1. Spirit Fanfics >
  2. A Madrinha >
  3. Quarenta

História A Madrinha - Capítulo 40


Escrita por:


Notas do Autor


olha eu aqui de surpresa!!!!

Capítulo 40 - Quarenta


Eu e Ronan estávamos sentados na escadinha na parte dos fundos da pequena galeria onde ele trabalhava.

Faltavam ainda uns trinta minutos para acabar seu horário de almoço, mas, em vez de estar de fato almoçando, Ronan estava com minha cabeça apoiada no seu colo.

— Sabe que conhecer você foi uma das coisas mais incríveis que aconteceram comigo nessa viagem?

Dei um risinho:

— Tenho certeza que você nunca mais vai ter que abrir um streaming para assistir um drama adolescente, já te dei material para o resto da vida.

— Verdade, ainda mais considerando que os dramas adolescentes são protagonizados por atores que não são adolescentes. — Nós dois rimos. — O que vou fazer sem você para viver desventuras amorosas em segunda mão? Tem certeza que não quer ficar pelo menos até o Natal?

Neguei com a cabeça:

— Não vou aguentar ficar aqui por muito mais tempo, aliás nem acho que a estadia do sorteio de Benjamim cubra esse tempo todo.

— Nem vem, sabemos que dinheiro não é problema para você. Pensando bem, dinheiro é problema para você, sim. Já vimos que tem diversos urubus atrás dele.

Respirei fundo e sorri amargamente embora Ronan não conseguisse ver meu rosto.

Entretanto, ele percebeu alguma mudança pois começou a acariciar meus cabelos e disse:

— Vai ficar tudo bem, Rachel. Você vai ver. Logan era um atraso na sua vida e isso tudo aconteceu para que você percebesse. Eu entendo que foi tudo rápido e doloroso demais, mas, às vezes, precisamos da dor para amadurecer, evoluir.

— Não queria ter perdido Ben no processo, Ron. Não queria tê-lo machucado também.

Eu me sentei direito e encarei meu amigo. Ele estava sorrindo.

— O que foi?

— Você não perdeu Benjamim, linda.

— Acho que não tem me ouvido muito bem nos últimos dias. Te contei tudo o que fiz, até te mostrei aquele maldito áudio que Logan resolveu desenterrar.

Ronan me olhou como se eu fosse ingênua demais:

— Um áudio seu bêbada de quando você tinha 17 anos, praticamente uma década atrás, que você nem se lembrava...

— E dormir com outro cara.

— Numa noite que você provavelmente estava tão bêbada que nem se lembra. De novo. — Ronan suspirou. — Olha não estou banalizando o que aconteceu, mas eu conversei com Benjamim naquele dia no chalé, Rachel. Ele pode estar chateado com você. Pode ter ficado magoado com o áudio, mas o sentimento por você não vai sumir assim de uma hora para outra. Se ele te conhece melhor do que eu, sabe que não faz sentido querer magoá-lo de propósito logo agora, depois de todos os anos que vocês ficaram brigando.

Me levantei e comecei a andar porque o pensamento de esperança fazia com que eu me sentisse sufocada.

— Você não estava lá ontem... Aquilo foi um "adeus", não um "até logo" nem um "vou pensar sobre nós." Eu perdi tudo porque sou uma burra, deveria ter escutado quando Benjamim disse que não era uma boa ideia ir para aquele encontro com Logan.

— Não. Não deveria. — Ronan disse seguro de si. — Se você não tivesse ido, nunca abriria os olhos de verdade para quem seu "amigo" era. Se não tivesse ido, nunca teria dado uma conclusão para a história de vocês. Até agora você tem dificuldades de perceber do que Logan é capaz. Imagine se nada disso tivesse acontecido.

Um silêncio pairou entre nós.

Parte de mim sabia que ele estava certo.

— Minha avó é uma daquelas senhoras bem velhinhas que a maior parte do tempo pensam que ela está caducando, mas se as pessoas parassem para tentar no mínimo compreender o que ela diz, veria que ela é mais lúcida que muitos. Quando eu era mais novo e algo que eu achava péssimo acontecia, ela sempre repetia: "das nuvens mais negras, cai água límpida e fecunda." ou algo do tipo, — Ronan deu uma risadinha. — E então ela continuava: "Quando algo ruim lhe acontecer, não veja só como uma desvantagem completa, vai ter alguma parte dessa tempestade que vai te ajudar a cultivar algo bom. Seja maturidade, seja paciência, sabedoria..."

Parei de andar e suspirei.

— É um ensinamento incrível, mas não consigo ver nada de bom neste desastre todo. — disse emburrada.

— Nem sempre a gente consegue ver mesmo em meio a dor e para isso temos amigos para ficar ali relembrando que não podemos perder a esperança.

Lancei um sorriso genuíno para ele e então fechei a cara de novo.

— Se você sumir no mundo, eu vou atrás e te mato quando te encontrar.

Ronan gargalhou:

— Não se preocupe, amorzinho. Não pretendo privar você por muito tempo de ver esse rostinho.

Dessa vez acompanhei sua risada.

Ronan estava certo.

Conhecê-lo também tinha sido uma das partes mais especiais daquela viagem.

Depois de deixar Ronan voltar para o expediente dele, resolvi dar uma última volta pela ilha.

Minhas malas já estavam prontas e eu tinha deixado Caitlyn ciente dos meus planos na noite anterior.

Ela insistiu que não me deixaria voltar para casa sozinha, visto que a razão principal para ela estar ali era porque eu estava.

Quase fiquei meia hora chorando — de onde vinha tanta lágrima, ainda era um mistério para mim — por causa das palavras dela devido às minhas emoções abaladas.

Então, depois que ela conseguiu passagens nos mesmos voos que eu, foi minha vez de insistir para que aproveitasse o resto do tempo que ela ainda tinha na ilha com Bianca.

Meu passeio não duraria muito, eu tinha escrito uma carta para Jane. Não detalhava muita coisa do que tinha acontecido na noite com Logan — já que eu mesma não tinha detalhes — mas a alertava sobre ele e explicava que eu não poderia ser a madrinha do casamento.

Não fiquei por muito tempo andando por aí porque tinha dormido terrivelmente mal noite passada.

Minha conversa com Ben na noite anterior ficou se repetindo em minha cabeça como um disco arranhado. E perdi a conta de vezes que comecei a soluçar no meio da madrugada.

Tudo o que eu mais queria era chegar no chalé, tomar um banho fervendo e dormir até a hora da viagem.

Subi a escadaria frontal do casarão com passos pesados e quando adentrei o lugar meu olhar logo se encontrou com o de Jane que descia as escadas direto para o salão principal.

Girei os ombros e respirei fundo.

Estava na hora.

Pela primeira vez na vida, a Jane que eu vi estava desalinhada e seus olhos pareciam...inchados. Como se ela tivesse chorado por muitos minutos.

Ah, não.

Não seria um encontro nem minimamente amigável.

Como se tudo estivesse orquestrado, nossos caminhos se encontraram bem no meio do salão.

Pelo visto, ela tinha feito uma saída conturbada de algum lugar porque barulhos de passos ecoavam pelo andar superior e logo meia dúzia de pessoas estavam apoiadas no beiral olhando para nós de cima, como num coliseu.

Ótimo.

Não tinha como ficar pior.

Por alguns instantes, Jane apenas me encarou e então:

— Como você pôde? — Sua voz soou tão baixa que por um momento pensei que ela não tinha dito nada.

— Jane...

— Era o plano de vocês esse tempo todo? Me trair pelas minhas costas?

Ouvi algumas pessoas arfarem e outras puxarem o ar em surpresa, mas não levantei o olhar para identificar seus rostos.

— Claro que não, Jane, eu...

— Eu te considerei uma amiga, Rachel, te coloquei numa posição como se fosse uma irmã para mim e você não teve o mínimo de consideração.

Minha mão que segurava a carta estava tremendo, minha voz estava entalada na garganta.

— Nunca quis te magoar dessa forma. — Minhas palavras eram vacilantes.

Jane abriu os braços, dando uma risada incrédula:

— De que forma então você esperava que dormir com o meu noivo me magoaria?

Mais barulhos de surpresa e dessa vez burburinhos começaram a ecoar.

Mais pessoas se aglomerando para o espetáculo.

Tentei me acalmar.

— Nada do que eu disser vai adiantar, pelo menos não agora. — Estendi a mão com a carta. — Sei que você é sensata... Eu estou indo embora, só preciso que você leia quando estiver mais calma.

Ela arrancou o envelope das minhas mãos e por um momento pensei que ela o rasgaria ao meio, mas o que quer que ela viu no meu rosto, fez com que ela ponderasse.

— Eu não deveria ouvir ou ler mais nada que viesse de você. Deveria dar um tapa em sua cara, mas não vou me rebaixar a isso. Tenho certeza que deve ser horrível viver sendo você. — Jane fez uma cara de repulsa, mas eu sabia que ela estava a segundos de desabar novamente. Eu estava a segundos de desabar. Chegando bem perto do meu rosto, disse: — Você não o merece.

Mordi meu lábio quase tirando sangue dele.

Sabia que ela não se referia a Logan.

— Eu sei. — por um segundo, Jane pareceu chocada pelo meu reconhecimento, então tentei colocar o máximo de verdade em minha voz e em meus olhos, ao dizer: — Logan também não te merece, Jane. Não deixe que ele acabe com sua vida como fez com a minha. Sinto muito.

E sem esperar uma réplica ou tentar olhar a plateia, me virei para ir embora.

Ouvi passos apressados atrás de mim, mas não me importei em olhar para trás.

Na verdade, foi a mão firme de Clare que me parou no meio do caminho.

— Ei, ei... Modos, Hensey.

Suspirei impaciente e saí do seu toque:

— Olha, Clare, se você não percebeu, eu já ouvi o suficiente e tem toda uma família prestes a se soltar em cima de mim, então preciso sair daqui.

Estava prestes a me virar novamente e continuar meu percurso.

— Fui eu que contei para Jane.

Um riso incrédulo saiu dos meus lábios:

— Obrigada? Está esperando que eu me ajoelhe aos seus pés e agradeça?

— Eu não sou meu irmão, Rachel. E, na verdade, fiz o que você ou aquele idiota já deveriam ter feito.

Cruzei os braços.

— Não tem necessidade de esfregar na minha cara, está bem? Eu já sei. Fui idiota, confiei em Logan, dormi com um cara prestes a se casar e eu nem lembro de droga nenhuma. Até perder o cara que amo, eu consegui.

Clare colocou as mãos na cintura, estreitando os olhos:

— Como assim você não lembra?

Soltei o ar, cansada.

— Não tem "como assim". Nós dormimos juntos e eu só lembro que acordei na mesma cama que ele.

— Ele disse que vocês transaram? E você caiu? — Ela bateu uma palma alta. — Ha! Você só pode tá de brincadeira?

— Logan não mentiria sobre isso, ele quis até me mostrar a... prova.

Clare arqueou uma sobrancelha:

— Fala sério! Você viu, pelo menos?

Fiz uma cara de nojo:

— Lógico que não!

— Você acha que estamos numa comédia romântica? Bebida não faz você esquecer completamente uma transa, cacete.

Vi um movimento na porta do casarão ao mesmo tempo que Clare.

— Aqui não é lugar para termos essa conversa. Quer tomar algo? — ela ofereceu e então acrescentou irônica: — Prometo não te levar para a cama. Ou, pelo menos, você vai se lembrar se eu te levar.

Mostrei o dedo do meio para ela.

Agradeci aos céus que Clare torceu a boca para o bar que eu e Logan tínhamos bebido.

Nós caminhamos até uma lanchonete vegana, o que era bem mais do estilo dela.

Ela pediu vários sanduíches e disse que dividiria os mais saborosos comigo, mas eu duvidava que acabaria gostando de algo. Só arrisquei com um suco natural.

— Quer dizer que você vai embora amanhã?

Assenti com a cabeça:

— É o melhor. Depois de hoje, não me surpreenderia se encontrasse uma bomba relógio na frente do chalé.

Clare rolou os olhos.

— Achei que eu era a drama queen aqui, mas bem-vinda ao clube. — ela cruzou as pernas e, de repente, sua expressão assumiu um tom sério. — Soube do vídeo. Sinto muito, eu não fazia ideia. Apesar de sempre ter certeza que não foi o Samuel.

— Logan te contou agora?

— Logan...não. Para ser sincera, foi seu Benjamim.

Arregalei os olhos.

— Ele conversou com você?

Ela negou com a cabeça.

— Embora os punhos dele tenham dado uma conversada com a cara do meu querido irmão. — disse com um sorrisinho.

Quase caí da cadeira:

— Ben bateu no Logan? Quando? Onde?

— Pelas minhas contas, foi no dia seguinte que você e Logan...hm...saíram.

Pensei sobre algo que Bianca ou Cat me falaram, que Benjamim não tinha ido diretamente para o hotel depois de sair do chalé.

— Ele não deveria estar...machucado ontem? — Se bem que eu lembrava de ter notado algo diferente e estranho em seu rosto, embora tivesse presumido que era apenas efeito da luz da fogueira.

— E ele estava. Minhas maquiagens que são muito boas. E a desculpa que ele havia escorregado no gelo e caído no gelo também serviu. — ela disse quando seus sanduíches e meu suco chegaram. — Mas eles brigaram por um tempinho, não sei como ninguém além de mim presenciou. Foi uma surpresa para mim você dizer que não estão mais juntos.

— Logan me falou que Ben era o responsável pelo vídeo. Ben me contou a verdade.

A boca de Clare formou um "O" e então ela balançou a cabeça.

— Coitado. Logan sempre tentou ferrar com o garoto. Eu nem consigo imaginar como ele está se sentindo, já foi acusado de tanta coisa e nunca deu motivo para isso.

Tomei um gole do meu suco e afundei na cadeira.

— Então quer dizer que mais uma vez você caiu na conversa do meu irmão. Ele não colocou nada na sua bebida?

Coloquei a mão sobre o peito, chocada.

— Você acha que ele seria capaz disso?

Clare me olhou com uma expressão genuína de pena:

— Meu amor, é muito mais fácil perguntar o que ele não seria capaz de fazer. E a resposta seria: nada. Minha família é capaz de tudo, Rachel, entenda isso. Aprendi cedo e honestamente, você já deveria ter aprendido há muito tempo.

Soltei a respiração.

— Sendo bebida normal ou batizada, nem Benjamim nem Jane vai acreditar nesse papo furado. Como você disse, não estamos numa comédia romântica.

Ela juntou os lábios numa linha fina.

— Estar com a consciência limpa já é alguma coisa.

Clare tinha razão.

Mas minha mente só tinha espaço para Benjamim.

Mesmo depois de tudo, ele ainda tinha ido atrás de Logan tirar satisfações.

— Ainda assim, nunca vou estar com ela completamente limpa, se eu tivesse feito algum teste ou exame no mesmo dia, talvez houvesse uma chance.

— Logan poderia falar a verdade. E talvez se ele colocou algo mesmo na bebida, ainda esteja no seu sangue. — ela rebateu.

— Eu duvido que ele confessaria. Pelo menos não agora que Jane sabe o que aconteceu. Não agora que o casamento está correndo riscos.

— Verdade. Você está começando a aprender como ele funciona... — Trocamos sorrisos cúmplices, embora o meu tivesse um toque de tristeza. Clare disse depois de um tempo: — Você deveria falar com ele antes de ir.

— Com seu irmão?

— Não. — ela rolou os olhos, seu gesto favorito. — Benjamim. Seu homem. "O cara que você ama".

Fiz uma careta e ela riu.

— Não acho que temos mais o que falar no momento. Não quero magoá-lo mais do que já fiz a vida inteira. Logan mostrou um áudio antigo meu para ele.

— Ah, o grand finale! — ela disse com uma expressão de desgosto.

A cada minuto com Clare, eu entendia mais a escolha dela de morar longe do resto dos Montgomery.

No momento em que fomos partir em caminhos separados, Clare me deu um abraço e acariciou minha bochecha quando nos separamos.

— Sei que você provavelmente já tem uma terapeuta por causa da época da faculdade, mas agora que tenho seu número vou te passar o contato da minha, ela é ótima. A razão por eu ter literalmente sobrevivido a essa família. E sempre que quiser conversar, eu também estou a postos.

— Obrigada, Clare, de verdade. Pode contar comigo também.

Ela me lançou um sorriso aberto e genuíno.

— E Rachel...— eu me olhei para trás. — Não desista tão fácil. Não desista de vocês dois. Benjamim não desistiu de você mesmo depois de todo esse tempo.

✥✥✥


Notas Finais


Agradecimento especial: PequenaEve ( meu amor todinhoooo <3 ) que favoritou a história!! mesmo vc já tendo lido tudo, é sempre uma honra te ver por aqui <3 <3

Heeyyy, cherries!

FINALMENTE ALGUÉM LÚCIDO, OBG POR ISSO, CLARE... alguém mais ai está arrasado pela jane? eu to... :(

CHEGAMOS EM 500 LEITURAS. MTO OBG, PESSOAL <3!!!!!

Não se esqueçam de comentar o que estão achando, deixar aquele votinho básico e compartilhar a história com os amigos <3

Nos vemos no sábado !! <3 bjinhos

P.S.: enquanto vcs esperam o próximo cap, que tal ouvir a playlist em construção da história? Só colocar bit.ly/amadrinhaplaylist do navegador e correr para o abraço <3 espero que gostem!

twitter: @ whodat_emmz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...