História A Menina Nova - Capítulo 22


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Amigos, Festa, Melhores Amigos, Romance
Visualizações 33
Palavras 2.797
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um cap pra vocês! Espero que gostem, boa leitura! ❤️
Quem pegou a referência do título? Sksk

Capítulo 22 - Tapas e beijos


Não sei como mas o Will notou a minha presença e parou o beijo.

Ta: Ah, oi Mily, você tá aí. 

Eu: É eu tô.

Ta: Tá tudo bem?

Will: Então Tamy, que tal a gente ir pro meu quarto? - O fuzilei com o olhar.

Ta: Ok.

Não pude evitar de revirar os olhos. Subi pro meu quarto e abri o notebook, fiz uma chamada de vídeo com o Miguel.

Eu: Oi lindo!

Mi: Oi princesa!

Eu: Como você tá?

Mi: Eu tô bem, só morrendo de saudade.

Eu: Eu também.

Mi: Eu e o Guilherme nos falamos todos os dias, você que se afastou um pouco, mas eu entendo. Falando no Guilherme, ele parece um pouco diferente, sabe de alguma coisa? Eu não sei, parece que ele tá de coração partido, mas não quer me contar nada.

Eu: Uma hora ele te conta, eu tenho certeza. E desculpa por não ter te ligado antes, eu fiquei muito mal. Mas tô feliz que esteja bem.

Ma: Oi Camily! - Apareceu na tela.

Eu: Oi! - Abri um sorriso pra ela que o retribuiu. Ela era linda, seu sorriso também vinha acompanhado por convinhas, como o de Miguel, mas ela só tinha apenas de um lado.

Mi: Sai daqui. - A empurrou levemente. Ambos riram.

Eu: Pleno século vinte um e ainda não tem como abraçar as pessoas que estão longe, que absurdo. - Ele sorriu.

Mi: Pois é, um absurdo desses. Sabe do que eu mais sinto falta?

Eu: De mim, claro.

Mi: Não, dos sorvetes.

Eu: Ei!

Mi: Tô brincando, o sorvete fica em segundo lugar.

Eu: Não sabe mesmo quando você volta? - Ele negou com a cabeça.

Mi: Não, mas eu vou fazer de tudo pra ser o mais rápido possível, sério. Só não quero perder o contato com você, tá? Nem com o pessoal, por incrível que pareça, as vezes eu sinto falta das besteiras que saem da boca do Leo e do Will.

Eu: Pois é.

Mo: Filho, vem jantar. - Abriu a porta do quarto.

Mi: Já vou, pai.

Mo: Espera, essa é a Mily? - Se aproximou - Oi querida! Tudo bem? - Assenti com um sorriso. - Vou ter que roubar o Miguel agora, tá? - Abriu um sorriso.

Eu: Tudo bem.

Mi: Tchau princesa! - Desligou.

Suspirei, se saudade matasse...estava sem nada pra fazer e fui pra casa do Edu.

Eu: O William tá comendo sua irmã lá em casa.

Edu: Não fala como se ela fosse um alimento.

Eu: Você sabe que pro Will ela é só mais uma.

Edu: E pra ela o Will é só mais um também. Eu não me importo com quem minha irmã fica ou deixa de ficar.

Eu: Sei...fala como se eu não te conhecesse.

Edu: Já percebeu que a maioria das vezes que você vem aqui em casa é pra reclamar que o William tá com outra garota? Tô me sentindo a Gaby, isso é mais coisa que meninas conversam.

Eu: Primeiro que eu venho aqui pra te ver, não pra reclamar do William, e segundo que você é o meu melhor amigo gay, só que hétero. - Ele riu.

Edu: Então conta tudo amiga. - Imitou uma menina. Eu ri. - Tô preocupado.

Eu: Com o quê?

Edu: Não é com o que, mas com quem.

Eu: Com quem?

Edu: Com o Leo. É sério, ele anda faltando muito a escola e a aparência dele tá horrível. Acha que ele anda usando drogas?

Eu: Não sei, acho que não. Ele só não tá lidando bem com o namoro da Gaby.

Edu: Espera, você acha que tudo isso é por causa dele?

Eu: É.

Edu: Ciúmes?

Eu: Ciúmes.

O celular dele vibrou e o meu também, olhamos. Mensagem do Jake.

"Ei gente, que tal irmos pra uma festa que vai ter hoje?"

Respondermos que iríamos e assim fizemos.

[...]

Ja: Que bom que vieram, quero apresentar meu amigo, ele organiza essas festas, esse é o Carlos.

Ele apresentou um negro alto e forte, a festa estava sendo em uma mansão gigantesca e a música tocava em todos os andares iluminados, mas onde havia mais concentração de pessoas era no primeiro andar, onde estávamos.

Ca: É um prazer conhecê-los, agora se se me dão licença... - Saiu.

Ja: Ele é um homem muito ocupado, sabe. 

Will chegou com a Tamy.

Ja: Vejo que estamos todos em casais.

Olhei pro Edu, o Edu olhou pra mim, e fizemos uma cara de "Nunquinha" enquanto balançavamos a cabeça em negação.

Eu: Eu e o Edu estamos é de vela. Acho que vou arranjar alguém aqui. - Olhei em volta.

Will: Ou podemos ficar todos juntos.

Eu: Não sei...

Will: Então decidido, vamos ficar todos juntos. 

Eu: Não, não, eu vou arranjar alguém.

Will: Mas...

Eu: Fica quieto que você veio acompanhado.

Edu: Ei!

Eu: Eu te ajudo a arranjar alguém, quer? - Ele assentiu.

Olhei pelo primeiro andar inteiro e vi uma morena muito bonita, o cutuquei e ele fez que sim com a cabeça.

Eu: Vou perguntar se ela quer ficar com você.

Edu: A gente não tá mais no sexto ano, pode deixar que eu chego nela. - Assenti e ele saiu.

Agora alguém pra mim, olhei em volta e senti uma mão no meu ombro, me virei.

Will: Quer ir pro último andar? - Abriu um sorriso.

Eu: Nem vem que eu não sou suas putas, e outra, você veio acompanhado.

Will: Vou voltar pra minha acompanhante.

Eu: Faz isso que eu vou procurar um acompanhante pra mim.

Will: Tem certeza que não quer ficar com a gente? Eu nem vou beijar a Tamy.

Eu: Tenho certeza.

Ele revirou os olhos e me puxou pelo pulso até onde Tamy estava sentada, nos sentamos. Cruzei os braços e eles começaram a se paquerar como se eu não estivesse ali. Quando eles finalmente se beijaram eu suspirei e sai dali, fui pro terceiro andar e vi um moreno, ele estava de costas mas parecia bonito, liguei o foda-se e fui em sua direção, o puxei e o beijei, ele retribuiu e levou as mãos a minha cintura, depois que nos separamos eu me dei conta de que PUTA QUE PARIU eu tinha beijado o Jake! E ele retribuiu! Caralho a Gaby vai me matar!

Ja: Camily?

Eu: Jake?

Gaby: Vocês estão aí!

Fiz um sinal pro Jake ficar quieto e ele fez que sim com a cabeça. Em uma oportunidade levei o Jake pra um canto.

Eu: Eu juro que não sabia que era você. Me desculpa.

Ja: Tudo bem.

Eu posso jurar que vi ele se aproximando como se fosse me beijar de novo quando a Gaby apareceu com dois copos.

Gaby: Amiga, segura aqui que eu vou buscar outro pra mim.

Eu: Não precisa, eu já vou.

Sai do terceiro andar e fui pro quarto andar, lá não tinha muita gente, passei os olhos pelo local e vi um ruivinho sentado em um sofá, ele parecia bem confortável, estava conversando com um amigo. Me aproximei com um sorriso e começamos a conversar.

- O que estamos esperando? - Ele disse.

Eu: Esperando o quê? - Eu posso ser lerda as vezes, desculpa.

Ele me beijou, eu retribui e aproximei nossos corpos, o beijo estava bom quando a Tamy chegou e me afastou do garoto.

Ta: Precisamos de você, agora. - Disse assustada.

Eu rapidamente assenti e a segui. Chegamos no primeiro andar e o Carlos, o negro forte, estava dando socos no Edu.

Ca: Essa... é...a...minha...garota! - Disse entre socos.

Will: Você diz como se ela não estivesse beijando ele também. - Interviu.

Carlos parou de socar o Edu e se voltou pro William.

Ca: Foda-se se ela beijou ele também, ele não pode sair por aí beijando a mulher dos outros, ele procurou por isso.

Will: Desculpa colega, mas ela não tem nenhuma placa falando que ela tem dono.

- Ele não é meu dono, eu não sou de ninguém. - a garota Interviu.

Ca: Eu não te pago pra ficar se metendo nas minhas brigas, sai daqui.

Eu entrei na rodinha e fui até o Edu.

Eu: Tudo bem? - Sussurrei. Ele fez que não com a cabeça.

Ca: Eu ainda não terminei com esse filho da puta.

Me puxou pelo cabelo, fazendo eu cair no chão. O Will me olhou e seus olhos pareceram que iriam pegar fogo.

Will: SEU FILHO DA PUTA! 

Foi até o Carlos e o puxou, pegou sua cabeça e começou  a bater com ela na parede. quando ele caiu no chão, o Edu e o Will começaram a chutar seu corpo.

Ja: JÁ CHEGA! - Entrou na rodinha, ele parecia saber da briga só agora. - Saiam, por favor.

William me olhou e me ajudou a me levantar, eu ainda estava em choque, entramos todos no carro do Will, menos Gaby e Jake, eles ficaram na festa.

Edu: Eu acho melhor eu ir pro hospital, cara. - Will assentiu e fomos em direção ao hospital.

[...]

- Ele vai ficar bem. - Disse o médico.

Entramos na sala onde ele estava.

Eu: Da próxima vez vê se pergunta se a menina tem dono antes de ficar com ela, tá? - Ele sorriu.

Edu: Desde quando vocês têm donos?

Eu: Desde nunca.

Edu: Valeu, Will. Por...você sabe. - Will abriu um sorriso.

Tamy pegou na mão do Edu.

Ta: Fico feliz por você está bem, ele estava com muita raiva.

Gaby: Edu!? Aí meu Deus! Você tá bem? - Chegou na sala. - Desculpa por não ter vindo antes, eu fiquei com o Jake e...

Gui: Cara - Chegou a interrompendo - quando eu vou fica tudo normal, ai quando eu não vou o Edu apanha muito e para no hospital, incrível. - Chegou perto dele - Você tá bem? - Edu assentiu.

Leo: Não acredito que não presenciei a briga.- Chegou. - Tá tudo bem? 

Edu: É bom ter vocês aqui comigo.

Todos abraçamos o Edu.

[...]

Eu: Oi Jake! - Me sentei com ele, que estava sozinho.

Ja: Oi, Mily. Sabe onde a Gaby se meteu?

Eu: Não.

Recebi uma mensagem de Bom dia do Miguel e abri um sorriso.

Ja: Seu namorado?

Eu: O quê? Não. Não mais. - Não senti dor alguma, apenas saudade, muita saudade.

Ja: Mas parece que ainda são amigos.

Eu: Somos sim, ele teve que ir morar muito longe.

Ja: Entendi. Pra onde ele foi?

Eu: São Francisco.

Ja: Nossa. Eu já viajei pra lá, sabia?

Eu: Sério!?

Ja: Sim, somos só eu e meu pai e lá é onde eu tenho minha última lembrança da minha mãe. Eu lembro que ela sorriu pra mim e disse que estaria sempre ao meu lado, independente do lugar que eu estivesse.

Eu: Eu também perdi minha mãe, em um acidente de carro. Por isso vim morar aqui.

Ja: Eu perdi a minha por causa de um câncer. - Seus olhos se encheram de lágrimas. - Desculpa, é que não faz muito tempo. - Disse enquanto tentava impedir as lágrimas de cair.

Ele ia começar a chorar, a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi abraça-lo, e foi isso que eu fiz. Quando nos separamos nossos rostos ficaram tão próximos que poderíamos até nos beijar.

Gaby: Oi meus amores! - Nos separamos rapidamente. - Tá tudo bem? Espera, Jake, você tá chorando?

Ja: Não, é só alergia.

Gaby: Ah, sim. Do que vocês estavam conversando?

Eu: Viajem.

Gaby: Eu adoro esse assunto!

[...]

Eu: Que foi porra?

Will: Não fica brava comigo não.

Eu: Você comeu o pedaço de bolo que eu comprei pra mim, cara, eu só guardei pra comer mais tarde.

Will: Eu compro um bolo inteiro pra você.

Eu: Tá parecendo um pai.

Will: Então eu vou parar e ir embora.

Eu: Não tô mais brava não, pode ficar. - Ele sorriu.

Will: Eu gostei muito do Jake, e você?

Eu: Eu também, eu gosto muito da Tamy, e você?

Will: É...ela é legalzinha. Ela não transou comigo naquele dia, acredita?

Eu: Difícil não acreditar.

Will: Eu acho que ela quer um cara pra namorar sério. Eu posso namorar sério.

Eu: Você? Namorar sério?

Will: É eu acho que eu não posso namorar sério.

Eu: Talvez você possa namorar sério.

Will: Quem sabe.

Eu: Quem sabe.

Will: Vamos assistir um filme? Tá muito frio, eu tô com vontade de ficar na cama, só isso.

Eu: Vamos.

Ele se deitou ao meu lado e se cobriu, fui escolher o filme na tv, ele se virou e me abraçou de lado, em seguida afundou sua cabeça em meu cabelo.

Will: Tá cheirosa. - Sussurrou em meu ouvido.

Ele se aconchegou ainda mais em mim.

Will: Vamor dormir. Faz cafuné em mim? - Assenti.

Desliguei a tv e me ajeitei na cama, estava de barriga pra cima enquanto fazia cafuné nele.

[...]

Ja: Vamos brincar?

Eu: De quê?

Ja: Sete minutos no céu.

Will: Agora.

Estávamos todos na casa do Edu, menos o Leo. Colocamos os nomes dos meninos em um pote, o nome das meninas em outro e sorteamos.

Gui: Jake. - leu o primeiro papelzinho e sorteou o outro - E Mily.

Nossos olhares se encontraram por um segundo, todos acharam normal mas nós sabíamos o que tinha acontecido, e sabíamos que não podia acontecer de novo, apesar de ele ser lindo pra caralho. Entramos no banheiro.

Eu: Não vai rolar nada. - Sussurrei.

Ja: Claro que não.

Eu: Não vai.

Ja: Não mesmo.

Eu: Mas e se acontecer?

Ja: Não pode acontecer.

Eu: Claro que não pode acontecer.

Ja: Mas...

Eu: Não. - o interrompi.

Ja: Não ia dizer o que você tá pensando, ia perguntar o que vamos fazer até o tempo passar.

Eu: Conversar.

Ja: Que tal sobre dança?

Eu: Adoro dançar.

Ja: E você é muito boa.

Eu: Onde você me viu dançando?

Ja: Faça me um favor, né. Eu já sou do grupo. A gente sai juntos, esqueceu?

Eu: Ah sim, obrigada.

Ja: Eu curto dança de rua.

Eu: Sério?

Ja: Sim, apesar de eu não ser muito bom.

[...]

Will: Acabou o tempo. - Entrou.

Eu: Tá tudo bem?

Will: Claro, por que não estaria?

Eu: ok...

Me sentei ao lado do Edu.

Gaby: Guilherme e...eu.

Eles entraram e marcamos o tempo.

Edu: O Will estava morrendo de ciúmes. - Sussurrou.

Eu: O quê? Como você sabe?

Edu: Pela cara dele quando vocês entraram. - Abri um sorrisinho - E você gosta, né?

Eu: Ei, me deixa.

Eles saíram e fomos pros próximos.

Eu: Will e...Tamy.

O casalzinho, deram sorte. Eles entraram e depois de uns dois minutos começamos a ouvir gemidos, caralho eles estavam transando? Mas o Will disse que ela não aceitou transar com ele de primeira, talvez ela só estava se fazendo de difícil, senti minhas bochechas queimando.

Gui: Mily, tá tudo bem? - Disse baixinho.

Eu: Tá.

Gui: É que...

Eu: Eu já disse que tá.

Gui: Ok...

Filhos da puta! Precisava disso agora?! Logo no jogo, pra todo mundo ouvir. Quando eles finalmente saíram depois de uns 20 minutos, ninguém quis interromper nada, então resolvemos deixa-los sair sozinhos. O Will se sentou ao meu lado.

Eu: Você não presta.

Will: Que foi?

Eu: Caralho vocês transaram mesmo?

Will: E daí? - Revirei os olhos.

Edu: Will de novo, e Tamy.

Entramos.

Will: Você não vai transar comigo, né?

Eu: Não mesmo.

Will: Nem me beijar?

Eu: Depois de você ter beijando ela?

Will: Olha, a gente não se beijou nem nada, só combinamos de ela fazer os gemidos pra fingir e meio que pregar uma peça em vocês, não precisa ficar puta.

Eu: Eu não tô puta!

Will: Imagina se estivesse.

Eu: É que você me irrita.

Will: Eu?

Eu: Você.

Will: Mesmo assim me ama.

Eu: Amo é?

Will: Mais que o suficiente pra termos uma amizade colorida.

Eu: Nós não temos uma amizade colorida!

Will: Não? - Neguei com a cabeça - Então como você chama dois melhores amigos se beijando?

Eu: Dois melhores amigos se beijando.

Will: Engraçadinha.

Me puxou devagar pela cintura. Olhei em seu pescoço e percebi uma marca roxa.

Eu: Filho da puta. Você disse que vocês não transaram!

Will: O quê?

Eu: Como explica esse chupão? - Ele revirou os olhos.

Will: Não é da Gaby.

Eu: Então de quem é?

Will: Isso importa?

Eu: Importa.

Will: Por que importa?

Eu: Só importa.

Will: É da Samantha.

Eu: O quê!? Eu acho que não ouvi direito.

Will: Você ouviu.

Eu: Porra! É sério?

Will: Olha, quem eu transou ou deixo de transar não é da sua conta.

Eu: Eu sou sua melhor amiga! Poderia ter consideração por mim, e além do mais, ninguém gosta dessa vadia.

Edu: Desculpem atrapalhar a briga do casal, mas o tempo acabou.

Saímos do banheiro.

Will: Vou comprar camisinha. - Saiu.

Gaby: É impressão minha ou ele tá muito puto?

Eu: Eu já tô indo embora, gente.

Gaby: O que aconteceu?

Eu: O que acontece lá dentro, fica lá dentro. 

[...]

Encontrei Jake em um parque, eu fui passear, esfriar a cabeça, e ele estava sentando em um banco com os fones no ouvido.

Eu: Ei. - Acenei com um sorriso, ele tirou os fones.

Ja: Oi!

Eu: O que faz aqui? - Me sentei ao seu lado.

Ja: Só observando.

Segui seu olhar até as crianças e seus pais no parquinho.

Ja: Minha mãe costumava me trazer aqui.

Eu: E o seu pai?

Ja: Eu prefiro não falar sobre ele. - Assenti. - E o seu pai?

Eu: Nunca o conheci. Não tenho o que dizer.

Ja: A gente acaba sempre falando sobre familia em algum momento, é um assunto complicado pra mim, eu não toco nele nem com a Gaby, não sei, você me passa confiança. - Abriu um sorriso - E eu não quero que você pense que aquele beijo nosso foi, você sabe, infiel, eu achei que fosse a Gaby e você achou que eu fosse um garoto qualquer, inclusive, boa pegada. - Ri.

Eu: Eu digo o mesmo. - Ele riu levemente.

Ja: Que tal a gente ir tomar um sorvete? - Se levantou.

Eu: Acho ótimo.

Chegamos na sorveteria e nos deparamos com o Leo, ele estava acabado, com o cabelo bagunçado e olheiras profundas.

Ja: Ei cara, você tá bem?

Ele se levantou bruscamente e colocou o dedo no peito do Jake.

Leo: EU SEI QUEM VOCÊ É, EU DESCOBRI TUDO!






Notas Finais


Eita, um suspense aí no ar. Podem comentar sobre o que estão achando, tá? Eu amo, amo, amo. Até o próximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...