1. Spirit Fanfics >
  2. A menina do vestido florido >
  3. Willow Hoult

História A menina do vestido florido - Capítulo 18


Escrita por:


Notas do Autor


OLÁAAAA, para esse capítulo cheio de clichês e romance eu sugiro muito que vocês escutem Rare da Selena Gomez — aliás escutem o álbum inteiro — e Treacherous da Taylor Swift, além das músicas citadas nele.

Capítulo 18 - Willow Hoult


Fanfic / Fanfiction A menina do vestido florido - Capítulo 18 - Willow Hoult

 

         

 

            Era quarta-feira e nós estávamos quase no fim do período de química, quando escutamos um som muito alto vindo do corredor. Era uma música. I Want it That Way do Backstreet Boys, para ser mais específica. Instantaneamente todos saíram de seus lugares e foram ver do que se tratava. E ali estava, Alicia Montgomery, cantando. Ela era parte do coral, então sua voz parecer a de um anjo não surpreendia ninguém. Os cabelos castanhos com suas pontas verdes e as sardas na bochecha a deixavam linda. E atrás dela, em cima de banquinhos, suas amigas seguravam cartazes que diziam “Jamie, você iria ao baile comigo?”. Comecei a sorrir assim que vi a pequena Jamie exalar felicidade.

            Elise veio até mim e nós ficamos paradas, torcendo para que Jam aceitasse. Na verdade, quase todos ali torciam para que ela aceitasse. E ela o fez.

            “Você sabia sobre elas?” Elise indagou.

            “Acho que nem a Jamie sabia.” Nós rimos e o sinal tocou, indicando que deveríamos ir para nossas salas. O show tinha acabado.

            Nos minutos seguintes, durante a aula de inglês, um pensamento não saía da minha mente. 12 garotas foram selecionadas para a entrada de gala. Todas elas já tinham recebido convites grandiosos. Eu não. Eu era a única garota que ainda não tinha recebido uma serenata, um poema lido em voz alta no refeitório ou um buquê de rosas. Não era possível que ninguém me convidaria, era?

            Quer dizer, eu nunca fui uma das mais cobiçadas. Mas sabia de algumas pessoas que tinham paixonites por mim. E, poxa, eu era tão legal. Não queria me sentir insegura, mas não podia evitar pensar que o baile estava a dois dias e eu era a única garota sem um par. E não qualquer par. Eu queria tanto que uma pessoa especifica me convidasse, mas aparentemente, isso nem passava por seus pensamentos.

            O resto do dia passou sem grandes emoções. Estava indo em direção ao meu carro, quando percebi um movimento nos jardins da escola. Conforme me aproximava percebi que chovia em uma pequena área. Mas não uma chuva qualquer, uma chuva falsa e ensaiada. Ótimo, lá vou eu encarar mais um convite pro baile que não vai ser meu. E estava quase dando a volta e indo ao meu carro, quando ouvi a música que tocava. Era Stubborn Love.

            Meu coração começou a bater mais rápido e eu tive que obrigar minhas pernas a se moverem. Uma parte de mim tinha medo de chegar ali e o convite ser para mim, mas não da pessoa que eu queria. Eu não poderia recusar um convite público daquele jeito, seria insensível.

            Demorei alguns segundos para conseguir me desvencilhar da multidão e enxergar quem era a pessoa. E ali, segurando um guarda-chuva amarelo — ótima referência à How I Met Your Mother, aliás — e um corsage, estava Calum Hood. Acho que meu coração falhou por leves segundos quando nossos olhares se encontraram.

            E eu fui me aproximando. Sem deixar que o medo de que tudo aquilo não fosse para mim e eu fizesse o maior papel de trouxa na frente da escola inteira tomasse conta de mim. Àquela altura a água já me molhava e eu já sentia minhas lágrimas se misturarem a ela. Deus, Willow, por que você tá chorando? A quantidade de pessoas ali fazia meu estômago revirar. Parecia algo tão íntimo para compartilhar com tanta gente. Mas assim que Calum sorriu, eu esqueci de tudo.

            Ele usava uma camisa social e gravata, um jeans e um All Star verde. E ele estava tão lindo. Seu sorriso quase me fazia esquecer de respirar. Quando cheguei perto o suficiente ele sussurrou as palavras que eu tanto queria ouvir.

            “Will, você me daria o prazer de ir ao baile contigo?”

            Todo mundo já escutou o famoso clichê de parecer que todas as pessoas no mundo somem quando você está com aquela que faz o seu coração disparar. Mas, naquele momento, esse clichê não funcionava para mim. Eu estava mais desperta que nunca. Era quase como se alguém tivesse injetado adrenalina direto em minhas veias. Eu tinha noção de cada pequeno detalhe. Os olhares curiosos em volta de nós. Conseguia sentir a confusão de meus amigos bem atrás de mim. Sentia com precisão cada pequena gota da água que respingava em minhas costas. Sentia as gotas que escorriam por todo meu cabelo. Mas mais que isso, a respiração de Calum tão próxima de mim e seus olhos castanhos que me fitavam por inteiro. Como eu queria beijá-lo.

            Se eu tivesse que descrever como me sentia não conseguiria. Mas ele me fazia sentir como fogos de artificio. Linda, brilhante, colorida e barulhenta. E eu poderia explodir a qualquer momento. Tudo o que me permiti fazer, no entanto, foi assentir com um sorriso crescente em meu rosto.

            Quase fiquei triste quando a música acabou, mas em seguida começou a tocar um cover de Boys Don’t Cry do Grant-Lee Phillips. E por muitos motivos, eu não queria que aquele momento acabasse. Então simplesmente permiti que ele colocasse o corsage em meu pulso e o puxei para perto de mim.

            Não sei quanto tempo ficamos ali até que a diretora viesse nos expulsar, mas tudo naquele momento foi perfeito. Sabia que eu não conseguiria esquecer tudo aquilo tão cedo. Nossas mãos entrelaçadas perto de nossos peitos enquanto dançávamos lentamente. Ou o beijo singelo que ele deixou em minha testa entes de se afastar.

             Nunca tinha conhecido o amor. Só tive algumas paixonites que passaram depois de um mês. Nunca tinha me interessado por alguém nesse nível de profundidade. Eu queria conhecê-lo. Queria desesperadamente saber como era a sensação de me apaixonar perdidamente por alguém. E mesmo que não soubesse dizer com exatidão como seria, algo me dizia que o que eu sentia por Calum naquele momento era muito próximo da realidade.


Notas Finais


obrigada por ler!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...