História A New Love is Born: Second Season - Capítulo 5


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Jade, Leigh, Lysandre, Melody, Nathaniel, Personagens Originais, Rosalya, Violette
Tags A New Love Is Born, Amor Doce, Castiel, Debrah, Fanfic, Mistério, Novela, Personagens Originais, Romance, Tortura, Violencia
Visualizações 28
Palavras 2.014
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olá galeris, como vocês estão? Animados igual a mim? Espero que sim então!

Capítulo 5 - Chapter IV - Let's Go!


Fanfic / Fanfiction A New Love is Born: Second Season - Capítulo 5 - Chapter IV - Let's Go!

Já era uma terça-feira e o celular de Alice não parou de tocar um minuto sequer naquela madrugada. Luiza estava bombardeando seu celular com mensagens organizando a "festa" que Alice propôs. Com certeza a garota ruiva estava se amaldiçoando por ter falado dessa ideia mirabolante. A mesma apanhou seu telefone móvel e leu as mensagens:

"Guria eu tive várias idéias para a sua festa do pijama."

"Mas preciso esclarecer algumas coisas. Primeiro: A festa será na sexta, depois da escola na sua casa."

"Segundo: Só quem vai é: Eu, Anthony, Evan, Clark, Nathan, você é claro, e o seu romeu. Tava pensando em chamar a Lívia."

"(Se ela for é um milagre)"

"Se prepare para a sexta minha queridíssima. Essa festa vai ser de arromba!!"

Alice respondeu todas as mensagens de Luiza e começou a se arrumar para ir a escola. Sua costumeira rotina não mudou naquele dia.

***

Eu queria ter ficado na minha cama e dormir a tarde toda, mas certamente Luiza não deixaria. Ela nem parecia a garota que ama física. 

Quando pisei o pé na escola, eu encontro a turma toda reunida e Luiza com uma lista nas mãos.

- Finalmente bela adormecida, leu minhas mensagens? - Ela disse tudo de uma vez, sem me dar chance de resposta.

- Lu, posso falar com você? - Evan a chamou, levando-a para dentro da escola. Eles tem agido muito estranhos esses dias. 

- O que eles tem? - Perguntou Clark.

- Eu sei lá. Acho que eles estão de pegação. - Disse Nathan distraído.

Enquanto todos comentavam sobre o comportamento de Evan e Luiza, percebi que Arthur olhava para mim com intensidade. Devolvi o olhar e ele não disse nada, apenas me puxou pelo braço para dentro da escola.

- Vish, lá vai outro casal. - Nathan falou zoando.

Arthur me fez entrar em uma sala de as fazia, enquanto me beijava ele me encostava na porta da sala. Ele me beijava com intensidade e ao mesmo tempo com carinho, nós estávamos praticamente ocupando o mesmo espaço. Arthur aperta ainda mais a minha cintura, fazendo nossas intimidades de encostarem. Infelizmente a sineta toca, apesar de ela ter acabado com o clima, nós tínhamos entrado na sala certa.

***

As aulas passaram demasiadamente rápidas naquele dia, e Alice tinha passado o dia todo pensando em seu amado. Por outro lado, Luiza preparava tudo para dar certo.

- Será que vai dar tudo certo? - Evan pergunta para Luiza com sua costumeira voz calma.

- É claro que vai, desde quando algo que faço não dá certo? - Pergunta Luiza debochada.

- Nunca. - Responde Evan se levantando da cadeira e pagando a conta.

Ambos voltaram para a casa de Luiza, onde passaram a tarde jogando conversa fora e se empanturrando de besteiras. 


No dia seguinte Alice acordou antes de seu despertador, o que permitiu-a a tomar banho e comer com mais calma ao som de "What a Fool Believes - The Doobie Brothers". Ela teve tempo ainda de ajudar seus pais com as malas.

- Já estão indo pai? - A garota perguntou ao seu pai, vendo o mesmo terminar de prender seus cabelos em um rabo-de-cavalo.

- Já sim, senão perderemos o vôo. - Disse ele pegando uma mala de mão e indo de encontro com a garota, que estava encostada no batente da porta. - Será apenas uma semana, posso contar contigo? - Ele disse, tendo certeza que sim, e sua certeza aumentou quando a garota afirmou com um aceno de cabeça.

- Vou tentar não colocar fogo dessa vez. - ambos riram e Castiel concordou. 

- Vamos, eu te dou uma carona. - Disse ele descendo as escadas e pegando a chave do carro.


Já na escola, Luiza e Evan continuavam com aquele plano deles. Alice continua recebendo olhares maliciosos de Arthur, a tinha certeza de que Arthur estava apaixonado por ela.

E era exatamente isso que Arthur estava convencido, apaixonado pela sua melhor amiga de infância. Pode parecer bastante clichê, mas Arthur não ligava, ele correria todos os riscos para tê-la todas as horas em seu braço e poder chamá-la de minha.

Após as três primeiras aulas se passarem, o plano infalível estava pronto e felizmente só faltavam dois dias para colocá-lo em prática.

***

As aulas tinham se acabado. Após me despedir dos meus amigos, coloquei meu fone e deixei uma música aleatória tocar. Antes de ir para a casa, peguei o dinheiro que minha mãe havia me dado e comprei algumas coisas para comer, já que eu meu recuso a comer lamen o dia todo. 

Meu dia foi resumido em cozinhar e falar com os meus pais durante o vôo deles. Então, já na quinta-feira depois da escola, Anthony foi para casa de um dos amigos dele jogar Halo 5, enquanto eu ficava em casa me empanturrando de sorvete, assistindo Suits. Durante minha ida para a cozinha jogar o pote fora, ouvi a campainha tocar. Suspirei pesado e fui lá atender; Arthur estava encostado do batendo da porta me olhando de cima a baixo, já que eu usava uma blusa curta - e meu short não ajudava muito também.

- Vai ficar aí me olhando ou...? - Me pronunciei, deixando-o na sala e indo para a cozinha.

- Oi pra você também. - Falou se jogando no sofá como ele sempre fazia.

- O que você está fazendo aqui? - Perguntei indo para a sala e me juntando a ele.

- Não posso visitar minha baixinha? - Falou bagunçando meus cabelos.

- Se esse é o propósito, podia ter poupado seu tempo e me mandado uma mensagem, ao invés de vim aqui e atrapalhar minha série. - Encerrei minha frase apontando para a televisão.

- Nossa que mal agradecida. 

- E então?

- E-e só vim aqui pra.. - Pude notar suas bochechas ficarem ruborizadas. Logo o toque do meu telefone cortou sua fala.

- Perai. - Peguei meu celular e atendi, sem ver quem estava ligando. - Oi Luh, aham... Tá bom... Vai vim aqui? Não é que eu tô com o Arthur... Vai se ferrar, tchau. - Desliguei a chamada e adiantei sua pergunta. - Ela vai vim aqui.

- Ah sim. - Ele fez uma careta e apontou para a porta. - Você trancou a porta? Tenho certeza que não. - se aproximou da porta e girou a chave na tranca. - Está tendo altos indícios de roubo por aqui, você deveria se cuidar vai que... - Calei sua boca com um beijo inesperado até para mim mesma. Suas mãos foram automaticamente para a minha cintura, enquanto as minhas foram para o seu pescoço. 

Sinceramente, eu não imaginava o quão a boca de Arthur era irresistível e convidativa.

- Já calou sua boca? Então ótimo. - Falei olhando para seus olhos esverdeados, enquanto colava nossas testas.

- Você fazendo isso vou acabar me apaixonando. - Ele disse brincando, mas havia um tom de verdade nessa fala.

- Essa é a intenção. - Murmurei, tendo a certeza de que ele ouvira.

Ele não pensou duas vezes antes de me puxar para mais um beijo calmo e cheio de ternura. Suas mãos foram de encontro com a barra da minha blusa, mas essa ação fora interrompida depois que ouvimos a campainha tocar. Abri a porta para ela.

- Se você preferir eu posso ir embora e deixar vocês transarem adoidado. - Pude ver meu reflexo nos olhos de Luiza enquanto eu ficava vermelha. - Não acredito que vocês iriam fazer isso mesmo! - Ela disse ironicamente, colocando sua mão na frente da boca e fingindo uma cara de espanto.

Percebi que Arthur não disse nada a respeito, como ele sempre fazia.

- Bom, mesmo assim desculpa aí. Alice, você pode aliviar seu amigo aí, eu não me importo eu posso virar de costas ou ficar em um outro cômodo. - ela disse ainda brincando, deixando eu e Arthur ainda mais constrangidos. - Credo, é só uma brincadeira. Não precisa ficar assim. - Ela disse se jogando no sofá, assim como Arthur.

- Enfim, eu só vim aqui pra sair do tédio enorme que ronda meu quarto. Que tal uma partida de Mortal Kombat? Eu andei treinando! - Ela disse sorrindo. - Ah qual é, eu já pedi desculpas. - Eu e Arthur nos entreolhamos e demos risada de sua cara.

- Tudo bem então. Você vai dormir aqui ou...?

- Por que você acha que eu trouxe essa mochila? - Ela me respondeu com outra pergunta, enquanto levantava a bolsa. 

- Não tem nada pra você comer, porque eu e o Arthur já comemos tudo. Se quiser comer pode ir no mercado de sua mãe. 

- O que você fez com ela hein? Só 'tá me dando patada. - Disse Luiza com cara de indignação.

- Você acha que ela não me trata assim? Bem-vinda ao grupo. - Disse Arthur, se apresentando na conversa pela primeira vez.

- Deve ser o amor que está fazendo isso com ela. O amor por você meu caro. - Brincou fazendo coraçõezinhos para nós dois.

Já que estava anoitecendo, nós três fomos fazer uma maratona de séries e doces - já que a mochila de Luiza estava com apenas duas mudas de roupas e o resto de doces. Na hora de dormir, Luiza dormiu no meu quarto e Arthur no quarto do Anthony. E no dia seguinte - a tão esperada festa do pijama - Luiza estava mais animada do que tudo. Lá para três horas da tarde, já consigo ajeitando os colchões na sala e o que iríamos fazer durante o resto da tarde e a noite. Anthony só chegou por último, todo suado. 

Colocamos algumas músicas para tocar na televisão da sala - não sei como os vizinhos não reclamaram - e começamos a dançar e coisas do tipo. 

- Nathan, abaixa isso aí. - Luiza disse subindo encima do sofá. - Que tal jogarmos o jogo da garrafa? - Ela perguntou alto para todos ouvirem.

- Mas a maioria aqui é meninos. - Disse Lívia continuando comendo seus bolinhos.

- Só de perguntas, quem não responder faz desafio? -  Nathan deu a idéia atrás de Luiza.

- Ótima idéia. E então, vamos? - Todos concordaram e empurraram o sofá para trás.

Clark pegou uma garrafa de refrigerante vazia e colocou no centro do círculo. Luiza começou girando e caiu em Lívia.

- É verdade que você já perdeu a virgindade? 

- Ei, não é bem assim. - Ela disse tentando se defender.

- Vai responder ou prefere um desafio? - Nathan a ameaçou dando um gole em seu refrigerante.

- S-sim. Se vocês espalharem eu mato cada um. - Ameaçou apontando para cada um.

Lívia girou a garrafa que caiu em Clark.

- É verdade que você beijou a Luiza pra perder o bv? - Perguntou fazendo uma cara maliciosa.

- Sim. E não me arrependo. - todos assobiaram, zoando Luiza.

- Todos sabem que Clark quem uma paixonite por mim desde a quarta série. - Disse Luiza se defendendo. Agora a zoação foi para Clark.

Clark revirou os olhos e girou a garrafa, caindo em Arthur.

- Eai meu brother. - Disse rindo. - É verdade que você ia se declarar para a Alice? - O quê?

- Quem te disse isso? - Ele ficou vermelho, parecendo um tomate.

- Vai querer desafio? - Ameaçou dando risada.

- Pega leve comigo. - Implorou.

- Pode deixar. Eu te desafio a... - Rufou os tambores, que na verdade eram suas pernas. - Beijar nossa Julieta. - Disse apontando para mim.

- N-não! - corou ainda mais.

- Pelo menos um selinho vai. - Encorajou Evan.

- Ah, não sei se vocês sabem, mas quando eu cheguei aqui ontem, eles estavam quase se comendo aqui na sala. - Disse rindo. Luiza e sua boca grande.

- Eu vou embora daqui. - Eu disse me levantando do círculo e indo para a escada.

- Ei, volta aqui Alice, é só uma brincadeira. - Luiza me chamou, vindo atrás de mim.

Ignorei suas investidas, mas ouvi uma fala.

- Vamos atrás dela Arthur. - Disse Clark.

- Dê um tempo pra ela. - Respondeu Arthur.

Terminei de subir as escadas, entrando no meu quarto.

- Mas que merda! - Falei chutando meu tapete de pelo e me jogando na cama. - Porque a Luiza tinha que ter dito isso, Tony? - Abracei meu mini Tony Stark de pelúcia.

Depois de alguns minutos eu ouvi batidas na porta que me tiraram de meus pensamentos.

- Temos que conversar, Lice. 






Notas Finais


iiiih Luiza pegou pesado, e o que vai acontecer nessa "conversa"?
E só queria dizer que a partir do próximo capítulo, o negócio vai esquentar!!
Vejo vocês no próximo capítulo, até mais!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...