1. Spirit Fanfics >
  2. A Mentira >
  3. As 3 regras de Jeongguk

História A Mentira - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Hello ladies(^3^)

Capítulo 3 - As 3 regras de Jeongguk


Saí da sala de química me sentindo mais perdida do que roqueiro em festa sertaneja. Sempre fui boa em exatas, mas com tudo que aconteceu hoje minha cabeça estava nas nuvens enquanto resolvia todas as fórmulas.

Que o falecido Rutherford me ajude a escapar dessa.

Encontrei meus amigos sentados na grama enquanto dividiam um sanduíche de atum, me aproximei dos dois e assim que me viram ambos ficaram confusos.

— Oi — me sentei ao lado de Blair e minha amiga ofereceu um pedaço do sanduíche, mas eu recusei.

— Lembrou que tinha amigos? — lhes apresento Will, mais conhecido como drama queen.

— Por favor, não comece... — resmunguei desgostosa e meu amigo me encarou erguendo de um modo muito peculiar o seu supercílio.

— Então agora você irá contar que história é essa sua com o Lebron James, lá? — cruzou os braços com o semblante ainda fechado.

Fiquei na duvida se contava a verdade, se contava parcialmente a verdade ou se inventava a melhor mentira da minha vida, para assim, tentar enganar Will, se fosse apenas Blair aqui seria mais fácil. Ela é muito ingênua. Se eu disser que Michael Jackson semana que vem fará um show aqui na escola ela irá acreditar.

— É complicado… — comecei falando.

— Sou bom com complicações, pode continuar — disse irrelutante e eu suspirei.

— Eu não estou bem namorando o Jeongguk…

— Estão ficando? — Blair interviu e neguei.

— A gente está meio que em um acordo — tentei sorrir, mas acho que foi complemente falho quando vi a expressão séria de Will. — Acho que vocês não entenderiam.

— Bom, contanto que não estejam apenas fingindo por mim tudo bem — engoli em seco e dei uma risada.

— Fingindo? Claro que não, está louco? Eu tenho cara de pessoa que finge namorar esse tipo de garoto apenas para enganar a escola? — disse nervosa e Will semicerrou os olhos.

— Não. Mas sei lá… essas coisas hoje em dia são tão normais nos cinemas que não duvido muito que algumas pessoas tentem aplicar na vida real — deu de ombros.

— Mas pensando bem, não precisa de muito para gostar do Jungkook, ele é bem bonito — Blair me olhou sorrindo. — Foi por isso que começou a gostar dele?

— O quê?! Não, eu não…

— Realmente, como exatamente tudo isso começou? Tipo, sempre pensei que sei tipo ideal era alguém mais como Kim Namjoon, do clube de astronomia que você participa. Ele gosta das mesmas coisas que você e sempre preza por alguém que tem os mesmos interesses. Nunca pensei que atletas eram o seu tipo.

— Kim Namjoon é apenas meu colega — resmunguei. — E em relação a Jeongguk bom, eu tô tentando experimentar algo novo, sair da minha zona de conforto. Sabe como é…

— É... não, não sei. Mas deixa para lá.

Will o assunto encerrado por ali e dei graças a Deus por isso, não sou muito boa com mentiras, então se ele me prensasse mais eu logo contaria toda a verdade. 

Tive mais duas aulas e por ter reunião do corpo docente hoje nos últimos horários fomos liberados mais cedo. Para minha grata felicidade. Entretanto ela durou pouco, porque quando saí da sala eu vi o garoto de olhos negros encostado na parede olhando cada pessoa que saia da sala e assim que me viu ele abriu um sorriso e veio na minha direção.

— Oi Parker — revirei os olhos e segurei com mais força meu caderno.

— O quê você quer?

— Isso é jeito de tratar o seu namorado? — sorriu e segurou a minha mão me puxando pelo corredor.

— Mas o que…. Jeon! — exclamei brava.

— Eu vim te buscar. Precisamos conversar, se lembra?

Não respondi e me deixei ser guiada pelo corredor, se eu o ouvir agora, poderei ir mais rápido para minha casa. 

Ainda tinham muitos alunos na escola mesmo não tendo mais aulas. Jungkook abriu a porta que dava para o ginásio e quando entramos tinha algumas líderes de torcida ensaiando, fomos para a arquibancada e nos sentamos lá.

— Tem como ser breve? Eu quero ir logo para casa — resmunguei entediada e ele tirou a jaqueta que usava e colocou sobre o encosto da cadeira.

— Você é muito apressada — reclamou.

— Eu tô com fome Jeongguk — disse emburrada. Não sou a pessoa mais simpática quando se está com o estômago vazio.

Ele pegou novamente sua jaqueta e de um dos bolsos tirou uma barra de chocolate me logo após oferecendo. Semicerrei os olhos, mas mesmo assim peguei. Estou com muita fome mesmo; devia ter aceitado o sanduíche de atum que Blair me ofereceu mais cedo. 

Abri a embalagem e dei a primeira mordida.

— Pode começar.

— Hoje mais cedo você falou das suas regras, mas eu tenho algumas também.

— Diga. Nada muito absurdo por favor — pedi.

— Bom, primeiro iremos embora juntos.

— O quê?! Qual a necessidade disso? — questionei.

— Segundo… — continuou, me ignorando completamente. — você irá comparecer a todos os jogos de basquete do meu time.

— Ah não, Jeongguk. Esses jogos são tão chatos. Além do mais, eu não sei nada sobre basquete, para mim o único objetivo desse jogo é jogar a bola laranja dentro da cesta — reclamei já não gostando nem um pouco dessa regra.

— Você não precisa entender nenhum termo técnico para assistir algo.

— Mas eu não gosto de me sentir perdida nas coisas — resmunguei cruzando os braços.

— Não se preocupe que quando você estiver nos jogos não estará lá apenas para assistir — deu um sorriso um tanto suspeito na minha opinião e eu ergui o supercílio. — A minha terceira condição no nosso acordo é você entrar para as líderes de torcida da escola.

— Não, não, não e não! — me levantei. — Eu não vou fazer isso Jeon! — exclamei um pouco alto demais e acabei atraindo alguns olhares das garotas que estavam ali. Jungkook segurou o meu braço fazendo eu me sentar de novo.

— Essa é uma das minhas regras — falou baixo e eu cruzei os braços balançando a cabeça para os lados.

— Nem pensar.

— Vai ser apenas pelo período em que estivermos fingindo.

— Jeongguk, eu já tenho compromissos com o clube de astronomia da escola, não posso simplesmente parar de fazer algo que eu gosto apenas para cumprir uma regra sua — falei irrelutante.

— Você pode conciliar as duas coisas.

— Por que eu tenho que entrar para as líderes de torcida? Não faz sentido.

— Meus amigos estão desconfiando do nosso relacionamento, eles sabem que eu não ficaria com alguém como você…

— Alguém como eu?

— É Turner, não me interrompa. Então você pode entrar para as líderes de torcida e participar do nosso grupo. Acho que faria que as desconfianças deles sumissem.

Desviei meu olhar do seu, então encarei as garotas a minha frente dando algumas piruetas no ar e engoli em seco apenas em me imaginar ali, com aquelas garotas que são mais venenosas que as cobras da Amazônia, usando uma saia que dá para ver praticamente o útero de tão curta que é e ainda por cima sendo sexualizada pelos garotos do time de basquete, só de imaginar isso sinto calafrios.

— Eu acho que não daria certo Jeon — falei mais calma desviando minha atenção para si. — Acho que elas não me aceitariam de modo algum.

Jungkook sorriu e negou com a cabeça, ele olhou para as meninas e ergueu sua mão fazendo um sinal. Olhei para frente e vi Lalisa Manoban, a capitã das líderes de torcida, caminhando na nossa direção com um singelo sorriso desenhado nos lábios. Arrumei minha postura e logo a vi parar a nossa frente.

— Olá, você deve ser a ________, certo? — disse olhando para mim. E eu tentei disfarçar minha surpresa por aquela garota saber sequer meu nome.

— É-é, sou eu. Muito prazer — falei educadamente e a vi sorrir e logo desviar a sua atenção para o garoto ao meu lado.

— Precisa de algo Ggukie?

— Não sei se você tá sabendo, mas ela é a minha…

— Namorada. É, eu sei. Na verdade toda a escola já sabe disso, essa se tornou a notícia do mês — comentou em um tom brincalhão arrancando um sorriso do outro. — Finalmente está gostando de alguém, pensei que seria encalhado pelo resto da vida.

Ri diante das palavras de Lalisa e Jungkook emburrou o rosto.

— Eu nunca fui encalhado.

— Você sair pegando metade da escola não diz o contrário disso, você só é sexualmente ativo. Ainda bem que a ________ apareceu na sua vida — me olhou. — Só espero que tenha paciência, porque esse aí é muito chato.

— Eu já percebi isso — a loira riu com minha resposta e vi Jungkook cruzar os braços.

— Dá para pararem de falar de mim como se eu não estivesse aqui? — protestou e Lalisa revirou os olhos risonha. — Além do mais eu não te chamei aqui para isso.

— Então, do que vossa alteza precisa?

— A audição para líder de torcida já começou?

— Começará sexta, o resultado sai segunda-feira. Por quê?

— Ela poderia tentar entrar? — apontou para mim.

— Ah… infelizmente as inscrições acabaram ontem — lamentou intercalando seu olhar entre Jungkook e eu.

— Não tem como você encaixar ela de alguma forma, huh? — pediu segurando a mão da garota. — Você me deve um favor lembra?

Ela ficou calada por um tempo olhando o garoto e depois de alguns segundos deu um suspiro.

— Tudo bem. Você irá poder fazer a audição sexta ______.

Ah não...

— Okay.

— Muito obrigado Lisa, agora estamos quites — soltou a mão dela e a garota olhou para mim sorrindo.

— Irei pedir para que uma das garotas traga a ficha de inscrição para você escrever seu nome, tudo bem? — aquiesci, então ela saiu nos deixando ali.

— Eu sempre consigo tudo o que eu quero — piscou para mim e revirei os olhos já impaciente. Quero ir embora e fingir que isso tudo não passa de fruto da minha imaginação e quando eu acordar no dia seguinte me decepcionar por tudo ser a minha trágica realidade.

Uma garota de cabelos longos e claros como o de Lalisa se aproximou da gente e pude ver que a mesma segurava uma prancheta. Levei um susto quando senti o garoto se movimentar ao meu lado e colocar seu braço por cima dos meus ombros enqhanto me olhava e sorria. Franzi o cenho já preparada para mandar ele tirar seu barco de cima de mim quando fui interrompida.

— Aqui está a ficha de inscrição — a garota que parecia ainda mais bonita de perto disse estendendo o objeto para mim, agradeci para não soar mal educada e peguei a prancheta.

Pela minha visão periférica pude ver Jungkook sorrir de um modo singular para a garota.

— Como vai Yeri? — questionou.

— Melhor do que nunca Jeon, muito obrigada por perguntar — respondeu sem muita vontade.

— Não te vejo faz um tempo.

— É, ando meio ocupada — ela me olhou e só nesse momento reparei que eu estava prestando atenção na conversa ao invés de assinar meu nome. Abaixei minha cabeça e peguei a caneta.

— Esse final de semana os pais de Jimin vão viajar, ele está pensando em dá uma festa. Se você quiser pode aparecer por lá. Poderíamos trocar uma ideia — sério mesmo que ele está flertando comigo aqui? Sei que não somos namorados de verdade, mas pelo menos o mínimo de respeito eu tenho que exigir.

— Quem sabe… — terminei de escrever meu nome e lhe entreguei a prancheta. A garota olhou para a mesma e depois me encarou. — ________ Baker?

— Sim, minha namorada — Jungkook respondeu antes que eu pudesse ter qualquer reação. Ele segurou minha mão e Yeri nos olhou com uma expressão contraída.

— Eu vou indo. Boa sorte _______ Baker — me olhou de cima a baixo. — Vai precisar — dito isso ela virou-se e voltou a andar em direção as outras garotas. Fiquei confusa e olhei para Jungkook que ainda estava olhando para Yeri, mais especificamente para sua bunda.

— Agora eu entendi tudo — falei atraindo a atenção do coreano.

— Tudo o quê?

— Você está me usando para fazer ciúme nela — enfiei meu dedo no seu peitoral e me surpreendi pelo mesmo ser mais firme do que imaginava, entretanto não deixei que isso me abalasse por muito tempo.

— Nada a ver — desviou seu olhar para qualquer lugar para evitar meus olhos.

— Jeon Jeongguk… — usei um tom mais para o lado psicopata e vi o mesmo me encarar.

— Talvez seja um pouco verdade — resmungou com um bico nos lábios que talvez se fosse em outra situação eu acharia fofo, mas agora não.

— Então você está mesmo me usando! — bati em seu braço.

— Não! Ai Parker! — segurou em meu pulso. — Você é meio forte para uma garota, não acha?

— Talvez você que seja muito fraco para um garoto — rebati e o vi fechar a expressão.

— Você é muito chata.

— E você é um idiota.

— Aish garota… — ele soltou pulso e pressionou sua língua contra a bochecha. — Acho melhor irmos embora.

— Pela primeira vez na vida eu concordo em algo com você — me levantei pegando minha mochila. Jungkook me seguiu com sua jaqueta jogada por cima do ombro, então saímos da escola.

Eu não queria que ele me acompanhasse até minha casa e acabasse descobrindo aonde moro, mas quando tentei fazê-lo mudar de ideia sobre essa sua regra idiota ele simplesmente me ignorou e continuou andando. Demorou cerca de vinte minutos até chegarmos no meu condomínio.

— É aqui — apontei para a casa de tom marfim e Jungkook arregalou os olhos.

— Caralho, você é rica ou algo do tipo? — questinou assustado e tive que me segurar para não rir de sua expressão surpresa.

— Não exatamente, minha mãe é médica e consequentemente tem um salário bom — expliquei sem dar muita importância.

— Nossa… pelo menos se você me agredir de novo e eu tiver que ir para o hospital por conta desses seus punhos de Hulk eu terei minha sogra para cuidar de mim.

— Sogra é uma ova! — bati com meu caderno em seu braço e o vi rir, acabei entrando na onda e o acompanhei nas risadas, paramos gradativamente e quando ficamos em completo silêncio reparei em Jungkook com seus olhos pretos me encarando. — Eu não sei se vou conseguir Jeongguk — ele me olhou confuso então continuei. — Na audição sexta-feira.

— Relaxa, é só você dançar algo que mexa muito o quadril que as garotas irão curtir.

— Aí é que está. Eu não sei dançar. Nada — enfatizei a última palavra.

— Não se preocupe, eu já pensei em tudo — sorriu. — A prima de Jimin é uma das integrantes das líderes de torcida, vou pedir 'pra ela te ajudar.

— E como tem certeza que ela irá me ajudar?

— Ela vai, não se preocupe.

[ …. ]

Observei o corpo esguio da ruiva se mover pelo espaço que havia no quarto enquanto a música ecoava alto na caixa de som, Roseanne Park era uma das melhores dançarinas da escola e até fiquei surpresa por ela ser parente de Jimin, bem que dizem que não escolhemos nossa família. Ao contrário do que eu penso das outras líderes de torcida a Park é gentil e muito agradável.

A música acabou e me levantei da cama com uma cara de quem não vai conseguir aprender aquela coreografia.

— Eu não consigo — disse deixando meus ombros caírem.

— Claro que consegue, não é uma coreografia difícil.

— Mas também não é uma coreografia fácil — repliquei.

— ________, você tem que entender que terão muitas garotas, algumas que dançam faz um bom tempo. Terá que ir com uma coreografia mais elaborada para ter alguma chance, Lisa te encaixou na audição, mas não pense que ela será boazinha — ela se sentou na minha cama e fez um sinal avisando que era a minha vez.

Pensei em sair correndo dali, mas lembrei que estava na minha casa então essa tática não daria muito certo. Era uma situação cômica vendo em terceira pessoa porque eu estava desconfortável na minha própria casa, no meu próprio quarto.

— Relaxa _______ — Roseanne caminhou até mim e eu a encarei, ela olhou para baixo, mais especificamente para minhas roupas. Seu olhar parecia me analisar minuciosamente quando a vi pegar a blusa GG que eu usava de Stranger Things que parecia mais uma camisola em mim e improvisar um nó nas minhas costas. Fazendo com que a blusa ressaltasse mais meu busto. — Agora sim — sorriu.

Fiz uma careta e dei play na música, virei de costas esperando a coragem dá um chute na bunda da minha covardia, entretanto estava difícil.

— Pode começar — a garota disse e eu forcei meu corpo a se mover, mas estava difícil. Acho que primeira lei de Newton estava sendo praticada por mim: A lei da inércia. — Faça assim… — ouvi Roseanne dizer e olhei para trás. — Imagine-se dançando para Jeongguk.

Voltei a olhar frente e fiz uma careta. Por que eu iria fingir dançar para aquele idiota? Nem dele eu gosto de verdade.

Fechei meus olhos com toda a força que pude e comecei a mexer meu quadril para os dois extremos, senti minhas bochechas esquentarem só por conta disso. Depois tentei deixar meus braços mais soltos e os passei por trás da minha cabeça me lembrando pouco a pouco da coreografia que Rosseanne fez para mim. Dei o meu melhor, mesmo com os olhos fechados grande parte do tempo e nem sequer reparei quando a música finalmente parou.

— Wow… — abri meus olhos e a ruiva a minha frente sorria. — Você foi perfeita.

— Sério? — questionei surpresa, já que sempre tive a certeza que a dança não era o meu forte.

— Sim. Tem certeza que nunca participou de alguma aula de dança? Balé? Jazz?

— Tenho certeza.

— Então como aprendeu os passos tão rápido?

— Eu observei cuidadosamente você dançando e guardei os passos na minha cabeça — falei voltando a me sentar na cama, só por dançar essa coreografia estou cansada. Sedentária, nem com tanto orgulho assim. — Faço parte do grupo de astronomia da escola, lá somos instruídos a sempre observar o movimento das estrelas por horas e por isso cosengui desenvolver um alto grau de concentração — expliquei e ela ainda parecia surpresa, mas logo sorriu.

— Aonde foi que Jeongguk achou uma peça rara que nem você hein? — riu e a acompanhei.

— Sou muito para ele, eu sei — dei de ombros brincando.

Ensaiamos mais um pouco e começou a ficar tarde para Roseanne ir embora. Ela colocou a música que eu tinha que ensaiar na minha playlist no Spotify e disse que eu estava dançando bem, mas era para ensaiar até o dia da audição para eu chegar lá com tudo.

— Boa sorte sexta-feira ________ — disse sorrindo para mim assim que chegamos a porta.

— Obrigada pela ajuda Roseanne — agradeci vendo ela pegar o celular no seu bolso conferindo a hora.

— Me chame de Rose — piscou para mim.

— Mas só as garotas que integram as líderes de torcida te chamam assim.

— Ah querida, eu tenho certeza que logo você irá se tornar uma de nós, uma cheerleader — acenou para mim caminhando em direção ao carro prata parado no meio da rua.

Fechei a porta e bati minha cabeça contra a madeira inúmeras vezes. Olhei para a minha blusa e reparei que a cara da Onze estava deformada por conta do nó que Rose deu nas minhas costas, apalpei o mesmo e tentei desfazê-lo, mas não deu muito certo.

— Merda... — resmunguei.

Vi minha mãe aparecer na sala segurando um pote de pipoca e eu me aproximei dela, me sentando ao seu lado no sofá. 

— Novo estilo? — apontou para minha blusa.

— Estava ensaiando. 

— Ensaiando para quê? — questionou confusa e eu peguei um pouco de pipoca enfiando na minha boca.

— Audição para líder de torcida — tentei dizer sem por muita empolgação na voz, mas minha mãe arregalou tanto os olhos que tive que encará-la. — É, eu sei... — suspirei. 

— Minha filha, uma líder de torcida? — riu e ligou a televisão. — Isso sim é uma novidade. O quê aconteceu nesses últimos dias na escola para você mudar assim?

— A senhora nem faz ideia... 


Notas Finais


Vou acabar por aqui se não ficará maior do que eu gosto para um capítulo.

Meu perfil: @BTSonCrack


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...