1. Spirit Fanfics >
  2. A maldição de Chihiro >
  3. Penhasco de duvidas

História A maldição de Chihiro - Capítulo 11


Escrita por:


Notas do Autor


Este é um bônus que "acabou" de sair do forno hihi
Boa leitura ❤

Capítulo 11 - Penhasco de duvidas


Fanfic / Fanfiction A maldição de Chihiro - Capítulo 11 - Penhasco de duvidas

- Me entristece profundamente, saber que há ainda alguns tópicos sobre mágica que não sou melhor que você. - Falou e não soube dizer se era ironia ou se estava sendo sincero.


Parei na porta do restaurante e apesar de suas advertências permaneci ali, espiando pela fresta.


- Você nunca foi bom para nada, não se surpreenda tanto. - Respondeu yubaba em pé, sua mão erguida ameaçadoramente na direção do rapaz.


- Há sempre maneiras de melhoras nossos pontos menos favorecidos... - Ele começou. - mas como não temos mais nenhum vínculo irei considerar suas palavras estimulantes, por tanto muito obrigado. 


- Porque não deixamos ele ir? Hoje é um dia tão especial não é mesmo? - Perguntou Dione, a moça fitava Haku com excitante preocupação que me incomodou.


- Está comemorando seus dias de reinado? Isso é muito meigo vindo de alguém como você, eu ficaria para me juntar a vocês, mas minha querida namorada ficaria muito preocupada se eu demorasse. - Antes que ele tivesse tempo de se virar o garçom chamou os nossos nomes com os pedidos que fizemos ao chegar.


Os olhos de Yubaba foram como um imã na direção que eu estava escondida e rapidamente uma bola de fogo voou em minha direção.


Haku bloqueou seu feitiço antes de atingir a parede e conjurou um feitiço que a prendeu na cadeira.
Ele me pegou pela mão e começamos a correr pegando um caminho alternativo no meio das árvores, o colar em seu pescoço começou a emitir uma fraca luz azul e por uns instantes vi seu belo rosto se torcer de dor, quando paramos, eu estava sem fôlego e inspirava profundamente procurando por ar.


haku olhou para mim, um brilho recorrente de raiva tomou seu rosto ao me olhar.


- Porque fez isso? Se colocou em perigo para me ver? - Sua voz soava irritada e fiquei surpresa por alguns instantes, eu teria escutado errado?


- Acha que eu fiz isso de propósito? Saiba que não, eu não colocaria meus amigos em perigo para te ver, eu iria sozinha se quisesse fazer algo assim! - Nos encaramos por alguns segundos.


- Estou tentando resolver as coisas, para que possamos viver em paz. 


- Me mandando embora? - Indaguei, seu olhar se tornou perplexo.


- Não sei o que te disseram, mas nunca fiz algo assim.


- Você mandou yumi me levar de volta sem me dizer nada, nem ao menos se despedir. - Não pude deixar de me magoar ao jogar as cartas na mesa, ele balançou a cabeça se aproximando.


- Chihiro... Meu amor... - Me segurou pelos ombros. - Acha que eu faria algo assim? a deixaria ir contra sua vontade? Entreguei uma carta endereçada a você quando infiltrei Yumi entre os servos de Yubaba, explicando o motivo de meu sumiço, não imaginava que ela não havia chego em suas mãos.


Sua confissão me chocou e fiquei alguns segundos em silêncio, Yumi havia mentido... Haku manteve uma distância respeitosa entre nós.


- Isso é verdade? Porque sinto que quando estou conversando com você nada é inteiramente certo. - Confessei, uns segundos de silêncio se estabeleceram entre nós, continuei. - Fiquei duas semanas procurando por você, estava me perguntando se havia sido levado pelos servos dos céus, sabe a angústia que senti?! 


- Me perdoe por sua angústia Chihiro, juro que não tinha consciência de que Yumi não lhe entregaria minha carta.- Ele Acariciou meu rosto, seus dedos delicados passeando por meus lábios, nariz, bochecha...


Me afastei, estava me sentindo magoada, um peso sufocante se aposentando de mim.


- Chihiro escute-me sim? Tudo que eu fiz foi querer manter você segura. - Ele deu alguns passos em minha direção mais me afastei, olhando para a penumbra das árvores, eu sabia que se olhasse para seus olhos magoados eu derreteria.


- Eu nunca quis que as coisas chegassem a esse ponto, você... Você poderia ao menos me consultar, achei que estávamos juntos nessa, mas não, você está agindo como da última vez que estive nesse mundo! Está resolvendo e se sacrificando sozinho, acha que serei feliz sabendo que está sofrendo por mim? E quanto a yubaba, você não está mais obedecendo ela? Sabe como me sinto impotente não podendo fazer nada?


- Sabe que as coisas que fiz não há retorno, peço as mais sinceras desculpas por deixa-lá no escuro sobre certos assuntos, Chihiro, mas essa guerra, essas lutas, apartir do momento que eu decidi tê-la ao meu lado é apenas minha, você é a minha razão para ir contra tudo o que eles fizeram. - Seu corpo esguio e elegante se curvou em minha direção me encurralado em uma árvore, sua mão pousava ao lado da minha cabeça e sua respiração era como um sopro de ar fresco em meu ouvido.
- Por amor a você eu direi... As coisas que fiz, em quanto esteve aqui. - Seus olhos amorosos me fitaram, me surpreendi.


- Você irá me contar?


- Dou -lhe minha palavra, que irei explicar tudo que fiz. - Ele parecia ansioso para me tocar, mas quando desviei os olhos de seu rosto sua mão próxima ao meu rosto se abaixou.


- O que aconteceu com você, porque está livre? - Ele levou a mão ao colar que estava pendurado em seu pescoço e com um puxão forte o retirou.


- Nunca há liberdade completa neste mundo, fiz um trato com kawa no Kami. - Fitou o colar - Ao menos com isto, pude me arriscar por algo que va-lha a pena. - Sussurrou baixando o olhar para ver o meu rosto.


- E porque? O que ele quis em troca? - Ao ouvir minha pergunta sua mandíbula se contraiu levemente e suas mãos demoraram em meu pulso, onde ele envolveu o colar gentilmente.


- Antes de responder a essa pergunta quero que escute o que tenho a confessar. - Pediu, e pareceu procurar as palavras certas.


- Eu quero que saiba que tudo que fiz foi por puro egoísmo, como você deve imaginar eu sou ambicioso e não contro-lo bem meus impulsos, quando eu comecei a gostar de você... Não. Quando eu me apaixonei por você, eu fui forte o suficiente para deixar você voltar ao seu mundo. 
Mas agora que estou tendo a chance de ter você novamente, de te amar, eu não consigo me permitir perder você de novo. - Segurou minha mão com firmeza como se tivesse receio de meu corpo evaporar a cada palavra. - Eu menti sobre achar uma forma de voltar ao seu mundo, pois eu queria que ficasse. - Abri a boca para falar mas ele me deteve.


- Não, por favor, Deixe-me terminar pois temo que não terei coragem de admitir meus erros se escutar a mágoa em sua voz. - Me calei, minha mente atordoada com todas aquelas informações.


- Quanto a Akira, fui eu quem o levei até o Palácio de zuzhó, ele havia dito que estava procurando por você, disse que você era a garota que ele gostava e precisava tira-la desse mundo, eu o influenciei a trabalhar para yubaba e removi os sentimentos românticos que ele tinha por você, o deixando preso a ela.


- Então quando ele quis que eu fugisse com ele..


- Ele não iria machucar você, deve ter sido um efeito colateral do feitiço, foi um alívio você não ter ido com ele, provavelmente o colocaria sob a fúria de yubaba. - Respirei profundamente ciente do olhar aflito em seu rosto, ele estava se abrindo para mim, depois de tanto tempo e eu devia a ele o direito de aguardar suas explicações.


Eu havia exigido a verdade, mesmo que ela fosse sombria e me machucasse.


- E quanto a Dione?


- Acredito que ela realmente ame ele do modo dela. - Me afastei tremula, eu estava tão surpreendida com tudo aquilo, nunca imaginei que haku faria coisas assim, era difícil de acreditar que ele estava por trás de tudo isso apenas para me ter ao seu lado.


- E o colar? - Perguntei brevemente para que minha voz não demonstrasse nenhum resquício de raiva ou decepção.


- Não poderei lutar mais, caso lute 3 vezes o acordo será quebrado e como espírito irei trabalhar para o meu pai, kawa no Kami, até o fim dos meus dias. - Ele deve ter notado meu rosto perplexo pois o tomou entre suas mãos.

- Tem tanto medo que eu te deixe assim?

Perguntei e seus olhos atordoados me analisaram.

- Tenho medo do que passa em sua mente, mas agora, peço perdão por machucar você e dou -lhe a liberdade para que volte para o seu mundo, não tentarei fazer com que fique, juro pelo amor que sentimos que deixarei que você decida o que fazer. - Olhei para seu rosto de feições delicadas e pela primeira vez nao soube o que dizer, limpei meus olhos, uma mistura de sentimentos tomou conta de mim.


- Eu preciso de um tempo, para pensar no que quero fazer. - Sussurrei e vi que isso o magoou, mas ele sorriu, um sorriso que não chegou aos seus olhos e ele concordou.


- Estarei por perto. - Disse antes de se retirar primeiro, sumindo entre a escuridão da floresta, fiquei parada por um tempo, porque mesmo sentindo que o que tinha feito era certo me magoava tanto? Indo contra minha vontade de chamar pelo seu nome com todas as minhas forças, comecei a descer a trilha as escuras, sentindo meus sentimentos  conflituosos,  quando vi uma luz azul brilhante começar a iluminar o caminho.

- Uy? - Olhei com mais atenção para o pequeno voador. - Uy! 

 Sorri agradecida e ele me guiou até a orla da praia, onde o sem rosto estava parado de maneira solitária olhando para o mar.


- Sem! O que está fazendo aqui? Está frio, você deveria estar no Castelo! - Ele me olhou com sua mudez habitual.


Então algo estranho aconteceu, uy foi sugado pelo sem-rosto e um tom azulado preencheu todo seu corpo.


- Olá sen-chan quanto tempo que não nos vemos não é? - Pisquei várias vezes boqui-aberta.


- Uy é você?


- Sim, sou eu, não se lembra de mim? - Perguntou e concordei um pouco atordoada.


- Uy veio até Chihiro para avisar que algo ruim está para acontecer, muito, muito ruim.


- Do que você está falando?


- Eu sou um servo de kawa no kami ele me enviou até aqui para espiar você. - A voz era monótona e a falta de expressão na forma de sem-rosto não me permitia saber se ele se sentia mal ou não.


- Desde o começo...


- O haku sabe disso? - Perguntei apreensiva e ele acenou negativamente, olhei para o mar calmo sentindo-me enjoada, um mal pressentimento me arrepiando da cabeça aos pés.


- Então, isso é uma armadilha.


- Kawa no Kami sabia que haku precisaria dele, haku cometeu um erro, caso ele lute terá de viver uma vida que não quer no Reino dos mares. - Seus bracinhos negros se esticaram até meus braços.


- Eu estou tão, tão apavorada! O que farei uy? O que devo fazer? Parece que tudo está virando uma tempestade e eu não sei o que fazer para impedir isso. - Andei de um lado para o outro, sentindo meu peito se apertar de preocupação.


- Você pode entregar o pergaminho dos deuses ao líder dos céus, talvez ele tenha piedade de você. - Está não parecia uma boa ideia, mordi meu lábio, talvez eu pudesse covence-lo a me ajudar se explicasse a situação.


- Como eu chego lá? Há algum modo de invoca-lo?


E como se o universo me ouvisse nuvens negras começaram a preencher o céu, formas circulares em torno de uma nuvem branca reluzente que se aproximava, dei alguns passos para trás e sem me olhou.


- Parece que não terá que esperar muito, vieram arrumar a bagunça de zuzhó!


- Porque está me contando tudo isso agora? - Perguntei sentindo minhas palavras amargas.


- Porque você é uma boa garota então... Me perdoe mais uma vez Chihiro. Sinto muito, mas tenho que ir agora. - Em meio a ventania Uy saiu da forma do sem-rosto e com uma última olhada em minha direção voou em direção ao mar.


- Uy! Espere! - Mas assim como minhas palavras ele já havia sumido em meio às águas, o mundo dos espíritos era um lugar cheio de desconfianças e injustiças, em quanto a nuvem celestial vinha em minha direção me perguntei se alguém alguma vez havia agido com sinceridade comigo durante todos esses meses aqui, e agora, sentia em meu coração que era minha vez de ajudar a concertar as coisas, mesmo que eu não soubesse exatamente como o fazer.


Notas Finais


Pretendo postar o próximo amanhã rs
Obrigada por ler e até o próximo 🤗


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...