1. Spirit Fanfics >
  2. A mentira (SaNami) >
  3. Parte 5 - Quebrando regras

História A mentira (SaNami) - Capítulo 5


Escrita por: Blue-Lana

Notas do Autor


OI, como vocês estão?
Espero que bem.
Demorou um pouco, mas estou de volta. O capitulo não foi revisado, portanto, pode contém muitos erros e coisas sem sentido.

Capítulo 5 - Parte 5 - Quebrando regras


Fanfic / Fanfiction A mentira (SaNami) - Capítulo 5 - Parte 5 - Quebrando regras

 

Sanji estava imerso em seus próprios pensamentos enquanto observava Nami levar o drink que estava bebendo aos seus lábios. Qual deveria ser o próximo passo agora que o acordo existia? Quando propôs a ela o acordo, não imaginou que a ruiva aceitaria tão facilmente sua proposta. Deveriam sair dali imediatamente e levá-la para seu apartamento e aproveitar os poucos dias que teriam juntos até que tudo aquilo terminasse e voltassem a ser o que eram desde o início, apenas amigos?

    Pegou o copo que estava depositado em sua frente dando apenas um gole e sentindo o líquido descer queimando sua garganta, deixando o copo vazio no mesmo lugar e voltou a fumar o que restava do cigarro em suas mãos, demorando um pouco para soltar a fumaça de seus lábios. Nami sabia que ele estava nervoso devido ao fato que ele não conseguiu pronunciar nenhuma palavra depois de sua afirmação. No local, tocava uma música um tanto agradável quanto sugestiva ao que se poderia dizer da letra, dando ainda mais um clima de expectativa e ansiedade para saírem dali e continuarem a noite em um local calmo e mais íntimo.

- Sanji-kun - ela o chamou e imediatamente o loiro, pôs-se a prestar atenção no que ela dizia - Não quero mais ficar aqui, então o que você acha de encerrarmos os drinks por hoje e irmos para seu apartamento? 

Era tudo que o loiro precisava ouvir naquele momento. Uma confirmação de que terminariam a noite juntos sem parecer que fosse um sonho, ou uma mera ilusão de sua parte. Olhou para a ruiva com seu olhar apaixonado e chamou o garçom mais próximo deles para que trouxesse a conta e pudesse pagar. Caminharam para fora do Bartô Clube e os próximos minutos foram de muita ansiedade para os dois.

Ainda dentro do carro, a caminho do apartamento de Sanji, Nami se perguntava qual era a cor da lingerie que estava usando, pois justo naquele momento não conseguia se lembrar da cor e torcia para que não fosse bege. Fora isso estava tudo bem, a depilação estava em dia e não se sentia desconfortável em estar fazendo isso com o próprio amigo, que não era tão amigo assim naquele momento, já que em sua cabeça havia uma vozinha, bem no fundo que dizia a si que era certo e bem normal o que estavam indo fazer.

Assim que estacionou o carro em sua vaga na garagem do prédio, caminharam para o elevador, sendo acompanhados pelo olhar curioso do porteiro sobre eles e apertando o portão do último andar, a caixa metálica começou a subir. O clima pareceu mudar com os dois juntos no pequeno espaço e antes que pudessem pensar melhor, estavam se beijando. Pareciam dois loucos famintos um pelo outro, os lábios se movimentavam rapidamente e suas línguas dançavam entre si enquanto Sanji a prensava na parede da caixa se segurando para não despi-la ali mesmo.

Então, pela infelicidade dos dois, o elevador parou de subir e as portas se abriram fazendo com que se separassem por breves minutos até estarem acomodados dentro do apartamento e dali pudessem continuar. Nami mal conseguiu observar o interior do lugar com Sanji a segurando por trás bem firme em sua cintura, a levando para o quarto. 

Sentiu o colchão macio em suas costas quando Sanji a jogou na cama e em seguida se posicionou entre suas pernas continuando de onde tinham parado. Era um beijo selvagem, sem nenhum pouco de delicadeza ou romantismo vindo dos dois, que estavam famintos um pelo outro. Quando sentiram a falta de ar em seus pulmões, o loiro passou a explorar o pescoço alvo da mulher com beijos e mordidas,  marcando sua pele.

Não demorou muito para que ele resolvesse tirar o belo vestido que ainda estava em seu corpo para ter mais acesso e saborear os seios enormes que a ruiva ostentava e que já imaginou diversas vezes brincando com eles. Descendo a alça do vestido para baixo, teve uma ótima visão dos mamilos rosados e intumescidos, à espera de sua boca.

Nami que observava o homem à sua frente, vidrado em seus seios, sentia o corpo esquentar e sua intimidade ficar ainda mais encharcada com o quão sexy e safado ele era. Sentiu a língua úmida tocar no mamilo direito enquanto ele apertava o outro seio fazendo-a soltar um gemido alto e surpreso pela reação que teve ao seu toque.

- Isso é música para meus ouvidos, Nami-swan - Ele disse com a voz rouca enquanto a via tapar a boca para que não saísse mais sons. - Eu quero que grite o meu nome quando eu colocar o meu pau dentro de você.

Nami sentiu arrepios por toda extensão de seu corpo com o que ele disse e sem tempo para raciocinar, sentiu ele novamente, agora chupando os seus seios, enquanto mordiscava toda a região, se revezando em cada lado. Sentia que poderia gozar a qualquer momento apenas com aquele estímulo enquanto mais e mais gemidos saiam de seus lábios. Tentou inutilmente levar uma das mãos até sua intimidade, em busca de alívio, o que não teve sucesso já que o loiro a impedira de fazer tal ato. 

- Eu sei que você quer gozar, Nami-swan - ele disse bem perto de seu ouvido - mas de agora em diante, fará isso apenas por mim.

Ela nada disse, diante daquilo não conseguia dizer uma única palavra para o contradizer, apenas balançou a cabeça em sinal de concordância e esperou obediente como uma boa menina. Ele a deixou nua, dando um sorriso safado à garota quando viu a calcinha de renda vermelha toda encharcada por causa dele. Abriu as pernas da ruiva, deixando sua intimidade úmida e inchada totalmente exposta para ele e deu sua devida atenção àquela parte, dando a ela o primeiro orgasmo da noite.

Ele chupou sua buceta rosada com tanto afinco, enquanto ouvia de sua boca, a súplica para que não parasse. Ele estava excitado, seu membro mal cabia em suas calças de tão apertado que estava ali, querendo, desejando estar dentro da garota enquanto ele a comia com a boca. Sentiu o aperto de suas pernas relaxar quando seu prazer veio em cheio e o tomou todo para si, como um delicioso manjar dos deuses.

 Sanji, que ainda se encontrava vestido, se levantou se separando de Nami e tirou peça por peça de seu corpo, dando uma visão completa de seu corpo forte. Ele não era uma parede de músculos, mas tinha cada parte de seu corpo definida e bem gostosa. Observou cada parte de seu corpo, mordendo o lábio inferior com uma vontade absurda de provar o gosto dele.

- Sanji-kun, eu.. - tentou dizer mas foi interrompida pelo mesmo que se encaminhava entre as pernas dela.

- Ah, Nami-swan, hoje é sobre o seu prazer e não o meu. - disse se posicionando na sua entrada - eu gostaria muito da sua boquinha em volta do meu pau o chupando com tanta fome e tomando todo o meu leite, mas eu não posso esperar mais para te ter pra mim.

Ele esfregou a cabeça de seu pau em sua entrada fazendo-a suspirar e em seguida a penetrando devagar para se acostumar com ele. Era tão apertado ali dentro que Sanji sentia-se ser abraçado pela cavidade quente dela. Iniciou movimentos lentos e repetidos esperando que ela implorasse por mais, a torturando a cada estocada, que da parte dela não teve, preferia agir do que implorar por mais dele.

Então, quando teve a oportunidade, Nami conseguiu trocar suas posições ficando por cima de Sanji e começou a ditar a velocidade das estocadas. Rebolou em seu pau, sentindo ele encostar em seu ponto de prazer e ao olhá-lo observou as pupilas dilatadas de prazer e seu agarre firme em sua cintura. Começou a subir e descer dando a visão de seus seios fartos balançando, a cada minuto sentindo dificuldade de respirar e as contrações involuntárias da sua buceta indicando que iria gozar outra vez.

- Fique de quatro - O loiro proferiu quando trocaram as posições novamente.

Com um pouco de dificuldade, ainda sentindo os espasmos do recém orgasmo, Nami empinou a bunda dando a ele uma boa visão de seu traseiro. Penetrou sua cavidade outra vez e iniciou estocadas fortes, aumentando gradativamente a velocidade, ouvindo a gritar de prazer. 

- S-Sanji-kun - disse em um sussurro quase inaudível quando sentiu um, dois, três tapas seguidos em sua bunda, sentindo uma mistura de dor e prazer.

- Gostosa - enrolou os cabelos ruivos em sua mão fazendo com que arqueava as costas. Os dois estavam chegando aos seus limites. O suor escorria de seu corpo, sentindo sua liberação vir, com a mão livre, massageou o ponto sensível de Nami para que dessa vez gozassem juntos.

 

*****

 

Sentiu os raios de sol em seu rosto, fazendo-a se virar para o outro lado na cama e perceber que estava sozinha no quarto. Aos poucos foi despertando do belo sono, começando a se lembrar da noite agitada que teve com Sanji. Ele não parecia que estar ali, estava muito silencioso e com medo do que viria em seguida resolveu então se levantar, sentindo todo seu corpo protestar e pegou a roupa que estava jogada ao chão para vestir novamente. 

Caminhou para o banheiro que ficava no quarto e ao se olhar no espelho, contemplou o belo e chamativo chupão que ocupava uma boa parte do seu pescoço. Teria que usar muita maquiagem se quisesse esconder aquela mancha dos olhares alheios. Descendo o olhar no espelho observou outras manchas perto dos seios, e marcas de dedos se lembrando de cada detalhe e como Sanji parecia selvagem e dominante. Com o rosto corado, limitou-se a fazer sua higiene matinal e saiu para fora dali. 

Era estranho estar ali, em sua casa, depois da melhor noite que teve em sua vida e ainda assim, sentir um pouco de medo e receio de como ele a trataria quando se vissem. A imagem de um Sanji indiferente ao que eles tinham, surgiu em sua mente e se sentiu culpada por tais pensamentos, tendo em seu coração dúvidas se ele a trataria como todas as outras mulheres com quem ele se deitou.

Deixando sentimentos confusos de lado, caminhou a passos lentos até a cozinha no intuito de beber um pouco de água e ir embora para seu próprio apartamento. Pensaria depois como encararia o que eles tinham e como resolveria a bagunça que se tornou ao aceitar ajudá-lo para início de conversa.

Se deparou com a mesa posta e uma infinidade de alimentos, fazendo seu estômago despertar e clamar por comida. Sanji estava perto do fogão virado de costas para si, vestido apenas por uma cueca preta enquanto terminava de preparar o que parecia ser panquecas.

“Ele teve todo esse trabalho de preparar um café da manhã completo e eu achando que ele estava fugindo de mim”, pensou ao dar mais alguns passos tendo sendo notada por ele.

    - Bom dia, Nami-swan - disse assim que a viu parada no meio de sua cozinha - espero que esteja com fome - deu um sorriso ladino como se completasse “depois da noite de ontem”.

    - Bom dia, Sanji-kun - desviou o olhar dele encarando a mesa à sua frente, logo se sentando em uma das cadeiras - parece tudo muito gostoso, obrigada por preparar.

    Logo ele também se sentou trazendo em suas mãos um prato cheio de panquecas com calda e iniciaram o desjejum em silêncio. Ali diante do cavalheirismo de Sanji de que conhecia tão bem, ela sabia que algo estava mudando entre os dois. 

Entre ela. 

Ela sabia que estava quebrando a regra mais importante para os dois, para que não os colocassem em um campo minado e saíssem despedaçados no final de tudo. Ela estava  se apaixonando por cada detalhe dele e não sabia como encarar isso. 

 


Notas Finais


Me digam o que vocês acharam.
Espero que tenham gostado e até a próxima!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...