1. Spirit Fanfics >
  2. A Mistura Perfeita. >
  3. Capítulo 34

História A Mistura Perfeita. - Capítulo 34


Escrita por:


Notas do Autor


Segunda vez postando o capítulo, porque percebi algumas coisas. ^^'

✨O recado sobre lavar as mãos e sair apenas se for essencial continua valendo.✨

Boa leitura!

Capítulo 34 - Capítulo 34


Fanfic / Fanfiction A Mistura Perfeita. - Capítulo 34 - Capítulo 34

Acordei sentindo uma pressão na barriga. Abri os olhos e vi que minha princesa estava sentada em cima dela. Ela precisa parar com isso.

— Bom dia, mamãe! – pulou.

— Ah! Para de pular, isso dói. – segurei sua cintura. — Bom dia, meu amor. – a puxei e lhe dei um beijinho.

— Que vestido é esse?

— Hum? Ah, é a blusa do seu pai. A minha roupa sujou quando eu fui… comer e ele me emprestou essa. – puxei a peça para baixo.

— Ah, 'paiece um vestido. – falou rindo. — Mamãe? – empurrou meu queixo para cima e chegou perto do pescoço. — O que é isso? – colocou o dedo na área. — Machucou?

— O quê?

— Aqui 'ó? – levou o dedo mais uma vez e pressionou o local.

Andei até o armário e olhei meu reflexo no espelho. Um chupão? Eu vou matar o Natsu.

— Não é machucado, um mosquito me mordeu e ficou assim. – disse olhando aquele chupão e passando o dedo, mordendo o lábio inferior.

— 'Eia um mosquito 'gande?

Me joguei em cima dela e ela riu. Rolei na cama e a menina ficou por cima.

— Muito grande. – em todos os sentidos.

— 'Modeu aqui também, 'ó. – pressionou meu seio.

— Pois é. – ri de nervoso. — Que mosquito danado.

— Doeu? – fez cara de pena.

— Um pouco.

— 'Vamo 'emboia! – a segurei quando ela tentou levantar.

— Por quê?

— Eu não 'queio 'fica aqui com esse mosquito 'gande. – falou olhando para os lados.

— Não precisa se preocupar, esse mosquito não vai te morder.

— Como mamãe sabe? 'Eie pode 'gosta de mim. 

— Ele gosta de você, mas não vai te morder assim. Eu prometo.

— 'Pomete? – confirmei. — Então 'tá.

A joguei na cama e distribuí beijos pela sua barriga, o que arrancou diversas risadinhas.

Batidas à porta foram ouvidas e então ela abriu.

— Bom dia, meus amores.

— Bom dia!/Bom dia. – falamos juntas. 

Natsu encarava descaradamente minha bunda e sorria malicioso. Eu estava de quatro em cima dela e por isso sentei direito no colchão.

A menina se desvencilhou de mim, correu na cama e se jogou em seus braços. Deu um beijo em sua bochecha e um abraço.

— Papai, tem mosquito aqui.

— O quê?

— 'Oia! Mamãe 'mosta a 'eie. – fiquei sem graça e mostrei as "mordidas". — Ah, na 'pena tem também! – olhei para a parte interna da minha coxa. — Viu? O mosquito 'gande 'modeu a mamãe 'inteiia. – ele gargalhou e eu revirei os olhos. — Você 'tá 'indo 'deia? – fez biquinho e mexeu as perninhas para que ele a soltasse.

— Não, não 'tô rindo dela. Eu ri porque ela fez uma cara engraçada. – Nashi parecia desconfiada. — Pode deixar que eu vou dar um jeito nesse mosquito grande.

— Viu, mamãe, 'eie vai 'dá um jeito. – disse sorrindo.

— Obrigada, Natsu. Meu herói! – falei sorrindo e levei a mão ao coração, fazendo uma cena.

— 'Heiói! 'Heiói! – disse rindo e jogou os braços para cima.

— Vem, princesa, agora vamos escovar os dentes e comer, porque eu 'tô morrendo de fome.

— Ah, eu vou pegar a escova de vocês.

— Temos escova, é? Hum…

— Eu não menti quando disse que queria que viessem mais aqui. – sorriu.

Abriu o armário e nos entregou os objetos antes de sair do banheiro. Fechei a porta e fizemos o que tínhamos que fazer. 

Ao chegar na cozinha, ajudei a pequena a sentar à mesa, seus pezinhos ficaram balançando no ar. Havia várias opções de comida e bebida servidas.

— Uau! Teremos visita? – falei sentando.

— Sim, as pessoas mais importantes e que eu mais amo.

— Quem 'xão? – perguntou fazendo biquinho e cruzou os braços.

— Você não sabe? – ela negou. — Uma delas é uma menina pequena, com cabelos cor de rosa, um sorriso muito bonito e olhos lindos. Aliás, ela é toda linda. – ela corou. — E a outra é uma mulher adulta, loira, com olhos e sorriso bonitos e que é toda maravilhosa. – inclinou-se e sussurrou uma última coisa. — E muito gostosa também. – afastou-se e eu ri. — Você conhece pessoas assim?

— Hum… – um sorriso brotou em seus lábios. — Sou eu e a mamãe? – ele confirmou. Ela olhou para mim. — Nós duas. – sorriu grande.

— Isso, vocês duas! – deu um beijo na testa dela e um selinho em mim. — Pronto, podem comer.

Separei a parte dela, a minha e, mesmo sob protesto, a dele também. Comemos em meio a risadas e conversas sobre diversos assuntos. Vez ou outra, o assunto "mosquito" surgia, principalmente depois que ela viu outras "mordidas" pelo meu corpo.

Terminamos a refeição e Nashi foi assistir desenho. Eu fiquei e o ajudei a tirar a mesa, mesmo ele insistindo em fazer sozinho. Enquanto lavava a louça, achei que era um ótimo momento para falar sobre o assunto, mas antes de dizer qualquer coisa, ele começou.

— Minhas camisinhas acabaram, me lembre de comprar mais. – aproximou-se e encostou na pia. — Se bem que a gente pode fazer sem, pele na pele é bem melhor. 

— Tem razão, mas não faremos!

— Por quê?

— Lembra da Nashi? Pois é e eu já tomei a pílula do dia seguinte há alguns meses, então não.

— O quê? Quando você tomou?

— Lembra da primeira vez no chão da minha sala? Não usamos camisinha e no dia seguinte, antes do trabalho, eu fui na farmácia.

— E por que não me falou?

— 'Pra quê? – me virei e peguei o copo da menina que havia sido esquecido na mesa.

— Já pensou se vem uma irmãzinha ou irmãozinho 'pra Nashi?

Deixei o copo cair e ainda bem que era de plástico.

— Eu não quero engravidar. – voltei a lavar.

— B-Bom… Hum, vou comprar várias, deixar algumas aqui e outras lá na sua casa. – ri.

— Ok! Agora que isso 'tá resolvido, eu preciso conversar com você. – olhei para trás e vi que ela estava distraída. — O aniversário dela 'tá chegando. – falei baixo.

— Quando é?

— Adivinha qual foi meu presente de Natal?

— Ela faz dia 25 de dezembro? – confirmei. — E você dia 24.

— Você lembra? – perguntei surpresa.

— Como se fosse possível esquecer uma data tão importante. – se aproximou e beijou meus lábios. Sorri. — Você faz festa?

— Que festa, Natsu, eu lá tenho dinheiro 'pra fazer isso? – ri. — Compro um bolinho com a vela, faço brigadeiro e alguns salgadinhos. Passamos sempre nós duas, não tem necessidade de coisa grande.

— Hum, mas esse ano eu 'tô aqui. – coçou a nuca.

— Eu sei e por isso estamos conversando agora. Pensei em fazer o mesmo de sempre, mas dessa vez em maior quantidade e mais tipos. Pensei também em comprar bolas, aqueles chapeuzinhos e quem sabe até um painel de tema. – na hora que ele abriu a boca, eu continuei. — Que eu até já escolhi: "As Meninas Superpoderosas". Ela vai amar, não deve ser difícil encontrar nessas lojas de festas. Como você 'tá aqui, tem me sobrado um dinheiro e por isso dessa vez será uma verdadeira festinha. Apenas nós três, mas uma festa.

— Que lindo esse sorriso no seu rosto. – ele disse e eu me senti corar. Apesar de nós termos diversos momentos íntimos, eu sempre fico tímida com esse tipo de frase. — Vamos fazer isso então. Se você quiser, no sábado que vem, eu vou e compro. 

— Não, eu 'tô de férias e posso ir. Você fica com ela 'pra mim. Será a primeira festinha oficial e faço questão de cuidar de tudo.

— Ok, pode contar comigo. – sorriu. 

Me aproximei e dei um selinho nele.

— Só de pensar no quão feliz ela ficará… Meu coração se aquece. – sempre isso. — E finalmente consegui falar desse aniversário com você. – rimos.

Terminamos de cuidar da cozinha e voltamos à sala. Peguei Natsu me olhando várias vezes e também, ele não parava de se mexer. 

— O que foi?

— Não, nada. – disse, mas sua perna não parava quieta.

Tão óbvio. 

Algo está incomodando esse homem.


Notas Finais


Aaa Nashi meu xodózinho! 💕

Obrigada pelos comentários! ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...