1. Spirit Fanfics >
  2. A Namorada Do Meu Padrasto >
  3. Colocando o assunto em dia

História A Namorada Do Meu Padrasto - Capítulo 16


Escrita por:


Notas do Autor


Demorei um pouquinho mas cheguei ksksksks

Capítulo 16 - Colocando o assunto em dia


Pov Ian

 

-Não é possível!

Falei assim que aquela garota que eu quase arrebentei no acidente, mostrou uma foto minha. Um tanto quanto mais jovem e disse que sou o pai dela.

-Foi o que minha mãe me disse.

Lana, dela eu lembro bem.

Mas quando eu fui embora porque ela não me quis mais, ela não disse nada.

Tudo bem que uma semana depois eu troquei de número e desapareci do mapa.

Pisquei umas quatro vezes.

-Antes da gente ter essa conversa, vamos no pronto socorro.

-Eu já disse que estou bem.

-E eu quero ter certeza.

Nos encaramos.

-Tudo bem...

Ela começou e olhou a moto.

-Mas e a minha preciosa.

Sorri.

Até parece eu falando do meu bebê, vulgo meu opala.

-Eu vou ligar para um guincho levar para alguma mecânica e depois a gente resolve isso.

Ela acabou aceitando e eu fiz isso.

Em seguida ajudei ela a ir para o carro já que ela estava mancando um pouco.

Quando ela entrou, entrei do outro lado e liguei o carro.

Que eu também teria que levar para arrumar depois, afinal afundou todo o para-choque.

E acelerei para o pronto socorro.

 

*****

 

Pov Lauren

 

O caminho todo no carro foi um silêncio.

Eu não sabia o que falar e acho que ele também não.

Eu nunca imaginei que encontraria meu pai dessa forma.

Na verdade, eu nem imaginava encontrar ele.

Quando ele parou o carro no estacionamento.

Eu abri a porta para descer e ele deu a volta.

-Não precisa, eu consigo andar.

Ele me encarou.

-Ta bom, ta bom.

Me apoiei nele.

E fui caminhando para dentro.

Entramos e fomos até a recepção.

-Moça a gente precisa de um médico.

Ela nos olhou sem animo algum.

-Vocês têm que preencher essa ficha.

Ela disse entregando, enquanto mascava seu chiclete.

-Você não está entendendo, ela sofreu um acidente e a gente precisa de um médico.

Ian falou um pouco bravo.

Ela olhou bem para ele.

-Quem não está entendendo é o senhor, todos aqui estão precisando de um médico então vai assinar essa ficha e esperar a vez de vocês.

Engoli em seco e ele respirou fundo pegando a ficha do balcão.

-Vem, vamos sentar ali.

Fui com ele e me sentei em uma cadeira e ele em outra.

 

*****

 

Pov Ian

 

Depois que a Lauren preencheu a ficha eu levei até o balcão.

Para a atendente sem educação.

E voltei a me sentar ao lado dela.

E juro, poderíamos ter dormido ali.

Pela demora.

Eu acabei nem a levando em um hospital particular, fui no primeiro que achei.

Então chamaram o nome dela.

Levantei e ajudei ela.

Caminhamos até a sala que falaram e lá tinha um médico já sentado.

Entramos e eu fechei a porta.

Ela sentou em uma cadeira e eu em outra.

-Pois bem, Lauren, o que aconteceu?

Ela me olhou e começou a falar.

-Eu sofri um acidente de moto, mas eu to bem é só uma dorzinha que senti nas pernas pelo tombo.

-Eu acho melhor fazer os exames para ter certeza.

Falei me intrometendo.

Será que é assim que pais fazem?

-É fez bem, até porque pode ter uma fratura interna.

O doutor falou e nós dois arregalamos os olhos.

Ele sorriu.

-Relaxem, vamos comigo na outra sala Lauren. Eu te faço um ultrassom e raio-x para ver se está tudo certo mesmo.

Ele disse se levantando.

-Eu vou junto?

-O senhor pode ficar aqui se quiser!

Assenti e fiquei sentado quando ela saiu com ele.

Esse foi o momento de eu pensar em tudo o que estava acontecendo.

Eu voltei para a minha cidade natal quase dezenove anos depois.

E no mesmo dia quase matei uma pessoa.

Pessoa essa que diz ser filha da Lana, a mulher que eu mais amei na vida.

No caso essa pessoa é minha filha.

Só imaginem minha cabeça agora.

Será que a Lauren vive com os avós dela agora?

Eu nunca mais fiquei sabendo nada da vida da Lana.

Apenas sobre a sua morte um tanto quanto misteriosa.

Até porque ela se tornou uma pessoa muito bem-sucedida.

Mas nunca eu nem se quer ouvi falar de sua filha.

Cocei a cabeça nervoso.

Será que ela é minha filha mesmo?

Sua beleza é de sua mãe.

Definitivamente.

Suspirei lembrando do passado.

 

*****

 

Pov Lauren

 

-E então doutor?

Ele estava passando um negócio na minha barriga e olhando em uma tela.

E eu já tinha feito raio-x nas pernas e nas costas que ele olhou e disse não ter nenhuma lesão.

-Você parece estar com uma inflamação.

-Como assim?

-Uma lesão no abdômen, que você não deve ter tomado nada para sarar.

-Mas, não é do acidente?

-Não! Para estar inflamado já tem alguns dias.

Foi o filho da puta do Matthew.

-Você sofreu algum outro acidente ou...

O cortei.

-Eu estou treinando muay thai.

Ele me olhou.

-Deve ser de tanto eu levar chute.

Ele assentiu.

-Toma cuidado com esses treinos, mas eu vou te passar um remédio.

Ele me entregou um papelzinho.

-Pode limpar e vamos voltar para sala.

Assenti.

Limpei e abaixei minha blusa.

E voltei com ele para onde o Ian estava.

 

*****

 

Pov Ian

 

-Voltamos!

Sai das minhas paranoias quando a porta abriu e o doutor surgiu com a Lauren atrás.

-E então?

-Fizemos o raio-x e ta tudo certo com as pernas, nenhuma quebradura e eu fiz um ultrassom e achei uma inflamação.

-Tem a ver com o acidente?

Perguntei preocupado.

Ele se sentou e a Lauren também.

-Não! A Lauren me disse que anda treinando e pode ter sido por isso, então Lauren começa a usar todos os equipamentos corretos para evitar isso e sobre o acidente não aconteceu nada, as dores nas pernas foram por causa do tombo.

Assenti mais aliviado.

-Eu vou passar um anti-inflamatório para a inflamação, um remédio para as dores e uma pomada para você passar nesses ralados do braço e perna.

Assenti junto com a Lauren.

Enquanto ele começou a digitar umas coisas no computador.

Depois nos entregou a receita e saímos.

 

*****

 

Pov Lauren

 

-Eu vou só passar na farmácia para a gente pegar esses remédios e depois podemos ir em algum lugar para conversar.

Olhei ele.

-Não precisa gastar com isso.

Ele me olhou.

-Preciso sim, eu que causei isso.

Sorri.

-Não foi você que disse que a culpa era minha?

Ele olhou para frente e logo estacionou o carro.

-Não lembro disso.

Dei risada.

Ele abriu a porta e pegou a receita.

-Pode ficar aí se quiser, eu pego tudo.

Assenti e ele saiu.

Escorei a cabeça no vidro.

Que dia louco.

Olhei meu relógio e era apenas meio dia.

Como tudo isso aconteceu em tão pouco tempo?

Eu descobri que a Camila não queria nada comigo.

Inclusive, hora de apagar esse nome da cabeça.

Encontrei meu possível pai.

Quase morri.

Minha vida sempre foi complicada, mas nunca tanto.

-Prontinho! Está marcado na caixinha de quantas em quantas horas você tem que tomar eles.

Ian disse entrando no carro e me entregando uma sacola.

-Obrigada!

-E então Lauren, está com fome?

Acho que ele previu porque eu estou e muito.

-Sim!

-Que tal a gente ir em um restaurante e colocar o assunto em dia?

E bota assunto em.

-Vamos!

Ele ligou o carro de novo.

 

*****

 

Pov Ian

 

Estava encarando a Lauren.

Eu estava de um lado da mesa e ela do outro.

Já tínhamos feito nossos pedidos.

-Desculpa, isso é tão estranho.

Falei finalmente.

-Eu sei.

Ela disse concordando.

-Primeiro eu queria dizer que sinto muito pela sua perda. Um pouco atrasado.

Ela sorriu triste.

-Obrigada mesmo assim.

-Como ela te contou sobre mim?

-Desde muito nova eu queria saber quem era meu pai. Então um dia quando eu tinha uns cinco anos ela me mostrou essa foto...

Ela pegou a foto me mostrando de novo.

Caramba e ela guarda até hoje.

-Ela disse que você tinha sido o grande amor da vida dela, e que você tinha ido embora... E duas semanas depois ela descobriu que estava grávida.

Eu fui embora porque ela me enxotou né. Essa parte ela não contou.

-Eu tinha só cinco anos nem entendi muito bem, mas quando eu fiquei maior, na verdade no ano que ela morreu eu perguntei de novo e então ela me contou a história inteira.

Prestava atenção.

-Ela disse que vocês eram meio que proibidos a namorar por causa dos meus avós, então você foi embora.

Neguei com a cabeça.

-Não foi bem assim.

-Como?

-A Lana disse que ia embora comigo, íamos fugir juntos, então ela foi para casa dela, e logo recebi um telefonema...

-E?

-E ela terminou tudo, disse que estava confusa e não gostava tanto de mim a ponto de abandonar tudo, que foi tudo uma simples aventura e falou para eu seguir minha vida.

Deu até um nó na garganta.

-Não minha mãe não faria isso!

Encarei a Lauren.

-Acredite Lauren, foi o que ela me disse.

-E você não suspeitou nem um pouco?

-Sobre o que?

-Meus avós!

-Hã?

-Ian, todas as vezes que minha mãe falou sobre você ela tinha um brilho nos olhos, como se ainda sentisse algo mesmo depois de anos, eu não consigo acreditar que esse amor se foi de uma hora para outra. Você não cogitou que poderia ter sido coisa dos meus avós?

-Não!

Neguei sorrindo.

Eu não seria tão burro.

-Pensa bem, eles não aceitavam o namoro, não aceitavam você e se descobriram que ela ia fugir e chantagearam de alguma forma para ela terminar com você.

Neguei com a cabeça e fechei os olhos.

Enfiei o rosto nas mãos.

-Faz todo o sentido, eu sou um idiota, tinha que ter ficado e lutado por ela.

Senti sua mão tocar meus braços.

-Ei está tudo bem, como você saberia, quando a gente gosta de alguém é difícil pensar em todas as hipóteses.

Ergui o rosto e a olhei.

-Está sofrendo por amor é?

Ela pigarreou.

-Eu? Puff. Claro que não.

Ergui a sobrancelha.

Aham acredito.

-Me fala um pouco mais sobre você? Quer dizer que gosta de artes marciais?

Ela sorriu.

-Comecei a me apegar a pouco tempo.

-Mas, teve algum motivo especial que te fez entrar na academia?

Ela mudou a feição e depois deu um sorrisinho.

-Não, só quis tentar algo diferente.

Ok.

-E você? A mamãe dizia que você gostava muito de viajar, ainda estava fazendo isso todos esses anos?

Sorri.

-Por incrível que pareça sim. Na verdade, eu estava na Indonésia esse ano, viajando por lá. Aí eu percebi que estava ficando velho para isso e que devia me prender a algum lugar e por que não a cidade onde nasci?

Ela sorriu.

-Então você voltou para ficar?

Assenti.

-Sim! Agora eu acho que tenho mais motivo ainda.

Sorrimos juntos e seguimos com a conversa.

 

*****

 

Pov Lauren

 

-Lauren e você ficou com quem depois que sua mãe faleceu?

Olhei o Ian enquanto tomávamos um sorvete.

O papo estava bom.

Tanto que já era três da tarde.

-Matthew, o marido dela.

Falei e ele me encarou.

Assentindo um pouco desconfortável.

-Você nunca viu nada sobre nas revistas?

-Na verdade não, eu tentei esquecer todo o passado, só fiquei sabendo o quanto ela cresceu e depois vi sobre sua morte em um jornal.

Assenti.

Por isso ele não sabia de mim.

-Então seus avós...

-Faleceram.

Ele assentiu.

-Eu ainda era pequena, foi até antes do Matthew surgir.

-E você se dá bem com esse Matthew?

Sorri.

-Não!

-Sério? Mas pelo jeito convivem a anos.

-É, quando minha mãe noivou com ele, ele quis por seu nome em meus documentos então oficialmente ele é meu representante. Quando minha mãe morreu só sobrou ele e como está nos papéis né. Estou com ele pelo menos até fazer meus dezoito.

-E falta muito?

-Menos de dois meses.

Ele assentiu.

-Olha não estou querendo duvidar da sua mãe nem nada, mas, eu queria saber o que você acha da gente fazer um t...

-Teste? Eu estava pensando nisso também.

Ele sorriu aliviado.

-Que bom!

-É melhor a gente ter certeza.

Ele assentiu e continuou.

-E depois disso, se você quiser podemos resolver isso nos seus documentos e você pode vir morar comigo. Se eu perdi dezoito anos, não quero perder mais.

Sorri.

Seria um sonho sair de perto do Matthew.

-Super topo.

Ele sorriu e seu celular tocou.

Ele atendeu e falou algumas coisas e depois desligou.

-Era o mecânico falando sobre a sua moto.

-E aí, ela tem chances de recuperação?

Até parece que falávamos de uma pessoa.

-Sim!

Ele disse sorrindo.

-Ela deu uma ameaçada na lataria, eles vão ter que arrumar isso e depois a pintura, vai estar pronta daqui uns dias.

Assenti.

-Droga, eu tenho que falar com o Matthew, pedir o dinheiro do conserto.

-Não se preocupe, eu pago.

Cocei a cabeça.

-Não precisa!

Disse sem jeito.

-Eu faço questão!

-Tudo bem então, se insiste.

Demos risada e seguimos comendo e conversando.

Por um momento eu esqueci de toda a grande merda que é minha vida.


Notas Finais


Até o próximo!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...