1. Spirit Fanfics >
  2. A month with - Harmione >
  3. Dia 29 - Encontros desajeitados.

História A month with - Harmione - Capítulo 29


Escrita por:


Notas do Autor


Mais uma vez falhei no compromisso q ódio! Foi mal gente! E novamente é pq n tive tempo pra NADA nem tempo pra responder os comentários de vcs eu estou tendo ultimamente, então pfvr desculpe se eu não respondi seu comentário ou mensagem particular!
Morgana do céu que dor de cabeça q tive hj! (N n é ressaca pq eu odeio bebidas alcoólicas) mas enfim... Eu capotei ontem e hoje cheguei até a cochilar á tarde, uma coisa muito rara de acontecer aliás.
Voltando... Krai, penúltimo capítulo gente... Se eu não tivesse falhado em alguns dias, já teria terminado, argh mas ja????
Enfim, esse é mais um daqueles capítulos que estou tentando explorar novos jeitos de escrita, e nesse foquei um cadinho mais nos diálogos do que nas emoções e sentimentos dos personagens, ent se incomodar vocês, ou qualquer outra coisa é só comentar, esses testes são justamente para saber as opiniões de vocês sobre ok?
Me empolguei sorry...

✨Leitura, boa, beringela, aspargo e milho. (????)✨

Capítulo 29 - Dia 29 - Encontros desajeitados.




"É um encontro."

Hermione sorriu quando as palavras de Harry naquela noite ecoaram em sua cabeça.

 Ela estava deitada na cama, pensando em sua conversa com o moreno mais cedo na biblioteca. Ela estava lendo para sua redação de Transfiguração quando ele se aproximou e sentou-se com ela, falando preguiçosamente por um tempo.

Ela mencionou a visita a Hogsmeade que aconteceria no dia seguinte, perguntando com quem ele iria. De alguma forma, ele conseguiu mudar a conversa sem dar a ela uma resposta.

 Hermione acabou por dizer  que não iria para Hogsmeade.


— Eu nem mesmo vou me incomodar em ir para Hogsmeade amanhã... - Comentou ela despreocupadamente com um leve encolher de ombros. - Há muito dever de casa a ser feito. Alguns livros para concluir... E bem... Além disso, não tenho ninguém com quem ir.


— Por que não? Por que ninguém iria com você, Mione? - Harry ergueu uma sobrancelha em curiosidade.


Hermione suspirou impacientemente. 


— Honestamente, Harry! Quantas vezes eu tenho que repassar isso? Eu não sou exatamente o tipo de garota que os caras olham duas vezes. Nem mesmo uma vez...


— Como você saberia disso? Existem muitos caras por aí que gostariam de você. - Ele comentou ficando levemente tímido, coçando a nuca após.


— É mesmo? Então me diga um. - Agora foi a vez de Hermione levantar uma sobrancelha cética. 


— T-tem... Um cara- Harry começou a se remexer desconfortávelmente em seu assento.


— Certo, Harry. Entendi. - Hermione bufou alto. Ruidosamente.


Claro, não demorou muito para Hermione descobrir quem gostava dela, já que ele disse a ela de qualquer maneira. Embora, ela nunca tivesse descoberto que era ele.

 Eles compartilharam um beijo doce na biblioteca. Não foi muito longo, mas foi tenro e direto ao ponto. Logo depois disso, Harry a convidou para ir a Hogsmeade, enquanto se ajoelhava.


— Honestamente? - Ela perguntou, corando enquanto as pessoas olhavam boquiabertas para eles. - Você pensaria que estivemos juntos por mais de três minutos...


Harry estava bastante decidido, entretanto, perguntar a ela dessa forma nessa ocasião, e permaneceu naquela posição - ajoelhado e segurando uma de suas mãos - até que ela dissesse sim. Quando ela o fez, o moreno finalmente sentou-se novamente, com o joelho doendo um pouco.

Hermione sorriu ao se lembrar dele se contorcendo em sua posição por um tempo. E com uma risada, ela disse que sim.

Eu queria te dizer isso há muito tempo.

A castanha sorriu novamente. Merlin, ela nem sabia há quanto tempo ele gostava dela. 

Mas tudo bem. 

Ele a amava, e agora isso era tudo que importava.


— Sinto muito... Harry, e-eu sinto muito, muito mesmo!


— Está tudo bem! - Harry respondeu irritado, e evitando explodir na frente dela, não seria um babaca á esse ponto. - Eu simplesmente amo esperar no frio por duas horas e meia pelo minha melhor amiga.... - Ele cutucou na ferida.


Hermione tentou evitar as lágrimas que cresciam rapidamente. Ela percebeu como ele a chamou de sua melhor amiga e não sua namorada.

 Granger se repreendeu rapidamente.

 Ela e Harry não ficaram juntos por um dia.


 — Eu não tinha ideia de que tinha dormido demais hoje. Sinto muito....


— O que você estava fazendo acordado tão tarde, afinal? - O rapaz perguntou, lutando contra a impaciência enquanto caminhavam em direção às carruagens.

Hermione corou e desviou o olhar. 


— Só estou pensando em algumas coisas... - Ela murmurou.


A personalidade concisa de Harry se suavizou ao ver as lágrimas em seus olhos. Ele suspirou e pegou a mão dela.


 — Está tudo bem. Sinto muito. Não é sua culpa. - Ela olhou para ele, suas lágrimas ameaçando cair ao sentir como sua mão estava fria. Era muito pior do que ele jamais demonstrou.


— É sério Harry! Eu realmente sinto muito! - Ele sorriu para ela, puxando-a para mais perto dele. Ele deu um beijo rápido na bochecha dela. Hermione sentiu suas lágrimas quase caírem quando os lábios frios dele tocaram suas bochechas coradas.


 — Eu já disse que estava tudo bem. Venha aqui... - Ele rapidamente a puxou até que ela estivesse nivelada com ele. - Você me faz sentir quente.


— Você está sendo ridículo! - Hermione corou quando ele passou o braço em volta da cintura dela. 


Harry, no entanto, não deu atenção a ela. Ele a ajudou a entrar na carruagem. A viagem foi lenta e, após uma conversa curta e divertida, eles caíram em um silêncio confortável.

Hermione esperava que tudo acabasse bem. De repente, ela se lembrou de como teria que pagar sua parte no encontro de hoje. Ela rapidamente procurou sua carteira, mas não sentiu nada. Com uma pontada de dor, ela vagamente se lembrou de ter saído com toda pressa para se encontrar com Harry.


— Ai droga! - Ela gemeu em voz alta.


— Qual é o problema? - Harry perguntou, preocupado a fitando nos olhos.


Hermione hesitou um pouco antes de dizer.


— Deixei minha carteira no meu dormitório. Eu estava com tanta pressa- Ele interrompeu.


— Quer dizer que você não tem dinheiro algum? - Harry perguntou e Hermione pôde ver a impaciência em seu rosto.


— Sinto muito. Eu estava com tanta pressa para encontrar com você- Cortou-a novamente.


— Está tudo bem, Mione. Sério! - Hermione se sentiu deprimida. Embora ela estivesse sentada bem perto dele, ela não poderia ter se sentido mais longe dele do que agora.


Quando a carruagem parou, Harry saltou, nem mesmo se preocupando em ajudá-la a sair. Hermione tentou segui-lo, mas apenas a fez torcer o tornozelo. Ele nem percebeu, e ela simplesmente não queria incomodá-lo ainda mais.

Ela fez uma cara de brava e correu atrás dele, apesar de como seu pé doía a cada passo. Ela finalmente o alcançou.


— Achei que poderíamos passar na Dedosdemel primeiro, e depois talvez na loja de quadribol. - Ele a informou e, sem esperar sua concordância, conduziu-os em direção à confeitaria.


Hermione ficou um pouco para trás, tentando se recompor. Depois que Harry comprou seus doces (ele não se incomodou em perguntar a Hermione, já que ela preferia salgadinhos sem açúcar, mas ela não se importaria se ele pedisse), ele os levou até a loja de quadribol onde a cacheada havia batido acidentalmente uma cesta cheia de goles. Harry esperou impacientemente que ela recuperasse todos eles.

Quando Hermione terminou, suas palmas estavam frias e arranhadas, seus joelhos doíam de rastejar no chão duro e seu tornozelo doía mais do que nunca. Mas ela ainda não disse nada.

Em silêncio, eles caminharam até Três Vassouras.


— Eai cara! - Dino exclamou quando eles entraram no pub um pouco lotado. - Por que você não puxa uma cadeira? Hermione, você pode se juntar a nós também. - Ele estava sentado com Neville e Simas.


Hermione não disse nada, não exatamente querendo dizer que estava no encontro mais patético da história.


— Não posso. - Harry finalmente falou com uma voz monótona. - Estou em um encontro com Hermione.


O Thomas olhou para os dois e sorriu um pouco.

 

 — Só fazendo o que foi feito para ser, não é? - Ele perguntou baixinho, mas Hermione ainda podia ouvi-lo.


Harry apenas sorriu severamente e conduziu Hermione para uma cabine privada. Ele pediu duas cervejas amanteigadas e, em um silêncio constrangedor, eles beberam suas bebidas.

Hermione sentiu outra pontada quando o Potter evitou olhar para tudo menos para ela. Engolindo um soluço, ela sentiu uma única lágrima escorrer por sua bochecha.


— Mione, o que há de errado? - Ela enrijeceu e enxugou a lágrima rapidamente.  Desejou que ele não a tivesse visto, ela preferia sofrer sozinha.


 — Nada. Estou apenas sendo boba... Como sempre. - A personalidade fria de Harry derreteu de uma vez quando outra lágrima escorregou por sua bochecha. Ela levantou a mão para enxugá-la rapidamente, mas o polegar dele a antecipou e ele a enxugou com um toque suave. 


— Eu realmente sinto muito, Hermione. Eu não quero ser tão duro. É que hoje, eu esperava que tudo saísse perfeit- Ela interrompeu baixinho.


— Exceto que eu estraguei tudo, não foi? -Hermione gemeu, deixando suas lágrimas caírem livremente agora.


— Não! - Harry praticamente gritou, puxando-a para um abraço enquanto ela soluçava em seu ombro. - Você não fez nada de errado. Eu realmente sinto muito, Mione. Desculpa e-eu nunca quis te machucar de  de propósito, eu sou um idiota, é só... E-eu não lido bem com minhas emoções-  Ele passou uma mão frustrada pelo cabelo. - É difícil até de explicar!


— Eu sei... - Ela disse, seu sussurro abafado pelo suéter verde dele.


Depois de terminar as cervejas no Três Vassouras, eles foram embora. Hermione, no entanto, ainda se sentia incrivelmente culpada por arruinar o primeiro encontro deles. E então, Harry deu a ela a chance de compensar comprando para ele alguns sapos de chocolate (com o dinheiro dele, é claro).

A garota correu para a loja de doces, não querendo manter Harry sentado no frio congelante em um banco já frio o suficiente, por muito tempo. Ela empurrou a multidão de alunos e pegou alguns punhados de sapos de chocolate. Depois de pagar, ela saiu o mais rápido que pôde com o tornozelo torcido (ela se recusou a contar a Harry porque tinha medo que ele ficasse irritado novamente).

Ela o encontrou, ainda sentado no banco do parque. Mas foi com quem ele estava que a fez parar.

Cho Chang estava sentada ao lado dele, sua mão enluvada envolvendo a dele. Eles estavam rindo e conversando um com o outro. Hermione sentiu as lágrimas se acumularem em seus olhos castanhos, ao perceber o brilho de felicidade nos olhos de Harry. E com uma grande fungada, ela fugiu deles, deixando cair o saco de sapos de chocolate que ela tinha comprado para ele.


Harry rapidamente olhou ao redor, na esperança de pegar Hermione. Por que ela estava demorando tanto? A preocupação o inundou. Aconteceu alguma coisa? Ela estava bem, não estava? Na verdade, foi repentinamente lembrado à força, ela estava mancando um pouco... Estranho. Concluiu.


— Você perdeu algo? - Cho perguntou confusa.


Ele voltou sua atenção para a garota de cabelo preto ao lado dela. Ele tinha esquecido que ela estava lá. 


— Oh, hum... Estava apenas procurando por Hermione.


— Ah é mesmo... Hoje é o seu primeiro encontro com ela, certo? Estava em toda a escola esta manhã, as fofocas se espalham rápido... - Chang disse pensativamente.


— Sim. Hum, ela meio que saiu há cerca de dez minutos, mas tenho certeza que não deve demorar tanto para ela comprar alguns doces... Ele parou, lançando olhares preocupados em todas as direções.


— Não são da DedosDeMel? - Cho perguntou, apontando para um saco plástico transparente cheio de sapos de chocolate caídos no chão a uns três metros distante deles. Harry saltou de seu assento e os agarrou do chão coberto de neve. 


— S-sim, eu acho que estes são dela! - O Grifinório disse enquanto Cho se aproximava dele. Se Hermione havia voltado, por que ela simplesmente deixou os doces para trás? Mas se ela tivesse visto ele e Chang juntos, ele não ficaria surpreso se ela tirasse conclusões precipitadas com a maneira como ele agiu com ela o dia todo.


— Sinto muito, Cho, mas tenho que encontrá-la. - Ele disse, em pânico. - Mas foi bom conversar com você.


— Eu compreendo. Tenho que encontrar Cedric também, tenho certeza que ele está preocupado. Oh! E Harry, parabéns. Eu sei há quanto tempo você gosta dela...


Harry deu a ela um sorriso agradecido e saiu em busca de Hermione. Ele só esperava poder encontrá-la.



Hermione estava correndo. Ela não tinha certeza de quanto tempo estava correndo, mas enquanto ela estivesse longe de Harry e Cho, ela ficaria bem.

Ela estava prestes a dobrar em uma esquina quando seu pé cedeu e ela caiu no chão, a neve ardendo em seu rosto e nas mãos nuas. A multidão ao redor dela parou para olhar, e as pessoas começaram a sussurrar.

Ela sentiu suas bochechas ficarem vermelhas e ela desejou que ela pudesse ter sido levada embora naquele momento. E para aumentar a excitação ao seu redor e sua consternação ainda mais, Hermione começou a chorar. Ela queria se mover e se esconder em algum lugar, mas seu pé não iria permitir isso tão cedo. Foi bastante doloroso no momento e Hermione tinha certeza de que estava quebrada.

E então a multidão se abriu para revelar Harry, ofegante e suado. Ele parecia cansado, aliviado e preocupado ao mesmo tempo. Ele enxotou a multidão antes de carregá-la nos braços, voltando para as carruagens. Uma vez lá, ele a deitou cuidadosamente em um assento. Ela estava sentada em seu colo enquanto seu tornozelo quebrado estava esticado no resto do assento. Hermione colocou os braços em volta do pescoço dele e chorou, enquanto o apertava uma vez a cada poucos momentos. Ele se sentiu meio tonto, mas deixou que ela o segurasse. (Pela primeira vez, Harry ficou bastante aliviado que as carruagens eram lentas.)

Finalmente, Harry a puxou e enxugou seus olhos úmidos. 


— Como você está? O que houve? - Ele perguntou preocupado.


Hermione acenou com a cabeça, mas explodiu.


— Ai Harry, sinto muito! Eu estraguei tudo. Eu sou um fracasso completo!


— Você não fez nada disso... - Argumentou ele, com  o tom severo evidente em sua voz, o que não deixou espaço para contradição. - Agora, por que você não me contou sobre o seu tornozelo?


— Eu não queria incomodar você...


— Você não estaria me incomodando! Eu gostaria que você tivesse me contado antes. Seu tornozelo já estaria curado agora, se você tivesse. E agora está ainda pior. Está quebrado e tá inchado. Por que você simplesmente não usou seus sapatos normais? 


— Bem, foi o nosso primeiro encontro! Eu queria parecer decente o suficiente para sair com você, não como á CDF que eu sou...


— Hermione... - Começou ele com firmeza na voz, enquanto a encarava fundamente em seus olhos. - Eu queria sair com você por causa de quem você é, não por causa de sua aparência, não porque você não é bonita. Não porquê você é inteligente. Não porquê você é a melhor amiga de Harry Potter. Não pela leitora ávida que tanto amo quando me dá um sermão.


— Argh... Harry, me desculpe. E-eu só não queria incomodá-lo. Eu te amo tanto, você tem que saber disso.


— Vida, eu sei que você ama. Eu também te amo, Mione. E não se preocupe, você nunca será um incômodo para mim...


E então ela o beijou. E isso também não o incomodou.





Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...