História A marcada - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Inuyasha
Tags Inuyasha, Rin, Sesshoumaru
Visualizações 471
Palavras 3.405
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fantasia, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Yoooo!!
Perdão novamente pela incrível demora. Gente , eu amo escrever. Minha mente fervilha tanto de ideias que as vezes é difícil relachar kkk. Ma so tempo não me ajuda depois da maternidade. Queria ter postado ainda esse fim de semana mas não deu. Porem está aí . Não vou revisar por que quero postar logo , então perdoe os erros que passarem. E estou sentindo falta de gente cometando aqui viu! Pessoas que vinham sempre e estão sumidas. Da um oi aí ora tia Kagura e não me abandonem onegai!!

Sem mais , boa leitura .😘

Capítulo 34 - Novidades anunciada


Rin


- Casar ? - Indaguei surpresa me virando para encarar os olhos dourados do youkai. 


- Sim. O mais rápido possível. - Respondeu com a calma de quem diz que o céu é azul.


- Mas ...assim , de repente? Acabamos de contar a verdade para o Senji... e ...caramba! Não acha que está sendo rápido demais? - Digo meio agitada me levantando e pegando minhas roupas espalhadas pelo chão afim de me vestir. 


- Rin , minha querida , nosso modo de viver não é como o de qualquer humano comum. Não motivos para esperar. Quando um Dai Youkai encontra sua marcada , ele tem toda certeza do que fazer, e eu já havia descidido isso a muito tempo atrás. Iremos nos casar , você e Senji virão morar comigo. Seremos uma familia. - Se explica tocando no meu rosto vestido apenas em sua cueca box branca.


- Acho que... a cinco anos atrás eu já tinha concordado com isso não é? - Digo baixo quando a realidade de ter tido minha memoria roubada cai sobre mim como um tapa. Olho para minhas mãos segurando a camisa vermelha. 


- Na verdade sim. Na época , já havia mandado um servo meu informar o conselho youkai sobre nossa união. Porem , houveram contratempos que impediram a consumação do pedido. Mas agora , iremos pessoalmente , já que estamos aqui no Japão.


- Conselho youkai? Existe um? - Pergunto curiosa. 


- Sim existe , e para que diante de todos os youkais nosso casamento seja válido , devemos informar , já que se trata de uma humana e um youkai. Não se preocupe , será rápido. - Diz pegando a camisa e jogando sobre os ombros. 


- Sabe , eu gostaria muito de me lembrar. Me lembrar do passado , da nossa história. As vezes me sinto perdida. Você e outros falam de coisas que aconteceram comigo , com eles coisas das quais em não sei. É como se não fosse eu mesma.- Digo tocando a pedra em forma de lua no colar em meu pescoço. Nem desse detalhe sou capaz de me lembrar.


- Há também muita dor em seu passado Rin , coisas das quais seria melhor que você não se lembrasse. -  Replica.


- Eu sei. - Digo dando um longo suspiro. - Mas mesmo assim , talvez valesse a pena. Se houvesse uma maneira de...recuperar o que foi esquecido , anular esse feitiço do Naraku...


- Talvez tenha uma maneira...- Murmurou o prateado olhando um ponto qualquer parecendo perdido em pensamentos. Eu me sinto esperançosa e o encaro animada.


- Verdade? e qual é? podemos tentar? - acorda de seu transe com olhar sério , depois de alguns segundos me responde.


- Não Rin , é muito arriscado , uma humana como você provavelmente não suportaria. - Diz resoluto.


- Mas o que é me diga ? Questiono pegando em seu braço. 


- Não Rin. Esqueça isso. Infelizmente não ha como recuperar suas memorias , porem faremos novas , e de muitas alegrias. - Diz beijando minha testa. Eu não me dou por vencida ainda , porem sei que agora não adianta insistir , ele não dira nada. Só então me dou conta de um detalhe que deixei escapar.


- Ei... mas eu não concordei em me casar com você! Na verdade você nem me pediu! - Constato com a mão na cintura. Ele da um meio riso e se aproxima pegando em meu queixo. Eu confesso que mesmo tentando disfarçar , não tem como não ficar admirada com a beleza do youkai. Cada traço bem desenhado , os olhos dourados misteriosos e profundos , os labios tão bem feitos e rosados. Os fios prateados caídos sobre os ombros. Lindo demais.


- Não preciso menina. Você não tem escolha , pois és minha. Está acorrentada a mim. E não importa o que diga ou faça , seu destino é estar onde eu estiver. - Diz rouco e beija meus lábios com suavidade , logo se afasta seguindo porta a fora me deixando para trás embasbacada. Que porra foi essa? Fiquei como uma idiota deslumbrada. Bufando indignada , termino de me vestir.

Já em casa , me peguei pensando em toda essa historia de casamento. Como farei para contar a meu pai e Senji? Na verdade talvez , apenas eu esteja assim tão surpresa com a rapidez do meu relacionamento , afinal , June , Ronnie e meu pai já tem conhecimento sobre toda nossa história. Fico deitada na cama olhando o forro de gesso enquanto meus pensamentos viajam. Como terá sido nosso primeiro encontro? Eu tive medo? Ele me tratou bem sempre? Ou será que foi cruel? Quando descobri que o amava? Como foi nossa primeira vez? Quando nos separamos , eu lutei mesmo contra monstros? Tantas dúvidas. Sinto uma inconformidade crescer cada vez mais dentro de mim quando penso no passado. Quando penso na parte mais decisiva da minha vida , e que simplesmente foi arrancada da minha cabeça.


No dia seguinte , era sexta-feira , liguei para meu pai sentindo os batimentos cardíacos se elevarem com a intenção do que faria. Era o primeiro passo que daria para seguir adiante junto com minha própria familia. A cada bip da chamada , eu mordia uma unha minha. Meu coração tem que ser mesmo muito saudavel , caso contrario eu já teria tido um infarto com certeza nesses últimos meses. 


- Alô filha. Tudo bem?- Ouço a voz rouca e animada do meu pai do doutro lado da linha.

- Ahh...oi pai. Ta tudo bem. Olha eu queria que você viesse hoje aqui em casa depois do trabalho. Tem ... algo importante que quero lhe contar. -Digo tentando não gagueijar. Ouço o ex caçador murmurar uma concordância meio suspeita.

- Não pode me adiantar do que se trata?-Questiona me sondando. Meu pai me conhece bem , e sabe arrancar de mim o que quer.

- Melhor não pai! Não se preocupe , não é nenhuma tragédia. Eu espero...- murmuro sentindo medo da possível reação do meu pai.

- Então OK.  Saio mais cedo hoje , a senhora Aiko já me liberou , mas tenho umas coisas para acertar no jardim. Nos vemos mais tarde. Até filha. 

- Até mais papai. 

Desligou o celular e dou uma profunda suspirada. Agora é me preparar para contar a minha família sobre meu ...casamento. Ainda bem que ecacabeçamais cedo , mandei mensagem para June pedindo que ela e Ronnie também viessem. Ambos estão radiantes com a descoberta da gravidez da youkai. Todo o medo que June sentiu no inicio se foi quando contou a Ronnie que ele seria pai , e o loiro caiu em prantos de alegria. Estou muito feliz por eles , meus amigos merecem serem felizes , e os admiro pois não deixam as diferença entre youkais e humanos os atrapalharem.

Quando chegou o fim da tarde , já podia ver as cores vibrantes do pôr do sol pintando o poente. Meu coração acelerava cada vez mais enquanto andava de um lado para o outro da minha sala ainda com a roupa que cheguei do trabalho , repetindo na minha cabeça meu discurso para meu pai. Senji assistia algo na TV alheio a tudo mastigando uma maçã. Não permiti que Sesshoumaru viesse , achei melhor serem apenas nós. Se por acaso meu pai não concordar , não sei se o conde reagiria calmamente , e para evitar possíveis conflitos , pedi que ele não viesse.

- Tá... eu posso fazer isso de boa. Todo mundo vai aceitar! Tomara...- digo a mim mesma tentando me animar , mas não deu muito certo.

Dou um pulo de susto quando a campainha toca , com certeza é o pessoal. Vou até a porta encontrando os três , os cumprimento meio nervosa e sob olhares desconfiados entramos em casa. Senji abraça a todos se demorando com o avô que o pendura num braço só o girando no ar. As vezes me pego admirando o vigor do velho Calebe. Quero dizer , nem tão velho aos seus recentes cinqüenta atolhadasbanja jovialidade e força. Mantem o mesmo corpo forte e ágil de sempre , o que denuncia sua idade é apenas os cabelos grisalhos e a barba cerrada que lhe dá um ar rústico. 

Depois que todos nos falamos, pedi que se sentassem. June me olhou apertando os olhos enquanto alisava a minúscula barriga que começava a despontar. Ronnie se espalhou no sofá me encarando ao lado de meu pai. Senji estava sentado no chão meio desinteressado na conversa que iria se iniciar. Me sentei no braço da poltrona diante deles e pus uma mecha de cabelo atrás da orelha respirando fundo. É agora.

- Então pessoal. Eu... chamei vocês aqui porque precisava comunicar algo importante . Diante de tantos acontecimentos recentes , muita coisa mudou ...e... bem vocês sabem , Sesshoumaru e eu... toda a complicada história desde o Canadá...

- Vá direto ao ponto filha. Tá enrolando demais. - Me interrompe meu pai já sério cruzando os braços forçando a camisa xadrez vermelha meio suja de terra. Engulo em seco , acho que ele já desconfia. 

- Tá. Bem... eu tomei uma decisão. Pelo bem de Senji ... e meu também , vou me casar com o Conde Taicho. - Solto de uma vez e observo a cara de surpresa de todos , menos meu pai.

- Sério mamãe!!!- Senji é o primeiro a se manifestar dando um pulo e correndo na minha direção. - Vamos ficar com o papai? Como uma família normal?  - Diz animado agarrado no meu pescoço. 

- Bem filho... normal eu não teria tanta certeza , mas é mais ou menos isso. Ficaremos todos juntos. 

- Ebaaa!!-comemora o garoto.

-Ja era hora minha amiga. Se fosse eu , já estaria agarrada a ele a muito tempo. - Se pronuncia June , e Ronnie lhe dá uma olhada torta.

- Que foi? Ela é a marcada dele. Não tem o que esperar. - Conclui olhando para o loiro com cara de quem diz o óbvio.

- Espero que esteja fazendo a escolha certa Rin. Torço cinceramente para que dê tudo certo. Você merece ser feliz. - Diz Ronnie me dando um belo sorriso terno.

- Obrigado Ronnie. - Digo comovida e volto meu olhar para último a se declarar. Meu pai continua sério de braços cruzados olhando com afinco o piso.

- Pai...- Chamo sua atenção e ele volta os olhos negros na minha direção.

- Rin , você tem mesmo certeza disso?- Pergunta. Eu sinto o coração bater na garganta enquanto nos encaramos.

- Sim pai. É o que eu mais quero.- Digo firme . Ele se levanta com um suspiro e pega minha mão gelada olhando para meus dedos finos.

- Desde o dia que o conde reapareceu , eu soube que esse dia chegaria. Eu sou um homem da terra , das matas , não entendo muito alem das lendas sobre youkais , então você não pode me culpar por temer deixar minha filha com um deles. Eu ainda me culpo por não ter lutado no dia que surgiram na minha porta para te levar para a montanha. Queria ser forte. Forte o bastante para te proteger de tudo o que você passou depois daquilo. Ver você ter uma vida calma e tranquila , como uma moça qualquer teria. Não é segredo que ainda não engulo o tal Taicho , mas já percebi que ele te ama , e é o pai do meu neto. Também já notei que o destino está do lado de vocês , então como pai , só resta rezar para que Deus te abençoe e te conceda felicidade. - Nesse momento eu já estava em lágrimas , que desciam sem piedade por minhas bochechas. Meu pai afagou meus cabelos como se fosse ainda aquela moleca que corria atrás dele no meio da mata , seu olhar terno estava calmo. Me abraçou forte , e me encolhi no peito do meu pai. - Tem minha bênção filha. - Sussurrou no topo da minha cabeça.

- Obrigada papai. - Disse meio atrapalhada entre sorriso e choro. 

- Mas por que aquele desbotado não veio pedir sua mão? Que falta de respeito!!- Disse se fazendo de bravo. Eu sorri me afastando .

- Para pai! Eu pedi pra que ele não viesse , não queria que vocês acabassem talvez se desentendendo. 

- É bom mesmo! eu teria dito umas boas pra ele! Ora essa! Eu não tenho medo dele! E chamo o desbotado de covarde mesmo , digo aqui e mais longe , se me perguntar eu nego! - Completou e todos gargalhamos.

Depois que nos recuperamos de todo aquele clima tenso , fiz o jantar e todos comemos yaksoba e bebemos um refrigerante gelado pra comemorar , afinal tínhamos uma grávida e uma criança no meio. Senji depois que ouviu a frase " casar com Sesshoumaru" não viu nem ouviu mais nada , só sabia comemorar e procurou sem parar meu celular para ligar para o pai. Ele está imensamente feliz , e por isso estou também. Não posso negar que depois de falar com minha família , pude em fim me sentir mais tranqüila com os planos futuros. No fim da noite quando todos se foram , liguei para o conde , e contei sobre os acontecimentos. Conversamos por muito tempo , e me senti feliz em imaginar nós três vivendo juntos. Estava cada vez gostando mais da ideia de ser oficialmente a esposa do grande youkai.

Era sábado , mas como ordenado , não pedido por Sesshoumaru ,  me levantei cedo e cuidei de organizar Senji para ir ficar com Ronnie e June já que meu pai vai trabalhar na mansão onde cuida do jardim de uma jovem viúva , pois eu e o conde iremos ao tão temido conselho youkai.

De calcinha e soutien , reviro meu guarda-roupas de cima a baixo tentando encontrar algo que seja adequado ao ambiente. Mas o que raios seria adequado para esse lugar?  Por fim opto por um vestido tubinho  preto de mangas curtas e decote alto. Básico  social é  menos arriscado  errar.  Prendo um coque alto , um par de brincos longos , batom rosado suave , sombra nude , rimel e delineador.  Menos é  mais nessas situações  . 

Após  deixar Senji com a tia June , segui para o ponto de encontro , o que achei super estranho , um shopping no centro da cidade. Depois de um tempo , que pareceu eternos no trânsito  , cheguei  ao local marcado seguindo para o estacionamento. Quando finalmente manobrei nervosamente o carro na vaga do estacionamento,  desliguei o motar e ouvi o celular  tocar  na bolsa no banco do carona. Logo vi na tela o nome de Sesshoumaru. 

- Estou aguardando você  na saída.  - Ouvi a voz grave do youkai do outro lado .

- Como vo -

- Aqui à  sua esquerda.  - Conclui  me interrompendo.  Eu olho a minha esquerda e vejo sua figura imponente parada com um casaco  negro com uma mão  no bolso  do mesmo.  Ao perceber que o vi desliga o celular o colocando no bolso.

- Mas como?..- Murmuro ainda chocada em como ele me encontrou assim tão rápido.  Tiro o celular desligado da orelha e enfio na bolsa ja desistindo de tentar entender como ele sempre me encontra e todos os mistérios  que envolvem o conde Sessoumaru Taicho.

Sai do carro agarrada a minha bolsa  de mão,  ajeitei  a saia do vestido justo enquanto caminhava me equilibrando  sob os saltos agulha  da sandalia trançada  preta. Senti os olhos dourados me observando com atenção  de cima abaixo enquanto me aproximava  , e tudo que eu conseguia pensar era em rer cuidado pra não  tropeçar.  

- Oi. - Disse parando a sua frente um tanto nervosa . Com o rosto indecifrável  de sempre , ele se inclinou  pantando um beijo suave em meus lábios.  Como sempre , meu pobre coração  dispara. 

- Está  linda minha menina. - Rouqueijou em minha orelha  e o senti aspirar meu perfume  me fazendo arrepiar  todo o corpo.

-O-obrigada. - Repondi tentando manter a postura. 

- Vamos , ou perderemos a hora. 

Seguimos para seu carro , e de la dirigimos por mais uns vinte minutos e eu ja estava uma pilha de nervos. Ele preferiu que chegassemos juntos pois o ambiente próximo  do conselho ja é cheio de youkais. Segundo ele, não  quer me disputar com ninguem , mas não  sei bem o que ele quis dizer. 

Paramos diante de uma enorme construção  , um prédio  antigo com a aparencia das grandes construções  européias.  Era semelhante  a uma cúpula  , bem trabalhada  em seus detalhes.  Ao sair do carro , pude ver a entrada acima a escadaria com enormes letras douradas .

- Biblioteca global Atlas ? É  aqui? - Indaguei olhando  para o conde lindamente impecável  ao meu lado.

- Sim. Não  esperava um letreiro dizendo , Conselho youkai mundial , esperava? - Me respondeu  torcendo o lábio  num sorriso meio arteiro , o que era novidade pra mim.

- Bem ,claro que não  ! Mas por que uma biblioteca? - continuo  curiosa e começamos a andar em sua direção. 

- Na verdade  , esta biblioteca é  uma ONG  mundial ,onde pessoas influentes  mantem um acervo  de conhecimento  como diz no letreiro , global. Está  disponível  a todos e gratuitamente.  Um acervo gigantesco  de sabedoria de séculos  pelo  mundo. Também  tem participação  em doações  de livros por todo o mundo assim como doações  financeiras para custear  universidades por vários  países . Mas na verdade  , é uma fachada para o conselho , assim não  se estranham as pessoas  de diversos lugares  que frequentam  o local.  

- Nossa. Mas continuo achando o título  muito simples. - Pondero olhando novamente  o letreiro  dourado. Pessoas japonesas e alguns parecidos com turistas vão  descendo a escadaria de pedra , alguns nos olham estranho , outros parecem nem se importar. 

- Acredite , essa era a intenção.  A propósito  Rin , tem algo que queria lhe falar. - Diz Sesshoumaru pagando  minha  mão  livre. Eu me viro curiosa olhando seu rosto alvo.

- E o que é? 

- Seu pai. Ele me procurou ontem. - Diz calmo olhando  pra frente elegantemente. Eu arregalo os olhos surpresa.

- Como é?! - Digo alto demais fazendo algumas pessoas nos olharem . Me recomponho meio envergonhada.  - Como assim ? O que ele queria?

- Ele encontrou minha residência  , queria falar comigo. Apenas pediu para que cuidasse  bem de sua única  filha. Ele teve coragem  , me olhou bem nos olhos quando me fez um monte de alertas  tolos , mas compreensíveis.  

- Vo- você  não  fez nada a ele fez? - Pergunto inquieta agarrada ao seu braço.  Ele volta  as orbes âmbares para mim tranquilo. 

- Não.  Apesar de que em alguns momentos tive vontade.  - Confessa  e eu fecho a cara. 

- Sesshoumaru!  Ele é  meu pai! - Ralho brava.

- E por isso ele está  bem e inteiro. - Completa  com desden. -  Ele me fez um pedido  em especial , e concordei em acatar.  

- E qual foi? - pergunto ainda mais curiosa.  Não acredito que meu pai foi ver o conde.

- Ele quer que você  tenha uma cerimônia  de casamento  , aos costumes  humanos. Deseja ver sua única  filha se casar  , leva- la ao altar.  Então  disse que se assim você  tambem desejar , assim será.  

 Eu parei no topo da escada pasma . Meu pai quer me ver casando. Acho que em meio a uma vida tão  conturbada  , eu devo isso a ele , e a mim também. Sesshoumaru parou um passo  a minha frente e soltou minha mão. Senti o vento fresco da manhã  passar  por meu corpo  , como uma leve  carícia.  Os fios prateados  do belo  youkai voavam levemente  , seu olhar  tentava invadir meus pensamentos. 

- O que você deseja Rin? - Questiona  impassível. Eu respiro  fundo e sinto uma alegria me invadir.  Irei viver isso , como qualquer  mulher apaixonada gostaria de viver . Cada segundo , da melhor e mais intensa maneira possível. 

- Vamos ter uma cerimônia  então  , senhor conde. - Digo e observo um pequeno  sorriso iluminar seu belo  rosto. Me estende a mão  forte gentilmente  , e sem demora a pego sentindo seu calor aconchegante. 

- Assim será.  Porém antes  , enfrentaremos  o costume youkai. Te farei minha esposa entre homens  e youkais. 

Olho para as grandes portas de madeira antiga e bem conservada,  pilastras brancas marcam a entrada alta e luxuosa.  Quando passar  desse portal , entrerei em um novo mundo. O mundo que desconheço  , o mundo youkai  de Sesshoumaru.









Notas Finais


Então , eu ia descrever mais sobre i conselho e a tragetoria de Rin la dentro neste capítulo , mas ia ficar muito corrido ou extenso demais. Então fica pro proximo que ja vou começar! E o casamento quero ter espaço pra abusar bem desse momento , inclusive a noite de núpcias claro 😈hehe.
Deixe seu comentário , e importante pra mim. Bjooo e até breve,!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...