1. Spirit Fanfics >
  2. A New Love - Noart >
  3. Capítulo 89: "Teremos um assassinato aqui"

História A New Love - Noart - Capítulo 89


Escrita por:


Notas do Autor


Heyy guyys!!
Como vcs estão?

Então galera, gostaria de dedicar esse capítulo para a maravilhosa @Noart_forever12 pois hoje é o aniversário dela❤

Feliz aniversário flor, queria te agradecer por sempre estar ao meu lado me ajudando e me dando conselhos, muito sucesso e td de bom pra vc❤✨

Também queria agradecer pelos mais de 560 favoritooos, vcs são incríveis❤

Vibe do cap: Pretend - CNCO

Boa leituraaa!

Capítulo 89 - Capítulo 89: "Teremos um assassinato aqui"


Any Gabrielly

Acordo com o barulho insuportável do despertador. Penso no porquê de eu ter o programado para tocar tão cedo. Olho para o mesmo verificando que ainda eram 6:00AM, reviro os olhos por ter me acordado tão cedo e em seguida me reviro na cama tentando voltar a dormir. Rolo pela cama uma ou duas vezes mas meu sono já havia passado o que me fez grunhir furiosa logo recebendo reclamações de alguém que estava alí ao meu lado.

— Caralho Any! Para de rolar que nem uma retardada se não daqui a pouco a cama desaba. — Joalin diz com a voz rouca e sonolenta já que ela havia acabado de acordar. Penso no por quê de a mesma estar alí.

— Joalin?! O que você tá fazendo aqui?! E cadê o Joshua?! — pergunto confusa. Eu realmente não faço idéia de como a finlandesa foi parar alí.

— Bem que o Josh disse que você não iria se lembrar de nada do que rolou ontem. — ela diz soltando uma risada baixa. Franzo o cenho desentendida com o que a loira acabara de me dizer.

— E o que rolou ontem? — pergunto receiosa e com os olhos entreabertos enquanto me sentava no colchão macio apoiando minhas costas na cabeceira da cama. Joalin me olha com o rostinho sonolento e em seguida se senta ao meu lado.

— Depois que todos terminamos de cantar. Poucos membros permaneceram alí no jardim já que a maioria entrou na casa novamente. Krystian e Lamar haviam feito uma aposta de cem dólares pra ver quem conseguia tomar mais shots de tequila e ainda permanecer sóbrio, uma péssima idéia eu diria pois Krys com certeza iria perder já que ele é extremamente fraco pra bebida. Sem contar que antes disso acontecer, você e o Krystian já haviam tomado algumas doses e não estavam cem por cento sóbrios. — ela diz e eu apenas mordo o lábio inferior enquanto fazia careta. Não lembro de ter bebido ontem, na verdade não me lembro de nada. — Sofya, Hina e Savannah ficaram maratonando bob esponja na sala de estar até tarde da noite, Diarra e Shivani ficaram testando penteados diferentes, Sabina ficou no quarto dançando CNCO até anoitecer, eu fiquei no jardim apenas vendo o meu feed do Instagram e a Sina e o Noah também continuaram no jardim conversando enquanto trocavam risadas e cafunés.

— Mas e eu e o Josh? — pergunto e Joalin faz uma careta como se algo de ruim tivesse acontecido me deixando nervosa.

— Assim como eu, o Noah e a Sina, vocês dois também ficaram no jardim, porém nós três estávamos em um canto mais afastado do Noah e da Sina. Eu realmente estava concentrada analisando o meu Instagram mas não pude evitar olhar pra você quando você perguntou para o Josh "Quando é que você vai tomar coragem pra me pedir em namoro também Joshua?" — ela diz me fazendo arregalar os olhos espantada com o que eu havia dito. Eu realmente não deveria estar sóbria para ter perguntado isso. — Enquanto o Josh ficou desesperado com a pergunta que você tinha feito, eu apenas comecei a rir guardando meu celular em meu bolso. Mesmo que não tenha sido tanto, você com certeza estava bêbada e como o Josh não havia respondido nada, você voltou a perguntar novamente sem nenhuma reposta vinda do canadense. Foi aí que você se irritou e começou a fazer drama dizendo que o Josh não te amava por isso não havia te pedido em namoro ainda. Logo depois disso, você se levantou de onde estava sentada e disse pro Josh que já que ele não tomava uma atitude, você iria atrás de uma outra loira e em seguida você simplesmente se sentou em cima de mim dizendo que nós duas estávamos namorando. 

— Eu o quê?! — pergunto espantada enquanto a mesma apenas solta uma risada. Não acredito que eu havia chego a aquele ponto.

— Você começou a dizer que a gente tava namorando e que não iria mais desgrudar de mim e eu, como achei que você só estava brincando, apenas ri da situação. Porém já haviam se passado horas e você continuava em cima de mim até que o Krys apareceu totalmente bêbado com uma garrafa de tequila na mão fazendo com que você imediatamente pegasse da mão do asiático enquanto virava a mesma por inteira na sua garganta. É claro que você ficou completamente bêbada e como você já tinha bebido muito, Josh tentou te levar pro quarto mas você começou a gritar dizendo que não queria ficar com ele e que queria que eu fosse com você e sem muita escolha, eu apenas concordei. Quando chegamos no quarto você começou a cantar uma música em português já que eu não estava entendendo nada e logo depois disso você vomitou em cima da minha jaqueta preta. — ela diz e eu arregalo os olhos. — Eu podia muito bem ter te deixado alí bêbada, sonolenta e fedorenta de vômito mas ao invés disso e eu te ajudei a tomar banho e em seguida você simplesmente caiu no sono deitada em cima de mim.

— E aí quando eu dormi você foi embora e me deixou sozinha? — concluo o fim da história porém a loira nega com a cabeça.

— Na verdade não. Depois de uns vinte minutos, você acordou toda assustada dizendo que tinha tido um pesadelo e eu perguntei o que tinha acontecido. Você disse que eu era um pombo e que um caminhão tinha me atropelado e aí eu comecei a rir e te chamei de maluca. Assim que você dormiu de vez, eu tentei me levantar da cama mas era impossível já que você tava praticamente em cima de mim e como eu estava muito cansada, acabei optando por dormir aqui.

Joalin diz por fim me fazendo a encarar por alguns segundos tentando assimilar e entender o que a mesma havia acabado de me contar. Eu sei que não sou forte pra bebida e que costumo fazer besteira quando estou bêbada mas nunca pensei que eu teria coragem de fazer tudo o que fiz.

— Me desculpa Jojo, não queria ter feito você passar por tudo isso e ainda por ter feito você cuidar de mim depois de eu ter vomitado na sua jaqueta favorita. — digo suspirando decepcionada comigo mesma e Joalin apenas sorrir me dando um abraço de lado.

— Tá tudo bem Moany. Até que foi divertido passar a noite cuidando da Any bêbada. — ela diz rindo me fazendo rir junto. — Mas enfim, tô surpresa por você ter acordado tão cedo em uma terça-feira.

— Ah, na verdade eu não me acordei por conta própria, acontece que o despertador resolveu tocar às 6:00hrs da manhã e eu particularmente não me lembro de ter colocado ele pra tocar nesse horário. — digo suspirando fundo e em seguida a mesma deposita um tapa em sua própria testa.

— Me desculpa Any, foi eu que programei ele pra tocar nesse horário já que eu tenho que levar o Harvey pra casa antes de ir pro internato. Me desculpa de verdade.

— Tudo bem Jojo. Acho que é uma forma de eu pagar por ter bebido tanto e ainda por cima ter agido feito uma criança. — digo rindo enquanto me dirijo até o banheiro para fazer minhas higienes matinais e tomar um banho quente já que como ainda é cedo, o clima estava um pouco frio.

Após um banho de quinze minutos, saio do banheiro às pressas podendo escutar reclamações de Joalin de dentro do cômodo por minha demora. Rio de seu mal humor matinal e em seguida recolho meu uniforme em um dos armários. Faço uma maquiagem um pouco forte apenas para esconder minhas olheiras que a propósito não estavam tão ruins. Arrumo minha mochila e logo depois minha mala e em seguida saio do quarto indo até a cozinha encontrando Sina já vestida com seu uniforme enquanto preparava o café.

— O cheiro está ótimo Sina! — digo sorrindo olhando por cima do ombro da platinada que sorrir e agradece meu comentário. — A casa tá tão calma, onde estão os outros?

— Diarra, Sabina, Josh e Lamar já estão prontos já o resto, ou ainda estão se arrumando ou ainda estão dormindo. — Sina diz dando de ombros enquanto me servia um pouco de café com alguns croissants.

— Estranho o Noah ainda está dormindo, geralmente ele costuma ser um dos primeiros a se levantar. — digo dando um gole em meu café.

— Na verdade ele vai se arrumar em casa. — a alemã diz também se servindo com uma xícara de café e em seguida se senta ao meu lado na bancada da cozinha. — Acontece que ele esqueceu o uniforme em casa e teve que ir lá pra buscar, então ele preferiu se arrumar lá além de aproveitar e pegar algumas roupas à mais e também disse que vai aproveitar pra ver a Linsey já que ela chega da faculdade hoje. — ela diz sorrindo de canto me fazendo apenas assentir com a cabeça e em seguida termino de tomar meu café.

— Eu hein! Deus me livre dessa louca perturbada, sou maravilhoso demais pra me submeter a uma coisa dessas!! Não pode nem mais dormir em paz nesse caralho sem uma demônia ficar te atormentando!! — Krystian diz bufando de raiva enquanto se sentava na bancada da cozinha ao meu lado já vestido com o uniforme e de cara emburrada.

— O seu bom humor matinal me dá inveja sabia Krystian? Bom dia meninas, como vocês dormiram esta noite? Muito bem Krys, obrigada por perguntar. — ironizo vendo o chinês revirar os olhos impaciente.

— Bom dia só se for pra você né Gabrielly?! Eu estaria tendo um dia perfeito se uma retardada mental não tivesse me acordado!

— Mas quem te acordou Krys? — Sina pergunta irritada com o escândalo do garoto.

— Euzinha! — Sabina diz sorrindo convencida enquanto se servia um pouco de café. — Você sempre demora pra se arrumar e pra não corrermos o risco de nos atrasarmos, eu resolvi te acordar um pouco mais cedo pra que você se apressasse. — a morena dá de ombros enquanto Krystian a olhava com sangue nos olhos.

— Ainda são 6:30hrs da manhã Sabina!! As aulas só começam às 8:30hrs, não tinha motivo pra você me acordar tão cedo!! — o asiático diz furioso enquanto Sabina apenas dá de ombros.

— Ah claro, como se o seu atraso frequente não fosse um bom motivo! — ela diz debochada até que Josh adentra a cozinha.

— Bom dia meninas, bom dia Krys! — o canadense nos cumprimenta enquanto dava um gole no café de Sina que o olha incrédula.

— Dia né querido?! Por quê bom seria se eu ainda estivesse dormindo feito um anjo! — Krys implica enquanto desbloqueava seu celular.

 — Ai ai Krystian, Sabina deve estar com inveja desse seu drama! — Heyoon se senta ao lado do chinês roubando um dos anéis de seu dedo. — Inclusive, cadê o Noah?

— Ele esqueceu o uniforme em casa e vai se arrumar lá. Ele disse que encontra a gente no colégio. — Sina responde e todos assentem.

— Bom diaaa!! — uma Sofya animada e sorridente surge alí fazendo o chinês largar o celular indignado.

— Eu juro que se mais alguma pessoa disser bom dia, teremos um assassinato aqui!! — ele diz incrédulo nos fazendo revirar os olhos em resposta.

— Bom dia!! — Bailey diz surgindo alí e em seguida Krys coloca suas mãos em seu rosto tentando não surtar alí mesmo.


Noah Urrea

Adentro minha casa logo sentindo o cheiro de lavanda entrar em minhas narinas. Era inacreditável como a casa continuava arrumada, cheirosa e em perfeito estado mesmo sem ter alguém morando nela já que eu passo semana inteira no United School, Linsey faz faculdade e dorme na casa de uma amiga e meu pai que mal vem em casa já que ele sempre está mal humorado e ocupado cuidando dos assuntos da empresa.

Fecho a porta atrás de mim e em seguida subo às pressas ao meu quarto logo vendo o mesmo completamente arrumado do jeito que eu havia deixado. Não me lembro da última vez em que dormi na minha cama, senti falta do meu quarto e de estar em casa. Apesar do internato ser bastante aconchegante, nada vai superar a sensação incrível que é dormir em seu quarto depois de diversos meses.

Abro meu armário logo podendo sentir o cheiro de naftalina em minhas roupas. Não lembro de ter colocado tantas naftalinas alí o que me fez deduzir que a única pessoa que colocou aquilo foi Linsey já que ela gosta de tudo limpo, organizado e cheiroso. Rio de meu pensamento e em seguida vou ao banheiro tomar um segundo banho já que estava começando a ficar quente.

Após o banho, visto meu uniforme e em seguida arrumo minha mochila e minhas malas colocando algumas roupas à mais. Assim que fecho o zíper da última mala, ouço a porta do andar de baixo ser aberta e minha mente cogita pensar justamente em Linsey me fazendo ficar animado. Faz um tempo que não vejo a mesma e sinto falta da presença dela, das broncas e dos conselhos que ela me dava. Desço às escadas rápidas mas com cuidado ansioso por achar que minha irmã havia chego mas engulo em seco ao ver de quem realmente se tratava.

— Oi pai. — digo em um tom tão baixo capaz de quase não ser ouvido. Me xingo de todos os palavrões existentes por tê-lo cumprimentado mesmo sabendo que meu pai detesta me ver ou conversar comigo, algo que também é recíproco.

O mesmo aparentava estar exausto e mal humorado como sempre, ele analisava atentamente os papéis que tinham em suas mãos antes de guardá-los dentro de sua pasta. Ele continuava em silêncio o que me fez pensar que ou ele não ouviu o que eu havia dito ou o mesmo está de fato evitando ter qualquer tipo de conversa comigo.

 — Jacob? O que faz em casa em uma terça-feira? Você deveria estar no internato no qual você estuda! — ele diz assim que nota minha presença. Seu tom não estava bravo porém repreensivo, respiro fundo tentando ao máximo evitar uma discussão. Eu realmente não estava afim de ter uma discussão com meu pai às 7:00hrs da manhã.

 — Na verdade eu estou indo pra lá daqui a pouco, acontece que à mais ou menos duas semana atrás a escola entrou em um recesso pra reforma e hoje é o dia do nosso retorno. — digo rápido e sem rodeios, senhor Urrea não diz mais nada, apenas olha no fundo dos meus olhos e volta sua atenção para seus papéis.

Assim como ele, permaneço em um silêncio constrangedor porém necessário. Aquilo já estava me cansando, apesar de nunca ter ligado muito pra isso, eu realmente queria ter uma boa relação com meu pai. Não estou falando daqueles pais e filhos grudentos que não se separam por nenhum minuto, mas gostaria que pelo menos tivéssemos uma relação digna que um pai e filho merecem ter.

Tento puxar qualquer assunto apenas para por um fim naquele silêncio torturante e constrangedor que se instalara há alguns minutos atrás. Penso em perguntar sobre como ele andava se sentindo durante esses últimos dias, porém eu sei bem o quão o meu pai detesta falar sobre sua saúde com qualquer pessoa. Então opto por perguntar como andavam as coisas pela empresa algo que de fato não me interessava porém no fundo aquilo realmente me importava pois apesar de meu sonho ser ingressar no mundo da música, essas empresas são da minha família e mais cedo ou mais tarde elas também serão minhas.

— Como andam as coisas na empresa pai? — pergunto receioso esperando por alguma resposta do mais velho porém o mesmo continua calado.

— Estão ótimas Jacob! Porque se dependêssemos de você e da ingrata da sua irmã, com certeza já teríamos ido a falência. — ele diz breve e grosso me fazendo suspirar fundo e fechar os punhos com força.

— Por quê o senhor insiste em me tratar dessa forma? O que eu e a Linsey fizemos pra você nos tratar com tanto desprezo? É por quê preferimos fazer a faculdade que queremos ao invés de assumirmos os negócios da empresa? — pergunto irritado.

Já estava cansado de ser tratado com desprezo pelo meu próprio pai, não importa o que eu faça, não importa o quanto eu demonstre ser simpático e gentil pois ele sempre me tratará mal como sempre faz. Consigo ver meu pai fechar os olhos impaciente enquanto arremessava os papéis no chão furioso.

— Você ainda pergunta Noah?! Você ainda tem a coragem de me perguntar o por quê de eu ficar zangado em saber que os meus dois únicos filhos preferem fazer uma faculdade idiota e imprestável do que assumir os negócios da nossa própria família?! Você realmente é mais lerdo e inútil do que eu pensei que fosse.

Senhor Urrea solta as palavras com ira, palavras que por mais que eu nao quisesse, me magoaram profundamente. Sinto um aperto no peito ao escutar suas palavras e com elas a imensa vontade de chorar, mas jamais faria isso na frente dele, eu não o dario o luxo de me ver chorar por suas palavras.

— Eu sinto muito pai, eu sinto muito por não ser o filho perfeito e responsável que o senhor sempre sonhou em ter. Mas a culpa não é minha se eu prefiro dedicar a minha vida à uma coisa que eu realmente amo ao invés de envelhecer em uma cadeira giratória de um escritório imundo e abafado escutando pessoas falsas e hipócritas falando sobre a vida alheia!!! — grito as palavras farto de ter que suportar as humilhações do mesmo. — Tenho certeza de que se a mamãe estivesse aqui, ela apoiaria tanto eu quanto a Lin nas nossas decisões! — digo e em seguida escuto uma risada sarcástica do mais velho.

— Você tem sorte de sua mãe não estar aqui para ouvir você dizer que prefere virar um cantorzinho de meia tigela do que se tornar um grande empresário como eu! Talvez ela tenha tido tanto desgosto de ser sua mãe que foi por isso que ela tenha ido embora das nossas vidas. 

— Ou vai ver ela não suportava mais as suas crises idiotas, a sua presença enjoativa e as suas humilhações frequentes e por isso foi embora! E você ao invés de ir atrás dela como um bom marido de verdade, preferiu agir como um covarde e hipócrita que você se tornou hoje. 

Digo as palavras com ódio logo me sentindo tonto e desnorteado ao sentir o impacto do forte tapa que meu próprio pai depositou no lado direito de meu rosto. Sinto o ódio crescer dentro mim enquanto a expressão irritada de meu pai muda rapidamente para uma de desespero e arrependimento.

— Noah, filho eu sin...

— Não me chama de filho!!! É realmente assim que você quer exigir respeito?! Me batendo mesmo sabendo que no fim das contas eu estou certo?! Vá em frente senhor Rodrigo Urrea, pode me dar quantos tapas você quiser mas saiba que você não só perdeu o direito de me chamar de filho como também acabou de me mostrar que você não passa de um filha da puta miserável!! — digo por fim indo embora dalí vendo meu pai ainda em choque com o que acabara de acontecer.

Subo às escadas furioso e assim que chego em meu quarto, começo a jogar todas as coisas no chão de tanta raiva. Paro em frente ao espelho sentindo uma maldita lágrima escorrer por minha bochecha e em seguida soco o espelho com raiva logo observando os vidros se quebrando em milhares de pedaços enquanto sinto a dor dos pequenos cacos cravarem em meus punhos derramando sangue por toda a região.

Sinto a porta do andar de baixo ser aberta novamente e em seguida logo ouço os gritos de Linsey ao ver o quarto todo destruído e meus punhos sangrando.

— Puta que pariu Noah!! Que merda você fez com o seu quarto?! E por quê o papai saiu daqui todo agitado e nervoso?! 

— Por quê ele é um filha da puta desgraçado!! — respondo gritando sem olhar diretamente em seu rosto.

— Merda!! Fica aqui Noah! Eu vou pegar uma caixa de curativos. — ela diz saindo do quarto e logo depois de alguns minutos a mesma retorna com uma pequena maleta. — Precisamos conversar sobre o que acabou de acontecer e nem pense em fugir do assunto! — Linsey diz séria enquanto limpava o sangue de minhas mãos.


Notas Finais


E vamos de Any fazendo besteira enquanto tá bêbada, Krystian com raiva de geral e o pai do Noah agindo como um babaca.
Estou com ódio mas vida que segue!

Até o próximo cap!!
Bye❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...