História A não tão filha de Afrodite - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Personagens Originais, Piper McLean, Quíron
Visualizações 60
Palavras 1.581
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Magia, Mistério, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Incesto, Linguagem Imprópria, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hello, hello!
Cá estou eu de novo. Com mais uma one. Vcs já não devem me aguentar mais postando ones.
MAS EM MINHA DEFESA...
Josiscleidison: Lá vem.
Mari: Cale a vossa boca, meu filho.
Em minha defesa, eu tava voltando de viagem (de carro) e eu simplesmente comecei a escrever. Aí agora que eu cheguei, fiz a capa e a foto do capítulo e tô postando.
Enfim!
Espero que gostem.
Boa leitura e desculpa os erros.
Bjs de cupcake

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction A não tão filha de Afrodite - Capítulo 1 - Capítulo Único

A não tão filha de Afrodite

Como uma filha de Afrodite, Jennifer deveria ser boa quando o assunto era relacionado a amor e essas outras coisas. Mas ela não era. Definitivamente não era. Muito longe disso, para lhes dizer a verdade.

Ao chegar no acampamento, foi recebida coincidentemente pelo conselheiro-chefe do chalé de Ares, Adam. Sendo três anos mais velho que ela, tinha seus dezenove anos na cara porém de durão e sério, possuía apenas a face mesmo, o que era raro para alguém do chalé do deus da guerra. Depois de duas horas no tour pelo acampamento, viraram melhores amigos. Parecia que eram melhores amigos de infância, como se conhecessem um ao outro havia éons.

Ao contrário do que se esperava dos meio-sangues comuns, Jennifer sabia exatamente o que era antes de que seu guardião, um sátiro chamado Grover, lhe dizer que ela era metade humana, metade deus. Desde pequena, a garota de cabelos cor de mel que batiam um pouco acima de sua cintura e olhos castanhos claros se interessava por Mitologia Grega. Era seu assunto favorito nas aulas de história. E de alguma forma, ela sabia que não era normal. Não como as outras crianças com quem estudara a vida inteira. Por conta disso, não ficou tão surpresa ao descobrir que realmente tinha linhagem divina.

Foi no mesmo passeio com Adam que ela conheceu sua outra melhor amiga, Claire. Uma filha de Atena da sua idade (talvez alguns meses mais velha) com olhos cinza como tempestade e cabelos longos e pretos, que deveriam bater nos ombros dela (Jennifer provavelmente nunca descobriria já que a garota andava somente com o cabelo preso. Em qualquer ocasião, ela estava com ele preso). A dupla passou a ser trio no momento em que Jennifer, até aquele momento sem saber seu parentesco divino, desviou de uma flecha e acertou no alvo apenas lançando-a com a mão.

Durante o jantar daquele mesmo dia, na parte em que todos os campistas se reuniam ao redor de uma fogueira para cantar canções guiados pelos filhos de Apolo, Jennifer teve sua transformação. Claramente foi o centro das atenções, coisa que ela não era muito fã, afinal gostava de ficar quieta em seu canto, sem que muitos prestassem atenção nela. Pelo canto do olho, viu Claire e Adam fazerem um toca aqui e falarem juntos “Essa é a nossa garota.”. Ela riu com a cena.

Depois de Quíron fez seu reconhecimento e todos ajoelharam-se diante dela (ficou com muita vergonha nessa hora, definitivamente ela não tinha nascido para ser o centro das atenções), sua conselheira-chefe veio ao seu encontro, sorrindo. Seu nome era Lacy e parecia estar lá desde muito tempo. Era muito simpática, assim como todos os seus irmãos e companheiros de chalé.

“Tínhamos uma cerimônia de iniciação” ela disse quando estavam todos em suas camas, já dentro do chalé, sorria com a aparente lembrança “Mas uma garota acabou com essa cerimônia. Graças aos deuses. Seu nome era Piper McLean. Depois ela acabou se tornando conselheira-chefe do chalé.”

“Como era essa cerimônia de iniciação?” Jennifer perguntou naquela noite. Adorava receber informações. Quem a visse, juraria que era uma filha de Atena.

“Você tinha que namorar alguém do acampamento e depois quebrar o coração da pessoa, de propósito.” respondeu um garoto que devia ser dois anos mais velho que Adam. Seu nome era Mitchell. “A conselheira-chefe antes de Piper, Drew Tanaka, adorava isso. Quando Piper chegou, foi uma confusão entre as duas, já que esta se recusou a fase a cerimônia. Quando voltou da missão e tomou o cargo de Drew, ela baniu essa tradição.” lembrou ele sorrindo “Foi muito legal ver a cara de desgosto da Drew. Nossa mãe que me perdoe, já que isso é o contrário do amor, mas aquilo foi demais. Ver ela com raiva.”

“Percebi que a mente do mal do chalé é o Mitchell.” Jennifer falou e todos, incluindo ele, riram.

E assim o tempo foi passando.

Para uma filha de Afrodite, ela era muito diferente da maioria, o que a fazia sentir-se excluída e descolada. Não que não gostassem dela, todos gostavam e vice-versa. Mas ela não conseguia sentir-se encaixada naquele chalé. Ao descobrir que tinha o charme na voz, diferente do que outros irmãos dela fariam, ficou calada por três semanas com medo de não conseguir controlar. Só voltou a falar porque Adam e Claire ameaçaram parar de falar com ela e excluí-la do trio. Definitivamente Adam é filho de Ares, foi a primeira coisa que ela resmungou.

Para finalizar, era muito, mas muito azarada no amor. Apaixonava-se facilmente porém sempre acontecia algo para que não desse certo. O garoto tinha namorada, ou aparecia namorando, ou não tinha interesse nela e por aí vai a lista de acontecimentos.

“Você não pode simplesmente desistir do amor.” Claire disse-lhe indignada quando lhe contou da ideia que teve, já estava com dezoito anos “Você é uma filha de Afrodite. Não pode desistir do amor. Não é da sua natureza. Você não é assim.” a filha de Atena estava lhe chacoalhando pelos ombros “Adam, me ajuda aqui. Temos de convencer ela a não desistir.”

“Você acha que eu sei como fazer isso?” o loiro perguntou “Estou prestes a deixar ela com essa ideia.”

“Não tinha como você ser mais imprestável, não é, filho de Ares?” indagou com raiva a garota de cabelos pretos. Teve como resposta apenas um revirar de olhos. De vez em quando eles tinham essas brigas porém no dia seguinte já estariam se falando normalmente “Me escuta aqui, Cullbert. Eu não vou deixar que isso aconteça, está me ouvindo? Você não vai desistir do amor e se isso acontecer, me chame Maria Fuleira, a lixeira.”

“Olá, Maria Fuleira, a lixeira.” Jennifer e Adam falaram juntos e a garota se irritou.

“Vão para o Tártaro.” ela mandou e saiu em direção ao campo de treinamento de esgrima, descontar sua raiva enquanto os outros dois riam.

Entretanto, de fato, Claire conseguiu fazer com que Jennifer não desistisse, mesmo que involuntariamente. Como? Bom, ela, contra sua vontade e bom senso, se apaixonou por um filho de Hermes, Jackson Reyes. Quando Jennifer e Adam lhe perguntaram porque ela estava tão estranha, ela se negou a dizer é fez o que qualquer filho de Atena faria: se afundou em livros.

Passaram-se dois meses e ainda só se via Claire com algum livro na mão lendo-o ou com os pensamentos longe até que Jennifer decidiu olhar para a amiga com outros olhos. Não mais como Jennifer Cullbert porém sim como uma cria de Afrodite. E foi então que identificou o problema, ligou os pontos e como resultado, conseguiu juntar a amiga com o garoto.

Uma noite, estava andando atrás do próprio chalé, tinha perdido o sono. Ficou sentada,observando as estrelas e suas constelações. Foi então que uma luz surgiu ao seu lado e logo ela se transformou em uma mulher. Era de uma beleza inexplicável, sua aparência parecia ficar diferente a cada minuto, mais bonita todas as vezes. Foi então que a garota se tocou:

“Mãe?” a Cullbert arriscou “O que está fazendo aqui?”

“Como assim o que eu estou fazendo aqui, Jennifer?” Afrodite indagou “Vim lhe esclarecer umas coisas.”

Ótimo. Não via a mãe muitas vezes e quando via, ela lhe daria um sermão. Que maravilha, ela pensou.

“Que história é essa de desistir do amor?” começou a deusa, indignada “Onde já se viu? Uma filha minha desistir do amor.”

“Não me encaixo como a maioria dos seus filhos.” respondeu a campista “Não sei usar o charme direito, nada que deveria, dá certo para mim e eu ainda fico falando francês enquanto eu durmo.”

“Nada dá certo para você? Olha à sua volta, Jennifer.” a mãe da jovem falou “Você tem amigos, é ótima em arco e flecha, possui o charme e tem ótimos amigos. Não é porque o amor não dá certo de um jeito para você que ele não dará de outro. Sabia que a amizade é o amor em seu estado mais puro? Acredite, pode não ter tantos amigos e ser tão extrovertida quanto talvez queria mas você tem o amor sim. E não é porque você não é correspondida que você deve desistir.” discursou “À propósito, me lembre de facilitar a vida amorosa daquela filha de Atena, sua amiga Claire. Se não fosse por ela você estaria completamente fora de si.” parou e suspirou “O que eu quero dizer é: não importa o que aconteça, sempre haverá amor na sua vida. E sobre se encaixar, você acha que alguém realmente se encaixa em algum lugar? Claro que não. Todos são diferentes e tem seu jeito de viver. Cabe a você decidir se vai deixar os outros conhecerem seu lado ou tentar ser alguém que você não é.”

E dito isso, a mulher transformou-se em luz novamente e então desapareceu.

“Acho que você cumpriu sua palavra, afinal.” a mais nova disse para a amiga, em uma noite depois do jantar. Dois dias depois da conversa com a mãe.

“Não vamos mais te chamar de Maria Fuleira, a lixeira.” Adam declarou fingindo estar chateado.

“O que aprendeu com isso?” perguntou Claire ignorando o comentário do melhor amigo.

“Entre outras milhares de coisas, que não importa o que aconteça, o amor sempre vai existir.” respondeu Jennifer com um sorriso.

Adam e Jennifer se entreolharam e fizeram a mesma coisa que fizeram três anos antes, na noite em que Jennifer foi reconhecida como filha de Afrodite:

“Essa é a nossa garota.” disseram fazendo um toca aqui.


Notas Finais


O que acharam? Comentem a sua opinião.

É, dessa vez não teve romance mas acho que ficou legal. Talvez eu tenha escrito me identificando afinal eu sou uma filha de Afrodite? Talvez mas a gente releva.

Enfim.

Bjs de cupcake.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...