História A maníaca da casa de trás - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camren
Visualizações 362
Palavras 1.671
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Shonen-Ai, Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem!!!

Capítulo 1 - Onde tudo começa!


Point of view Lauren 

 

 - Eu não sei o que está acontecendo comigo, esses últimos dias, não consigo tirar aquela garota da minha cabeça, porquê? , porquê? , porquê ? - indago pra mim mesma enquanto bato na minha testa com a palma da mão - mas eu tenho que tira ela da minha cabeça, tenho que tirar! - indago respirando fundo 

             

 (....)

 

Ela estava lá mas uma vez, na janela do quarto, ela nunca me vê, Ou finge não me vê, e eu estou aqui cortando as plantas, e as regando, talvez  o amor seja como uma planta, você o planta, e depois o rega, cuida pra ele não morrer e depois ele florece como uma bela flor, mas eu não posso está apaixonada por ela - "Mas, você está, a pegue, Lauren ela é sua, basta você a pegar" - mas uma vez essas vozes me dizendo o que fazer, eu não posso, ela nem me conhece, - indago pra mim mesma enquanto poldo algumas plantas – " Ela é como uma flor, você tem que a pegar, cuidar dela e deixar que ela não morra Lauren, depois, ela vai amar você"- tampo os meus ouvidos sabia que elas estavam tentando me controlar, mas elas não iriam fazer isso, de novo não. Vou para dentro de casa "Você está tentando nos calar, Lauren, não faça isso você sabe que é verdade" 

 

- Me deixem em PAZ! - grito enquanto corro e vou até o banheiro, tiro de lá o copinho que continha meus remédios - as vozes foram se calando até que eu não consigo ouvir mas nada 

 

- Vocês não vão me controlar - indago sentada na tampa do vaso enquanto abaixo minha  cabeça e adentro os meus cabelos com os meus dedos - Eu não vou fazer isso com você, não vou..- indago enquanto respiro e desço mas uma vez, pro meu quintal, chegando lá ela não estava mas lá, as janelas estavam fechadas - reviro os olhos e volto a fazer meu trabalho, quando acabo vou direto pra Geladeira - preciso comer alguma coisa - indago pra mim mesma enquanto proucuro algumas coisa, comestível mas nada me agrada

 

 - Que novidade - indago com um pouco de frustração - Preciso ir ao mercado - pego as chaves da minha Lander Houver emcima da mesinha de centro e vou até a garagem, entro no carro e dou partida

 

 O caminho até o mercado foi bem calmo, as ruas de Miami costumavam ficar assim quando era algum feriado prolongado, logo   estaciono o carro em uma vaga que havia alí e depois desço , coloco meu raibam, e vou pegar  um carrinho e começar  as compras  -  eu sinceramente odeio! Fazer compras,  mas infelizmente tenho que comer para sobreviver,  vou direto prata a cessão  de doces, põe que eu praticamente  me alimentava disso,  bolachas e chocolate,  fico até admirada em como eu consigo,  ser tão  magra?  Deve ser meu biótipo -  enfim  vamos lá

 

- Eu bem que estou precisando alegrar um pouco a minha vida – indago enquanto coloco várias latas de leite condensado dentro do carrinho, logo depois pego alguns biscoitos, e bolachas, depois vou até o açougue, e peço as carnes mas nobres 

 

Caminho até a sessão de limpeza e compro vários produtos que estavam em falta mas logo  escuto uma voz que me era bem familiar -  Não  pode ser -  indago  enquanto  chego mas para perto dos estates que ficavam a minha frente 

 

- Não Dinah, por que minha mãe não deixa - indaga a menina na cessão  a sua frente 

- ok mas eu vou sair escondida? Se a minha mãe souber ela vai me matar -  a moça da uma pausa mas logo continua - ok, passe na minha casa as nove, tá bom eu te espero então 

 

Então ela se distanciou  eu não consegui  mas encontra lá - Se alguém pensa que há vai roubar de mim está muito enganado - indaguei  pra mim mesma,  sentindo já o ódio  me consumir  só de pensar em. Alguém  encontrado nela

 Enquanto levava o carrinho para o caixa tive uma ideia  fabulosa -  Mas alguma coisa, senhora -  indagou a caixa enquanto eu via umas embalagens de chips pré-pagos 

- Sim,  eu vou querer um desses chips – indagou enquanto  pego a minha carteira na bolsa,  a caixa logo finaliza a compra e eu volto pro meu carro cheia de sacolas

 

Ninguém encostar em Camila, após chegar em casa guardo todas as compras e depois coloco o chip no celular, não rastrevel que eu possuía havia conseguido ainda quando trabalhava no exército e então mandei a uma mensagem 

 

Número desconhecido

 

(Prezada senhora Sinhue, gostaria de lhe informar que a sua filha hoje irá sair às escondidas para uma festa, que com certeza irá conter, álcool, drogas e rapazes bêbados e maldosos, estou lhe avisando, por que prezo muito a saúde de Camila, ela irá sair às 21:00 PM. Obrigada pela atenção, e tenha uma boa noite.)

 

Após mandar a mensagem para a mãe de Camila, quebrei o chip e guardei o celular, pela noite eu resolvi prepar meu jantar até que escuto sons de briga vindo da casa de Camila, o que me  fez ter uma crise de riso espontânea - Você não vai a lugar nenhum Camilita - indago enquanto levava meu prato pra pia

 

(….) 

 

Faz tempo que eu não vejo a Camila, fiz algumas pesquisas e descobrir que os Cabelos  saíram de férias foram pra MinySotta onde eu até agora, sei que mora alguns parentes de Sinhue. Aproveitei para ir até minha casa no campo, precisava concertar algumas coisas e o feriado seria ótimo. 

 

Leva uns 45 minutos para chegar até meu lote, ele é bem isolado, ele não é o único da região mas é afastado dos outros. A casa estáva do jeito de antes, era uma grande casa branca com duas cadeiras de balanço na frente uma árvore com um balanço, o caseiro estava lá, Sam Ermo, era o caseiro da casa quando dês que eu era  criança,  depois que a minha avó morreu e me deixou a casa não tive coragem de o dispensa

 

- Olá garotinha - disse Sam ele era um velho de 60 anos com uma barba de papai Noel, muito simpático 

 

- Sam você sabe que eu não sou mas uma garotinha - digo sorrindo e tirando do porta malas algumas compras e ferramentas 

 

- Lauren…É eu gostaria de pedir minhas contas - disse ele me ajudando a guarda as compras 

 

- Mas...por que ? - pergunto confusa 

 

- Não é nada com a senhora ou com a casa, é que a minha filha voltou do México e me pediu pra morar com ela - disse ele me encarando - eu ficarei esses dias aqui mas sexta feira eu estou indo ok ? - indaga ele me encarando 

 

- Sam faça o que for melhor pra você, você me servia muito, mas não perca o tempo com sua filha ok - indago e o abraço não era muito de carinho e blá blá, sei que ele já tinha comprido seu tempo aqui

 

 A noite já havia chegado e resolvo descer até o meu porão, que era bem escondido, na verdade meu avô mandou fazer esse porão pra mim, ele costumava dizer que aquele seria o meu lugar, quando estava na casa gostava de ir pra lá por que me ajudava a pensar. Eu não gostava de não saber notícias de Camila, aquela garota agora faz parte a minha respiração. 

 

" Lauren a pegue, aqui seria o lugar perfeito" 

 

- Parem com isso vozes irritantes, eu não vou a pegar - odiava quando elas tentavam me controlar

 

" Ela nunca vai ser sua Lauren, nunca vai te amar, se você não a pegar" 

 

- Que droga - grito enquanto tento tampar meus ouvidos, tentando de algumas maneira sessar aquelas vozes - Ela vai ser minha, ela já é - indago a última parte praticamente em susurro

 

"Se ela é sua Lauren, por que ela não está aqui, ela está com outro, outro Lauren" 

 

- NÃO ! - grito pro nada eu sabia que estava sozinha o ódio sobe nas minhas veias - ELA E MINHA, ELA APENAS NÃO SABE AINDA ! - indago e me deito no colchão pequeno que havia la, as lágrimas rolavam por meus olhos

 

" Traga ela pra cá Lauren, e ela nunca mas vai fugir, nunca vai escapar, vai ser sua pra sempre" 

 

- Ela vai ser minha ! - indago e começo a adormecer

 

 (...) 

 

Acordei pela manhã, e o plano já estava montado na minha cabeça, voltei até a cidade e achei uma loja de matérias de construção aberta não iria comprar nada no cartão, nem sacar dinheiro em banco sabia que poderia ser rastreado então, pra minha segurança resolvi usar só o dinheiro o que não era pouco

 

Voltei pra casa de campo  Sam não estava lá, aproveitei para colocar tudo que eu comprei dentro do porão, numa folha comecei a rabiscar o que seria feito, e Camila finalmente seria minha

 

 Praticamente destruir todo o meu porão, aproveitei que lá já tinha banheiro é só redecorei. Antes o meu porão só tinha um colchão pequeno, alguns livros e uma televisão, joguei tudo no lixo. Primeiro eu iria pintar nada que uma corsinha não resolva - Eu estou apenas começando - indago pra mim mesma enquanto pinto a parede de rosa bebê

 

 Não iria fazer tudo de uma vez só, então assim que eu acabei de pinta já era noite estava com a roupa cheia de tinta e fui tomar um banho de banheira bem relaxante, por que amanhã eu iria comprar algumas coisas pra deixar o quarto bem confortável ela merece tudo de bom - penso enquanto me esfrego

 

Assim que terminei de tomar banho, desci as escadas e fui direto comer a fome estava imensa, tinha um resto de comida no forno apenas esquentei e comi sozinha e depois fui dormi, por que a vida no campo começar cedo. 


Notas Finais


Então.. Espero que a leitura tenha sido boa e cometem, preciso de opiniões e ideias 😘😘.

Bjos...

Até o próximo capítulo....


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...