1. Spirit Fanfics >
  2. A Marquesa Falida >
  3. Chapter 12 - Take me so high

História A Marquesa Falida - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura!!!

Capítulo 12 - Chapter 12 - Take me so high


Fanfic / Fanfiction A Marquesa Falida - Capítulo 12 - Chapter 12 - Take me so high

Naruto Uzumaki


Naquela doce manhã abençoada pelos anjos, segundo Sakura, nada poderia dar errado. Os últimos dias haviam sido muito intensos, e após alguns dias buscando a melhor forma de controlar o desastre que os Uchiha haviam lhe causado, ela entrou em um consenso com seu primo Sai e juntos decidiram que era melhor contratar um especialista em finanças para os ajudarem com a quebra repentina da empresa.

O escolhido havia sido Deidara Smith, que havia sido muito bem indicado por uma amiga próxima de Sakura que morava nos EUA. Segundo ela, não tinha uma crise que Deidara não conseguia resolver, seus níveis de sucesso eram impressionantes e a satisfação dos clientes também contava muito para ampliar o belo currículo que o homem possuía.

— Esse homem tem que ser perfeito no que ele faz. — Sai comentou bebericando seu café, enquanto lia mais e mais papéis sobre finança.

Sakura estava focada na papelada que estava em cima de sua mesa de escritório, havia marcado de encontrar com o novo gerenciador de crises de sua empresa num café próximo dali, mas gostava de estar a par sobre o que trataria com seu novo funcionário.

— Você deveria vir comigo, é o responsável pela contabilidade. — Sakura diz séria. — Além do mais, você é melhor nisso do que eu. — Ela admite a contra gosto.

Sai era um homem difícil de lidar, por sua língua solta e sua personalidade antisocial, mas Sakura o achava mais competente que qualquer outro, e isto incluía ela mesma. Sabia lidar com pessoas, mas os números eram da ossada de Sai, e por isso mesmo ele era tão essêncial quando se tratava de negócios.

— Implore mais, gosto muito disso. — Ele responde irônico. Sakura revira os olhos. — Aliás, ouvi sobre o que aconteceu entre você e o Uchiha mais velho, espero que esteja tudo bem... — Sai não era de se importar com problemas alheios, mas ele estranhamente não gostava de ver sua prima tão pra baixo como nos últimos dias.

Sakura se levanta pegando o chapéu e se volta novamente para ele.

— Querido primo, nós dois sabemos que você não se importa. — ela sorri baixo. — Deveria estar mais preocupado com a sua vida amorosa inexistente. Agora levante esse traseiro daí e vamos embora logo!

Sai levantou a contra gosto e seguiu sua impetuosa prima até a saída, onde encontraram com Karin e Shisui conversando animadamente na sala de estar.

— Vão sair? — Karin pergunta curiosa.

— Vamos encontrar com nosso novo gerente de crise. — Sakura responde. — Aliás, onde estão Naruto e Hinata?

Karin suspira.

— Hinata saiu com a mãe e Boruto, e Naruto precisou sair logo cedo, não disse para onde.

Sakura sabia que Naruto ainda estava correndo atrás de um empréstimo no banco, mas somente ela e Hinata sabiam. O que para Sakura era uma tolice, já que Karin nunca iria se importar em ajudá-lo com problemas financeiros. Mas, ela prometeu que não diria nada, e mesmo odiando mentir para Karin, ela continuava sem se meter nas escolhas do seu melhor amigo.

— Sakura! — Shisui a chamou.

— Seja o que for estou atrasada Shisui, quando voltar conversamos. — Ela responde rápida já pegando a maçaneta da porta.

Shisui corre na sua direção e lhe entrega uma carta.

— Izumi quis que eu lhe desse isso. — Ele explica.

Sakura pega a carta sem muita vontade e sorri forçado para Shisui antes de sair acompanhada de Sai.

O café Le Petit não era longe da mansão Haruno, então Sakura decidiu que queria ir caminhando mesmo atrasada. Obviamente que Sai não questionou, afinal ela tinha acabado de receber uma carta de conteúdo duvidoso, e duvidava muito que fosse algo que alegrasse seus pensamentos. Os dois caminharam por cerca de cinco minutos em completo silêncio até atravessarem a rua e chegarem ao café mais chique que havia em Paris.

Sai abriu a porta para que Sakura entrasse e logo os dois avistaram a figura loira e alta de Deidara Smith descrita por Ino, amiga americana de Sakura.

— Senhor Smith. — Sai é o primeiro a cumprimentar o homem que logo se levantou pegando a mão estendida do moreno. — Sou Sai Shimura, e está é a marquesa de Pompadour, Sakura Haruno.

Deidara apertou a mão educadamente da mulher e sorriu cordial aos dois.

— É um prazer finalmente conhecê-los, Ino foi bem vaga sobre a situação atual da empresa de vocês, então gostaria de estar a parte de tudo antes de montar a melhor estratégia para ajudá-los. — Ele dizia confiante.

Sakura de cara gostou do loiro, ele era sério, mas educado, era bonito, mas discreto, e principalmente parecia ser extremamente profissional.

— Perfeito, então vamos direto ao que interessa. — Sakura por fim disse.

Os três ficaram no café por cerca de uma hora discutindo sobre os percalços que a empresa da família vinha sofrendo desde a compra do terreno que eles precisavam. Deidara se mostrou bastante profissional e concentrado no assunto da empresa. Ele se mostrou rápido em adquirir soluções, e até mesmo Sai ficou fascinado pela competência do homem.

Após longas conversas sobre trabalho, Sai teve que ir embora para dar início as transações futuras da empresa, deixando somente Deidara e Sakura sentados no café.

— Perdão pelo comentário mas, o que levou a empresa dos Uchiha comprar aquele terreno? Pelo que notei sobre eles, não era algo de suma importância para os negócios da família. — Deidara comenta curioso.

Sakura sorri fraco.

— Digamos que eles não gostam muito de mim. — Ela responde sincera. — Posso dizer que entre eles apenas uma pessoa teve a boa vontade de me conhecer sinceramente. — ela se referia a Sasuke. — Ele é um bom homem, apesar de achar o contrário muitas das vezes.

— Vocês parecem próximos!

Sakura dá de ombros.

— De certa forma. — ela suspira. — Mas e você? Ino me falou apenas do seu profissional, mas nada que você já não tenha mostrado hoje.

Deidara sorri contido, ele parecia ser um pouco frio em comportamento, o que só lhe deixava mais atraente.

— Sou uma pessoa reservada e completamente viciado em trabalho. — ele sorri mais um pouco. — Me mudei para França tem alguns meses, então não tive tempo de conhecer muitas pessoas ainda.

— Bem, você me conhece agora, sou conhecida como a boa amiga de todo mundo.

Deidara havia gostado do jeito espontâneo com que Sakura lidava com tudo, mas lá no fundo ele notou através do sorriso dela uma mágoa contida. Uma mulher tão bonita quanto ela não deveria ser nada além de feliz ao seu ver, ela certamente teria o mundo se assim quisesse.

— Bem, creio que devamos ir agora. — ele chama um dos atendentes para pagar a conta. — Tenho muito trabalho ainda, e acredito que não devo mais tomar seu precioso tempo também.

Sakura sorri agradecida.

— Espero que nós possamos sair mais algumas vezes além de trabalho, quero te mostrar o melhor que Paris tem a oferecer.

Após pagar seu café, Deidara e Sakura caminham em direção a porta principal, onde são surpreendidos por outras duas figuras que Sakura certamente não tinha vontade de ver naquele dia.

Itachi ficou parado segurando a porta para Izumi por breves segundos após olhar Sakura na sua frente. Izumi foi a primeira a quebrar o gelo entre os dois cumprimentando a marquesa.

— Bom dia senhorita Haruno. — Ela diz educada.

— Bom dia senhorita Poulin, senhor Uchiha... — Sakura cumprimenta sem muita vontade. — Se nos derem licença.

Deidara sorri cordial aos dois e em seguida abre a porta para que ela passasse sob o olhar mortal de Itachi sobre si.

— Você está bem? — Deidara pergunta preocupado com a feição entristecida da rosada já do lado de fora do café.

Ela sorri falsa.

— Perfeitamente.


...


Naquele dia mais tarde...


Algumas coisas pareciam estar estranhas desde a saída de Naruto naquela manhã. Mesmo sendo melhor amigo de Sasuke Uchiha desde a época de faculdade dos dois na Inglaterra, que um conhecia o outro na palma da mão sem precisão de dizer nada. Mas, estranhamente naquele fim de tarde enquanto os dois caminhavam por um dos parques que havia ali próximo, Sasuke não conseguia decifrar o que passava na cabeça de seu melhor amigo cabeça dura.

Antes de hoje ele diria sem pensar duas vezes que o problema ainda tinha haver com Karin, mas Naruto parecia ter problemas maiores do que relacionamentos fracassados.

— Você disse que precisava da companhia masculina de seu melhor amigo, mas estranhamente não falou nada desde que eu te busquei no banco mais cedo. — Sasuke comenta tentando puxar assunto.

Naruto parecia cansado, e seu grande sorriso acolhedor já não estava mais frequente como antes.

— Eu só queria companhia para caminhar em silêncio. — ele responde sem vontade. — Aliás, você deveria gostar do meu silêncio, já que geralmente é você quem pede que eu pare de falar. — ele sorri fraco.

Sasuke passou a mão pelo cabelo agora definitivamente preocupado.

— Eu te conheço a tantos anos que fica ridículo essa frase vindo de você.

Naruto sorri.

— Não irônico? — Sasuke o olha com estranheza enquanto os dois sentavam ao lado um do outro próximo a uma árvore com uma bela vista para o pôr do sol. Naruto continua: — O pôr do sol está ridicularmente bonito hoje, você não acha?

Sasuke se vira para o horizonte confuso.

— Vai me contar que merda está acontecendo, ou, vou ter que advinhar? — O moreno questiona levemente irritado. — É a Karin de novo?

— Karin não faz parte dos meus problemas. O que nós tínhamos que dizer um para o outro, já dissemos... Estou passando por dificuldades financeiras, é só isso!

— Que tipo de problemas seriam estes a ponto de levá-lo ao banco?

Naruto suspira se pondo de pé.

— Um outro dia eu te conto, agora vou pra casa ficar com a minha esposa e meu filho.

Sasuke segura o braço de Naruto.

— Sabe que se precisar de mim para alguma coisa não precisa hesitar em pedir. — Ele também se levanta. — Sou seu melhor amigo, e acredito que são nessas horas difíceis que um amigo tem que realmente mostrar seu valor ao outro, afinal o que seria de você sem mim? — Naruto sorri agradecido. — Eu te acompanho até em casa.

— Essa desculpa de me acompanhar é só para ver a Sakura? — Naruto pergunta malicioso. Sasuke bate em seu ombro. — Notei que os dois se aproximaram muito desde que foi anunciado o casamento do seu irmão com Izumi.

Sasuke revira os olhos entediado.

— Nos tornamos bons amigos sim, o que tem de mais nisso?

— Sendo apenas uma amizade sincera, não vou me opor. Mas, não considere-a uma qualquer nem por um segundo, se não eu acabo com você.

— Sua falta de fé em mim me choca. — Sasuke responde irônico. — Agora pare de falar asneiras e vamos de uma vez.


...


Sakura sua cama segurando a carta de Izumi destinada á ela desde cedo, sem vontade alguma de abri-la e ler o conteúdo que havia naquelas palavras. Seu olhar estava perdido pela decoração neutra de seu quarto branco, e entre um suspirar ou outro, ela finalmente abriu a carta de Izumi para si.

Os olhos de Sakura percorreram lentamente pelas seguintes palavras: — “Sei que deve ser estranho eu estar lhe escrevendo uma carta desta maneira informal, mas desde a última conversa que eu tive com Itachi, percebi que os dois compartilham sentimentos iguais um pelo outro. Não procuro sua infelicidade Sakura, tanto que apesar da humilhação que eu senti na noite do baile á fantasias eu mesma o incentivei a procurá-la para esclarecer a situação de vocês. Itachi é um bom homem, e sei que apesar de nos faltar amor á princípio, nossa união será benéfica e instável, por isso lhe escrevo para pedir que o deixe em paz, a situação que você o coloca diariamente só torna as coisas ainda mais difíceis para ele, portanto, sugiro que pare agora e siga sua vida da melhor maneira, com alguém que realmente a queira. Sei que não tenho o direito de lhe pedir tal coisa, mas sei que como mulher você entende minha posição nesta união, então ficarei imensamente grata se daqui por diante você fizesse sua parte nos evitanto o máximo possível.” — Sakura sorri desacreditada após terminar sua breve leitura.

— Quem ela pensa que eu sou? — Sakura murmura sozinha.

— Falando sozinha?

Sakura se sobressalta sentada na cama encarando a pessoa na porta de seu quarto.

— Céus Sasuke, que susto! — Ela responde se levantando. — O que faz aqui a está hora?

Sasuke permaneceu parado na porta do quarto de Sakura para evitar constrangimento.

— Estava até agora a pouco com Naruto, então pensei em passar aqui para cumprimentá-la antes de ir embora. — ele responde. Sakura assente suspirando baixo. — Aconteceu alguma coisa? Você parecia indignada enquanto lia alguma coisa...

Sakura esconde rapidamente a carta de Izumi atrás das costas e sorri falsa.

— Problemas de trabalho. — Ela mente. — Você gostaria de beber alguma coisa antes de ir embora?

— Bem que eu gostaria, mas eu realmente preciso ir embora. — ele a puxa para mais próximo de si a pegando de surpresa. — Mas ficarei feliz em levá-la para jantar qualquer dia que você estiver disponível.

Sakura toca o rosto dele sedutoramente entrando no jogo.

— Esse é o seu papinho para conseguir uma mulher senhor Uchiha? — ela brinca.

Ele a pega pela cintura e sorri de canto deixando-a vermelha. — Eu não preciso de meias palavras para conseguir uma mulher, senhorita Haruno.

Sakura engole a seco sentindo seu rosto queimar pela proximidade. Sasuke quando visto de tão perto quanto naquele momento, era desconcertantemente bonito, e ela odiava como ele conseguia deixá-la constrangida sem nem se esforçar.

“Malditos irmãos Uchiha!” — Pensou ela.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...