1. Spirit Fanfics >
  2. A loba e o vampiro >
  3. Torneio: possíveis aliados

História A loba e o vampiro - Capítulo 7


Escrita por:


Capítulo 7 - Torneio: possíveis aliados


Fanfic / Fanfiction A loba e o vampiro - Capítulo 7 - Torneio: possíveis aliados

Eu estava me preparando, primeiro, coloquei a sela na manticora, depois, precisei comprar uma proteção extra pra garantir que eu não fosse atingida em locais que poderiam dificultar minha movimentação na arena, também comprei alguns itens como garantia de segurança, então, eu olho pra ver se faltava alguma coisa, e de acordo com meus calculos, não faltava muita coisa, então, eu olho pra ela, e sorrio.

Lila: Preparada pro nosso showzinho?

Ela me olhou, e se deitou no meu colo, as vezes, a Shadow parece um gatinho manhoso, tanto que as vezes eu esqueço que ela tem um rabo com a ponta venenosa, mas fora isso, tá tudo bem, então, eu olho pra ela, e sorrio.

Lila: Se não fosse pelo fato de você ser uma manticora, acho que pensaria que você nâo passava de um gatinho que cresceu demais, mas fora isso, tá tudo bem.

Então, vamos na direção do torneio, e lá, eu olho pra o local, era uma espécie de estádio, então, olho pra o local, o som do grito da plateia...pareciam animais sedentos por sangue...afinal, digamos que esse tipo de acontevimentos eram comuns na minha área, especialmente quando algumas pesssoas quebravam as regras, ou seja, notava-se que eu era uma pessoinha que qualquer um poderia cuidar, não é mesmo? Sim! A diferença é se aguentava cuidar de mim ou não, então, sinto um cheiro que me deixou mais animada, a carne já estava sendo preparada pra ocasião, ou seja, eu e uma gatinha manhosa estamos felizes com isso, não é mesmo? Bom, seja como for, melhor eu tomar cuidado, não sei quem poderão ser os concorrentes com quem eu terei que lidar no futuro, então, eu olho pra ele, e vou a mesa dfuturose inscrição.

Lila: Com licença...

O cara que era um homem-porco me olhou como se estivesse me julgando, e então, voltou a olhar pra os papéis.

???: Desculpe mas a vaga de vendedores ambulantes está preenchida.

Claro, se eu estivesse com meu disfarce, você não pensaria a mesma coisa, então, sorrio.

Lila: Na verdade, sou uma das lutadoras, aí deve estar registrado como rastreadora e Shadow, acertei?

Ele olhou pra lista, e depois, olhou pra mim.

???: Sabe que você não vai durar na arena, não é mesmo?

Eu sorrio.

Lila: Quer apostar?

Ele me olhou, e então, eu sorrio.

Lila: Já que você tem a certeza de que eu vou me ferrar lá, não tem porque ter medo...

No final, eu apostei algumas moedas nessa brincadeira, (cerca de 12000), e então, agora, tenho um motivo extra pra ganhar, então, eu olho pra ele.

???: Boa sorte pra sair viva de lá.

Eu sorrio.

Lila: Obrigado.

E fui pra ala dos lutadores, lá, tinham de todos os tipos, um era um homem-largato com a montaria de um cavalo de fogo, já outro, era um homem esquilo como montaria uma abelha gigante, também tinha um alquimista montado em um cavalo metálico. Mas fora isso, tá tudo bem, ah, também temos um coiote montado em um homem-cervo e um gato montado em um grifo, e uma sátira montada em um centauro. Achei curioso aceitarem centauros e homens-cervos como montaria visto que eles podem ocupar as duas posições, visto que ele é meio homem e meio cavalo ou cervo, (cavalo na capa), mas enfim, não é da minha conta, então, eu olho pra eles, o centauro é bastante sério, e parece focado em relação ao nosso torneio, então, eu olho pra ele, e sorrio.

Lila: Olá!

Nesse momento, ele pega seu arco, e aponta uma flecha pra minha cara, então, eu o olho.

Lila: Não estamos nem em combate e você já começa assim?

Claro, a Shadow estava atrás de mim com o ferrão levantado pra cima, preparado pra caso ele decidisse lutar antes do combate e eu acabasse ferida, mas então, a sátira olhou pra ele brava.

???: Rafael! Tenha modos!

Ele olhou pra ela, e abaixou o arco, então, acho que já sei o tipo de relação que eles tem, provavelmente é uma relação de mestre e servo, então, eu olho pra ela, e sorrio.

Lila: Desculpe pela minha amiguinha aqui atrás, é que ela não gosta de ver pessoas me ameaçando.

Ela sorri.

???: Te entendo, esse aqui também é um teimoso, não é, Rafael?

Ela sorri, e faz carinho na parte onde geralmente fica a sela do cavalo, então, ele olha pra ela com um sorriso, fraco e cuidadoso, mas um sorriso, então, eu olho pra ela, e sorrio.

Lila: Por curiosidade, qual é seu nome?

Ela sorriu.

???: Sou a Lily.

Nós conversamos um pouco, e claro, como minha curiosidade quase não tem limites, eu queria saber como eles se conheceram. Depois de um tempo, ambos concordaram em me contar, então, ela pegou sua flauta, e claro, uma sátira sem sua flauta é uma coisa rara, então, eu me sento, e a manticora se deita ao meu redor, parecendo que estou sentada em um trono.

Lily: Foi mais ou menos assim...

E ela começou com a melodia, se uma loba como eu não tivesse a capacidade de apreciar novas culturas, acharia isso entediante, mas acho que é um jeito dela se manter perto de casa, então, eu sorrio, e o centauro se encontrava deitado no chão, então, ele começou.


*Lila off*

*Rafael on*


Eu estava me preparando pra uma luta que aconteceria alguns dias depois, uma luta entre espadachins, estava escuro pelo fato de estar de noite, e eu estava no meio da floresta, quando sou cercado por um bando de homens-lobos, (lobos que perderam a capacidade de lutar contra seu lado selvagem e foram dominados por ele), se estivéssemos em uma condição melhor de claridade ou o ambiente fosse mais espaçoso, eu estaria na vantagem, era um sinal de que eu precisava treinar um pouco mais, então, um deles me pegou de surpresa, e conseguiu me desarmar, eu tentei lutar da minha maneira, com minhas patas, mas quatro deles me imobilizaram no chão, agarrando-as, o líder, o único que não se aproximou até esse momento, se encontrava em cima de minhas costas, seria meu fim, se não fosse uma criatura gritar.

???: Seus idiotas! Por que não pegam alguém do seu tamanho?!?

Todos olhamos pra direção do barulho, e lá, encontramos uma sátira, ela olhava pra eles como se os desafiassem, mesmo os homens-lobos, lá no fundo, tem orgulho pra não deixar uma ofensa dessas sair barato, então, eu a olho, e o líder saiu de cima de mim, então, correu em sua direção, ela sorriu, e quando ele estava perto, ela deu um grande salto, e caiu na cabeça dele, fazendo o mesmo desmaiar, então, os quatro, percebendo seu líder no chão, me derrubaram no chão, e dois deles me morderam minhas patas dianteiras pra garantir que eu ficasse parado, eu gritei de dor, mas oque era mais preocupante, é que agora, a questão era pessoal, então, ela sorriu.

???: Quem é o próximo?

Esse é a vantagem dos homens-lobos, eles não partem pro ataque, eles procuram uma brecha, e é isso que ela demonstrou com essas palavras, então, um deles avançou, e ela o jogou por cima da cabeça, então, os outros vieram pelos lados, e ela pulou no ar, o terceiro aproveitou a oportunidade e pulou em sua direção, mas no final, recebeu um coice duplo, já que ela aproveitou as cabeças dos outros dois que estavam em baixo pra colocar suas mãos e se equilibrar pra aplicar o golpe, então, ela deu um mortal, e assim que chegou ao chão, se virou pra ele, e sorriu.

???: Mais alguém?

Os outros dois rosnaram, mas então, saíram correndo, então, ela falou num tom como se estivesse desapontada.

???: Por que os dois últimos sempre fogem?

Nesse momento, eu não poderia fugir mesmo se quisesse, então, ela se aproximou de mim, e sorriu.

???: Olá, acho que precisa de ajuda.

Então, ela pegou algumas faixas, e as amarrou em minhas patas, e nesse momento, ela sorri, e se levantou.

???: Daqui a algum tempo, estará preparado pra correr por aí, não se preocupe, as faixas tem poder de cura total, poderá seguir seu caminho livremente.

Ela, certamente, não deve conhecer a cultura dos centauros, por quê? Digamos que minha raça tem uma tradição, quando alguém salva nossa vida, independente da espécie, nos tornamos servos dessa pessoa até pagarmos dez vezes nossa dívida, (isso só vale se ela nos salvou antes, e durante esse tempo, estamos livres de qualquer dívida de vida além de nossa atual), então, ela se levantou, e ia embora, então, eu me levantei, e tentei acompanha-la, doeu, mas consegui durante um bom tempo, então, ela olhou pra trás, e me viu, então, veio até mim.

???: Por acaso você é louco ou o que? Tem ideia do que poderia ter acontecido com você?!?

Eu a olho, e me ajoelho.

Rafael: Desculpe se minhas ações foram impensáveis, mas agora, sou seu servo, por favor, permita que eu te acompanhe até pagar minha dívida.

Ela me olhou, e respirou fundo.

???: Está bem, qual é seu nome?

Rafael: Rafael, senhora.

Ela colocou a mão em minha cabeça, e sorriu.

???: Não me chame de senhora, visto que claramente você é mais velho entre nós dois.

Eu a olho confuso.

Rafael: Sei que não é educado perguntar, mas qual é sua idade?

Ela sorriu.

???: Estranho...geralmente perguntam pelo nome da pessoa antes da idade.

Eu a olho.

Rafael: Desculpe...

Ela sorri.

???: Tudo bem, meu nome é Lily, tenho 13 anos.

Nossa, três anos de diferença.


*Rafael off*

*Lila on*


A manticora acabou dormindo no meio da história, então, eu olho pra eles, e sorrio.

Lila: Sabe, acho que vocês gostariam da minha casa, lá é um pouco bagunçado por causa da quantidade de pessoas no mesmo teto, mas iriam se sentir confortáveis.

Ela me olhou, e sorriu.

Lila: Mas agora é sua vez, como é sua história com a manticora?

Eu olho pra ela, e sorrio.

Lila: Eu estava me aventurando onde eu vivia, quando achei um ovo.


*Flashback on*


E lá estava eu, fugindo do Roger que estava "um pouco" irritado comigo por causa de algo que eu havia feito, (colocar pimenta na comida dele e uma tachinha na cadeira dele), quando acabo tropeçando em um galho, já esperava ir de encontro ao chão, quando eu entro em uma espécie de toca, coberta por folhas, depois de rolar entre as pedras da toca e finalmente parar no chão toda ralada, me levanto como se nada tivesse acontecido, e então, noto uma manticora deitada no chão, ela estava melada com algo vermelho, e no meio de suas patas, havia uma pedra, ela era roxa, com tons diferentes, como se fosse um desenho, um coração de cor roxa desenhado no que, creio eu, ser o centro, e tinha um brilho diferente, eu achei ela muito bonita, então, me aproximei, e tentei pegá-la, mas então, a manticora me olhou, e rosnou, então, me afasto um pouco. Depois de um tempo, olho pra ela sorrindo.

Lila: Oi dona manticora!

Ela continuava a me encarar rosnando, então, eu sorrio.

Lila: Essa pedra que você tem é muito bonita...

Ela se acalmou um pouco.

Lila: Você parece cansada...que tal fazermos assim, eu fico com a pedra até você se recuperar, pode ser?

Ela me olhou, e soltou a pedra, como se concordasse, então, pego ela, e pego minha toalha no bolso pra limpar ela e a pedra.

Lila:  Não se preocupe, cuidarei bem dela.

Quando acabei, minha toalha estava molhada de algo vermelho, bom, hora de dar algum lugar pra ela ficar, então, eu vou até meu esconderijo, e a coloco entre peles de cervo.

Eu continuei a visitar a manticora e a trazer carne pra ela, de vez em quando, eu distraia o Roger pra ir atrás da pedra e ver se ela estava lá, isso durou bastante tempo até que, uma noite, eu fui visita-la, e lá, achei algo que me deixou profundamente irritada, havia um homem lá, em específico, um homem-rato, conhecido po ser um aproveitador, ele estava com uma adaga em sua mão, e a ponta da adaga continha um líquido vermelho, nesse momento, eu deixo o cervo que tinha pego cair, e sua carcaça fez barulho, fazendo com que ele olhasse pra mim assustado, mas ao ver que era eu, sorriu.

Rato: Que susto garotinha, você quase me assustou.

Nesse momento, minhas garras estavam expostas, se ele atacasse, eu não iria recuar, mesmo que quisesse, então, ele me olhou.

Rato: Deve estar estranhando a manticora estar morta, não é mesmo?

Nesse momento, me perguntava se valeria a pena fazer um ensopado com ele, (antes que perguntem, lobos podem comer todo o tipo de carne), então, eu o olho, me segurando pra não falar umas verdades na cara deles.

Lila: Sim, então poderia me dizer o porque?

Ele sorriu.

Rato: Digamos que ela estava me causando problemas, e que tem algo que eu quero por aqui...

Ele vasculhava pelo local, então, ele olhou pra mim, e sorriu.

Rato: Creio que, já que conhece esse lugar, deve saber onde ela está, não é mesmo? Bom, seja como for, poderia me deixar dar uma olhada nele?

Eu sorrio.

Lila: Claro, espere um pouco.

Eu tiro a pedra do meu bolso, e a entrego na mão dele, e ele, a olhava como se fosse uma mina de ouro, então, ele olhou pra mim, e sorriu.

Rato: Obrigado por manter esse item em segurança, agora deixe comigo.

E ele foi embora, será que eu aviso que aquilo era uma bombinha escondida numa pedra tingida? Não, vou deixa-lo descobrir, afinal, ela vai explodir daqui a meia hora mesmo, então, ele vai descobrir de um jeito ou de outro, mas...o jeito que ele olhava pra pedra...significa que o original deve valer muito, é oficial, não posso mais deixa-la no meu esconderijo, eu fui até ele, e lá estava ela, tingida de cinza com pó de pedras, só precisei dar um sopro pra sua beleza aparecer, então, a coloco no meu cachecol, e vou até a casa do Roger.

Passou-se uns dias, e a pedra começou a tremer, eu não entendia o porque, mas então, vejo ela se quebrar na minha mão, e dela, saiu uma criaturinha pequena, com asas, um rabo de escorpião, e a maior parte do corpo de leão, então, eu a olho curiosa, e assim que ela colocou os olhos em mim, ela começou a chorar, tive que pegar um livro sobre manticoras pra saber oque estava acontecendo, e entendi, ela estava com fome.

Bom, tem duas formas de alimentar uma manticora, a primeira, é dando um pedaço de carne, eu tentei, mas ela não conseguia mastigar, a segunda, foi uma forma improvisada que eu inventei, basicamente precisei misturar a carne com leite e fazer uma espécie de papa.

De início, ela não aceitou a comida muito bem, tanto que cuspiu ela na minha cara, então, eu comecei comendo, e ela, na curiosidade, começou comer também.

No começo, foi fácil esconde-la, mas é claro, precisava ser sincera com quem eu estava morando, ele não aceitou muito bem, mas acabou sedendo, então, a batizei de Shadow, porque quando ela era filhote, era a sombra que me acompanhava.


*Flashback off*


Lila: Mas permaneci por bastante tempo antes de precisar me aventurar por aí.

Eles sorriram.

Lily: Tem certeza que ela era tão pequena quando você a achou?

Claro, esse tipo de confusão é bem normal, visto que ela é bem maior que eu, mas manticoras recém-nascidas são pequenas por segurança, é como se fosse um jeito dela se esconder melhor.

Lila: É que manticoras costumam ter filhotes pequenos como garantia de sobrevivência, de início, eles não precisam de muito pra sobreviver, mas quando crescem, começam a se alimentar de coisas  maiores pra continuarem a viver, antes dela chegar a esse tamanho, demorou bastante.

Então, escuto algo.

???: Sério que esse ano é isso que veio me enfrentar?

Eu me virei pra trás pra ver quem falava, e lá, encontro.


*Continua*




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...