História A Lista - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Albert Spencer (Rei George), August Wayne Booth (Pinóquio), Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Marian, Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Mérida, Milah, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Sr. Gold (Rumplestiltskin), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Once Upon A Time, Regina Mills, Romance, Swanqueen
Visualizações 525
Palavras 4.219
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), LGBT, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 21 - Capítulo 21


Point of View Regina

 

- REGINA!!

- Zelena?? - pergunto surpresa - O que você está fazendo aqui?

- Nossa, pensava que ia ficar feliz com minha presença - ela revira os olhos

- E ESTOU! - dou um abraço apertado nela - Mas calma, vamos voltar lá pra cima, rápido!

- Com quem estava no banheiro, Dona Regina Mills? - ela para no corredor e ameaça voltar ao toalete e abrir a porta

- PARA! - seguro em seu braço - Prometo a você que depois de falo tudo que aconteceu durante esses dias que você estava viajando.

- Ahh, tenha certeza que vou querer saber de tudo!!

- Esta bem, esta bem! Vamos logo - a puxo pelo braço e logo mais estavamos na cobertura em que todos se encontravam.

Apresento algumas pessoas a Zelena e ao sentarmos, Ingrid sentou-se ao seu lado, deixando a cadeira ao meu lado vazia. Tinha um bom tempo que as duas não se

viam, então estavam colocando o papo em dia. Aproveitei a dispersão de algumas pessoas e pedi algumas bebidas.

- Por favor, traz mais um Martini também - ouvi o toque suave de seus saltos sobre o piso da cobertura e dei um breve sorriso ao escutar aquela voz.

- Sim, Sra. - o garçon respondeu.

A mulher deslizava a ponta dos dedos lentamente sobre o vidro da mesa em que todas estavam reunidas. Ela estava mais impecável do que nunca, bem diferente de como estavamos há poucos minutos atrás. Emma sentou em sua cadeira à minha frente e voltou a sua atenção para mim. Movi meus lábios em um sorriso, para a mesma que apenas me fitou.

Emma estava com uma expressão um pouco diferente da qual estou acostumada a ver, o que me deixava bastante curiosa. Em uma atitude delicada e extramente sedutora, ela cruzou suas pernas me dando total visão de suas coxas e aoarrumar seu cabelo, formando um coque alto com alguns fios soltos, fechei meus olhos respirando bem fundo deixando que o seu aroma chegasse até a mim.

- Aqui esta, Srta. Mills - o garçon fez com que eu caísse em si

- Oh, Obrigada - dou um sorriso

- E aqui está o seu, Srta. - ele entregou a taça de Martini que Emma havia pedido

- Obrigada - disse com um sorriso nos lábios

Ao encostar a taça da minha bebida em meus lábios, sou interrompida pela loira.

- Não vai brindar antes, Regina? - ela pergunta em um tom provocativo

- A que quer brindar, Emma? - me aproximo mais da mesa

- Ao que você acha? - Emma estava me fitando com um olhar desafiador

- Ao que finalmente consegui? - sorri cinicamente para ela

- Ficou satisfeita?- ela colocou os olhos sobre mim

- Não me sacio facilmente - sussurrei em um tom rouco

A loira deslizou a ponta da língua sobre seu lábio inferior.

Tudo parecia se intensificar cada vez mais, já que a mesma não fazia questão de quebrar o nosso contato visual.

- A que estão brindando? - Ingrid interrompeu as duas

- A nova exposição de obras no museu da Srta Swan - soltei confiante

- SRTA SWAN? - Zelena virou-se para ela e ficou completamente surpresa

- Oh, esqueci de apresentar vocês! - me afastei da mesa dando passagem para Zelena se aproximar de Emma

- Como você esquece isso? - Zelena sussurrou rapidamente em meu ouvido assim que foi se apresentar a loira

- Prazer, Zelena. - ela estendeu a mão

- Prazer, Zelena. Emma Swan - pela primeira vez vi Emma ser simpática com alguém que eu apresentava

- Então agora todas podemos brindar a nova exposição - Ingrind cutucou Regina

- Sim. Quero à attenção de todas!! - Me posicionei ao lado da Emma que me fitou surpresa, antes que ela pudesse falar algo, secretamente, aos olhos das outras pessoas, repousei minha mão em sua cintura, alisando carinhosamente. Por um instante pensei que ela iria sair de perto, mas ela permaneceu intacta, apenas deu um breve sorriso - Pode falar, Swan

- Sou péssima com as palavras, ainda mais quando não estou totalmente sóbria - enquanto ela falava, percebia o quão estava ficando nervosa, porém disfarçava com algumas risadas - Mas resumidamente, espero que todas possam comparecer a nova exposição de obras que serão expostas em meu museu no LACMA, que será amanhã, e principalmente, espero que gostem. - ela levantou sua taça para brindar com as demais pessoas que estavam dando a total atenção

- Iremos sim, com certeza - algumas pessoas já confirmavam desde já

- Iremos juntas, Regina? - Ingrid perguntou em um tom alto para que todas escutassem

- Claro!! Belle, Marian, e Zelena, querem aproveitar a carona?

- OBVIO, REGINA - Zelena foi a primeira a responder

- Iremos sim! - Belle e Marian responderam logo em seguida

- Depois poderíamos aproveitar à noite o que acha? - Ingrid aproximou-se de mim maliciosamente e em questão de segundos me deixei levar

- Tenha certeza que iremos aproveitar bem a nossa noite - sussurrei em seu ouvido

[...]

Depois de mais alguns drinks servidos, voltei o meu olhar à procura de Emma, até que a encontrei um pouco distante conversando com Mary. Tentei encontrá-la com meu olhar no seu que vagava perdidamente enquanto conversava com sua amiga. Emma não parecia nada bem, observei mesmo de longe disfarçando um pouco.

Mary parecia está bastante surpresa com o que Emma estava lhe falando, o que me deixava bastante curiosa, ela me encarou friamente e aquilo fez com que eu me retraísse um pouco. Deixei as duas de lado e voltei a atenção para a mesa em que as outras mulheres estavam reunidas.

Zel se aproximou de mim e me puxou, fazendo com que eu ficasse distante das outras.

- Eu não vou aguentar, me conta o que houve!! - ela estava afoita

- Zel, aqui não é o lugar pra te contar - digo meia chateada

- E por que você esta com essa cara?

- Ah, sei lá... - dou os ombros

- Como não sabe? - ela insiste

- Acho que tá acontecendo algo com a Mary e Emma... - confesso

- Como assim algo?

- Não sei, Mary me olhou estranha, ela não estava com uma expressão boa...

- Pode ser impressão sua - ela tenta me distrair - Vamos sentar lá com as meninas. Quer que eu chame elas?

- Se quiser chamar...

- Espera só um minuto.

Zelena deu as costas para mim e saiu em direção as duas mulheres que estavam completamentes afastadas da mesa. Olhando de canto, notei que Emma meneava com a cabeça negativamente. De uma forma gentil, levantei da minha cadeira, fui até o encontro delas e estendi a mão para Emma que se levantou vagarozamente.

- Você está bem? - perguntei com um breve sorriso

- Eu preciso de ar - ela respondeu

- Você precisa parar de beber, já esta bêbada - Mary franziu o cenho assim que me fitou

- Vem, posso te deixar em um dos quartos para descansar - falei sem a menor malícia

- NÃO! - Mary assentiu

- Qual o problema? - perguntei a Mary

- É melhor ela ir pra casa - ela me lançou um olhar rápido

- Posso pedir pra meu motorista levá-la para casa - falei

- Não, não precisa. Vou pedir um táxi.

- Mary, não vou deixar vocês irem embora de táxi, meu motorista pode muito bem levar vocês.

- Regina, não insista.

- Mary, você pode ficar. Não precisa ir embora comigo - Emma se pronunciou

- Você não vai sozinha, Emma - Mary falou impaciente

- Mary, fique aqui. Deixarei ela em casa e voltarei para cá. Não se preocupe que não irei fazer absolutamente nada - falei séria em um tom autoritário

- Ai Regina, não sei. Emma está muito confusa em relação à você. Você não pode continuar com esse jogo - Mary me puxou de lado falando baixo em meu ouvido

- A Emma sabe muito bem o que faz, Mary e eu também. Então não se preocupe, Emma sabe jogar muito bem - pisquei para ela tentando deixá-la mais tranquila

- Isso ainda vai acabar mal - ela fala

- Fica aqui, volto rápido. Só me diz o endereço - pedi para ela

[...]

- Para onde vocês vão? - Ingrid me pergunta furiosa

- Vou levar Emma em casa, ela precisa descansar e não vou deixá-la ir sozinha - falei pegando alguns pertences dela que estavam em cima da mesa

- E por que a Mary não a leva? - Ingrid se aproximou

- Ingrid, eu vou voltar - dei um beijo em seu rosto rapidamente

- Não pense que esqueci da nossa noite - ela retribui virando meu rosto de dando um selinho

- Eu sei que não - falei rindo

O silêncio se fez presente enquanto caminhávamos para a garagem.

- Você disse que seu motorista iria me levar - ela perguntou

- Você se importa que eu vá dirigindo? - perguntei preocupada

- Não... Quer dizer, você bebeu também, isso não é um bom exemplo, ainda mais para quem é Superintendente de L.A - ela falou descontraída entre sorrisos

- Você fica tão linda sorrindo... - acabei me perdendo entre eles

- Não mude de assunto, Sra. Mills - ela falou seria

- Ok. Irei chamar meu motorista então - peguei meu celular da bolsa, soltei um suspiro e comecei a discar o número do Jared

- Espera - ela segura meu celular junto com sua mão na minha.

- O que foi?

- Pode ir dirigindo - ela diz

- Não, é melhor ele ir dirigindo mesmo, mas você se importa se eu for com você no banco atrás? - a fitei seria

- Não. Tudo bem.

Poucos minutos depois Jared já se encontrava em meu apartamento.

- Bom dia, Senhoritas.

- Bom dia? - Emma pergunta confusa

- Sim, Emma. Já são 3:30 da manhã - falei sorrindo

Ela levantou seu braço para olhar a hora em seu relógio e tomou um breve susto.

- Vem, entra aqui - abri a porta do carro e entramos rapidamente.

- O tempo passou muito rápido. Preciso tomar um banho e dormir bem para amanhã ou melhor, para mais tarde - ela sorriu meia sem jeito

- Você precisa descansar mesmo. Percebi que você não estava muito bem...

- É, não estava... - ela disse em poucas palavras

- Foi somente por conta da bebida? - levantei a cabeça para fitá-la

- A culpa toda foi da bebida! - ela olhou em meus olhos

- Oh... Tudo bem - falei um pouco baixo

Ficamos em silêncio por mais alguns minutos.

- Quer saber? - ela fez o contato - Eu não sei o que acontece comigo quando estou perto de você - ela confessa

- Eu também nã .... - fui interrompida

- Deixa eu falar - ela repousou sua mão em minha coxa e respirou profundamente - Eu não gosto de mulheres, sou casada com o Killian e sei que meu casamento já não é mesmo há muito tempo, mas mesmo assim, diante dessa situação nunca, nunca, me senti atraída por mulheres. Eu não sei o que se passa em minha cabeça, é algo incontrolável que toma conta de mim e me torno outra pessoa. - ela deu uma pausa

- Emma - a interrompi - Você tem certeza que você se torna outra pessoa? Ou você apenas está fingindo ser essa pessoa que você e toda sociedade está acostumada, apenas por medo?

- O que você quer dizer? - ela me fita confusa

- Deixa pra lá, não acho que agora seja o momento certo para termos essa conversa - dei um breve sorriso de lado

- É.. Não estou muito bem - ela tira sua mão da minha coxa e suspira - Eu tenho medo de você - ela admite

- Medo de mim? - ao escutar aquilo fico assustada

- Sim. Medo - ela fixou seu olhar no meu

- Não quero que sinta medo - a encarei

- E o que você quer que eu sinta? - ela foi aproximando seu corpo do meu

- Algo que você nunca sentiu - mordi meu lábio inferior tentando me controlar

- Como você sabe que eu nunca senti com outras pessoas? - ela disse em um tom desafiador

- Eu apenas sinto. A forma como seu corpo corresponde aos meus toques, suas expressões tão enigmáticas, mas ao mesmo tempo tão transparentes ao me ver... - permaneci meu olhar fixo no seu.

- Chegamos, Srta Mills - Jared cortou totalmente o clima que já estava se instalando.

Pela primeira vez pude notar no olhar da Emma toda a confusão que se passava em si. A luta que ela tinha com ela mesma, entre ceder aos desejos que sentia ou renunciar tudo aquilo. Nossos olhares se cruzaram e mais uma vez, causou um arrepio em meu corpo.

- É... Preciso ir - ela deu um sorriso leve

- Você quer que eu... - mal consegui terminar a frase

- Subir? Não, não precisa - ela sorrir timidamente

- Está bem, irei esperar você entrar.

- Obrigada, Regina - ela aproximou seu rosto do meu para depositar um beijo de despedida.

Ela parecia confusa. Seu semblante demostrava claramente a confusão em sua cabeça. Eu sorri e retrubui em um beijo calmo em sua bochecha, porém segurei delicadamente seu rosto e a encarei frente à frente, deixando poucos milímetros de distância entre nossos lábios.

- O que você vai fazer? - ela perguntou com um sorriso discreto nos lábios

- Eu quero que você fique bem, Emma. Talvez pareça estranho te falar essa coisas, mas acredite, já fiz essas perguntas pra mim mesma diversas vezes. Se você ama alguém por que ir desistir? Por que abrir mão? Mas eu posso te responder com toda certeza do mundo, a gente precisa desistir de algumas pessoas, amar não é somente permanecer. O amor também é sobre despedidas, é sobre deixar ir ou decidir ir embora, principalmente quando algumas pessoas desistem de nós antes mesmo da gente saber.

- Regina... - ela fala com um semblante diferentes dos demais que tinha visto.

- Eu nem sei por que falei essas coisas pra você, Emma... Sei que não tenho direito de... - Emma tinha o cenho franzido, e um sorriso reprimido nos lábios - O que foi? - perguntei confusa.

- Gosto dessa Regina - seu olhar era intenso - Que mal me conhece, mas que se preocupa comigo.

- Só dessa Regina? - fiquei sem jeito, pois não esperava isso da parte dela, fiz a pergunta tentando tirar a minha tensão

- Só não gosto de uma, pra falar a verdade.

- Qual seria essa? - pergunto a fitando

- Não irei dizer. Bom, obrigada por me deixar em casa, agora preciso ir. Até amanhã, Regina. Boa noite! - ela se despede e entra em sua residência.

Voltei para casa aquela noite com a imagem da Emma se entregando para mim e mais uma vez me perdi em meus pensamentos que sempre eram voltados para a  ela.

Depois de alguns quarteirões, chegamos novamente em meu apartamento. Subi discretamente e logo encontrei com poucas pessoas que ainda estavam na cobertura.

- Cadê o restante do pessoal? - dei uma olhada em volta

- Só sobramos nos 4 - diz Mary se referindo à Belle, Ingrid, Zelena e ela.

- Oh, então vamos aproveitar. Vou só deixar minhas coisas no meu quarto e volto em um instante.

Caminhei pelo corredor que estava apenas sendo iluminado por uma luz baixa e logo fui surpreendida com Ingrid me empurrando para parede.

Engoli em seco quando suas mãos começaram a deslizar em meu corpo.

- Ingrid, o que está fazendo?

- Lembre-se do que me prometeu esta noite - disse sorrindo maliciosa

- Mas você não quer nem esperar elas irem embora?

- Não - disse autoritária

- Oh céus - minha voz saiu rouca e arrastada.

Fechei os olhos tentando dizer não as minhas vontades diante daquela mulher. Respirei fundo e encarei o seu rosto.

Ingrid sorriu de forma maliciosa, mordendo o lábio inferior.

- Hoje você será minha - ela sussurrou

- Tem certeza disso? - me aproximei dela e notei que sua blusa estava um pouco aberta, dando uma bela visão da sua lingerie branca que ela estava vestida.

Nossos corpos estavam a ponto de se roçarem. Suspirei diante do contato e em questão de segundos, Emma veio em minha mente. Tentei afastar tais pensamentos meneando com a cabeça, quando Ingrid foi me puxando para meu quarto.

- Maldita! - falei olhando para ela

- Você não sabe por quanto tempo esperei pra te ter novamente - Ingrid sorriu cinicamente, seus olhos me fitavam como se estive faminta de prazer.

- Foi você que me deixou, esqueceu? - não tirei os olhos dela

- Foi um erro, só depois eu percebi o quanto te amava...

- Ingrid, não quero falar sobre o nosso passado! - ordenei

- Então vamos aproveitar o nosso presente - ela falou em um tom que transmitia puro sarcasmo.

Ingrid virou de frente para mim, repousando seus braços ao redor do meu pescoço. Segurei com uma das minhas mãos na cintura da mulher, levando a outra até seu rosto.

- Você é um inferno, Ingrid - disse ao deslizar o meu polegar sobre os lábios dela, que entreabriu a boca, chupando da orma mais sensual possível.

Porra!

Puxei sua cabeça para mais próximo, tomando seus lábios em um beijo intenso. Ingrid entreabriu os lábios, sentindo minha língua que deslizava entre sua boca,  entrando em contato com a sua. Fechei minhas mãos em sua cintura e empurrei o seu corpo para a cama. Ela desceu com suas mãos até minha bunda, onde apertou com força. Continuamos nosso beijo desesperado e faminto. O nosso sexo sempre foi algo mais selvagem, não era algo delicado, mas também não era apenas algo brutal. Era intenso por demais. Depois de Ingrid, não havia deixado mais ninguém me tocar, eu gostava de dar o prazer as mulheres, de saber que elas me desejavam e pediam sempre por mais. Ingrid arqueou a cabeça para trás e imediatamente deslizei minha língua sobre aquela região, dando algumas chupadas com força, enquanto ela segurava meus cabelos e puxava na mesma intensidade dos beijos que estavam sendo depositados em seu pescoço.

- Isso Regina... - murmurou

Levei minhas mãos até seus seios e abri sua blusa sem se importar com a delicadeza, ela me encarava com seu olhar mais malicioso.

Apertei de uma forma lenta e gostosa. Deslizei a língua entre seus seios e tirei seu sutiã.

- Chupa eles, Regina. Chupa bem gostoso - ela inclinava seu corpo para mim implorando por mais.

Deslizei a minha mão entre sua coxa em direção ao seu sexo e senti sua boceta molhada, mesmo com a calcinha. Passei minha língua em um de seus mamilos e dei uma mordida levemente provocativa. Ao mesmo tempo levei meus dedos novamente até seu sexo, esfregando sobre seu clitóris. Mesmo por cima do tecido fino de sua calcinha, meus dedos estavam ficando úmidos, ela estava completamente quente.

- Oh, me foda, Regina.

Arranquei sua calcinha e deslizei meus dedos que já estavam melados sobre a boceta quente dela. Eu sentia meu corpo vibrar. Molhei meus dedos apenas na entrada do seu sexo úmido e comecei a esfregar o seu clitóris. Ingrid me puxou pelos cabelos tomando meus lábios em um beijo desesperado. Continuei a tocá-la com intensidade e a beijei com fervor. Finalmente enfiei dois dedos em sua boceta e Ingrid automaticamente abriu as pernas para mim.

- Eu preciso de você - os gemidos dela se intensificavam mais ainda

Ela empurrava seu quadril com mais força, fazendo com que meus dedos entrassem mais ainda em seu sexo, dando estocadas mais penetrantes.

- Isso, Ingrid... - sussurrei 

Aumentei os movimentos dos meus dedos com mais precisão, inclinando dentro da sua boceta, seus gemidos estavam mais fortes.

- Posso gozar a qualquer momento - ela tinha um olhar quente

Arrastei meus lábios por toda a extensão da sua barriga, até chegar em seu sexo. Eu sentia ele pulsar de tanto prazer que ela estava sentindo. 

- Deixa eu te sentir, Regina... Como nos velhos tempos - ela falava pausadamente enquanto buscava controlar sua respiração 

- Ingrid... - meneei com a cabeça 

Ela soltou um sorriso de canto e percebeu que eu não iria permitir ela me tocar, então deixou a ideia de lado. 

- Esquece, apenas me  faz gozar então

- É o que eu mais quero - sorri sacana

Deslizei minha língua sobre seu sexo. Ingrid moveu seu quadril devagar sobre minha boca, fazendo com que minha língua entrasse em sua boceta com um pouco de pressão. Com a ponta da língua penetrei a entrada dela, que estava completamente molhada, sentindo seu líquido quente entrar em contato com minha boca. 
Ela gemeu e começou a movimentar um pouco mais rápido o seu corpo, fazendo com que minha língua entrasse e saísse de seu sexo.

- Você me chupa tão gostoso, oh 

Ingrid não iria demorar a gozar. Retirei minha língua da entrada da sua boceta e comecei passar a língua pelos lábios maiores. 

- Faça o que quiser, Regina, só me faça gozar.

Senti meu sexo latejar forte com suas palavras. Sem tirar meus olhos dela, coloquei a língua para fora e deslizei de uma vez sobre o seu clitóris que tava inchado. Ela estremeceu, soltando um gemido alto entre seus lábios.

- Caralho!!

Comecei a arrastar minha língua por cima do seu clitóris em movimentos circulares. Ela movimentava com mais rapidez o seu quadril, querendo mais contato. Levei minhas mãos até sua bunda e apertei com força. 

- Isso, me chupa, Regina... 

Não parei em momento algum, queria dar o total prazer aquela mulher. Movimentava rápido de um lado pro outro com minha lingua, fazendo uma certa pressão ao passar pelo seu clitóris. 

- Goza pra mim, Ingrid.

Ela a cada instante fazia questão de esfregar sua boceta em minha cara. Ela tentava calar os gemidos, mas era impossível. Senti o seu delicioso orgasmo que estava tomando conta do seu corpo. Apertei sua bunda, audando ela se mover até o fim daquelas sensações, queria me deliciar do seu gosto.

- Nossa... - disse ela ao relaxar o seu corpo

Estavamos ofegantes. Deitei ao seu lado e Ingrid se acomodou sobre meu corpo, fazendo-me sentir a sua pele quente e suada contra meu corpo. Fechei os olhos e respirei fundo.

- Você continua tão boa quanto antes - disse escampando-lhe um sorriso

Apenas retribui o sorriso para ela, enquanto ela se levantava. 

- Vou tomar um banho, quer vir comigo? - perguntou tentando me seduzir 
- Vou daqui a pouco, quero só ver se ainda tem alguém aqui -  me lavantei ajeitando meu vestido e antes mesmo de sair do quarto, dei de cara com a Mary. 

Infelizmente tinha esquecido de fechar a porta do quarto. 

- Mary - falei assustada
- Regina - disse indiferente 
- Pensava que vocês tinham ido embora - tentei disfarçar 
- Eu estava indo, mas Emma me ligou e disse que queria falar com você.. - ela mostrou o celular e que ainda estava na ligação 
- Oh, deixe-me ver o que ela quer... - tentei pegar o celular, mas Mary desviou ele. 
- Não, ela não tem mais o que falar com você 
- Como assim? Me passe o celular, Mary! - insisti 
- Eu disse que você estava bastante ocupada com a Ingrid e ela escutou tudo! 
- O que? Por que você fez isso? - falei furiosa
- Você acha mesmo que vou deixar você enganar a minha amiga? - falou em alto e bom tom
- Que enganar o que?! - tento pegar o celular e vi que a ligação tinha caído.
- Você não vai fazer com ela o que você faz com as outras mulheres, não irei permitir isso. - disse saindo do quarto 

- Mary, espera! - sigo apressada em sua direção 
- O que houve? - Belle pergunta sem entender o que estava se passando 
- Vamos embora, Belle.
- Regina, o que houve? - Zelena perguntou se aproximando de mim 
- A Emma, Zel! - falei sem acreditar que aquilo tinha acontecido
- Sua amiga não se contenta com o que tem, Zelena. Quer todas as mulheres para ela. - esbravejou 
- Você não vai falar nada, Zel? - perguntei 
- Mas a Mary está certa, Regina - Zelena admitiu 
- Está vendo? Até sua amiga sabe disso! Quer saber, Regina? Fica longe da minha amiga! - disse ao sair do apartamento 

Zelena permaneceu comigo sem falar absolutamente nada. 

- Me explica o que aconteceu... - ela quebrou o silêncio 
- Não precisa. Vai pra casa, depois nos falamos. - me despedi dela de forma indiferente e caminhei para o meu quarto. 

Peguei minha bolsa e vi que meu celular estava descarregado, pensei na possibilidade de ter algo da Emma e coloquei imediatamente para carregá-lo. 
Poucos segundos depois, vejo algumas ligações perdidas e uma mensagem dela. 

"É exatamente dessa Regina que eu não gosto. Por favor, não apareça na minha exposição."

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...