História A Mentira ( Imagine T.O.P) - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Big Bang, T.O.P
Personagens Personagens Originais, T.O.P
Tags Choi Seung Hyun, Top
Visualizações 21
Palavras 1.380
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Ficção, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - Trevas


Eu avisei. Com certeza Yumi diria isso a mim se me visse agora. A essa hora ela já deve saber sobre o meu sequestro, e também deve ter contado ao Seung Hyun sobre isso... droga!

Tudo de ruim que está acontecendo comigo é culpa dele... não, não é culpa dele. A culpa é minha mesmo. Nada disso estaria acontecendo se eu tivesse sido sincera sobre mim; mas não, a retardada aqui (eu) tinha que continuar aquela mentira inventada pela Yumi, e tudo para quê? Para conseguir o amor de alguém que agora me odeia. 


— Você parece muito calma 'pra alguém que foi sequestrada. — disse o meu sequestrador. Essa cara também é outro idiota! Quero ver a cara dele quando perceber que ninguém pagará pelo resgate. 

— Prefere que eu chore? Se meu silêncio estiver incomodando você eu posso começar a gritar. — fala sério? O cara me tira da minha casa, me amarra, me leva 'pra um lugar escuro e sujo que tem cheiro de banheiro de buteco, e ainda reclama do fato de está calma.

— Eu não estou reclamando, é só que eu estranho você está tão quieta. 

— Aprendi a manter a calma em momentos difíceis. — eu só estou quieta por que sei que logo ele se cansará de mim, depois que ele ver que não pagaram mais de 50 dólares pelo meu resgate. 

— Como aprendeu isso? 

— Aprendi na escola, em dias de prova. — tentei ser engraçada, mas não deu certo. — Quanto tempo já se passou? — os segundos me pareciam uma eternidade, trancada nesse lugar com um cara fantasiado de ninja.

— Meia hora. — ele conferiu o relógio em seu pulso. 

— É brincadeira, né? — jurava que já havia se passado 2 horas ou mais.— Você está perdendo tempo comigo, já disse que ele não vai pagar pelo meu resgate. 

— Você é uma pintora famosa, quem não pagaria pelo seu resgate? E aliás, porque o TOP não pagaria o resgate da namorada? 

— Você precisa saber duas coisas. A primeira é : eu não sou uma pintora; Segunda : eu não sou namorada do TOP. — não sou a namorada dele e nunca vou ser agora que ele me odeia. 

— Não mente 'pra mim. Eu sei que os boatos espalhados por aí são verdadeiros. Tenho vigiado vocês dois desde do começo. 

— De que começo? Nunca teve um.

— Desde que seu quadro foi exposto no Museu. 

— Foi nesse dia que eu conheci o Seung Hyun. Nem sabia quem ele era antes disso.

— Mas eu sabia que iria acontecer algo entre vocês dois. Ainda bem que eu o segui naquele dia. 

— Por acaso você é um maluco que vive perseguindo o TOP?

— Talvez. 

— Você é um Sasaeng? — se ele for eu vou começar a gritar. 

— Não. — deu uma risada abafada devido a máscara que usava. — Se eu fosse um Sasaeng você já estaria morta.— ele tirou a máscara e o boné que me impediam de ver o rosto dele. — Eu sou só alguém que viu uma oportunidade de conseguir muito dinheiro. 

— 'Pera, eu me lembro de você. Foi você que me deu carona outro dia.

— Se lembrou de mim, senhorita Kim.


Acho que está na hora de falar a verdade pra esse cara.


— Você precisa saber uma coisa. Meu nome não é Kim Yumi, eu não sou pintora e o TOP me odeia. E isso não é mentira, essa é a verdade; a verdade que eu devia ter contado faz tempo. 

— Sei... — ele fez uma cara tipo vou fingir que acredito. — Se seu nome não é Yumi, então como se chama? 

— Não vou falar meu nome 'pra você, pois é meio difícil para alguém que não conhece a língua portuguesa pronunciar. 

— Está mentindo. 

—Não estou, é sério. Ninguém nesse país consegue pronunciar meu nome direito. 

— Não vou acreditar nessa historinha. Principalmente a parte que você disse que o TOP te odeia. 

— Eu mereço... — engraçado, quando eu minto as pessoas acreditam fielmente em mim, mas quando eu digo a verdade...



(1 mês atrás)


Cheguei em casa mais uma vez depois de um dia tedioso na escola. Não vejo a hora de acabar com esse intercâmbio e voltar logo para o Brasil. 

Já era para ter voltado ao meu país faz tempo, mas como eu não sou uma pessoa inteligente e também sou muito preguiçosa, não me dei bem na escola e tive que ficar dois anos a mais na Coréia do Sul. 

Meus pais não me deixam voltar para o Brasil enquanto eu não terminar meus estudos aqui. Triste realidade. 


— Cuidado! — Yumi gritou, me fazendo ficar igual a uma estátua. — Você quase se esbarrou com o quadro que eu acabei de pintar, a tinta ainda está fresca. 


Deixa eu apresentar a minha amiga, com quem eu divido o apartamento — Park Yumi — ela tem 22 anos e está cursando medicina, não por escolha dela e sim por causa dos pais. O seu sonho sempre foi ser uma pintora, queria ficar famosa pelo seus quadros; mas os pais dela acabaram com o sonho da garota dizendo que ela jamais conseguiria ter algum "futuro" com os "rabiscos" que fazia. Cruel.

Então, quando não está na faculdade ou estudando, ela pinta, porém só faz isso para aliviar o estresse. 


— Você tem mesmo que deixar esse quadro bem perto da porta? — perguntei.

— Não, mas eu não sabia onde pôr. — ela tirou o quadro desesperadamente de perto da porta e o deixou próximo a janela. 


Yumi estava com aquela cara de quem não dormiu a dias. Com certeza é por causa dos estudos. 


— Está tudo bem? Você parece mal.

— Eu estou mal. Aquela maldita faculdade tem me tirado o sono.

— Você devia largar essa faculdade. 

— Não é tão fácil assim. Você sabe que tem os meus pais...

— Sim, eu sei. Mas você já é maior de idade. É dona do seu próprio nariz, pode fazer o quê quiser. 

— Não posso fazer o quê eu quiser enquanto for sustentada por eles. 

— Tinha me esquecido disso. — infelizmente, assim como eu, Yumi depende do dinheiro dos pais para viver. Ela já tentou arranjar um emprego, mas nunca conseguiu. — E os seus quadros? 

— O quê têm eles? 

— Alguém poderia se interessar por eles. Você podia vender por uma boa quantia. 

— É uma boa ideia, mas ninguém vai se interessar por um quadro de uma desconhecida.

— Com sua falta de otimismo ninguém vai se interessar mesmo.

— E ainda tem os meus pais. Eles odeiam artistas, imagina o quê os dois fariam se descobrissem que eu ainda desenho. Me odiariam pelo resto da vida. 

— Você poderia vender seus quadros usando um nome falso. 

—Um nome falso? Que tal "Kim Yumi"?

— Que original! Só trocou o sobrenome, dêem um oscar para a Yumi! Ela merece. — bati palmas.

— Não tem graça. 

— Eu não sei ser engraçada. 

— Tive uma ideia! — ela pegou um de seus quadros que estava pendurando na parede, o maior deles. — Eu vou ao Museu de arte. Talvez eu demore para voltar. 


[...]


Já é noite e a Yumi ainda não chegou. Okay, ela é maior de idade e pode ficar na rua até a hora que ela quiser. Porém são 2 da manhã e a Yumi não é de ficar fora de casa a essa hora. 

Fiquei preocupada , até liguei para ela, mas a maluca deixou o celular em casa. 

Como eu sou preguiçosa e não estava com a menor vontade de sair, decidi assistir os noticiários da madrugada para saber se falava algo sobre uma jovem e um quadro grande com traços coloridos. 

De repente a porta da sala abre, finalmente Yumi voltou. Sem o quadro. 


— Graças a Deus! — disse.— Onde você estava? Ficou no Museu até a essa hora? 

— Eu fui comemorar...— ela está meio tonta. Está bêbada. — O Museu vai expor o meu quadro. 

— Que notícia ótima! 

— O meu não, o seu quadro. 

— Como assim o meu quadro? 

— Esqueça o seu nome, a partir de agora você será "Kim Yumi", a jovem que pintou o quadro " Trevas".


O quê deram para essa maluca tomar?





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...