1. Spirit Fanfics >
  2. A mulher dos meus sonhos... >
  3. Cap 12

História A mulher dos meus sonhos... - Capítulo 12


Escrita por: Mjoh

Capítulo 12 - Cap 12



Hoje acordei mais animado do que o costume. Desci para fazer academia e depois do exercício matinal, tomei uma ducha caprichada, me arrumando para ir trabalhar. Por mas que não dormi quase nada, por ter ficado conversando com a Betty até tarde da noite. Estou completamente disposto esta manhã. Tomo o meu café no carro. Enquanto o Jake dirige, recebo uma ligação de trabalho, começando mais um dia agitado.

...

Levando a pasta o qual estava trabalhando. Saio do escritório, indo em direção ao da minha assistente pessoal.

A-Senhorita Bryen, remarque a reunião com a DLayor para amanhã às três (passo rapidamente.)

L-Certo!

A-Senhorita Rincon, está com os relatórios da semana passada?(entro de uma vez na sua sala.) Esse aqui está incompleto e eu tenho...(olho para frente e percebo que estava falando sozinho o tempo todo. Dou uns passos para trás saindo do seu escritório e me viro para Lilian.) Senhorita Bryen? (a olho.)

L-Desculpa (se levanta rapidamente.) A senhorita Rincon teve que descer até o departamento de designe.(Franzo as sobrancelhas confuso.) Ela não entrou em detalhes.

A-Certo... Quando voltar, fala pra ela passar na minha sala, trazendo o relatório da semana passada. Eu preciso conferir uma coisa.

L-Sim senhor.(Volto para o meu escritório deixando a pasta de lado e faço uma ligação. Para falar com um representante de uma filial da Mendoza's.)

Toc, toc...

A-Entre!(Com a cadeira virada para janela, término minha conversa pelo telefone.)Senhorita Rincon eu...(me viro de uma vez, e dou de cara com o Mark.)

M-Pessoa errada (caminha até minha mesa.)Vim aqui para dar nova proposta da Gellery (coloca a pasta em cima da minha mesa.)

A-Hum... (abro a pasta.) Tem algo errado...

M-O que seria? (ajeita seu óculos.)

A-Não sei se sabe, mas o filho do dono dessa empresa é o ex da Betty.

M-O stalker?(se espanta.)

A-Esse mesmo... (foleio às páginas.) Ele está sendo insistente em querer fechar algo comigo desde que reapareceu. E olha que eu não fui nada educado com ele...

M-Você acha que ele está fazendo isso por causa da Betty?

A-Exatamente!(olho para o Leviels.)Tem algo errado com esse cara. Não estou falando isso, só porque não vou com a cara dele (me lembro de como o de me olhou com raiva no restaurante.) Mas sim porque ele parece fissurado por ela... Se você visse como ele a olha.

M-É o mesmo olhar que você tem quando está perto dela?

A-Não... (nego com a cabeça, fazendo um estralo com a língua.) Se fosse só isso eu não ficaria tão preocupado, é algo um pouco fora do normal, entende?

M-Não(ajeita o seus óculos.) Mas do jeito que ela falava dele, devo imaginar que seja um pouquinho doentio.

A-Eu e a Jenny jantamos com eles ontem a noite (ele me olha surpreso, sentando na cadeira.) Agora imagine tudo que a Betty falou dele, e multiplique por dois.(Seus olhos quase saltam para fora e eu concordo com a cabeça, ainda falando.) Sim, ele consegue ser pior que aquilo... Ontem disse claramente, que o projeto que ele me mostrou era um lixo e que não queria fechar negócio com eles... Ainda ontem, ele me olhou com ódio no olhar, dizendo que a Betty era dele e para eu ficar longe dela se não sofreria as consequências. Disse isso sem saber que ela estava presente no momento... Agora, ele me manda outra proposta fingindo que nada aconteceu.

M-Tem algo errado com esse cara...(Balanço a cabeça concordando, soltando um "exatamente" e coloco a pasta que me entregou na última gaveta.)

Toc, toc...

A-Entre!(Betty entra na sala, com o rosto todo vermelhinho e anda de mansinho até a minha mesa.) Por que ela está desse jeito? (estranho sua timidez. O telefone do Mark toca, e ele pede licença, saindo da sala para atender.)

B-Bom dia... O senhor pediu o relatório... (coloca a pasta na mesa, ficando ao lado dela. Olho para ela, mas a mesma desvia olhar sem graça. Que reação fofa é essa? dou um sorrisinho de lado, me levantando da cadeira ficando ao seu lado. Com certeza eu vou tirar proveito disso.)

A-Não encontrei o relatório de quinta (falo em um tom mais grave, a vendo se arrepiar.) E preciso confirmar uma coisa.

B-Certo...(quase sussurra. Meus olhos acinzentados, brilham, por ver o efeito que estou causando. Percebo o anel de compromisso que dei a ela, no seu anelar direito e sorrio.) Está usando... (toco sua mão. Ela se assusta tentando esconder, mas eu a viro de uma vez. Deixando o seu corpo de frente para mim, colocando um braço de cada lado do seu corpo, encurralando-a no meio.) O cordão também (olho para o seu pescoço.)

B-Uma pessoa me disse... para eu pensar mais nela...(cora violentamente, segurando o meu olhar.) Estou tentando fazer isso...

A-E está dando certo?(aproximo o meu rosto do dela e a mesma vai inclinando para trás.)

B-Um pouco...(desce os olhos para minha boca. Seu peito sobe e desce, com a respiração acelerada e eu desço o olhar para dentro da sua blusa, vendo um botão aberto.)

A-Ele ficou lindo em você... (olho para o pingente e para o seu decote ao mesmo tempo. Vendo a cor turquesa, se destacar na sua pele branquinha e enfeitar belamente os vales dos seus seios, que tem aquela pintinha única que eu adoro.) Muito lindo...(Com a ponta do meu nariz, acaricio levemente a sua bochecha, descendo pelo seu maxilar até chegar no seu pescoço. Onde eu fungo o seu perfume gostoso, sentindo o seu corpo se arrepiar todo.) Como você é cheirosa...(seguro sua cintura, me deliciando com o cheiro suave da sua pele. Betty solta um gemidinho sôfrego, apertando a ponta mesa, quando eu planto um beijinho no seu pescoço. Arrancando um sorriso meu, me fazendo subir novamente para o seu rosto corado.) Eu posso te ajudar a pensar mais nele...(falo quase num sussurro, acariciando o seu narizinho no meu, levando a minha mão para a sua face.)Se você deixar é claro...(Com a respiração pesada, ela fecha os olhos ansiosa, e eu entendo minha deixa, dando um sorrisinho de lado. Com a outra mão na sua cintura, a trago para mim, abrindo os meus lábios para capturar os dela.)

M-Interrompo?(O Mark abre a porta de uma vez, nos fazendo dá um pulinho assustados.)

B-N-Não...(ela se afasta com o rosto em chamas.) Com licença (se retira morrendo de vergonha da sala. O fuzilo com os olhos, arrancando um sorrisinho sacana)

M-Em minha defesa, vocês não estavam sendo nada profissionais.

A-Que se dane o profissionalismo, eu estava quase a beijando e você me atrapalhou.

M-Desculpa (sorri cinicamente. Respiro fundo, para me recompor e volto para minha mesa, continuo o trabalho)

No horário do almoço, passo na sala da Betty para continuar o que comecei no meu escritório, mas não a encontro. Chateado, desço de elevador até o estacionamento para almoçar sozinho e chegando perto do carro, a vejo conversando com Daniel. O que esse cara está fazendo aqui? Travo meu maxilar irritado me aproximo dos dois.

D-Eu só sou um homem melhor quando você está comigo...(ele fala calmamente. Merda o peguei no meio de uma declaração. Fico sem saber o que fazer. "Ela não é minha,ela não é sua, ela não é de ninguém a não ser dela mesma". Se eu interromper, estarei sendo possessivo, igualzinho a ele e as palavras que disse ontem não valeriam de nada. A melhor opção é deixá-los sozinhos. Por mais que eu não goste nem um pouco do andamento dessa conversa. Se a Betty ver que eu estou espiando, vai ficar uma fera.)

D-Eu te amo tanto, não consigo mais viver sem você, sem o seu toque, sem o seu amor... Só eu sei o que é viver sem seu calor Beatriz... (Como se fosse possível, meu coração se quebra. Por ouvir ele dizer as palavras que eu nunca disse e por ter tocado nela, nós lugares que eu nunca toquei. Solto um suspiro) Eu nunca te esqueci Betty, noite após noite quando coloco minha cabeça no travesseiro, eu só penso em você e em como tudo poderia ter sido diferente, se eu não fosse tão cabeça dura... Então, volta para mim... Da uma chance pra gente.(se aproxima pegando na mão dela.) Eu não vou machucar o seu coração novamente. Ouvi bem o que me disse ontem a noite e você está coberta de razão... Por favor me dá uma chance de provar que eu mudei... Ou melhor, de como você me mudou.

B-Daniel... Olha...(fala extremamente envergonhada. "Eu não tenho nada com Daniel e nem quero ter")

A-Não parece isso... (Sussurro e abaixo o olhar triste. "Muito obrigada pelo prato, pelo vinho... Principalmente pela a sua companhia..." Betty sempre foi boa em rejeitar e cortar os laços de quem gosta dela. "Armando, se não fosse por você o meu jantar teria sido horrível" Mas comigo é diferente. Mesmo dizendo não, ela não queria cortar os laços entre a gente. "Não quero que entende mal, por isso quero deixar as coisas bem claras entre nós" A necessidade de ter que me explicar tudo. O jeito tímido e acanhado de está na minha presença. A palavra "nós", usado pela primeira vez de forma diferente. "Uma pessoa me disse... para eu pensar mais nela... Estou tentando fazer isso..." Faz o meu coração se aliviar. Mas Ainda pode haver uma mínima chance dela aceitar ele de volta. "Tudo que deu a ela, teve um significado enorme" lembro da Melanie falando. "Armando, consegue ela pra mim... É parecida com o gatinho que você me deu, eu quero levá-la pra casa, ela precisa de um abraço Lion" às memórias do parque vem a tona. Mas eu sei que isso não vai acontecer ergo a cabeça. Pois o coração da Beatriz, se tornou meu antes mesmo de eu tentar ganha-lo. "Eu não tenho nada com Daniel e nem quero ter" Então essas palavras, deveriam ser o suficiente para mim a olho, dando um sorrisinho. Elas são, o suficiente para mim. Começo a me retirar do estacionamento, para lhe dar privacidade. "Não deixe esse cara chegar perto dela" Paro, me lembrando das palavras do Nicolas. Só porque eu confio nela, não signifique que eu tenha que confiar no Daniel. Volto me escondendo atrás de um carro, ouvindo a conversa dos dois.)

D-Amor, por favor (se aproxima ainda mais dela.) Da uma chance pra gente?(ela dá um grande suspiro e se recompõe.)

B-Isso não vai acontecer (o corta de forma seca.) A nossa página já virou (puxa sua mão de volta, se afastando.) E também... (olha para o seu anel.l Eu já tenho outro alguém... Estou feliz que queira mudar, mas não precisa de mim para isso. Assim como você mudou, eu fiz o mesmo. O meu coração já pertence a outro e se for para seguir em frente... que seja com ele.(Daniel fica pasmo com o que ouviu e um sorrisinho aparece no meu rosto.) Não tem autorização para entrar nessa empresa senhor Croow(fala friamente, vestindo sua armadura de mulher profissional.) Peço para que se retire e não me procure novamente. A nossa história já se encerrou a muito tempo, ontem foi o nosso ponto final, então não temos mais nada um com outro. Passar bem...(Ele tenta falar alguma coisa, mas o Jake sai do carro que acabou de estacionar perguntando se está tudo bem. Ela consente, pedindo para o acompanhar até a saída. Foi maravilhoso ver isso dou um largo sorriso. Agora posso voltar e fingir que nunca escutei nada. Não sei porque mas estou ainda mais animado para hoje a noite. Betty me olha e como uma criança que é pega por ver algo que não deveria, saio de mansinho, correndo abaixado para o elevador.)

A-Abre, abre, abre... (aperto o botão várias vezes. Como se fosse vontade divina, a caixa de metal abre as portas sem demora, e eu pulo dentro.) Fecha, fecha, fecha, fecha...(aperto o botão rapidamente.)

B-Olha quem temos aqui... (eu levo um susto quando Betty fala atrás de mim, às portas do elevador se fecham me deixando constrangido.)

A-É né...(abaixo minha cabeça, olhando para os botões do painel, quase encolhido no canto, cutucando o botão de fechar com a ponta do dedo.) Que coincidência...(ela abafa a risada, me vendo todo vermelho.)

B-Você estava ouvindo escondido? (se aproxima com as mãos na cintura, me fazendo encolher ainda mais.)

A-Eu?! (me exauto olhando para ela, fico com vergonha e me encolho novamente.) Eu não... (falo baixinho.)

B-Pois eu podia jurar, que te vi escondido(sorri da minha reação.)

A-Pode ter sido outra pessoa... (cutuco o botão sem jeito.) Que parece comigo...

B-Acho difícil alguém parecer com você (desce a cabeça pro lado, tentando olhar o meu rosto.) Um homem desses, não se encontra em qualquer esquina.

A-Você pode ter encontrado atrás do carro...

B-Eu nunca disse que foi atrás do carro.(Sinto o meu rosto esquentar ainda mais.) Sabe senhor Mendonza... (Ela puxa minha gravata, me fazendo parar de cutucar o botão, ficando frente a frente ao meu rosto.) Acho que vamos ter que adiantar a nossa conversa para agora...(sussurra, me puxando para si. Engulo seco concordando com a cabeça, fitando sua linda boca.)

A-Do jantar?(sinto o meu coração, quase saltandopela boca.)

B-Sim... (sorri me atraindo.) Acho que eu não consigo mais esperar... e nem resistir.(Acaricia o seu nariz no meu.)

A-Não consegue... resistir?(seguro a sua cintura com as duas mãos, completamente desestabilizado.)

B-Você não tem facilitado as coisas...(insinua que vai me beijar, eu abro a boca ansioso, mas ela se afasta um pouco.) E te ver tímido assim torna tudo ainda pior...

A-Não brinca comigo...(colo minha testa na dela, desestabilizado, com a respiração ofegante.) Por favor...

B-Jamais...(olha nos meus olhos.) Eu não consigo fazer isso, assim como não consigo mais resistir a você...(Com apenas isso, Betty sela nossa bocas, com um beijo calmo. Nossos lábios acariciam lentamente um no outro, peço passagem com minha língua e ela cede, abrindo sua boquinha para mim. Suas mãos deslizam no meu peito para alcançar o meu pescoço, a perto em meus braços para colar o seu corpo no meu, enquanto nos beijamos livre e calmamente. sorrio nos seus lábios. Como eu esperei por isso... )

"🎶"

O elevador faz um toque que vai abrir e nos separamos, virando uma para cada lado.

N-Está subindo?( Nicolas pergunta confuso.)

A-Sim...

N-Eu vou esperar descer(fica onde está. O elevador fecha às portas e eu deixo o paletó cair dos meus ombros.)

A-Meu coelhinho... (me viro para ela, atacando sua boca. Nosso beijo que antes era calmo, se torna mais afoito e intenso. Fazendo nossas línguas se duelarem, querendo mais um do outro.)

B-Humm...(Dou uns passos para frente e a prenso na parede de metal, subindo o seu corpo, fazendo Betty entrelaçar as pernas na minha cintura enquanto a beijo.)

A-Que boquinha gostosa... (sugo a sua língua a fazendo soltar outro gemido. Ela coloca os dedos entre meus cabelos me puxando para si, como rostinho levemente corado e o quadril solto. Começando a se esfregar na minha excitação.) Hummm... (solto um gemido, com o seu rebolado. Meu peito duro esmaga os seus seios, sentindo toda a maciez deles. Minhas mãos cravam na sua coxa, a puxando para mim e o meu membro, que está duro feito pedra, roça por dentro da sua saia. Querendo sentir cada relevo, toda a maciez, aperto e calor, que eu sei que ela pode me oferecer.)

B-Aah...(morde os lábios excitada jogando a cabeça para trás. Desço os meus beijos pelo seu pescoço, a vendo dar incontroláveis arrepios e continuo me esfregando nela. Louco para tirar sua roupa e penetra-la aqui mesmo.) Armando...(seus olhos castanhos escurecem e eu vejo o reflexo dos meus, que estão nublados de desejo. Ela me ataca novamente com um beijo, enfiando sua língua dentro da minha boca, me beijando de forma desinibida. Sorrio nos seus lábios sentindo todo esse fogo e assanhamento que Betty está comigo, e a mesma puxa meus cabelos, sugando a minha língua. Com certeza esse o beijo mais gostoso que ganhei! solto um gemido satisfeito. Seu quadril para de se mover, por eu está quase a esmagando na parede de metal. Seus gemidos baixinhos, com uma tonalidade suave, escapam desenfreados da sua boquinha. Meus quadris se mexem, espremendo o meu membro sobre sua intimidade coberta, louco para rasgar todo esse tecido que nos separa. Vendo ela delirar com os meus movimentos eróticos.)

A-Hummm... (Minhas mãos adentram a sua saia, impacientemente. Pegando as laterais da sua calcinha e...)

"🎶"

Quando o elevador toca, dando sinal que vai abrir. A desço rapidamente do colo e pego meu paletó do chão. Passo a mão nos meus cabelos, tentando parecer o mais natural possível. O Nicolas olha para Betty e depois para mim, me fazendo segurar o paletó na frente do meu colo, tampando o volume da minha excitação. Um sorrisinho aparece no rosto do gerente de TI, Betty lança um olhar para ele, e o mesmo esconde o sorriso, coçando a garganta.)

N-Acho que vou de escada (se vira em direção delas.)

B-Vem logo(ela o puxa rapidamente para o elevador e as portas se fecham. A olho perguntando "Por que?". Só com expressões faciais e ela devolve um olhar de "Ele está desconfiando".)

N-Senhor Mendonza, tem um pouquinho de batom da senhorita Rincon aqui (mostra o canto da boca.)

A-O que?(limpo os meus lábios no automático. Ele cai na risada e a Betty dá tapinha na própria testa.)

B-Como pode cair nessa?!(ela me olha morrendo de vergonha.)

N-A culpa não é só dele, já viu o estado do seu cabelo (fala entre risos. Ela se vira para o espelho, se espanta e se arruma rapidamente.) E também...(acalma as risadas.) O elevador nunca saiu do lugar)

A-B-O que?!(falamos em uníssono)

N-Achei estranho, porque quando chamei, ele já estava parado. Quando vocês disseram que estava subindo e as portas fecharam, ele continuou parado.( Me martírizo mentalmente, por ter ficado tão preocupado com o botão de fechar, que esqueci de apertar o andar.)

B-É por que não abriu antes?(ela se vira pra ele.)

N-Esperei um pouco para ver se era só engano e me distrai mexendo no celular. (Betty solta um gemido frustrada, e eu fico envergonhado) Senhorita Rincon, nunca imaginei que fazia isso em local de trabalho.(ele sorri debochado)

B- O que está acontecendo comigo?(ela coloca as mãos na cabeça atordoada) O que meu chefe vou pensar se descobrir? (Nós a olhamos sem entender.)

A-Eu tenho uma leve impressão que ele não vai se importar.(falo como quem não quer nada ela sobe o olhar, dando um sorrisinho sem graça.)

"🎶"

N-Bom, essa é minha deixa. Agora podem se amar a vontade no elevador da empresa, dando aquele show maravilhoso para o sistema de segurança, mostrando exatamamente como é que se faz em um local de trabalho.(Nós coramos violentamente e ele vai embora com um sorrisinho no rosto.)

B-Andar da segurança?

A-Com certeza!

B-Sem show para eles dessa vez?(aperta o botão e as portas se fecham.)

A-Eles só viram uns beijinhos, então vem aqui para eu te dar mais alguns.(Me aproximo dela, a beijando calmamente, sem o mesmo assanhamento de antes. Chegamos ao andar da segurança e para nossa surpresa, a câmera do elevador não estava funcionando. Eles disseram que chamaram o técnico para dar uma olhada hoje a tarde. Verifiquei e confirmamos que ninguém viu o show que damos no elevador. Depois de tudo resolvido, dessemos para almoçar juntos, mas ao invés disso. Liberei o Jake para o horário de almoço e fomos para dentro do meu carro, se agarrar mais um pouquinho.)

B-Armando...(ela geme nos meus lábios, sentada no meu colo, sentindo minhas mãos subirem na sua coxa.) Alguém pode nos ver...

A-Não se preocupa (desço os meus beijos para o seu pescoço, a fazendo ter incontroláveis arrepios) Os vidros são escuros e não dá para nos ver nas câmeras de segurança... Eu verifiquei.(Dou pequenos chupões na sua pele alva, tentando não marcar tanto. O que é quase impossível, já que ela é muito branca.)

B-Então vamos devagar... (geme de olhos fechados.)

A-Sim... (olho pro decote da sua blusa, que mostra um pedacinho do seu sutiã de rendinha verde escuro, suas pernas abertas sentadas em formato de M em cima do meu colo. Me fazendo perceber que com um simples puxão, eu posso arrancar sua calcinha e retirar sua saia.) Eu vou entrar bem devagarinho...(beijo a parte de cima dos seus seios, sugando o local da sua única pintinha.)

B-Não foi isso que eu quis dizer... (levanta o meu rosto com as duas mãos, me tirando dos seus vales.) Vamos com calma.(Sorrio ao ver seu rostinho corado, ofegante e concordo com a cabeça.)

A-Tá bom...(lhe dou um selinho.)

B-Ótimo (sorri docemente.) Então é melhor você tirar a mão de dentro da minha saia e parar de puxar minha calcinha.(Olho para baixo, notando minhas mãos na laterais do seu quadril, nas pontas da sua calcinha e percebo meu membro duro, querendo ser liberto pela calça, sendo pressionado pela sua intimidade.)

A-Você tem certeza?(levanto um pouco sua saia, vendo sua calcinha de rendinha, e o formato dos seus lábios grandes sobre o fino tecido quase separados, pelo o meu volume que a pressiona.) Céus... (arregalo os olhos, sentindo minha boca encher de água.)

B-Sim eu tenho (se afasta do meu colo ajeitando a saia.)

A-Deixa eu enfiar só a cabecinha (a puxo, relutante em querer me afastar.) Só pra ver como é lá dentro...

B-Não Lion (se endireita para sentar no outro banco. Foi você que disse para passar das preliminares primeiro (dá um tapinha na minha mão, quando a obrigo a sentar de lado no meu colo.) E só o segundo orgasmo não seria no sentido figurado. Então, ainda estamos no primeiro.(Por que eu fui falar aquilo? me condeno.)

A-Tá bom...(beijo o seu pescoço.) Um homem tem que ter palavra.(Aperto sua coxa, querendo subir a para sua intimidade, mas me seguro.)

B-Por que estava atrás do carro? (se arrepia e se afasta para olhar meu rosto.)

A-Desculpa por aquilo (a trago de volta envergonhado, me escondendo atrás do seu pescoço cheiroso.) Não queria invadir seu espaço nem nada do tipo. Mas eu não confio no Daniel.

B-Achou que ele faria alguma coisa?(envolve os braços no meu pescoço, me abraçando.)

A-Sim... (aperto sua cintura.) Está preocupado com que ele disse a noite passada, não é? (solto um gemido concordando, ela leva a cabeça para trás, me obrigando a sair do seu pescoço e acaricia o meu rosto com o seu nariz. Alcançando a minha boca a qual me de uns beijinhos.)

B-Não precisa se preocupar (beija minha bochecha.) Ele pode parecer doido, mas não consegue fazer nada comigo (olha nos meus olhos.) Essa não foi a primeira vez que o rejeitei desde do nosso término(acaricia o seu nariz no meu.) Ele iria insistir mais um pouco, eu daria as costas saindo dali e então o Daniel iria embora de cabeça baixa (me explica calmamente.) Já aconteceu a mesma coisa cinco vezes. Mas esse foi o ponto final.(ela pode tentar me tranquilizar, mas ainda sim não confio no Croow.) Ei (me enche de beijinhos fofos.) Se fizer essa cara eu vou ter que te morder todinho.

A-Pode morder (sorrio ao ser beijado.) Eu já sou todo seu mesmo...(Ela desce os beijos para o pescoço e me dá um belo chupão.) Ui! (me arrepio.)

B-Armando.(levanta o rosto olhando nos meus olhos.) Não precisa se preocupar, eu me apaixonei por você e não pretendo te largar tão cedo.

A-Você o que? (um sorrisinho bobo aparece no meu rosto)Repete, eu gostei de ouvir.

B-Eu me apaixonei por você... (me beija.)Eu quero você pra mim... (fala entre beijos.) E não pretendo te largar tão cedo... meu namorado.(Sorrimos nos lábios um do outro e nos beijamos calmamente. A mão que está na sua coxa, começa a subir perigosamente para dentro da sua saia. Betty dá um risada gostosa da minha ousadia, junto com um tapinha na minha mão, me repreendendo.)

A-Que boquinha viciante... (aprofundo nosso beijo, subindo a mão para sua cintura fina, massageando sua barriguinha levemente, enquanto devoro seus lábios. Passamos o horário de almoço todo, no carro nos beijando.)

Quando decidimos almoçar de verdade, o horário já tinha acabado e Betty decidiu voltar a trabalhar, querendo separar as duas coisas. Eu não reclamo, mas estava morto de fome e sei que ela também estava. Inventei um suposto "almoço de negócios", ao qual a obriguei a me acompanhar, usando minha posição de chefe. A levei para um restaurante, ao qual comemos e trabalhamos. A noite cai, passo no seu apartamento para levá-la para o restaurante, mas acabo levando-a para o seu sofá, a enchendo de beijos.

B-Armando... (geme, sentindo a minha mão boba apertar o seu bumbum.)

A-Hum?(beijo o seu pescoço, procurando o zíper do seu vestido.)

B-Vamos, a gente vai se atrasar...

A-Eu não quero...(sugo o seu pescoço.) Quero enfiar minha seriedade em você primeiro...(desisto de procurar o zíper e subo seu vestido.) Por que você está de short? (a olho.)

B-Porque nós só vamos jantar (tenta sair do meu colo, mas eu não deixo.) Você concordou quando disse que iriamos com calma... Eu também estou com fome.(Ela faz um biquinho fofo e franze as sobrancelhas chateada.)

A-Desculpa por isso (lhe dou um selinho.) Não consigo resistir quando você está tão linda assim...(ela se levanta do meu colo e vê no espelho a situação que a deixei.)

B-Eu estou toda bagunçada...

A-Desculpa (a abraço por trás.) Porque não fazemos diferente? Você coloca uma roupa bem menos provocante, pedimos comida e assistimos algum filme juntos.

B-Hum... (coloca a mão no queixo pensando.)

A-Está chovendo tanto lá fora...(faço sua cabeça.) Poderíamos ficar no sofá, debaixo das cobertas... namorando um pouquinho...

B-Começamos a namorar hoje, não é rápido demais?

A-Não... (nego com a cabeça, me afundando no seu pescoço.) Seria um cinema só que mais confortável.(Planto beijinhos na sua pele, que está cheia de chupões meus, e ela se arrepia concordando com a minha ideia. Betty entra quarto, enquanto eu, peço comida por aplicativo, libero o meu segurança por hoje, escolho um filme aleatório na sua tv e abro o sofá retrátil. Quando ela volta, volta sem maquiagem, com uma roupa mais confortável, usando um macacão de coelho branco. Que cobre o corpo todo, segurando um cobertor na mão.)

A-De todas as vezes que eu te chamei de coelhinho, imaginava você vestindo algo extremamente sexy! Não fofo.

B-Foi você que falou para eu ficar mais a vontade (para na minha frente.) Esse pijama é muito quentinho, por isso gosto de usa-lo nos dias frios.(Subo seu capuz, vendo as orelhinhas de coelho caídas e sorrio.)

A-Que gracinha... Vem aqui meu coelhinho... (desço o meu corpo para beija-la e com impulso para cima, a faço entrelaçar as pernas na minha cintura.) Nossa, é macio mesmo (me surpreendo, sentindo o tecido felpudo.)

B-É uma delícia dormir com ele (me abraça, acariciando o pano extremamente fofo no meu pescoço. A levo para o sofá sorrindo, a faço deitar debaixo de mim e me deito logo em seguida. Tirando os sapatos, entrando debaixo das cobertas e abraçando o seu corpinho, pousando minha cabeça nos seus seios. Nós assistimos um pouco, até a comida chegar, nós sentamos para jantar e namoramos mais um pouco. Até pegarmos no sono e acabamos dormindo abraçadinhos no sofá. Parece que aquela conversa saiu melhor do que o esperado...)



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...