História A Mentira - Spoby - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Pretty Little Liars
Personagens Spencer Hastings, Toby Cavanaugh
Tags Spoby Pll Endgame
Visualizações 31
Palavras 1.794
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Estou imensurávelmente feliz por isso tudo. Amando cada comentário. E pelas visualizações. ♥♥

Capítulo 11 - O Orfanato


Aquela intimidade entre Toby e aquela mulher não agradou em nada Spencer, sem entender o porquê , em seu interior um enorme desagrado se formou juntamente com uma súbita necessidade de pedir explicações ao seu esposo, aquela cena estava fazendo o sangue que percorria suas veias, ferver, chegando ao seu coração que palpitava de maneira descompassada , encontrava-se indignada com tamanha petulância da jovem mulher e a liberdade que seu esposo a dava , uma confiança que jamais havia dado a ela, ela que era sua esposa.

Aos olhos de Spencer aquela situação pareceu um tanto quanto hipócrita, afinal ao que parecia ela não era a única a esconder um antigo amor, pois tamanha intimidade entre aqueles dois seres, aos olhos de quem via, dava indícios de haver algo a mais do que uma pura amizade.

Os olhos de Spencer não foram capazes de não prestar atenção na mão de Toby, que pousava na cintura daquela mulher, quase próximo ao início de suas nádegas, enquanto o nariz dele dava a impressão que inalava o aroma que aquela pele exalava, mas a mulher não ficava atrás, pois despejava inúmeros beijos no pescoço dele, de maneira atrevida.

Como aquela cena perturbou a senhora Cavanaugh, se não estivessem em um lugar público, certamente arrastaria seu esposo até um canto isolado e pediria explicações de imediato, não o faria por ciúmes, afinal ciúmes algum sentia por aquele homem, mas o faria porque ele estava sendo hipócrita, afinal a estava punindo por suas mentiras e omissões, enquanto ele também possuía as suas.

Perdida em seus pensamentos e aquelas estranhas sensações que invadiam seu corpo, sem mencionar raiva, ira, fúria e antipatia que estava sentindo por seu esposo naquele momento, pelo o quão hipócrita ele estava sendo alimentando aquela situação, uma situação que ele podia e ela era condenada mordazmente; seus sentimentos eram tamanho reboliço que apenas foram afastados ao ouvirem a voz de Toby.

–Jenna– por fim proferiu ele, revelando o nome da mulher atrevida – Quero te apresentar alguém – anunciou, agarrando a mão de Jenna e a puxando em direção a Spencer.

Spencer apenas estampou um olhar de curiosidade em seus olhos, afinal a parte sádica de seu anterior ansiava por ver a reação daquela mulher, que parecia beijar o chão por onde seu esposo passava, como uma mulher atroz, necessitava ver a reação da possível em relação de Toby ou, quem sabe uma possível amante daquele homem hipócrita, uma mulher que a fitava com um enorme desdém e desprezo.

–Essa é Spencer – murmurou Toby em um tom cauteloso – Minha esposa – anunciou por fim.

Aquele anuncio, pela primeira vez, alimentou de uma maneira atroz o ego de Spencer, que apenas sentiu-se mais perversa e satisfeita quando observou as palavras de Jenna se consumirem, como se houvesse levado um susto, onde alguém havia enfiado uma espada em seu peito, enquanto fitava Spencer com desprezo e agora ódio.

–Você se casou? – Indagou com as palavras entrecortadas, voltando sua mirada para Toby, onde seus olhos encontravam-se extremamente vermelhos, demonstrando que lágrimas ameaçavam escapar –Não, você não podia ter feito isso - murmurou, deixando uma lágrima escapar, enquanto movimentava sua cabeça negativamente, se pondo a correr.

–Jenna– chamou Toby em um tom alto, tentando detê-la.

Sagazmente Spencer aproximou-se um passo de Toby, com um sorriso cruel nos lábios, como se aquela situação a divertisse, inclinou sua cabeça próxima a orelha dele.

–Acho que você esqueceu de convidar sua amante – murmurou cruelmente, em um tom baixo. Inspirando profundamente o ar, Toby apenas se fez capaz de lançar um olhar de completo desgosto sobre Spencer, como se aquela afirmação o desagradasse a ponto de fazê-lo ter vontade de esgana-la, por proferir tamanha atrocidade.

–Eu vou atrás dela – murmurou, com os dentes cerrados, como se ansiasse que somente sua esposa a ouvisse.

- Deixe a Jenna, daqui a pouco passa - anunciou uma voz masculina, roubando a atenção do casal Cavanaugh.

–Ted – proferiu Toby, com um largo sorriso nos lábios, dando um forte abraço no velho homem.

–Estava desaparecido – reclamou Ted, correspondendo ao gesto, tão logo se desvencilhando daquele abraço.

–Prazer – murmurou ela, com um sorriso cordial nos lábios, esticando sua mão- Spencer Hastings – completou.

–Então Toby, as crianças estão ansiosas pela surpresa – recordou Ted, podendo ouvir as crianças ansiosas os rodearem.

–O Ira pode ajudar – afirmou em um tom alto o diretor da instituição, levando seu olhar até o homem parado em um canto, observando as crianças.

–Claro - respondeu prontamente o homem, se pondo a seguir Toby até o automóvel.

Spencer apenas se pôs a observar Toby , fitando a alegria nos olhos dele, como se os presentes fossem para ele, poderia ousar a dizer que seu esposo parecia uma criança, jamais o havia visto daquela forma, tão relaxado e a vontade, como se aquele lugar fosse seu lar, como se pertencesse a aquele mundo.

–Gostaria de conhecer o restante da instituição? – Indagou Tef, roubando a atenção de Spencer.

–Claro- respondeu prontamente, com um sorriso nos lábios.

–Acompanhe-me – anunciou o diretor, se pondo a caminhar.

O passeio foi agradável, sem mencionar a companhia, o lugar era demasiadamente aconchegante, mesmo não suprindo o amor paternal, era um lugar onde as crianças eram felizes e possuíam amor, os ambientes eram coloridos e alegres, cheio de brinquedos e pinturas, era uma instituição completa, com quartos, refeitório, sala de pintura, dança, sem mencionar o enorme pátio que era dividido, onde havia um campo de futebol para os meninos.

Por fim adentraram um pavilhão separado, era menor do que havia visitado, não possuía toda aquela estrutura, mas havia enfermaria e uma ala especial, uma ala que chamou a atenção de Spencer pelos pequenos choros que invadiam o corredor.

Já formando um sorriso nos lábios, caminhou até em frente a uma enorme janela de vidro, que dava vista a uma sala, uma sala tomava por pequenos berços, onde cerca de quatro bebês ocupavam os leitos, eram crianças de poucos meses de idade.

–Aqui é a ala dos bebês abandonados – afirmou Ted, fitando através do vidro.

–É inacreditável a capacidade de uma pessoa em abandonar seres tão indefesos- afirmou Spencer, com os olhos voltados para os pequenos seres a sua frente, seres que a encantavam.

–O Toby sempre diz a mesma coisa – afirmou Ted, achando graça da semelhança.

–Diz? – Indagou Spencer, voltando seu olhar para o homem ao seu lado, não era de acreditar em semelhanças, muito menos em pensar em seu esposo pensando da mesma forma que ela.

–Sim- afirmou em um tom tranquilo – O Toby ama muito essas crianças, no mundo de hoje é difícil achar uma pessoa com sentimentos tão puros, sinceros e leais, ainda mais com dinheiro no meio e Toby era essa pessoa – enumerou, fitando Spencer.

Aos ouvidos de Spencer, parecia estar falando de outro homem que não seu esposo, não podia negar que a princípio compartilhou parte dos mesmos pensamentos, mas depois do casamento havia mudado sua opinião sobre seu esposo, atribuindo a ele as piores características possíveis.

–Parece que conhecemos pessoas diferentes – murmurou Spencer, inspirando profundamente o ar.

–O Toby é difícil – proferiu concordando – Mas é uma boa pessoa – completou, fitando Spencer.

Antes de Toby descobrir todas suas mentiras, era capaz de compartilhar a opinião daquele homem, todavia havia visto uma faceta de seu esposo que talvez nenhuma outra pessoa houvesse tido a oportunidade de conhecer, um Toby sórdido, capaz do inimaginável.

–Gostaria de entrar? – Indagou Ted, percebendo que Spencer havia se distraído com algum pensamento.

–Quero- respondeu animadamente, acompanhando Tef, até um pequeno lavabo que havia próximo.

Fazendo a higienização necessária, acompanhou o homem até a sala, onde podia ouvir um balbuciar das crianças que se encontravam acordadas, fitando os pequenos rostos de uma por uma, esboçou um largo sorriso em seus lábios, afinal se fazia impossível não se sentir bem em um lugar como aquele, onde ansiava por pegar todos aqueles pequenos seres no colo e os aninhar em seus braços

–Pode pegar – autorizou Tef, percebendo a vontade de Spencer.

–Posso? – Indagou Spencer, incrédula.

–Claro – afirmou, com um sorriso nos lábios.

Delicadamente e com um enorme cuidado Spencer levou seus braços até dentro de um dos pequenos berços, pegando em suas mãos um pequeno menino, de pele clara, com os olhos azuis, que a fitava com curiosidade, o aninhando em seus braços.

–Oi meninão – proferiu em um tom quase que infantil, envolvendo com seus dedos a pequena mão do menino que se esticava.

–Eu vou ver como estão as coisas lá fora- anunciou Ted – Qualquer coisa a enfermeira Virginia está na sala ali ao lado – afirmou, apontando para a sala que estava no mesmo ambiente, que também possuía uma enorme janela de vidro.

–Obrigado – agradeceu, se referindo a confiança daquele homem em permitir que ela permanecesse naquele lugar.

Sem perceber a saída de Tef, Spencer se pôs a brincar com o menino, balbuciando palavras em um tom infantil em busca de lhe chamar a atenção, era incrível como aquele pequeno ser a havia encantado e feito esquecer de todo o restante, como se preenchesse um vazio que deveria se equiparar com o que aquelas crianças sentiam.

–Melhor se contentar com essas crianças – afirmou uma voz feminina roubando a atenção de Spencer.

Rapidamente Spencer virou sua cabeça, encontrando Jenna, que estava com os olhos vermelhos e inchados, dando indícios de que havia chorado, sem mencionar a expressão nada agradável que possuía em seu rosto.

–Pois Toby jamais terá um filho com você – garantiu em um tom ameaçador e até alto, parando próximo a Spencer e fitando com certo nojo os bebês que ocupavam os berços.

–Acredito que esse assunto não cabe a você – anunciou Spencer, voltando seu olhar ao menino em seus braços, que se pôs a se alterar com a presença daquela mulher.

–Duvido que uma mulher de sua classe social e princípios aceite ter um filho com um homem como Toby – proferiu Jenna em um tom ameaçador – Quando souber o passado dele, duvido que o veja com os mesmos olhos, pois vocês são extremamente opostos – completou, com um sorriso sórdido nos lábios.

–O que você quer dizer com isso? – Indagou Spencer, com uma expressão curiosa e não compreendendo com exatidão o que aquela mulher queria dizer.

–Pergunte ao Toby – afirmou ardilosamente – Agora deixe eu sair daqui, porque esse cheiro me causa náuseas – completou, fitando as crianças com uma expressão de nojo e saindo do lugar.

Spencer nada entendeu daquele aviso, o que Jenna queria dizer com aquela expressão ''um homem como Toby'', aquilo invadiu sua cabeça de uma maneira desagradável, mas que logo foi espantada pelo balbuciar do menino em seus braços, que ameaçava chorar, era incrível como os bebês sentiam quando uma pessoa não era boa e no caso de Jenna não foi diferente.

–Tranquilo – afirmou Spencer balançando o menino em seus braços e colocando a chupeta em sua boca.



Notas Finais


O próximo capítulo será o ponto de visto do Toby, espero que tenham gostado do capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...