História A Menina Nova - Capítulo 23


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Amigos, Festa, Melhores Amigos, Romance
Visualizações 77
Palavras 2.268
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Esse cap tá revelador, espero que gostem, boa leitura!

Capítulo 23 - Estou de volta!


Eu: Calma, Leo. - Disse frustada.

Leo: Por favor, não me peça pra ter calma.

Ja: Acho melhor a gente sair daqui.

Leo: Não, esperem!

O Leo parecia desesperado e até, maluco. Saímos dali e duas semanas se passaram até o Leo me mandar uma mensagem.

"Me desculpa por aquele dia, podemos nos ver de novo? Marquei com o pessoal no nosso lugar favorito, amanhã as 16:00h" 

Bati na porta do quarto do do Will, pra não ter mais nenhuma surpresa indesejável.

Will: Pode entrar! - Entrei e me sentei em sua cama.

Eu: O Leo me mandou uma mensagem.

Will: Eu sei, ele mandou pra mim também, é amanhã, né?

Eu: Sim, e eu não te contei, mas ele parece tá muito mal.

Will: Você quer dizer, drogado? - Fiz que sim com a cabeça. - Olha Mily, o Leo pode ser um filho da puta e os caralho, mas ele não se envolveria com drogas, você deveria saber disso.

Eu: Talvez, esse relacionamento da Gaby prejudicou muito ele.

Will: Sim, mas Mily, o uso de drogas tá descartado. 

Eu: Tá bom, mas tô preocupada.

Will: Não precisa ficar assim, você sabe.

Eu: Sei...

Ficamos conversando sobre assuntos aleatórios até dormimos.

[...]

Cheguei com o Will na sorveteira, olhei pra ele apreensiva.

Will: Vai dar tudo certo, relaxa. - Assegurou e segurou minha mão. Fiz que sim com a cabeça e entramos.

O Leo estava sentado rindo e conversando com Edu e Guilherme, e por incrível que pareça, Tamy também estava. Ele não estava com a aparência acabada de antes, estava com o cabelo penteado, com a aparência saudável e um grande sorriso no rosto, esse é o meu Leo. Nos sentamos.

Leo: Mily, sempre atrasada. Senti saudades. - Disse ainda sorrindo.

Eu: Eu também, mas sendo direta, por que nos chamou aqui? Sinto que não é só por saudade. 

Leo: Não é só isso, preciso mostrar algumas coisas pra vocês. - Seu sorriso se apagou e todos começaram a prestar atenção. 

Flashback on (Leonardo)

Eu estava bêbado pra caralho, a Gaby tá com um namorado! Um namorado! Ela sabe que eu não gosto da idéia, ela deve saber, me afastei dela completamente, comecei a ignorar todos e larguei o foda-se pra tudo, fui pras baladas mais longes das que meus amigos frequentavam e dormia com três em uma noite só.

- Quando a gente vai chegar? - Disse uma menina que estava no meu carro.

Eu: Logo.

Estávamos perto de um motel quando vi um cara alto, moreno e que me dava raiva só de passar os olhos, Jake. Desci do carro totalmente bêbado e ignorei os gritos da vadia me pedindo satisfação, cheguei mais perto e percebi que o filho da puta estava vendendo drogas pra um homem branco e um negro desconhecidos. Peguei meu celular e tirei algumas fotos, meus amigos iriam saber quem esse filho da puta é.

Eu: Seu filho da puta! Drogado do caralho! - Gritei chamando sua atenção. Os homens saíram enquanto Jake se aproximou de mim com um ar de superioridade.

Ja: Olha só pra você, bêbado. 

Eu: Eles vão saber quem você é. - Tentei parecer sério, mas minha embriaguez não estava colaborando nem um pouco. Ele abriu um sorriso.

Ja: Você parece um drogado, sabia? A Camily acha isso também, ela não diz, mas está não explícito que ela está decepcionada com você, que quase posso ler em sua testa. E sabe a Gaby? A Gaby está te odiando, o melhor amigo dela a abandonando desse jeito, ficando com todas que pode, e não apoiando o jeito dela de ser feliz. Você é um nojo, deveria largar todos eles pra lá e ir viver sua vidinha de merda com essas prostitutas, parece que você gosta da Gaby, mas ela não merece um galinha filho da puta igual a você.

Apesar do álcool pesar sobre meu pensamento, nada me impediu de sentir como se cada palavra que saia de sua boca fosse uma facada em meu coração. Tudo se esvaziou. Sai dali vazio enquanto ouvia sua risada vitoriosa, deixei a garota em qualquer lugar e fui pra minha casa, subi no meu quarto e chorei até dormir.

[...]

Acordei com dor de cabeça e apesar da embreaguez, me lembrei de cada palavra que saiu da boca suja do Jake. Eu estava com ódio dele, muito ódio. Mas maior que minha raiva por ele só a dor que eu sentia por saber o que minhas melhores amigas pensavam de mim, doia saber que eu não sirvo pra nada além de transar com garotas por aí, doia saber que longe ou perto, não sou motivo de orgulho, eu sabia que aquelas palavras poderiam ser mentira, ditas somente com o objetivo de me afetar, mas mentira ou não, conseguiram. Fiquei em claro três noites seguidas, um certo dia resolvi ir pra minha sorveteria favorita, mesmo que lembrasse meus amigos, mesmo que eu encontrasse eles lá, mesmo que o Jake estivesse lá. Depois de um tempo sentado olhando pro nada, Mily e Jake abriram a porta conversando animadamente, meu ódio tomou conta de mim.

Eu: EU SEI QUEM VOCÊ É, EU DESCOBRI TUDO! - Gritei atraindo olhares.

O olhar da Mily pesou sobre mim, não pude ver decepção alguma, somente pena, tristeza, e preocupação.

Flashback off

Depois de saber de tudo e vê as fotos, eu me forçava a não acreditar, o garoto extrovertido e ainda de luto, esse era o Jake que ele estava falando? Comecei a me perguntar se tudo o que Jake me contara até agora era somente uma mentira pra conseguir minha confiança, mas por que ele estaria com a Gaby? Devo dizer que ela tem bastante dinheiro e bom, ele veio estudar na nossa escola, ela não pagaria a escola assim pra ele? Os pais dela saberiam de tudo? Argh! Tantas perguntas, não tinha outra escolha além de não acreditar no Leo.

Leo: Precisamos acabar com ele, e precisamos acabar com ele bonito.

Tamy: Não podemos somente mostrar as fotos e contar tudo pra Gaby?

Will: Antes precisamos de uma vingança.

Edu: Uma que faça a Gaby sentir tanta raiva quanto a gente. Uma que ela descubra a verdade e ele fique na pior situação possível.

Gui: Primeiramente, sem mortes, ok? Vocês são loucos, e segundo, eu não acredito que tô dizendo isso, mas por onde a gente começa?

Fiquei surpresa com a nossa capacidade de se vingar de alguém.

[...]

Leo voltou ao normal e todos nós olhavámos pro Jake de forma totalmente diferente, é claro. Ele tentava se aproximar da gente novamente e não conseguia, Leo sorria vitorioso sempre que ele falhava.

Eu: O Jake já tá desconfiando. - Sussurrei pra eles.

Gui: Vamos inventar algo pra fingir que está tudo como antes.

Tamy: Uma briga. - Todos concordamos.

Andamos pro lado de fora da escola com o objetivo de encontrar Gaby e Jake lanchando. Leo sussurou algo no ouvido do Will.

Will: SEU DROGADO DE MERDA! - Pulei de susto.

Eu: O que você tá fazendo porra? - Disse sem emitir som.

Will: Confia em mim. - Fez o mesmo. - Eu não acredito que você...que você beijou a Camily!

Gaby se aproximou rapidamente com o Jake que esboçava um sorriso de canto. Leo fez uma expressão como se dissesse "que porra de motivo é esse?!"

Will: Eu acho melhor você voltar pra sua maconha.

Ja: Como tem certeza que ele beijou ela? Eu quero ver com meus próprios olhos. - O falso não é burro. 

Não precisamos provar nada pra você. - Pensei, argh, como eu queria falar. Olhei pro Leo com aflição, será que a gente teria mesmo que se beijar? O Leo fez que sim com a cabeça como se me confortasse, ele parecia disposto a fazer qualquer coisa pra desmascarar o Jake, mas afinal, era só um beijo. Leo pegou meu quadril e me puxou pra ele, nos beijamos intensamente, quando nos separamos por falta de ar todos nos observavam com os olhos arregalados e bocas levemente abertas, mas o Will tinha um expressão diferente, ele parecia, com raiva. Jake e Gaby voltaram pra onde estavam junto com algumas pessoas que tinham levantado pra ver a briga. O Will me olhou, depois olhou pro Leo e saiu, minutos depois ele voltou com uma das putas do grupinho da Samantha e a beijou, a beijou de um jeito tão intenso que eu senti vontade de descabelar aquela garota, não por causa do Will, só porque ela é uma vadia. Filho da puta! Se ele acha que eu vou ficar com raiva dele está muito enganado.

[...]

Will: Vamos pra casa? - Disse depois de ter terminado a última aula.

Eu: Não. Vou pra um encontro.

Pedi pra sair com um amigo dele, o Scot, ele fazia parte do time de futebol do colégio, ele era um pouco mais alto que eu e tinha os cabelos castanhos, assim como os olhos.

Will: Encontro? Com quem? 

Eu: Com o Scot.

Will: Tá brincando, né?

Eu: Não.

Ele olhou pra frente e esboçou um sorriso.

Eu: O que você tá pensando?

Ele não respondeu e continuou seu caminho, fui até o Scot que esperava em frente ao seu carro.

[...]

Sco: É sério, nós ganhamos aquele jogo por causa de mim! - Abri um sorrisinho falso.

Eu não estava mais aguentando ele se gabando, só queria mandar ele enfiar suas conquistas no cu e sair dali.

Sco: Eu te contei da vez que eu fiz todos os gols e salvei o time? As líderes de torcida foram a loucura!

Will: Scot! Camily! Que bom ver vocês aqui. - Olhei pra ele surpresa e agradecida por ele ter aparecido. - Me desculpe mas a Camily tem que ir pra casa agora, coisa de horário sabe, até mais. - Me puxou levemente e fomos até seu carro. - Não vai começar a me xingar?

Eu: Você não tem nenhum direito de me seguir e estragar meu encontro!

Will: Seu encontro já tinha sido estragado desde o momento que ele abriu a boca. - Bufei e revirei os olhos.

[...]

Eu: É sério, ele fez isso!

Gui: Você tem que reconhecer que ele te salvou.

Eu: Não importa! Ele não tem o direito de me seguir nem nada.

Gaby: Ela tá certa, por um lado.

Edu: Mily pede logo desculpas por tá sendo dura assim e vamos acabar com isso, e William pede desculpas por segui-la e acabar com seu encontro.

Eu: Não! Eu não tô fazendo nada de errado.

Will: Caralho Camily, sua teimosia é maior do que o número de meninas que eu já transei, e só uma parte é culpa minha nesse caralho. - Se levantou e saiu.

Ja: Façam logo as pazes.

Edu: Os comentários do igual com você são chatos, mas porra! Vocês brigados são insuportáveis!

Eu: Ele é insuportável, eu sou um amor. - Todos olharam pra mim como se não acreditassem, dei de ombros.

Edu: Agora ele tá fudido. - Todos olhamos pra mesma direção que ele.

Ele estava beijando a Samanha, a Samantha! PUTA QUE PARIU! Tanta garota legal na escola! Eu não ia dar pra ele o gostinho de me ver com ciúmes.

[...]

Estávamos todos em uma balada, iríamos colocar nosso plano em ação. Estávamos todos esperando pra começar quando Will beijando uma garota, ele parecia estar desconfortável. Se ele interferiu no meu encontro, iria interferir em seu beijo. 

Eu: EU NÃO ACREDITO QUE VOCÊ ESTÁ ME TRAINDO! EU ACREDITEI EM VOCÊ! - A garota parou de beija-lo e se voltou pra mim.

- Perdeu, colega. - Ela disse.

Mas que filha da puta! Se fosse uma menina qualquer com certeza ele levaria um tapa na cara, se ela não iria dar, eu sim. Dei um tapa mais forte do que gostaria da cara do Will, que gemeu de dor. Peguei sua mão e puxei deixando a garota lá plantada.

Will: Pra que isso? - Disse enquanto esfregava a bochecha.

Eu: Estamos aqui pra um plano, não pra você beijar.

Will: O beijo não estava bom mesmo.

Observamos um amigo do Leo, um que tinhamos pedido pra fazer exatamente o que ele fez, chamou o Jake pra um canto reservado, o Jake rapidamente assentiu e deixou a Gaby sozinha, chegamos perto dela.

Eu: Tem como você ir ao banheiro comigo? - Ela assentiu e o Will veio logo atrás. Começamos a ouvir vozes.

- Tem como me arranjar maconha?

Ja: Claro.

Gaby: Eu conheço essa voz. - Disse baixinho, eu e Will trocamos olhares. Nos aproximamos de onde eles estavam e observamos em silêncio.

- Não quer uma também? - Jake fez que sim com a cabeça.

ele começou a se drogar, Gaby levou as mãos a boca e eu coloquei uma das minhas mãos em seu ombro.

Leo: Eu não acredito que você está se drogando!

Ja: Sai daqui! 

Leo: Eu vou contar tudo pra Gaby!

Ja: Já conversamos sobre isso, Leo. Você acha que aquela puta vai acreditar em você ou namoradinho dela?

Leo: Puta? Por que você continua com ela?

Ja: Quem você acha que me dá dinheiro pras drogas? Ela é riquinha, e com o dinheiro dela, eu estudo até em colégio de rico, os que pagam mais por drogas. Agora sai daqui e me deixe em paz. - Leo abriu um sorrisinho - Tá sorrindo por quê?

Leo: Só quero que você olhe pra trás. - Disse, agora com o sorriso mais largo.

Gaby estava tremendo de raiva, seus olhos cheios de lágrimas, suas mãos fechadas prontas pra bater em tudo, sua pele agora vermelha, eu quase podia ver fumaça saindo de seus ouvidos.

Ja: Gaby, e-eu posso explicar.

Ela foi em sua direção como um foguete e deu um tapa em sua cara.

Gaby: VOCÊ É UM FILHO DA PUTA DROGADO E INTERESSEIRO!

Ele se mostrou quem realmente era e deu um tapa bem na sua cara, isso foi o cúmulo pros meninos que rapidamente o puxou e começaram a bater nele, até o Guilherme, principalmente o Guilherme, que depois que todos os meninos se afastaram, ele continuou a bater nele, que já estava inconsciente.

Eu: Não acham que isso pode dá problemas pra nós? Sabe, ele é um traficante.

Will: Foda-se.

Gui: Tá tudo bem, Gaby? - A abraçou, ela desabou.







Notas Finais


Chegaram a gostar do Jake antes de saber quem ele realmente é? Sksk Sorry aos que ficaram decepcionados, amo vocês! Comentem bastante que eu amo, amo. Até o próximo cap! ❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...