História A Maldição do Vira-Tempo - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alvo Potter, Cedrico Diggory, Draco Malfoy, Harry Potter, Ronald Weasley, Severo Snape
Tags Fanfic, Harrypotter
Visualizações 28
Palavras 1.498
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Magia, Romance e Novela
Avisos: Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Decepção e uma Nova Amiga


Estou sentada de frente para a lareira, mal humorada e com saudade de casa, Maggie entra e senta ao meu lado:

- Foi um belo soco!

Dei um sorriso, e ficamos olhando para o fogo:

- Estou encrencada.

- Por que?

- Vou cumprir detenção e a professora Minerva vai mandar uma carta para meus pais.

- Mas de verdade acho que valeu.

- Tem razão, só me arrependo de não ter batido mais.

- Isso não foi possível porque o Johnny te segurou.

- Agora tenho que esperar minha detenção.

Não precisei esperar muito, a professora Minerva entrou pela passagem da mulher gorda:

- Senhorita Malfoy, queira me acompanhar.

- Sim senhora.

Levantei e  acompanhei a diretora Minerva em silêncio, eu realmente tinha medo dela, portanto não tive coragem de falar nada.

Ela me levou até a sua sala, o olhar dela sobre mim me deixou muito mais assustada.

- Antes de começar a senhorita tem alguma coisa para falar?

- Quero te pedir desculpas diretora, mas a Léxie me provocou e chamou Ben de sangue ruim.

- Veja senhorita, entendo que quis defender seu amigo, mas aqui não usamos agressão física, o correto seria a senhorita ter comunicado a professora Henderson.

- Desculpe, mas diretora eu não quero que ela fique falando sobre meu pai.

- Mesmo assim senhorita, isso não lhe dá o direito de bater em sua colega.

- Ela não é minha colega!

Antes que a professora falasse alguma coisa o retrato de vovô se manisfestou:

- Creio que essa não foi a educação que a senhorita recebeu.

Olhei para ele e depois para a diretora:

- Me desculpe professora.

- Irá cumprir detenção ajudando a professora Henderson. E vou mandar uma coruja para seus pais, agora pode ir a professora te aguarda na sala dela.

- Com licença.

Cheguei na sala da professora Henderson e a porta estava aberta, ela me mandou entrar e sentar, eu obedeci, ela ainda continuou sentada escrevendo e continuou assim por um bom tempo, eu já estava cansada de ficar sentada e a professora continuava escrevendo:

- Desculpe professora, mas qual é minha detenção?

- Me fazer companhia.

- Não entendi.

- Olhe senhorita Malfoy, aqui existe regras e precisam ser cumpridas, mas sei que a senhorita fez o que fez pelas provocações da senhorita Walters.

- Professora, eu ainda não entendo.

- A diretora Minerva disse que a senhorita teria que cumprir detenção, por ter defendido seu amigo e o nome de sua família, eu sou sua professora e me ofereci para aplicar essa detenção, mas vejo que a senhorita não agiu por maldade e por esta razão sua detenção é me fazer companhia.

- Eu....

- Esse será nosso segredo, mas não se acostume, gosto de disciplina, não vou tolerar gracinhas na minha aula.

- Sim senhora.

- Agora pode ir.

- Boa noite e obrigada.

Saí da sala sem entender muito bem o que havia acontecido, era para a professora Henderson me dar detenção, mas ela parecia que aprovou o que fiz com Léxie, só não podia deixar isso claro, eu sabia que não teria a mesma sorte com mamãe, papai talvez deixasse passar, mas mamãe me daria uma bronca daquelas.

Coloquei meu pijama e deitei, as meninas já estavam dormindo, eu logo peguei no sono também.

Na manhã seguinte assim que estávamos todos sentados tomando nosso café da manhã minha coruja sobrevoou o salão e depositou uma carta na minha frente:

- Uma coruja logo cedo?

Maggie falou, Kayla fez uma cara de susto e Benjamin se virou para mim e perguntou:

- Isso é mau?

- Eu soquei a cara da Léxie, fiquei em detenção no segundo dia de aula e a diretora Minerva mandou uma coruja para meus pais, o que você acha?

- Que você está encrencada.

Abri a carta queria acabar logo com isso:

"Pyxis Briane Snape Malfoy!"

"Achei que tivesse sido bem clara quando eu falei para você COMPORTE - SE!"

" O que vou fazer com você?"

"Por que raios Pyx você foi bater na garota?"

" Não quero que se tome atitudes assim."

"A diretora Minerva me contou sobre os boatos que andam falando sobre seu pai."

"Sinto muito você ter descoberto assim, mas escondi isso de você porque eu não queria que se preocupasse com essas coisas."

"Mas agora que sabe se quiser conversar sobre o assunto eu não lhe esconderei nada."

" Filha, sei que as pessoas tentam nos machucar, mas não caia nas provocações."

" Eu te amo!"

"Seu pai te mandou um beijo."

" Com amor mamãe!"

Fazia só três dias que eu estava longe dos meus pais, da minha casa e de Artaner, nossa elfa doméstica.

Limpei um lágrima, mais tarde eu escreveria uma carta para eles, dobrei a carta e coloquei no bolso da minha veste, Léxie entrou no salão, seus olhos estavam com um leve tom roxo:

- Soube que você quebrou o nariz dela.

Benjamin falou baixo e nós quatro rimos e recebemos um olhar severo da diretora.

Desviei meu olhar, eu tentaria não deixá - la brava.

Na aula de Defesa Contra as Artes das Trevas Léxie estava quieta, não parecia a mesma garota arrogante que conheci no barco, como a professora ainda não havia chegado eu não resisti:

- O que aconteceu com você Léxie?

- Não enche!

- Se eu soubesse que um soquinho te colocaria no seu lugar teria feito isso antes.

Todos da sala riram, exceto os alunos da Sonserina, a professora chegou:

- Silêncio!

- Foi Pyxis professora, ela estava....

- Acho que eu falei silêncio senhorita Walters. 50 pontos serão retirados de Sonserina.

Léxie ficou calada e eu dei um sorriso de deboche para ela.

A aula foi absolutamente tranquila, e agora passaríamos o resto da manhã na estufa número 2 com o professor Longbotton. Depois disso eu estava indo para o salão principal sozinha, pois meus amigos estavam famintos e não me esperaram, no corredor encontrei Léxie e sua amiga Kristen, as duas pararam no meio do corredor impedindo a minha passagem:

- O que você quer comigo Léxie?

- Queroque se desculpe.

- Por eu ter dado uma lição em você? O que eu fiz foi pouco. - olhei para Kristen. - você acha que vai me intimidar porque estou sozinha?

- Você não pode com nós duas.

- Não?

Dei um empurrão em Kristen que se desequilibrou, Léxie ficou sem reação e eu saquei minha varinha e apontei bem para o rosto dela:

- Você vai ganhar muito mais que um nariz quebrado se ficar mexendo comigo!

- O que está acontecendo aqui?

A voz de Alvo chamou minha atenção, mas continuei a olhar para Léxie:

- Alvinho, nos ajude, essa garota é maluca.

"Alvinho?" "Alvinho?" Senti minha raiva crescer, Alvo, meu amigo, se aproximou, segurou meu braço:

- Pyx, deixe elas em paz!

Abaixei a varinha e encarei Alvo, as meninas saíram e continuamos a nos encarar, até que ele sacudiu a cabeça:

- O que está acontecendo com você?

- Tirando o fato que sou provocada por aquelas duas e....

- Provocada? Não foi o que eu vi

- O que?

- E também não foi você quem apanhou na aula.

- Você me conhece Al, sabe que eu não faria uma coisa assim sem motivo.

- O que eu acho é que você está querendo se aparecer e se aproveitar desse boato de que é filha de Voldemort, mas isso não tem graça.

- Você só pode estar de brincadeira.

- Não estou não, só não entendo o que quer com essa fama negativa, mas também eu não poderia esperar mais...

- O que está insinuando?

- Ora, você sabe, sendo uma Malfoy...uma hora seu caráter falaria mais alto.

- RETIRE O QUE DISSE!

- Ou vai me bater igual fez com a Léxie?

Alvo não podia estar agindo desse jeito comigo, ele era meu amigo, eu não consegui responder, meus olhos encheram de lágrimas, eu sai correndo, o pior era que mamãe não estava aqui para me aconselhar, para me dar colo.

Cheguei no sétimo andar, eu só queria ficar longe de todos, sentei encostada em uma parede e chorei:

- A senhorita não deveria estar aqui.

Me assustei e levantei, limpei os olhos, era a professora Henderson:

- Professora, desculpe....eu...eu....

- Pyxis, calma! Está tudo bem. - ela se aproximou. - quer conversar?

- Nada está sendo como eu imaginava, meu amigo não fala mais comigo....e o que estão...falando...

- Sobre seu pai?

Concordei e ela sentou onde eu estava e me convidou a sentar com ela:

- Sabe Pyxis, apesar de Voldemort ter morrido todo o mal que ele espalhou ainda tenta se manter em pé, e quando ele faz isso tenta destruir pessoas boas, você deve saber disso, mas seu avô foi um grande adepto de Voldemort e isso o fez obcecado.

- Mas é tão injusto....

- Eu sei minha querida, mas você sabe que o que ele falou é mentira, não deixe que as pessoas te afetem por isso.

- Vou tentar....mas não consigo entender porque Alvo está me tratando assim.

- Ele está confuso...não o culpe, Alvo não está sabendo lidar com o fato de ter ido para Sonserina, ele acha que é uma decepção.

-  Mas ele foi tão cruel...

- Algumas pessoas agem assim na hora da dor. Mas venha, limpe seu rosto e  vá almoçar.

- Obrigada professora.

- Pode contar comigo sempre que precisar conversar.

Vi que eu havia ganhado uma nova amiga, enfrentar os desafios de Hogwarts seria mais fácil agora. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...