1. Spirit Fanfics >
  2. A mulher dos meus sonhos... >
  3. Cap 11

História A mulher dos meus sonhos... - Capítulo 11


Escrita por: Mjoh

Capítulo 11 - Cap 11



"Quem é a nova paquera de Armando Mendoza? Mulher misteriosa é vista seduzindo o CEO multimilionário da Mendoza's Corp..."

A-Pensei que era eu que estava tentando te seduzir, não o contrário(tiro sarro. Percebo o quanto Betty está incomodada com a reportagem e paro com as brincadeiras.)

B-Isso é um pesadelo... E se descobrirem quem eu sou, vão me tratar como mais uma "paquera" sua... (cita o artigo que acabei de ler.) Céus, eles me fizeram parecer uma sedutora barata. Se você ler os outros jornais, vai entender o que eu estou falando. O Nico me disse que está em todas colunas de fofocas de New York.

A-Betty... (a puxo lhe dando um abraço.) Eu vou resolver, ninguém vai descobrir e não vão te tratar como mais uma "paquera" minha. Pode confiar.(Seu corpo petrifica e eu estranho.)

B-Armando, sua coisa está me tocando... (cora violentamente.)

A-Desculpa (me afasto rapidamente.) Com você aqui dentro do meu quarto se torna quase impossível me controlar.

B-Desculpa por ir entrando assim...

A-Não tem necessidade disso (a interrompo, olhando para o relógio.) Falta uma hora para irmos para o aeroporto(suspiro.) Marque uma coletiva com a impressa e quando voltarmos para New York, eu resolvo isso.(Vou para o guarda-roupa tirar minha mala que já está pronta e pego a roupa que vou usar para voltar.)

B-Me desculpa novamente (começa a andar de um lado para o outro inquieta.) Deve ser horrível para você fazer isso, por que nós inventamos de sa...

A-Se continuar falando eu vou te abraçar de novo e para sua informação ele ainda não abaixou(falo e ela cala imediatamente.) Não se preocupe comigo, vai ser bom deixar as coisas bem claras. Então não vamos desistir das nossas preliminares por causa desse contratempo.

B-Você não liga?(se senta no sofá preocupada.) Não vai te machucar ter que negar tudo assim... deve ser difícil pra você.

A-Por que ligaria? (viro o rosto para ela.) A mulher que eu estou apaixonado está saindo comigo, tentando me dar uma chance... Então por que eu me importaria de dizer que não temos nada em uma coletiva?(ela me olha calada, e eu me aproximo, sentando ao seu lado, colocando a muda de roupa no meu colo.) Eu falei que não queria te deixar desconfortável com os meus sentimentos. Então não se preocupe com isso(busco sua mão e a aperto levemente, lhe trazendo apoio.) Vamos com uma coisa de cada vez, certo?

B-Certo...

A-Ainda vai querer desisti das nossas preliminares?

B-Não (cora.)

A-Ótimo... (me aproximo dando um beijo na sua bochecha.)

...

Assim que pisamos em solo novaiorquino, vamos direto para empresa dar a declaração. Queria ter deixado a Betty na sua casa, mas ela insistiu em me acompanhar.

A-Boa tarde (subo no púlpito. Mal me posiciono e eles começam a me encher de perguntas, parecendo um bando de abutres procurando carniça.) Uau... (dou um sorrisinho cínico.) A Mendoza's teve um ótimo desempenho esse ano, mas vocês estão interessados mais na minha vida pessoal.(Alguns deles se calam envergonhados e pelo canto do olho, vejo a Betty no canto da sala, abafando o riso.)

TG-Senhor Mendoza, qual é o seu envolvimento com moça canadense?(uma repórter do TyGrace aponta o microfone para mim.)

A-Enxerida, mas gostei da pergunta (falo como quem não quer nada, vendo a Betty se divertindo de longe) Não tenho nada com ela, bem que eu queria, mas não tenho (Betty para de rir.)

R-"Bem que eu queria" (um repórter batuca sua caneta num bloquinho de notas.) Uma frase interessante eu diria, mas como podemos interpretar esse contexto, se claramente vemos que tem algo entre vocês.

A-Rapaz se eu tivesse algo com ela (sorrio só de imaginar.) Não estaríamos em um parque naquele momento e sim entre quatro paredes...(os olhos de Betty quase saem para fora com o meu comentário.) Interessante pensar que o seu jornal publicou algo "Mulher misteriosa é vista seduzindo..."(faço uma pequena pausa.) Esse texto é ofensivo de qualquer ângulo que olhar. Principalmente porque quem estava seduzindo ela era eu.

J-O senhor estava seduzindo... (outra jornalista acha graça.)

A-Estava... (a interrompo.) Joguei todo o meu charme, mas ela ainda sim insiste em não ter nada comigo. Consegui uma breve chance naquele parque e graças a vocês ela quase deu pra trás.

J-O senhor fala como se ela não quisesse nada (a mesma comenta como se fosse a coisa mais impossível do mundo.)

A-Não, ela não quer (falo e ela para de rir.) Deixou claro para mim isso umas três vezes. Mesmo assim não vou desisti. Vim aqui só para esclarecer as coisas, já que postaram algo muito ofensivo. Aquela mulher não estava se oferecendo para mim, ela é mulher de respeito que não liga para mídia ou quanto cai na minha conta. É sincera quando algo a incomoda e doce com quem está a sua volta. Essa, foi a mulher pela qual me apaixonei...(meus olhos se encontram com os de Betty brevemente e me volto para os repórteres.) Não, ela não quer nada comigo. Mas o que faria da vida mais bela sem um pouco de conquista? (dou o melhor sorriso.) Não a incomodem mais, é só...(Saio com passos largos e eles tentam ir atrás de mim, me enchendo de perguntas mas meus seguranças não os deixam passar. No estacionamento procuro a Betty para levá-la em casa e a vejo num canto mexendo no celular.) Interrompo? (falo atrás dela e a mesma dá um pulo quase caindo.)

B-Que susto(coloca a mão no peito.)

A-Estava lendo suas pederastia, para ficar assustada desse jeito? (dou risada.)

B-Bem que eu queria... Mas não é isso (me mostra o celular.) Agora eu sou vista como a mulher que arrasou o coração do homem mais sexy de New York. Essas pessoas estão querendo me matar!(volta a olhar para o celular.) Uma disse: "Quem essa louca pensa que é, para dizer não aquele deus grego?" a outra disse: "Armando Mendoza goste de mim, pode deixar que eu vou cuidar do seu coração quebrado"... Que horror, agora você é visto como pobre coitado.

A-Eu gostei desse aqui (falo atrás dela olhando para o seu celular.- "Conquiste sua garota Armando #estoutorcendoporvocê" Parece a Melanie falando.

B-Concordo... Que hashtag estranha...

A-Vai continuar vendo isso? (pergunto a vendo mexer no aparelho, olhando as notícias.) Não me diga que mudou a sua opinião ao meu respeito? (sorrio divertido.)

B-Não, não mudei...

A-É bom saber que você não é alienada... (sorrio.)

B-E você é bem estranho (me olha séria.) Vamos pra casa agora?

A-Eu adoraria(dou um sorrisinho pervertido.)Minha ou sua?

B-Idiota... (anda na frente, indo em direção ao carro.)

A-Se bem que eu prefiro a minha. Do jeito que eu te conheço é capaz de ter um bichinho de pelúcia de frente pra sua cama (continuo brincando vendo o seu sorrisinho.) Me sentiria estranho vendo eles me olhando, enquanto lambo todo seu corpinho...

B-Lion!

A-Que nem um gatinho (lambo os lábios, abrindo a porta do carro para ela.)

B-Isso não vai acontecer!(entra no veículo, dou a volta e entro também.)

A-Não agora, mas um dia vai!(Dirijo até sua casa e nos despedimos com um aceno.

...

As semanas vão passando, ainda sou visto como pobre coitado que teve o coração arrasado, mas não ligo. O meu relacionamento com Betty vai melhorando. Para falar a verdade, às vezes acho que estou me apaixonando pela mesma mulher, de novo e de novo. Mas não tenho certeza se ela sente algo por mim. Estou feliz dela não se levar pela a cabeça dos outros, principalmente aqueles que a chamam de louca nos comentários por me negar. O que me faz querer ela ainda mais.

L-Ela chegou (Lilian bate na minha sala. Me levanto rapidamente e saio do meu escritório, indo em direção ao da Betty.)

A-Shii. (coloco o indicador na boca fazendo sinal de silêncio e a Lilian concorda com a cabeça. Abro de mansinho a porta, só para vermos melhor e observamos Betty. Ela pega a flor laranjada, que deixei na sua mesa no horário de almoço. A leva até o nariz a cheirando e um sorriso doce aparece nos seus lábios.) Minha Betty... (olho como um bobo apaixonado. A mesma pega o cartão que deixei junto com a flor, me identificando.)

B-"De Lion... Para o meu coelhinho..." (dá uma risada gostosa lendo.)"Estava passando na floricultura, vi essa tulipa e me lembrei de você... Assim como você, essa flor é bela, delicada e terrivelmente cheirosa. Inicialmente a peguei só porque me lembrei de você, Betty. Mas o rapaz da floricultura me disse, que a tulipa laranjada significa vitalidade e vigor. O qual prendendo mostrá-lo em breve a você" Seu pervertido! (dá risada, entendendo o duplo sentido das minhas palavras.) "A tulipa vermelha, me explicou que é uma verdadeira declaração de amor..."(ela a procura na sua mesa e a encontra no outro canto.) "Ela é tão bela quanto você. Assim como daquela vez estou me declarando novamente. Peço para que não deixe isso de lado e saia comigo há um encontro hoje a noite"... Que lindo... (dá um sorrisinho doce olhando a tulipa vermelha. Observo ela cheirar as flores e colocar a mão no bolso, tirando o anel de compromisso que dei.)

A-Ela anda com isso no bolso?! (a olho surpreso.)

M-Atrapalho?(Mark fala atrás da gente e damos um pulinho assustados entregando nossa posição.)

A-Merda, ela me viu(tento fugir.)

B-Pode entrar senhor Mendoza.(Solto um suspiro derrotado e entro na sua sala, fechando a porta atrás de mim.)

A-Desculpa...(coço a nuca envergonhado.)

B-Não precisa se desculpar(devolve o anel para o bolso sorrindo.) Obrigada pelas flores, as palavras... Foram lindas (cora.) Mas não vou poder aceitar o convite dessa vez (se aproxima.) Eu vou jantar com alguém hoje e cansei de adiar isso...(Balanço a cabeça compreendendo e ela para na minha frente.) Eu quero muito conversar com você... (solta um suspiro com o rosto todo vermelhinho.) Mas estamos sendo observados nesse momento.(ela fala sussurrando. Me viro para a porta e os dois dão um pulinho, fechando novamente.) Aceito o convite se for amanhã...(vejo as suas bochechas em chamas.) Precisamos conversar e acho que depois de hoje seria o ideal...

A-Tá bom... Amanhã às 20:00?

B-Estarei pronta no horário... (Me dá um sorriso lindo. Saio da sua sala, vendo os dois escondidos atrás da porta e eles disfarçam, conversando sobre trabalho. Mas finjo não ver, volto para o meu escritório e comemoro pensamento o encontro que vou ter com a Betty amanhã. Hoje a tarde a Jenny me ligou fazendo drama, sobre eu não ter ido visita-la na França e nem depois que voltou. Como o meu encontro com a Betty foi adiado, acabei chamando minha irmã para jantarmos fora. Como pedido de desculpa por ter negligenciado ela.

J-Eles me chamaram para trabalhar lá (entramos no restaurante.) Mas você me conhece, eu queria abrir o meu, próprio império da moda.

A-Armando Mendoza, reserva para dois (falo com o atendente.) E como estão as coisas com o seu novo negócio?(me viro para minha irmã.)

J-Difícil...(faz uma carinha triste.) Não imaginei que dava tanto trabalho...(Rio do seu drama e o atendente nos acompanha até a nossa mesa.) Armando, não ria... (me chama atenção e para espantada.) Betty! (acena com a mão. Me espanto, quando a vejo jantando com o Daniel Croow. Minha irmã se aproxima a passos largos, e eu vou logo atrás dela.) Que surpresa encontrar vocês aqui(Betty se levanta com um sorriso no rosto, comprimentando a Jenny. Uma pontada acerta o meu peito, quando a vejo o quanto está bela para jantar com Croow. Não tão linda quanto o nosso primeiro encontro, só que bem arrumada e maquiada. Solto um suspiro tentando controlar meu ciúmes e a cumprimento também. Sentindo o quanto está cheirosa. Não faz isso comigo... meu coração aperta, por vê-los juntos.)

J-O Armando me chamou para jantar como pedido de desculpa, por ter me deixado de lado esse tempo todo (faz drama.)

B-O Daniel fez o mesmo comigo. Como pedido de desculpa pela última vez.(Observo Betty sem jeito e os meus olhos descem para o seu pescoço. Notando o colar com a pedrinha turquesa, o qual dei para ela na minha primeira declaração.)

J-Então não é um encontro?(minha irmã faz a mesma pergunta que eu gostaria de fazer mas não tenho coragem.)

B-Não, só estamos jantando mesmo(me olha. Porque parece que ela está se explicando para mim?)

J-Então ótimo (minha irmã faz um gesto com os dedos pedindo duas cadeiras.) Juntamos as mesas assim o jantar ficar mais divertido sem o sentimento de culpa no ar.(Vejo o Daniel travar o maxilar irritado, e eu suspiro com a atitude dela.)

A-Jenny, acho que os dois vão querer jantar sozinhos(tento ser educado.)

B-Podem ficar(ela faz a minha irmã se sentar e eu estranho sua atitude.) Não estão atrapalhando em nada.

A-Mas...(falo. "Não deixe esse cara chegar perto dela" Penso em dizer alguma coisa, mas as palavras do Nicolas ecoam na minha cabeça. Tá bom(me sento ao outro lado. Observo o Croow desviar o olhar extremamente nervoso e finjo não notar.)Já pediram? (abro o menu.)

D-Estava fazendo isso(ele fala educadamente. O garçom espera com o seu bloquinho de notas, minha irmã faz o seu pedido e o Daniel faz logo em seguida, pedindo o prato dele e da Betty. Que fecha o cardápio chateada e bebe um gole de água para se recompor.)

A-Eu quero um Entrecôte com Sauce e Cèpes Bordelaise acompanhado com um Château haut-brion tinto, por favor.(falo e Olho de relance, percebendo a Betty morder os lábios com o meu pedido e imagino o quanto está salivando.)

J-Então Daniel, por que está se desculpando? (Ela se vira para ele.)

D-Digamos que eu fui um completo babaca com a Beatriz...(conta parte da história. Enquanto conversam, o vinho chega. Eu aprovo, depois de degustar um gole e o garçom nos serve uma taça. Betty bebe a sua quase de uma vez e a Interrompo antes que esvazie.)

A-Espera o prato chegar(murmuro.)

B-Eu não vou comer aquilo (gesticula só com os lábios, irritada.)

A-Espera (faço um leve sinal com a mão e ela acaba fazendo o que eu peço.)

D-Mas estou disposto a deixar tudo isso de lado se você quiser(ele se vira para Betty)

B-Estou feliz por ter repaginado a sua vida.(dá um sorriso encantador.) Certas coisas tem que ficar no passado.(Não mostre esse seu sorriso lindo para ele! ouço o meu ciúmes falar mais alto.)

D-Não teria feito isso se não fosse por você (alcança amão dela e eu quase tenho um ataque do coração.)Sei que errei e às vezes é difícil de mudar, mas peço que tenha a mente mais aberta ao meu respeito.

B-Certo (sorri, apertando sua mão e eu esvazio minha taça para me recompor) Vou fazer isso.(Os pratos chegam, fazendo eles se soltarem e eu solto o ar que estava prendendo. Betty olha pro seu prato com cara de poucos amigos e eu entendo sua reação.)

D-Foi especialmente pra você, já que ama lagostas(ele fala sorrindo.)

A-Ela se engasgou com isso alguns meses atrás, desde então ficou meio traumatizada(troco nossos pratos, sem me importar com o olhar de ódio dele.) Saberia disso se a deixasse pedir o próprio prato.)O Daniel aperta seus talheres irritado e a Betty toca novamente na mão dele, fazendo-o relaxar instantaneamente.)

B-Não é sua culpa, às vezes cometemos alguns erros de antes, mas deixa pra lá. É processo da mudança.

D-Desculpa por isso (suspira. Betty se afasta para comer e eu como calmamente, ouvindo a ladainha deles dois.)

D-Vocês são muito próximos(ele fala como quem não quer nada, tomando seu vinho.)

A-Claro que somos, trabalhamos juntos(término minha refeição. Minha irmã me lança um olhar de "Se controla Armando!". Mas eu não consigo, não gosto desse sujeito, sei que tem algo de errado com ele, então pretendo desmascara-lo na frente da Betty.)

D-Falando de trabalho, criamos uma nova proposta...

A-Se for igual aquele lixo que me mostrou nem precisa continuar (fito os olhos dele.) Não estou aqui para falar de trabalho e sim ter um jantar agradável com a minha irmã. Então por favor roda o disco.(Daniel trava o maxilar irritado e eu vejo nos seus olhos o ódio que está sentindo de mim nesse momento. Não consigo evitar, quando penso já falei. Mas essa máscara vai cair cedo ou tarde bebo calmamente o meu vinho.)

B-Como isso estava gostoso.(ela termina sua refeição sorrindo. Cortando o clima extremamente tenso da mesa.) Agora só falta a sobremesa para fechar com chave de ouro.

D-Certo! (ela levanta a mão para pedir e acaba pedindo para ela novamente.)

A-Senhor Croow (falo calmamente.) A senhorita Rincon prefere fazer o próprio pedido. É falta de educação o que está fazendo.

D-A Betty gosta de cheesecake (trava o maxilar me encarando.)

A-Sim, ela gosta, mas não é educado pedir sua sobremesa (continuo falando manso.) Você tem certeza que mudou mesmo? Para mim parece o mesmo controlador que me falaram.

D-E você não tem nada haver com isso, já que é só o chefe dela!(clima pesa sobre a gente e Jenny levanta disfarçando.)

J-Eu vou ao toalete, Betty quer ir comigo?(fala sem graça.)

B-Pra quê? (franze as sobrancelhas olhando para minha irmã.)

J-Vem logo!(Jenny a arrasta até o banheiro, e o Daniel bufa falando alto comigo.)

D-Qual é o seu problema cara?! Não se tocou que a Betty está saindo comigo!

A-Fala baixo, porque eu não sou seu amigo! (encaro.)A senhorita Rincon mesmo disse que não tem nada um com outro.

D-Isso não é da sua conta (volta a falar baixo.) A Betty é minha mulher! (me fuzila com o olhar.)Então tira os olhos do que é meu!(Minha... Diversas vezes já falei que queria que a Betty fosse minha. Diversas vezes já ouvi, um colega dizendo: "Essa é minha namorada" ou "Minha esposa"... Mas essa noite, é a primeira vez que eu ouço um minha tão possessivo. "Não deixe esse cara chegar perto dela" As palavras do Nicolas ecoam novamente na minha cabeça e minha ficha termina de cair.)

A-Sua?(levanto a sobrancelha.)

D-Sim, minha! Então acho melhor tirar os olhos dela senhor Mendoza! Estou falando isso para o seu próprio bem.(Nego com a cabeça, fazendo um estralo com a língua e olho bem nos olhos dele.)

A-Não tenho medo de ameaças senhor Croow (O encaro.)E para deixar claro, sim eu estou apaixonado pela Betty, mas isso não faz dela a minha propriedade! (cerro os punhos irritados.) Ela não é minha, ela não é sua, ela não é de ninguém a não ser dela mesma! Então pare de tomar posse dela, pois a Betty não é um objeto!(Ele abre a boca para falar, mas somos interrompidos, por nada mais nada menos que a morena mencionada. Coçando a garganta, chamando nossa atenção.)

D-Desculpa por isso...(ele finge inocência.) É difícil mudar alguns costumes... Mas Betty, por favor me entenda. Eu peço pra jantar com você, para que possamos ter uma conversa civilizada, mas você traz outras pessoas a mesa.(Vendo como o nosso assunto é delicado. Betty balança a cabeça compreendendo e solta um longo suspiro.)

B-Vocês podem me deixar com o Daniel a sós... Eu preciso conversar com ele.(Quando ela fala, o Daniel dá um sorrisinho vitorioso me olhando."Não deixe esse cara chegar perto dela" As palavras do Nicolas, ecoam novamente na minha cabeça. Mas me vejo em uma situação a qual não posso fazer nada. Pois novamente, a Betty caiu como uma patinha no jogo dele. "Não deixe esse cara chegar perto dela" Por mas que a minha vontade era tira-la daqui. "A Linda é minha!" Se fizer isso por ciúmes ou desconfiança, eu só estaria sendo igual a ele.)

A-Certo, me desculpe pela intromissão no jantar de vocês (me levanto tentando manter a etiqueta.)

B-Não precisa se des... (Ela fala acanhada. Mas eu a interrompo.)

A-Nos desculpe mesmo assim.(Saio do local ao lado da Jenny. Extremamente nervoso com o que acabou de acontecer.)

J-Eu não acredito que ela caiu na conversa desse cara de novo (entra no carro fechando a porta com raiva.)Você viu como ele falou dela? Ele não mudou nada, deve continuar o mesmo stalker de sempre!

A-Stalker... (coloco a mão no queixo pensando. Minha irmã bufa xingando o Daniel de tudo que é nome, mas essa palavra não sai da minha cabeça. Depois de deixá-la em casa, me sento no banco da frente para falar com o Jake.) Investigue Daniel Croow...

S-O cara que sua irmã estava xingando?

A-Esse mesmo.

S-Desconfia dele?(dirige calmamente.)

A-Não é só desconfiança...("A Linda é minha!") É mas como uma certeza... Você tinha que ver o jeito que ele se referiu a Betty no jantar.

S-A Jenny falou stalker... (entra na garagem.) Devo me preocupar?("Não deixe esse cara chegar perto dela")

A-Sim... Eu quero a ficha completa dele, e Stewart (o olho.) Seja discreto.

S-Certo!(Desço do carro, indo em direção ao elevador. Chegando no meu apartamento, tiro a roupa para tomar um banho quente e relaxar. Mas só consigo pensar nas palavras do Daniel e de como estou preocupado por ter deixado a Betty sozinha com ele.)

A-Vai ficar tudo bem... (tento me convencer. Sentindo a água quente cair na minha cabeça, descendo pelos meus músculos tensos.) Vai sim... (Depois de quase meia hora, saio do banheiro me secando, deixando a toalha em cima da cadeira e entro debaixo do edredom. Fecho os olhos tentando dormir, mas só consigo revirar na cama, preocupado com a Betty. Meu celular treme sobre a comada do abajur e eu atendo rapidamente, recebendo uma ligação de quem está tomando meus pensamentos.) Alô.

B-Sou eu...(fala timidamente.)

A-Você... ainda está na rua?(pergunto, bastante receoso.)

B-Não, acabei de chegar em casa.(Que alívio solto um suspiro.)

A-Me desculpa... Por ter estragado sua noite e ter falado aquelas coi...

B-Não! (me Interrompe.) Por favor não se desculpe por isso. Você não estragou minha noite, muito pelo contrário.

A-Betty, eu agi mal...

B-Não, não agiu... Eu gostei do que falou e isso só deixou as coisas ainda mais claras pra mim.(Eu tento entender o que as suas palavras significam, mas não consigo.) Olha Armando, eu e o Daniel não temos nada um com outro...(E novamente, sinto como se ela estivesse tentando se justificar para mim.)

A-Você não precisa fazer isso. Não me deve explicações de nada.

B-Não preciso, mas quero... Não quero que entenda mal, por isso quero deixar as coisas bem claras entre nós... Eu não tenho nada com Daniel (repete, para que eu possa entender.) E nem quero ter... Armando, se não fosse por você o meu jantar teria sido horrível. Pra falar a verdade, eu gostei de cada tirada de tempo que você deu nele.(Sua risada gostosa ecoa no telefone, e eu acabo sorrindo também, me lembrando do que fiz.) Muito obrigada pelo prato, pelo vinho... Principalmente pela a sua companhia...

A-Mas eu não fiz nada (abaixo a cabeça envergonhado.)

B-Sim você fez... (fala como se fosse um sussurro.) Se eu me lembro bem, você pediu exatamente a mesma refeição de quando jantamos juntos e você me ganhou naquele leilão... Não sabia que aqueles pratos tinham ficado frisados na sua cabeça (dá uma boa risada.)

A-Mas é claro que eu lembro (sorrio também.)Você me disse que foi o melhor encontro que já teve. Como eu poderia esquecer?(Um silêncio reina um tempo sobre a ligação, até ser cortado por um suspiro seu. fala receosa.)

B-Eu... Nós... Ainda vamos jantar amanhã?

A-Mas é claro, não precisa perguntar duas vezes.

B-Ótimo...(imagino o seu lindo sorriso, do outro lado da linha.) Eu preciso conversar pessoalmente com você... É muito importante que deixemos as coisas bem claras entre nós dois...(Por que isso não parece ser boa coisa?)

A-É algo com que devo me preocupar?

B-Mais ou menos...(dá um longo suspiro.) Então, te vejo amanhã?

A-Sim, até amanhã... Boa noite coelhinho.

B-Boa noite Lion... Durma bem.

A-Agora eu vou dormir... (sorrio, só por está falando com ela.)Tchau...

B-Tchau... (Nenhum dos dois desliga a ligação e eu ficou com o telefone no ouvido, receoso.) Você... ainda está aí?(sua voz soa mais fofa que o normal.)

A-Sim coelhinho...(sorrio.)

B-Se acertou com a sua irmã?

A-Um pouco...(meu sorriso se alarga, por ver ela puxar conversa comigo.) É provável que ela faça outro drama(falo divertido.)

B-É a cara da Jenny (dá risada.) Você viu como ela me olhou, quando pedi para se retirarem da mesa.

A-Ela xingou tanto no carro!(dou ênfase.) Você tinha que ter visto!

B-Sério?

Nós passamos o restante da noite jogando conversa fora, até finalmente desligarmos de vez, para conseguir trabalhar de manhã. Não sei porque, mas estou mais ansioso para esse encontro de amanhã a noite, mais do que os outros que tive com a Betty.

Estou com um bom pressentimento...


Notas Finais


Desculpa a demora ❤️😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...