História A Marca - Capítulo 27


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens BamBam, JB, Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Mark, Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Yugyeom
Tags Abo, Taekook, Vkook
Visualizações 555
Palavras 4.967
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Annyeong

Quem é vivo sempre aparece e por isso aqui estou.

Tenho um aviso a dar a vocês então por favor leiam as notas finais.

Vamos ao capitulo de hoje, boa leitura

Capítulo 27 - Bem vindo de volta


Hoseok ajeita Mi mais uma vez em seu colo e puxa a camisa tapando o ombro.

 

 

      − Jimin, eu acho que aqui não é o lugar certo para conversar. Mi é pesada, eu estou cansado e se você puder, abre logo essa porta.

 

 

      − A gente não precisava de lugar certo para conversar, lembra? Antes parecia que éramos amigos, que a gente tinha uma amizade diferente onde eu podia te contar as coisas e você fazia o mesmo. Agora ‘tá ai cheio de segredos, de coisas que eu não entendo como ter deixado esse “alfa” – faz cara de nojo – te marcar. O que ‘tá acontecendo?

 

 

Hoseok levanta Mi ajeitando a cabeça da menina no seu ombro e vai em direção da campainha para tocá-la. Não está com a menor disposição para discutir com Jimin. Este solta um arfar e se coloca na frente do outro.

 

 

      − Eu só te fiz uma pergunta, pode deixar que abro a porta. – fala já colocando a chave na mesma quando ela abre. Yoongi aparece do outro lado, olha para Hoseok que está com expressão cansada vendo a menina caindo de seus braços.

 

 

      − Deixa que eu a carrego para você, ela parece pesada.

 

 

Hoseok acena de forma negativa com a cabeça e entra. Ele caminha com dificuldade, mas prefere levar a filha para seu quarto. Antes de subir as escadas, agradece a Jimin por ter levado Mi ao médico e se despede dele. Jimin fica olhando o ômega se afastar.

 

 

      − Você vai entrar?

 

O alfa olha para Yoongi com raiva. Este retribui com um desprezo visível, não gosta dessa proximidade do outro com seu ômega, mas sabe que eles sempre foram amigos. Jimin entra e vai para a escada, está hospedado ali em um quarto quase ao lado do quarto de Mi então decide subir antes que se incomode.

 

Antes mesmo de pisar no primeiro degrau escuta a voz do alfa atrás de si.

 

 

      − Sei que você e o Hoseok são amigos então vou te dar um aviso, mas será só uma vez. – ele vira ficando de frente para Yoongi que fecha a porta e vai em sua direção. Os alfas estão exalando testosterona, seus olhares não são nada amigáveis e seus corpos estão quase em posição de ataque, então o mais velho se posiciona perto do rosto de Jimin falando em um tom autoritário. – Eu e o Hoseok estamos juntos, ele agora é meu ômega, carrega minha marca e por isso quero você longe dele.

 

Jimin enche o peito de ar se aproximando mais dele. Ele viu a marca no ombro de Hoseok assim de sair do carro, sabia do significado, mas queria ouvir a resposta de sua boca. Yoongi sente que Jimin não baixa a guarda e fecha os punhos se preparando para qualquer reação dele.

 

 

      − Não me importo nem um pouco com isso. Antes de você aparecer eu e o Hobi já éramos amigos, já tínhamos certa cumplicidade, então esse lance de “meu ômega” e ter a “sua marca” para mim é irrelevante. Se ele não me disser que devo me afastar não será um cachorro mandado como você que fará com que eu desista.

 

 

O clima fica tenso com ambos prontos para qualquer coisa. Yoongi nunca perdeu uma briga e é o mais bem treinado homem de Jungkook. Jimin não é de se meter em brigas, mas não irá permitir que qualquer um chegue e tome seu lugar ao lado de Hoseok. Passos são ouvidos descendo a escada e a voz do dono da casa ecoa pelo hall de entrada.

 

 

      − Achei que tinha ouvido a sua voz Suga. Vem comigo, precisamos conversar sobre negócios.

 

 

Os dois se afastam ainda sem perder o contato visual. Jungkook faz um sinal com a mão para o alfa que sai indo junto dele até a biblioteca. Jimin passa a mão nos cabelos batendo a mesma na perna logo em seguida. Sentia vontade de estraçalhar o outro pela petulância em ter lhe dito para se afastar de seu amigo mesmo sabendo que provavelmente o outro lhe pediria um tempo. Acaba subindo as escadas e vai para o quarto, quer tomar um banho e esfriar os ânimos.

 

 

 

Já no local, Jungkook entra e se dirige para perto da janela. A noite está estrelada e faz tempo que ele não sente a brisa que vem com ela. Yoongi fecha a porta atrás de si, indo até perto de seu chefe.

 

 

      − O que você quer me dizer que ainda não disse? Temos algum negócio novo que desconheço? – Jungkook vira seu rosto olhando para o amigo.

 

 

      − O que foi aquilo que quase aconteceu lá na sala? Percebi que se eu não chegasse naquele momento teria que mandar chamar a equipe de limpeza ou a funerária para higienizar o local.

 

 

      − Não exagera Jungkook, eu só estava dando um recado para aquele idiota. – Jungkook levanta e vai até Yoongi que ainda está bastante alterado. Coloca a mão no ombro do mais baixo falando sério.

 

 

      − Ah é, então por que te vi com os punhos cerrados e mordendo a boca como sempre faz antes de estraçalhar alguém? Já brigamos muito por ai para que eu não reconheça os sinais de que você está prestes a matar um.

 

 

Yoongi abaixa a cabeça e pede desculpas apertando entre os olhos. Sabe que seu temperamento não é dos melhores e que deve respeito à casa dos Jeon.

 

      − Me descontrolei, isso não vai mais acontecer.

 

      − Estranhei por que nunca te vi assim sem que fosse por alguma ordem de exterminar ladrões ou coisa pior. Isso seria resultado de um sentimento que deixa qualquer alfa fora de rumo?

 

 

Yoongi sorriu sem graça e confirmou. Nunca tinha se apaixonado dessa forma antes e também nunca imaginou que sentir ciúmes o deixasse quase fora de controle. Os dois riram e Jungkook pediu que ele contasse o que aconteceu além do fato de ter ido ajudar o amigo de Taehyung a procurar sua filha roubada.

 

 

 

 

 

No andar de cima, Jimin sai do banho já vestido com uma calça de pijama e uma camiseta. Seca os cabelos ainda pensando no que aconteceu. Hoseok e Taehyung foram os únicos ômegas que ele sentiu algo a mais do que uma simples amizade e nunca seriam seus. Sentou na beirada da cama deixando um longo suspiro sair de sua boca e escutou batidas na porta.

 

 

 

      − Oi Jimin, a gente pode conversar? –Hoseok falou baixo esperando uma resposta. Ele assentiu deixando o ômega entrar e fechou a porta logo em seguida.

 

 

      − O que foi?

 

      − Quando a gente chegou você me fez uma pergunta e eu não me neguei de te responder só achei que deveríamos entrar primeiro por que a Mi é bem pesada. Eu acho que a gente deveria conversar sobre algumas coisas que aconteceram e que não devem interferir na nossa amizade. – respirou fundo –. Então... eu quero que você saiba, antes de tudo, que nossa amizade é muito importante para mim, eu tenho um carinho especial por você e – Jimin o interrompe.

 

 

      − É eu conheço esse papo. Olha não precisa me explicar nada, como você disse eu sou só seu amigo e por isso não me deve satisfações da sua vida além de que o seu namorado já me deu o recado: você é o ômega dele agora.

 

 

Hoseok senta em uma poltrona por alguns minutos e abaixa a cabeça. Queria ter conversado com Jimin antes que acontecesse algum mal entendido entre ele e Yoongi. Levanta dali vendo o rosto de Jimin não muito contente com a confirmação.

 

 

      − Sim agora eu estou com o Suga e ele é o meu alfa, significa que sou um ômega marcado mesmo. Nós temos passado bastante tempo juntos, ele estava me ajudando a encontrar uma pessoa importante e em meio a tudo isso acabamos descobrindo um sentimento diferente um pelo outro.

Primeiro eu fiquei confuso, achei que era uma admiração muito grande por quem ele é. Apesar da aparência desligada e fria o Suga tem um grande coração e é carinhoso com quem convive. Eu fui vendo esse lado protetor dele e me encantando cada vez mais. Quando a gente conversava, eu sentia que podia contar toda a minha vida para ele sem ser julgado. Não que você fosse me julgar ou o Tae e o Nam, mas sei lá com ele é diferente. Eu acabei precisando ficar na casa dele por um tempo e assim foi acontecendo sem que eu me desse conta. Quando a gente viajou e não achou a... – ele para vendo Jimin que está prestando atenção em tudo que ouve sem expressar nada e continua – quando a gente não achou quem foi procurar eu acabei entrando no cio e ai não deu mais para fugir.

O sentimento se misturou com a confusão na minha mente, as palavras foram saindo e a atitude do Suga foi a melhor possível. Ele não tentou nada, até quis fugir – riu - e foi só ai que eu percebi que a admiração já tinha virado amor a algum tempo. Eu me entreguei, deixei ele me marcar sem pensar em mais nada, só queria estar com o Suga e ser dele para sempre.

 

Jimin fechou os olhos e puxou o ar. Sabia que não tinha deixado de amar Taehyung ainda, mas já nutria um sentimento especial por Hoseok. Sabia que não era amor, talvez um princípio desse sentimento, uma pequena chama que se fosse correspondida poderia sim se tornar o mesmo ou mais forte do que sentia pelo seu antigo namorado. Não conseguiu sorrir nem disfarçou a decepção pelo que tinha acabado de ouvir.

 

 

      − É uma pena. Desculpa, mas é o que sinto. Esse Yoongi não te merece, ele não é o alfa certo para você, mas se é o que você escolheu para te marcar então seja feliz ao lado dele.

 

 

Caminhou até a porta do quarto abrindo-a e fez um sinal para que Hoseok saísse. O ômega saiu parando no corredor e ouviu a porta fechar. Não queria perder a amizade de Jimin, só queria que ele entendesse o quanto de felicidade Suga representava em sua vida.  Desceu as escadas procurando o alfa, Hoseok só queria ir para casa ficar em seus braços e contar como foi seu dia com Akemi.

 

 

      − Então pode deixar Jungkook, amanhã eu vejo com os rapazes sobre isso. - Yoongi sai da biblioteca terminando a conversa com seu chefe e vê o outro chegando.

 

      − Suga, vamos embora? Estou cansado e quero tomar um banho.

 

      − Vamos sim, só me deixa falar uma coisa rapidinho com o Jin e já volto.

 

 

Hoseok assentiu e disse que esperaria por ele no carro. Saiu depois de passar na biblioteca e dizer a Jungkook que iria visitar Taehyung na manhã seguinte, se o alfa permitisse. Ele agradeceu e disse que a visita de um amigo sempre seria bem vinda e que ele já estava autorizado na recepção do hospital. O ômega disse que estaria lá pela manhã então e saiu indo para o carro.

 

Lá dentro, Hoseok ficou observando as estrelas no céu limpo pensando no dia que teve com sua filha. Akemi era uma menina especial demais e sem nunca terem imaginado que poderiam ser pai e filha a pequenina já o chamava da maneira que ele sempre sonhou.

 

Sorriu lembrando da voz da pequena quando viu Yugyeom passar. O ômega estava com a barriga enorme, caminhava com dificuldade, mas parecia estranho. Foi em direção ao jardim entrando em meio às flores e desapareceu. Hoseok ficou tentando vê-lo de dentro do carro até que ouviu a porta que levava ao alojamento dos empregados abrir e bater logo em seguida. Era Mark que saiu de pijamas e pés descalço parecendo procurar por alguém.

 

 

      − Deu, já falei com o Jin, vamos para casa mesmo? – Yoongi entra no carro falando e assusta o ômega que cuidava a movimentação.

 

 

      − Nossa, você parece um fantasma. Não me assusta assim, acabei de ver algo estranho e isso me deixou tenso.

 

Yoongi não sabia do que ele falava, não tinha visto ninguém ali além deles.

 

 

      −Tenso? Mas o que foi?

 

      − Sei lá, vi o Yugyeom passar caminhando de um jeito estranho e não muito depois o alfa dele saiu parecendo procurar alguma coisa.

 

 

Yoongi riu acariciando o rosto do outro e disse que não deveria ser nada de mais. Hoseok concordou e disse que deveria estar vendo coisas, talvez os dois não estivessem fazendo nada de anormal mesmo e o cansaço tenha o feito imaginar coisas. Yoongi ligou o carro e eles foram para casa.

 

 

 

Na manhã seguinte, Suga deixou Hoseok na porta do hospital e foi ver o que Jungkook lhe pediu sobre alguns negócios novos dele. Tinha que começar a assumir as tarefas que lhe foram passadas. Hoseok queria muito ver Taehyung e quem sabe ajudar de alguma forma. Ao entrar no quarto encontrou NamJoon e a Sra. Kim

 

 

      − Bom dia Nam. Como ele está?

 

      − Bom dia Hobi, esta noite nada de novo aconteceu. E você, quanto tempo não nos vemos.

 

      − Faz muito tempo mesmo. Eu estou bem, onde está o Jungkook? Achei que ele viria cedo.

 

NamJoon diz que o alfa veio e saiu para encontrar Yoongi, deveria voltar no início da tarde. Hoseok assenti lembrando dos tais negócios que ouviu Yoongi falar e para ao lado da cama de Taehyung. Ele estava com alguns fios colados ao corpo que eram ligados em máquinas que controlavam seus batimentos, respiração e também dos bebês. Sentiu seu peito apertar por gostar demais do amigo.

 

 

      − Oi Tae – falou baixo acariciando seus fios avermelhados bem desbotados – como está meu grande confidente? Minha vida está um turbilhão, tenho tantas coisas para te contar, tanta novidade boa para compartilhar contigo. Quando vai sair desta cama e me dar seus conselhos, hm?

 

 

A sra. Kim levanta da poltrona onde está sentada e avisa que precisa de um café. NamJoon, que chegou cedo da casa dos Jeon junto com Jungkook, vai com ela até a cafeteria do hospital deixando assim Hoseok com Taehyung. o ômega puxa uma cadeira e senta segurando a mão do amigo e começa a falar.

 

 

      − Ficamos sozinhos Tae, então acho que podemos fofocar um pouco. Deixa eu pensar por onde vamos começar... já sei. Você sabe o Yoongi? Pois é, eu e ele estamos juntos – sorri feliz – descobri que aquele alfa com cara de poucos amigos é na verdade um lobinho mal interpretado. Esse tempo que passamos na casa dele me fez perceber que o Suga tem um enorme coração e acabei contando para ele o meu segredo. Você lembra né, aquele segredo da minha filha? Pois é, eu contei e ele foi super compreensivo, chegou a dizer que iria me ajudar a encontrá-la.

Colocou alguns homens de confiança atrás de pistas de onde minha pequena poderia estar e depois de um tempo, ele conseguiu uma pista. Nós viajamos para a ilha de Jeju onde tinha uma senhora que deveria ser quem nos diria onde está. As coisas não correram como a gente pensou, quase desisti de tudo, mas foi nessa viagem desastrosa que descobri estar apaixonado. Nós tivemos que ficar por lá um tempo e o Yoongi acabou confessando primeiro. Claro que eu já sentia algo, estava confuso, achando que era só amizade e então só deixei meu coração falar mais alto.

 

Nesse momento batem na porta, ela abre logo em seguida e Jimin entra com Mi no colo.

 

A menina estava com a cabeça encostada na curva de seu pescoço e com os braços segurando apertado nele.

 

 

      − Akemi. – Hoseok fala assim que a vê – O que você está fazendo aqui com ela Jimin? Isso é um hospital e ela não deveria...

 

      − Desculpa, mas desde que acordou hoje, ela não para de dizer que precisa ver o Tae e os bebês. Chorou muito quando eu disse que ele estava viajando então acabei trazendo ela até aqui para ver se acalmava.

 

 

Assim que a menina virou o rosto e viu o ômega deitado na cama, ela soltou seus braços de Jimin e quis descer de seu colo. Foi correndo até Hoseok que a pegou nos braços.

 

 

      − Papai, eu quero ver o tio Tae. Ele e os nenéns precisam fica bem logo.

 

 

Hoseok sorriu triste e abraçou a pequena que se encolheu em seus braços. Aquela troca de carinho deixou Jimin confuso. Ela chamar Hoseok de papai poderia ser interpretado como carência por estar longe de Taehyung a quem tinha como uma figura paterna. Só que o outro estava deitado ali e ela o tinha visto então por que continuava a chamar Hoseok dessa forma?

 

Mi esticou o braço em direção à cama de Taehyung querendo abraçá-lo também. Jimin foi até mais perto, já fazia alguns dias que não ia ver seu antigo amor. Taehyung respirava com auxilio de uma mascara que cobria boa parte de seu rosto, mas continuava com a mesma aura serena.

 

Hoseok abaixou seu corpo e deixou Mi tocar no rosto do ômega que pareceu tremer levemente. Olhou para Jimin imediatamente sem que este lhe retribuísse o olhar. Mi encostou seu rostinho perto da orelha de Taehyung e lhe deu um beijo.

 

 

Os bebês mexeram dentro da barriga do ômega sendo possível ver seus movimentos. Jimin apontou na direção da roupa branca que ele usava e os dois que ali estavam se espantaram.

 

 

      − Você viu isso? – ele perguntou a Hoseok que estava quase de boca aberta – eles mexeram quando a Mi beijou o Tae.

 

      − É, eu vi sim até achei que era coisa da minha cabeça. Seu rosto também pareceu mexer com um leve tremor.

 

A menina sorriu e voltou a esconder seu rosto no pescoço, agora, de Hoseok. Ele e Jimin ficaram sorrindo e comentando sobre o fato até que NamJoon entrou.

 

 

      − Oi Jimin. O que a menina faz aqui?

 

 

O alfa contou sobre o pedido que ela fez e do que aconteceu a minutos atrás. NamJoon ficou em duvida então Hoseok pediu para Mi beijar novamente o rosto de Taehyung. Ela o beijou e nada aconteceu. Nem a barriga nem o rosto de Taehyung mostraram sinais de algo diferente do que estava.

 

 

      − Acho que vocês viram coisas. A esperança de que ele acorde logo é grande, eu entendo que vocês imaginaram tudo isso.

 

 

Hoseok fica sério sem entender por que aquilo não se repetiu. Sentou na poltrona, onde a mãe de Taehyung estava antes, com Mi em seu colo. Tinha certeza do que viu e Jimin confirmou. NamJoon começou a conversar com eles até que Jungkook chegou.

Estranhou a menina estar ali, mas não recriminou Jimin por tê-la trazido. Sentia falta de estar com Taehyung e Mi ao mesmo tempo. Pegou a pequena no colo e foi ficar perto de seu ômega, ainda sentia ciúmes de Jimin quando este estava por perto.

 

Quando a tarde estava chegando ao fim, Hoseok resolveu levar a filha para casa. Eles passaram o dia com Taehyung então ela estava cansada e precisava de um banho. Antes de sair ela quis dar mais um beijo no ômega e nos bebês. Hoseok sentiu como se a respiração do outro tivesse mudado.

 

Ao saírem do quarto, Jimin pegou a menina em seus braços, pois ela adormeceu quase que imediatamente.

 

 

      − Obrigado, ela pesa bastante.

 

      − Ela já é grande Hobi, não sei por que vocês ficam carregando a Mi no colo como se ainda fosse um bebê. Isso cansa a vocês e a ela pode ter certeza. – Hoseok gostaria de recuperar o tempo que perdeu carregando a menina em seu colo, para cima e para baixo e não se importava em fazer isso agora. Jimin o vê sorrir quando é recriminado – Você tem agido estranho, não sei por que tanto zelo, mas tudo bem ela é uma graça mesmo. – ambos ficaram calados até chegar na rua - Veio de carro ou quer carona? Eu posso levar vocês para casa.

 

 

Hoseok olha em volta e diz que Suga irá buscá-lo, mas não chegou ainda. Jimin revira os olhos e devolve a pequena que segura firme no pescoço do ômega.

 

 

      − Esqueci que você agora irá começar uma família agora. Já tem planos para o casamento? E os filhos? Serão muitos provavelmente.

 

 

O clima entre eles fica estranho. Hoseok prefere não responder a brincadeira em tom irônico que Jimin fez por que ainda está chateado com a reação dele a novidade de seu relacionamento. Em poucos minutos ele vê o carro de Suga chegando.

 

 

      − Suga chegou, pode me dar ela. – ele pega a garotinha que dorme nos braços do alfa e se despede dele. - Boa noite e muito obrigado por tudo que tem feito.

 

 

O alfa acena com a cabeça e olha em direção do carro, que parou um pouco mais ao lado, vendo o sorriso no rosto do outro sumir assim que se encaram. Yoongi o cumprimenta abrindo a porta de trás do carro onde eles arrumam Mi em uma cadeirinha e entram, provavelmente, indo para a casa dele. Jimin resolve que esta noite irá passar em sua própria casa e também vai embora.

 

 

 

 

 

Dentro do quarto onde estão Jungkook, NamJoon e a mãe de Taehyung, eles conversam sobre como o ômega passou o dia. as máquinas que controlavam seus batimentos mostravam que ele estava mais sereno do que nos últimos dias.

 

 

      − Acho que essa movimentação de amigos e a visita da Mi ajudaram o Tae a sentir um pouco do aconchego de casa. Com certeza ele ficaria muito feliz em ver a menina – NamJoon fala vendo o sorriso nos lábios de sua tia. A mulher, mesmo parecendo bastante cansada depois de tantos dias revezando com Jungkook os cuidados com seu primo, sente que o dia foi bom para ele.

 

      − Quando eu cheguei e vi a Mi por aqui me preocupei que talvez o Tae reagisse mal. Dizem que mesmo em coma os pacientes escutam tudo e ouvir a voz dela poderia fazer com que ele tivesse outra crise daquelas. Mas felizmente parece que ele gostou mesmo. Teve um momento que eu até achei ter visto a respiração dele fluir como se fosse um profundo suspiro sem o auxilio da máquina.

 

 

NamJoon também concorda e eles comentam sobre isso mais um pouco até que Jungkook diz para eles irem descansar. Está noite ele quer ficar um pouco a sós com Taehyung. Sua sogra aceita afinal não é mais tão jovem e vai com o beta para o hotel onde estão hospedados. Prometem voltar na manhã seguinte e saem.

 

 

A noite está estrelada e com a lua cheia que ilumina o céu. Jungkook, que olha pela janela enquanto a enfermeira termina de checar os sinais vitais de Taehyung, tem uma ideia. Assim que a mulher sai ele destrava a cama e puxa, até onde os fios que ligam seu ômega a elas, alcança. A cama fica com a cabeceira quase na janela e Jungkook pega uma cadeira sentando ali ao lado.

 

 

      − A noite está linda Tae. O céu tem milhares de estrelas brilhando e a lua, nossa, está enorme. Até parece que ela brilha com mais força que o normal só por que eu estou feliz. – sorri passando a mão nos cabelos não tão vermelhos dele. – É eu estou feliz hoje, você parece melhor e recebeu visitas que eu sei te fazerem bem. Nossa pequena garotinha veio te visitar mesmo todos dizendo que você estava viajando. Ela tem seu gênio teimoso, insistiu tanto que sabia onde você estava que Jimin acabou cedendo e a trouxe até aqui. Sei que isso te fez bem por que ela te ama muito. E olha que juro ter visto um semi sorriso no seu rosto quando ela te beijou.

 

O alfa colocou a mão na barriga de Taehyung e sentiu os bebês mexerem. Sorriu deixando uma risada baixa sair e viu o braço dele tremer. Arregalou os olhos quase não acreditando e sentiu uma enorme vontade de chorar de emoção. Taehyung estava reagindo de alguma maneira mesmo que fosse pouco.

O restante da noite passou conversando com as filhas e acariciando seu ômega. Jungkook estava com saudade de ouvir sua voz e ver seu sorriso.

 

 

Na manhã seguinte assim que sua sogra chegou no quarto do hospital, Jungkook lhe contou o que aconteceu na noite anterior. viu o olhar da velha ômega se enxer de lágrimas e ela beijou o filho que estava com a tez mais corada.

 

 

      − Você acha que isso foi influência da visita dos amigos? Ele ama aquela menina e tem um grande afeto por Hoseok. Jimin faz parte da nossa vida a muitos anos, mas só a vinda dele aqui não tinha feito o Taehyung reagir assim. – a mulher parecia tão empolgada que mal cabia em si. Jungkook afirmou que Mi teve uma grande parcela nessa mudança dele, com certeza a menina significava muito para o ômega.

 

 

O médico tinha ficado de conversar com Jungkook em seu consultório naquela manhã, mas depois da noite que eles tiveram o alfa fez questão de que ele viesse ver Taehyung mais cedo. Assim que ele chegou foi até ali examiná-lo. Depois de meia hora entre exames e verificar as anotações de outros dias, o médico pediu que a família entrasse no quarto.

 

 

      − Realmente Taehyung está reagindo ao coma. Eu estava olhando o registro dos batimentos dele e dos fetos e de ontem para cá ouve uma grande mudança. Parece que ele está mais desperto do que antes, mas não vamos mudar nenhum procedimento no momento. Vou pedir as enfermeiras que controlem tudo mais de perto e venham aqui mais vezes durante o dia para ver se teremos mais alguma mudança drástica no quadro.

 

 

Jungkook aceitou aquilo como uma melhora significativa e ligou para Yoongi. Pediu que o alfa contasse a Hoseok o que aconteceu e que se ele pudesse viesse mais vezes ver o amigo. Yoongi disse que ele ficou feliz e prometeu ir, só não poderia ser naquele dia por que tinha que ir a uma consulta com Mi e depois veria uma maneira de deixar a menina em casa para visitar Taehyung.

 

 

 

Os dias seguintes foram tranquilos. Jungkook passou a deixar a cama de Taehyung mais perto da janela e quando o sol batia nele retirava suas cobertas deixando que tocasse a pele desbotada do esposo. Via a reação dele com batimentos mais acentuados e as filhas mexendo mais. O movimento das crianças significava que elas estavam saudáveis e isso deixava o alfa e sua sogra esperançosos.

Hoseok ia todos os dias ver seu amigo e quando conseguia levava Mi consigo. A menina passava algumas horas brincando com Jungkook que falava sobre suas meninas vendo um grande sorriso no rosto dela.

Às vezes ela o contrariava dizendo que Ggukie seria única e deixava a todos sem entender o que significativa isso. Nas noites que Mi passava o dia ali junto de Taehyung, ômega parecia mais agitado. Jungkook conversava com ele a noite toda sentado em sua cama dizendo que assim que ele acordasse iriam ao jardim mais florido que achasse para que o ômega ficasse entre as flores que tinham o aroma parecido com o seu.

 

 

Já fazia uma semana que tudo estava mudando no quadro de Taehyung até que Jungkook precisou sair com Yoongi antes de ir até o hospital, ele só chegaria depois do almoço então pediu que Hoseok fosse lá para trocar com NamJoon que iria levar sua sogra até o aeroporto. O pai de Taehyung estava solicitando a presença da esposa e ela iria viajar por alguns dias.

 

 

Hoseok passou na mansão dos Jeon e deixou Mi com Seokjin que reclamava sentir saudade da pequena. Ela estava passando mais tempo na casa de Yoongi com os dois o que deixava a mansão vazia e sem graça. Ele chegou um pouco depois que NamJoon tinha saído com a tia, estava atrasado e foi rápido para o elevador.  Ao descer no andar do quarto de Taehyung, viu uma movimentação diferente. As enfermeiras estavam entrando no quarto do ômega enquanto carregavam os equipamentos de reanimação.

Hoseok sentiu um arrepio passar por seu corpo e temeu receber uma péssima noticia. Ficou sem saber se avisava Jungkook, o alfa estava sempre ali ao lado de Taehyung e bastou sair um pouco para que algo acontecesse. O pediatra que acompanhava a gestação do ômega saiu junto com uma enfermeira e o outro não aguentou esperar para saber o que acontecia ali.

 

 

      − Doutor, o que aconteceu com o Taehyung?  - falou assim que tocou no braço do médico e respirou fundo. O medo de ouvir a resposta era grande. – Ele não está...

 

 

      − Taehyung está bem. Nada de errado aconteceu com ele nem com os fetos. Se você esperar mais um pouco poderá entrar logo.

 

 

Hoseok agradeceu e esperou mais alguns minutos até que a equipe que estava lá dentro saiu. As enfermeiras carregavam algumas das máquinas que estavam ligadas a ele e uma extra que era o ressuscitador. O médico dele saiu por último e viu o ômega parado ali um tanto pálido.

 

Assim que eles conversaram, Hoseok foi autorizado a entrar. O médico pediu que ele não se impressionasse e que tentasse manter a calma. O ômega abriu a porta e viu a cama de Taehyung sendo iluminada pela claridade do sol através de uma cortina que tinha sido colocada ali. Caminhou tentando não chorar e parou ao lado da cama pegando na mão do amigo.

 

Quando sentiu o toque, Taehyung abriu os olhos e sorriu fraco. Ele havia saído do coma, estava respirando sem ajuda das maquinas e sua pele tinha recuperado um pouco da tonalidade dourada que lhe era característica. Hoseok deixou as lágrimas rolarem pelo rosto mostrando a felicidade que sentia, não conseguia mais controlar a emoção e beijou o outro na testa.

 

 

      − Seja bem vindo de volta meu amigo. 


Notas Finais


Bem amores, agora a fic está perto do fim. Espero que de tudo certo com esse retorno do Tae e que os bebês nasçam saudáveis. Estou com o final pronto então só preciso terminar de escrever mesmo os capitulos até o derradeiro. Prometo que não farei vocês chorarem... nah mentira. Não prometo nada kkkkkkkk

O aviso que quero dar a todas é que estou pensando em excluir uma fanfic minha. Por Trás das Câmeras foi uma fic que escrevi por ter aceitado um desafio no twitter mas não gostei do resultado final. Eu fiz besteira quando comecei a escrever esta fic junto com PTDC e perdi o rumo deixando o fim bastante perdido. Não sei se vocês leram a fic mas tem partes dela que até me agradaram, aquelas onde o Tae fala sobre os golfinhos e umas outras coisinhas lá. De resto achei bem bosta mesmo e tô pensando seriamente em excluir.
Não seria para arrumar e repostar, seria para exterminar mesmo, apagar, deletar. Não tem muitos favoritos o que não seria tão anormal para uma fic minha né, mas não tenho nem uma capa decente para ela então sabe quando nada te agrada e tu fica: humm será que vale a pena deixar postada? É assim que tô no momento.
Fiz a fic com ajuda de uma pessoa e acabou se tornando legal enquanto escrevia, mas aquele final eu detestei. Bom ainda estou decidindo mas se por acaso vocês perceberem que ela sumiu já sabem o motivo.

Outra coisa. Se alguém aqui leu A Ilha, meu bebê que amo demais, saiba que ela vai ser betada. Eeeeehh!!!!!! Pois é, com esses últimos casos de banimento do Spirit por causa de fanfics e tals eu resolvi enfim conseguir uma beta maravilhosa aqui e ela vi ser betada para não correr o risco de ser excluida. Pretendo fazer isso com todas na verdade mas comecei por essa por ser minha mais querida e favoritada no Spirit.

Mais um aviso antes que me esqueça. Tenho perfis no Wattpad e Inkspired que fiz para repostar as fics lá caso realmente corresse o risco de perdê-las aqui, o que também não sei se vou manter. Não tenho curtidas nessas plataformas e sou bastante neurótica quanto a isso. Se você que está lendo estes avisos me acompanha a algum tempo já sabe como sou com isso né. Tenho uma amiga que diz que favoritos não quer dizer que a fic é boa mas pra mim é MUITO importante a quantidade que aparece viu. Fico bem triste quando me dedico a uma estória e amo o resultado final mas não vejo retorno disso. Pétalas é minha ultima One Shot e foi um caso desses como vários outros. Ainda estou vendo se excluo os perfis ou simplesmente não posto mais lá.
Provavelmente A Marca será minha ultima fanfic ou a ultima antes de entrar em um longo hiatus. As idéias estão sumindo da minha cabeça e não tenho nenhum plot para desenvolver :'( to sad com isso viu

Bem acho que dei todos os avisos que queria. Disse que era um e olha só, foram 4 e um comentário kkkkkkk

Fiquem saudáveis, bebam água e até breve. Kissus


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...