, dando um tapa nas costas de Kiro e sentando na frente dele.--O que faz aqui meu amigo?! Tá com vontade de fuder?!

Kiro nada falou, só baixou a cabeça e apoiou as mãos na mesa. Kyle sorriu.

--Ah eu já entendi. Você tá frustrado porque não pode fazer nada com a gente. Mesmo que a gente tenha feito a Jade a nossa verdadeira Princes-

Kyle não terminou a frase pois Kiro agarrou sua cabeça e a bateu com muita força na mesa, quebrando os óculos escuros de Kyle, assim como seu nariz. Ele ia sacar a Espada quando todos os funcionários ali sacaram suas armas e apontaram pra ele. Assim Kiro relaxou e soltou Kyle.

--Podemos ter um pacto de não agressão, Kyle. Mas isso não significa que pode me provocar.--Kiro falou, se levantando.--So vim aqui pra lhe dar um aviso. Temos novatos na Silent Killers. Se você ou um de seus homens tocar neles, eu não ligarei se tiverem armas apontadas na minha cabeça.

Kiro saiu do Bordel, sendo fuzilado pelos olhares irritados de Kyle. Ele não era tratado daquele jeito por ninguém, Nem se houver um pacto de não agressão entre suas gangues.

NO APARTAMENTO DO KIRO...

Ameri estava no tatame de treinamento, chutando um saco de pancadas. Mesmo com um braço quebrado, ela tinha que treinar algo.

Enquanto chutava, ela pensava no que achara no quarto de Kiro: Um altar vermelho, com o retrato de um jovem muito parecido com Kiro, velas acesas e incenso, além de uma tigela com saquê e 2 mini foices. Quem era aquele rapaz?

A porta se abre e Kiro entra. Ameri sorri e para de chutar.

--Você está indo bem.--Kiro fala, vendo a mesma sentar no chão.--Amanhã nos vamos para a Silent Killers novamente. Você vai treinar a sério.

--Ok... Kiro eu entrei no seu quarto.--Ameri falou, vendo em Kiro um olhar incomodado.--Eu... Vi o Altar e... Quem era?

Silêncio se fez. Kiro pegou ela pela mão e levou pro quarto, sentando perto do Altar. Ele logo acendeu uma das velas do Altar, suspirando.

--Esse era Kayenji, meu irmão mais novo.--Kiro falou, tocando nas foices ao lado da foto.--Quando fomos treinados na Yakuza, ele se especializou em lutas com Kani, essas foices que estão aqui. Quando soube de sua morte, eu peguei as armas dele pra guardar. No armário estão as luvas de espinhos e a Naginata dele. Na sala de treinamento está a Espada dele.

Ameri olhou pra o Altar e logo tocou em Kiro. Ele olhou pra ela, dando um sorriso triste.

--A ordem para matar meu irmão veio de cima. Não sei quem mandou mas quero saber. Eu devo saber quem mandou que apertassem o gatilho da bala que o matou.

--Pra você se vingar?

--Pra eu trazer justiça a todos os que sofreram. Não só meu irmão mas todos os meus amigos. Zabuza, Kosuke, Yachiro... Todos eles morreram nas mãos de alguém que eu ainda não sei quem é.

Ameri abraçou Kiro, que retribuiu o abraço. Logo ele disse em seu ouvido:

--Por isso que você vai se juntar a Silent Killers. Você vai se tornar alguém forte para poder se proteger até mesmo dos homens de seu irmão. A partir de amanhã seu treinamento começa de verdade.

ENQUANTO ISSO, NUM LUGAR DESCONHECIDO...

No escuro, acariciando a cabeça de um gato, um homem assistia e reassistia a Bruno falando pra câmera do criminoso que ia pega-lo. Ele sorri, parando o carinho na cabeça do gato.

--Então agora é guerra não é?--O Rei fala, sorrindo malévolo.--Então veremos se está preparado para ela...

CONTINUA...

NO PRÓXIMO EPISÓDIO

Kiro leva Ameri para se tornar uma aluna da Silent Killers. Bruno recebe a visita de uma agente da Interpol. Finalmente entenderemos a hierarquia do Rei do Submundo.


Notas Finais


Até a próxima pessoal


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...