1. Spirit Fanfics >
  2. A mulher do Alpha >
  3. Capítulo 34

História A mulher do Alpha - Capítulo 34


Escrita por:


Capítulo 34 - Capítulo 34


Capítulo trinta e quatro



Eu olhei firme para a bruxa, com olhos cemicerados, fixos... Ainda olhando de canto de olho para a mulher eu coloquei os bebês cuidadosamente na cama, já que o embate com Morgana poderia ferilos facilmente, e com um rápido movimento, usei meu poder como um corda para também tirar Bwili da linha de fogo... Depois de tudo, eu entendera que ela era uma pessoa importante para mim, e não ia deixar ela se machucar, ainda mais por minha causa. Ninguém iria se ferir por mim, se eu pudesse evitar.


Eu me posicionei em frente a bruxa, deixando a Índia e as crianças protetora mente a minhas costas, com uma redoma de poder, como um escudo, ninguém entraria perto das crianças por nenhum lado, eu colocara tanto poder ali, que chegava a ficar enbranquisado e e zunir de energia. Caso algo acontecesse comigo, eu sabia que Bwili cuidaria deles por mim.


E então, soltei todas as amarras que eu tinha para controlar minha magia, eu sabia que qualquer descuido eu poderia facilmente afundar a cidade de Whatadre, a deixando nada mais, nada menos que um buraco na terra. Eu precisava ser cuidadosa.


Acordar minha maldição era a mesma mesma coisa que acordar um leão com uma vara curta, inicialmente ele estava sonolento, desperso... mas quando acordasse depois de tanto tempo preso, ele rugiria, louco para devorar, enlouquecido e com fome. Senti meu corpo brilhar e raios de luz branca rodiar meu corpo como se eu fosse a própria Lua, o meu cabelo ficou tão grisalho como de uma velha, e eu não podia ver, mas sabia que meus olhos inradiavam luz... Eu estava na minha forma mais assustadora...


Significava que eu estava com poder total. Com um rápido movimento eu me lancei sobre a outra, fazendo meu poder se moldar a chicotes, mas tão afiados como faca, e tão quentes como fogo, a cada rebatida minha, Morgana se defendia com igual ardor, rodopiavamos em volta do quarto como dois tornados, um de luz e um de trevas, com poder total e opostos. Pelo canto da visão, eu podia ver que estávamos destruindo grande parte da mansão, já que com toda minha fúria eu tirará Morgana de perto das crianças a forçando a recuar. Cacos de vridro, tijolos, paredes, telhado ou mesmo os belos móveis da casa do Lincoln não significava nada, já que qualquer coisa que entrasse no nosso caminho era destruida.


Tentando pegar a bruxa desprevenida, eu recolhi os chicotes, e os moldei a uma espada de dois gumes, como uma própria extensão do meu corpo, tentando acertar o alguma parte vital da bruxa, mesmo que eu soubesse que isso não a mataria de fato. Eu só precisava ganhar tempo. Mesmo na defensiva, Morgana causava mais danos em mim, do que eu nela, já que as vezes que eu conseguia acertar a bruxa, ela se recuperava, ao contrário de mim... Que mal saira de um parto, e se jogara em uma batalha mortal...


Não achava que fosse precisar do rei vermelho tão rápido, Wild não me informara qual foi o acordo que ele fechara com o vampiro, a única coisa que eu sabia era que quando Morgana aparecesse, ele iria vim... Com Excalibur. Se sacrificando, desde que sua filha fosse prometida para Gaara...


- Isso é o melhor que tem, Amélia? - A ruiva sorriu, com os olhos brilhantes e a pupila dilatada, enquanto elegantemente afastava com maestria minha espada dela, ela parecia dançar com sua espada feita de sombras, quase um espelho da minha, embora a que eu moldara fosse tão grosseira quanto minha luta.


- Por que não pode nos deixar em paz? - Grunhi raivosa para a ruiva, estocando com a espada em direção do pescoço da mulher, ao mesmo tempo em que formava uma adaga de energia com a outra mão e fincava no ombro de Morgana, ela rugiu, ao retirar a lâmina do ombro que esvaiu em energia assim que saiu do corpo dela. Eu não estava jogando justo, mas podia ver que a diferença de poder era muita no momento... Eu estava machucada, sangrando, sentia que os pontos do parto já havia se arrebentados, e ainda usava grande parte do meu poder para manter o escudo levantado... Se eu vacilasse....


Não, eu tinha que ter confiança que o lobo chegaria até nos, eu ainda podia ouvir o barulho dos lobos uivando e gritos de guerra e lamentos, testemunhados lindamente pela lua cheia.


- Eu esperava que você fosse um divertimento a mais para mim... - A ruiva riu, enquanto o barulho das espadas de energia se chocando era como pequenas explosões de poder. A ruiva desceu a espada com tudo em direção as minha pernas, fazendo eu rebater sua espada com a minha, mas então antes que eu me recuperasse do ataque da bruxa, ela usou o punho para me dar um soco no rosto, fazendo com que eu voasse pelo ar, e batesse em uma parede. Por um momento senti que meu escudo quase se desfez, já que eu quase perdi a consciência. NÃO! Ainda não... - Deixa eu adivinhar... A lobinha partiu dessa para melhor, né? - Ela lambeu os labios, ela caminhou na minha direção, enquanto eu tentava me levantar, respirando ofegantemente. - Um... Já sei... Você não tem mais a proteção da outra rata, seu poder está te consumindo.... Você mal está conseguindo suportar a violência do seu poder.... -A mulher parou a menos de dois metros de mim, se curvando e rindo loucamente, a espada de sombras se esvaiu na sua mãos se juntando a áurea mortal que surgiu a volta de Morgana, uma fumaça negra, sombria, que ela podia fazer ficar tão física como eu. - Eu não sei... - Ela sorriu para mim, seus belos olhos verdes, se apagaram por completo, deixando seus olhos completamente escuros e sem vida, como a casca de uma boneca, parte de seu poder se uniu a tentáculos de sombras que pareciam mortais e físicos, nada lembrando uma fumacinha. - Me chamem de dedetizadora, já que matei uma rata e agora vai ser outra da mesma laia... - Tentei me levantar mais uma vez, tentando sair da frente do ataque de Morgana, Mas não deu tempo, apenas fechei os olhos tentando não ver a causadora do meu fim...


- NÃO! - Ouvi um rugindo familiar, um que eu conhecia muito bem... Wild! Meu lobo, ele conseguira chegar até mim! Wild ele...


Eu abri os olhos, surpresa e tudo que vi, foi as costas do lobo na minha frente, completamente desnudo, logo sendo traspassado pelo tentáculo de sombras de Morgana, a minha frente e como uma peça de xadrez tombada... Ele simplesmente cair para o lado, com aquela coisa ainda agarrado a ele, transpassando seu peito como se fosse uma lança, mortal.


Escutei um grito de dor, mas não vinha do lobo caido e sangrando... Mas da minha garganta, me fazendo sentir até gosto de sangue com a violência do som... Eu queria morrer, para não ver o Lincoln sendo ferido.


- O que você fez?! - Olhei para Morgana, com ódio na face, mas até mesmo no rosto da mulher tinha um quê de frustração e surpresa, ela recolheu os tentáculos, de sombras, deixando apenas o que estava preso a Wild, ainda trespassado no seu corpo. - Wild... Fala comigo... Por favor...


- Lia... - Ele engasgou se sentando meio tonto se escorando em uma das poucas paredes no recinto a qual estávamos, já que não dava para reconhecer alguma coisa. - O bebê... Ele está seguro? - Ele respirou fundo, um pouco engasgado com o sangue que saia de sua boca...


- Os bebês por ora estão... - Ele me olhou com os olhos aregalados, como se ouvesse ouvido mal.


- O quê? - Ele me deu um sorriso esaguentado, mesmo que seus olhos brilhasem como as estrelas. - Bebês... - Ele sussurou bobamente.


- Shhhshh... - Eu olhei preocupada, tentando pensar em uma maneira de tirar a coisa de Morgana do peito de Wild. - Não se esforce de mais...


- Eu sou um lobo amor,umas coisinha dessas não va... - Ele gritou ao ser puxado repentinamente dos meus braços pelo tentáculo da bruxa, deixando um rastro de sangue no piso que um dia fora de mármore polido e branco.


- Aloô! - Morgana revirou os olhos em quanto via eu me levantar com dificuldade e com algum esforço fazer meu poder se tornar físico, mas agora em formato de bolas de luz flutuantes. - Iam mesmo ficar na melação e me ignorar? Não gosto de ser ignorada... - A mulher fez aparecer uma adaga em suas mãos e aproximou perigosamente do pescoço do Lincoln. - Cansei dessa palhaçada... Vou dizer como as coisas serão agora, você vai me levar até aquele piralho predestinado a morrer e me dar todo aquele poder, ou vai ver seu benzinho morrer na sua frente... - A mulher soprou uma mecha do cabelo vermelho da frente dos olhos, eu não perceberá mas eu dera sim trabalho para a bruxa, ela estava tão acabada quanto eu... Embora tivesse uma chance muito maior de simplesmente dar o Xeque Mate... E encerrar sua jogada como rainha, parece que eu estava dando mais trabalho a ela do que adimitia. - O que vai ser rata? - Ela areganhou os dentes, como um animal selvagem, e eu fosse sua melhor presa. - Vai ver seu sarnento morrer aqui na sua frente? E morrer logo depois, em combustão espontânea de magia, ou aguentar mais um pouquinho e me dar tudo de graça... Mas sem ver seus filhotes melequentos antes de morrer, primeiro? - A mulher aproximou mais a adaga do lobo, fazendo uma linha de sangue correr do pescoço dele. - Tic tac, tic tac... O tempo está correndo...


Porra...


[°°°]



**********************


AVISO!


OIIIIII!!!


COMO ESTÃO MEUS AMORES??? Voltei com um pouquinho de ação... hehehehe


Me falem ai o que acharam do capítulo? Por favor? Vai.... Eu mereço né? Né?


😂😂


Mas enfim, não deixem de compartilhar, comentar e curtir ta? Se quiserem me seguir eu não vos condeno heim...


Bio, bjo... Thau!!😘🥰😘




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...