História A maldição felina - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias A Origem dos Guardiões, Como Treinar o seu Dragão
Personagens Jack Frost, Soluço
Tags Au! Cat, Hijack
Visualizações 38
Palavras 1.117
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Capítulo 2


Os alunos já haviam voltado do passeio escolar para o Internato Verssalies. Jack se encontrava no edifício M, ou seja, o dormitório masculino. Por alguma razão inexplicável, sentia a necessidade de decorar o local inteiro, parecia até que seu corpo o avisava que seria necessário. Agora se encontrava fazendo exatamente isso: decorando e revisando.

O dormitório masculino tinha 6 andares no total, sendo que o primeiro e o último não tinham quartos — um era a recepção, sala de jantar e cozinha e o outro, lugar onde ficava os banheiros e casas de banho. Seu quarto era o número 30 do quarto andar e era de frente para o quarto 31, o de Hiccup Haddock. Todos os quartos tinham varandas, nenhum tinha banheiro pessoal.

Os alunos tinham aula normais das 7:20 até às 12:40; um intervalo era dado desse horário até às 14:10; depois disso vinham horários de cursos, o internato oferecia diversos: esgrima, língua estrangeira — francês, espanhol, italiano e chinês —, aula de piano, ballet, etc; geralmente, as 19:40 serviam o jantar e a casa de banho estava aberta das 20:40 até às 21:20. Quem se atrasasse poderia tomar banho as 22:15 apenas. No Sábado de manhã sempre tinham provas, o resto dele era livre assim como o domingo inteiro.

Ele olhou para o seu próprio quarto, também tentando focar os detalhes dele. Era de um tamanho mediano, as paredes brancas com uma linha dourada no rodapé, o piso de cerâmica era quadriculado em tons de bege e chocolate; na parede oposta a da porta, se encontrava uma porta de correr de vidro que dava para a varanda, agora tampada por uma cortina azul escura que balançava levemente por conta do vendo que entrava. Na parede ao lado dela, tinha uma box de casal com jogo de cama preto e branco, e em cima havia uma estante com seus pertences — alguns livros, um globo de neve de Paris (lembrancinha do pai em sua viagem a trabalho, suas irmãs tinham iguais) e um mangá (provavelmente de Magi ou Hunter X Hunter) caído —, no centro do quarto se encontrava um grande tapete macio preto; Na parede oposta a da cama tinha um escrivaninha com bastantes gavetas e estantes de madeira marrom avermelhada, um notebook da apple e outros pertences se encontravam nela; Ao lado da porta de seu quarto tinha seu guarda roupa branco.

Jack concluiu que já tinha analisado o suficiente. Saiu de cima da cama e logo sentiu uma grande vontade de comer bolo ao se lembrar da festa de aniversário da irmã mais nova, Anna. Elsa tinha mãos divinas!

Foi quando sentiu algo estranho, parecia que estava rodopiando sem descanso em uma sauna. Não entendia aquela sensação, nem porque a sentia. E era impressão dele ou o chão estava cada vez mais próximo? Alarmado, o albino tentou inútil e desesperadamente se levantar achando que suas pernas tinham apenas fraquejado, mas não obteve sucesso e o chão permanecia firme no propósito de parecer cada vez mais perto de sua visão. Era simplesmente desesperador.

Tudo ficou preto. O albino abriu os olhos e se surpreendeu com a visão baixa, parecia que estava deitado no chão. Ele olhou ao redor notando que o campo de visão estava bem mais amplo, todas as cores pareciam mais pálidas, além de parecer que estava tentando enxergar através de um vidro abafado após um longo banho com água quente, ou seja, tudo estava bem embaçado.

Ao tentar andar, um barulho estranho foi ouvido...parecia algo arranhando de forma desagrada o piso. Jack olhou para baixo e se assustou ao ver patas peludas e brancas. Gritou de susto e se surpreendeu ao ouvir um miado estridente. No desespero acabou batendo na escrivaninha e abrindo uma gaveta, acidentalmente quase derrubou um vaso de flor ao lado do guarda roupa e conseguiu a proeza de tropeçar na própria cauda, que não sabia que existia até então. E, cara, a última realmente doeu.

Começou a se desesperar ao perceber que tudo aquilo acontecia por conta da estúpida maldição daquela bruxa imunda, a mesma do entediante passeio escola naquela vila de gente pobre e inferior. Quando pensou que era o fim, pôde ouvir um barulho de alguém batendo na porta do seu quarto.

— Hey, Frost — A voz de Hiccup soou. O albino nunca se sentiu tão feliz em ouvi-lo antes. — Está tudo bem? Ouvi sons estranhos...

“Ai meus deuses!”, pensou já se animando “Aquele nerd nojento! H ao cubo!!!”

Na alegria extrema, sua cauda ficou ereta para cima, os olhos ficaram entreabertos. Ele miou, sabia que o Haddock gostava de gatos e que muito provavelmente abriria a porta ao ouvir o som. O gato acertou em cheio.

— Ué, Frost, você tem... — Ele parou no meio da frase ao ver o animal felino branco com pelos macios e belos olhos azuis. O ruivo pareceu fascinado. — Woah! Que criatura linda!

"Sério que você só nota minha divina beleza quando estou na forma desse ser idiota, H ao cubo?", pensou, se ele pudesse revirar os olhos, com certeza o faria.

Ele se aproximou, mas não foi animadamente como o outro pensou, ele, na realidade, parecia bem cauteloso. O albino notou o olhar do outro ir para algo atrás de si, deduziu que fosse sua cauda por alguma razão. Não entendia o que tinha de tal interessante  na sua causa. Hiccup se aproximou mais  depois de vê-la e se agachou na sua frente. O ruivo fitou o gato.

Jack tinha que admitir que os olhos dele eram realmente bastante bonitos. Tão verdes que o lembravam uma esmeralda, quanto mais perto da íris, mas dourado o verde parecia ser.  Na realidade, o albino nunca teve nada contra a aparência do nerd idiota, muito pelo contrário. Pensava que se ele não fosse tão irritante e "cu doce", já teria tentado o levar para a cama antes.

Hiccup sorriu gentilmente, as mãos pousadas nos próprios joelhos.

Hum...Frost deve ter te deixado aqui para ir com os amigos...Bunny e Sandy, eu acho.

Não, H ao cubo. Eu sou o Jack, não tem como eu me deixar aqui e ir com os meus amigos”, pensou enquanto miava sem parar. Estava desesperado para fazê-lo entender.

— Ei, calma! — Hiccup parecia bastante surpreso com o comportamento nada normal do gato. Ele estendeu os braços. — Venha, vou tentar achar o Frost para você.

“EU SOU O JACK!!!”, pensou irritado e indignado. Sua vontade era de pular em cima do ruivo e arranhar essas palavras no rosto dele para ver se entendia.

O Haddock não deu bola e o pegou no colo mesmo assim. O olhar do albino se desanimou ao ver que ele realmente não estava compreendendo.

É, parecia que as coisas iriam demorar para serem entendidas pelo ruivo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...