História A nossa descoberta... - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Oi minha gente tudo bom, eu não estou seguindo uma frequência de postagem e queria muito me desculpar por isso. Talvez demore de dois em dois dias, ou três em três dias... mas, depende muito do meu tempo, criatividade e envolvimento da e na estória - no caso de precisar de muitos detalhes ou um desenvolvimento mais rebuscado isso leva um pouco mais de tempo. - . Só queria esclarecer isso para vocês e, se eu demorar mais de uma semana - o que talvez possa acontecer, (acho difícil) mas né, nunca se sabe.- é porque realmente não deu... estou ficando um pouco ocupada com a escola por ser meu último ano então, isso está tomando bastante do meu tempo.... no entanto, vocês não estão aqui para saber dos meu problemas e sim ler o cap enfim, boa leitura a todos.

Capítulo 33 - 1.2 A new person for your life.


 

— Bom dia ruivinha, dormiu bem? — Questionou Butch, rindo ao vê-la vestida com a camisa vinho do irmão. Boomer apenas servia-se de seu chocolate frio, pela manhã, os observando dialogar.

— É, pode se dizer que sim. — Sorriu para o moreno, sentando a mesa, logo em seguida Brick apareceu, pondo para si café preto sem açúcar. Começando o dia bem amargurado. Pensou Blossom tomando o seu café com leite e mel, para começar adoçando o seu dia.

— Nós precisamos conversar. — Disse o moreno, fazendo o loiro concordar e a olhar. — Sabe que não vamos ficar aqui por muito tempo. — A mesma assentiu pondo a xícara na mesa. — O que quer dizer, que...

— Estamos sozinhas se caso Him aparecer. — Butch levantou a sobrancelha e acenou em confirmação, para a ruiva que soltou o ar, encarando o teto. — Nós damos um jeito. — Respondeu sorrindo por fim e o moreno negou.

— Nem pensar...

— Então qual outra solução você propõem? — Endireitou-se na cadeira, dando atenção total ao assunto. Brick permanecera encostado no balcão atrás dela, observando apenas os irmãos conversarem com a ruiva, sua ruiva. 

— Vem com a gente. — Disse sem rodeios Boomer, animado com a ideia, gostava da ruiva mesmo que conversassem pouco, ela diferente dos irmãos ,era bem mais gentil e carismática. Blossom negou rapidamente a proposta, não aceitaria caso não pudesse levar suas irmãs e pai.

— Não sem minha família. Desculpa, mas fora de cogitação. — Cruzou os braços, fazendo Butch sorrir e encarar o irmão ruivo que os assistia.

— Pense pelo lado bom, vai estar com seu namorado... — Blossom revirou os olhos, assim como Brick. — Além do mais, ele não está atrás das suas irmãs e sim de vocês. — Apontou para ambos os ruivos.

— Primeiramente, Brick não é meu namorado... segundo, se ele não nos alcançar com facilidade, a quem acha que vai procurar hã? — Butch encostou na cadeira pensativo, nenhum plano parecia funcionar.

— Diga por você Blossom. — A provocou o ruivo, fazendo-a sorrir com o canto dos lábios, mas ela não se virou. — Não temos outra solução ao não ser voltar e treinar, por aqui mesmo. — Se aproximou da mesa, encarando os irmãos. — E eu sei que vocês não estão nenhum pouco a fim de sair daqui... bem, não sozinhos. — Boomer baixou a cabeça e Butch cruzou os braços, mudando sua expressão.

— Você gosta da Docinho. — Analisou o semblante do moreno, que revirou os olhos em resposta ao comentário.

— Descobriu a América. — Respondeu irritado. — Que seja, ela já está com outro então... o mínimo que posso fazer em relação a esse sentimento estúpido é protegê-la. — A ruiva levou as mãos a bochecha, não sabia que o moreno era ão sensível a ponto.

— Isso é fofo. — Boomer riu do irmão, que lançou uma torrada, acertando o rosto do loiro. — Butch! — Repreendeu o moreno, que deu de ombros. — Voltando ao assunto, já que temos que melhorar, tanto fisicamente ou mentalmente, acho que meu pai vai ganhar um laboratório novo em folha. 

— Com tudo o que tem direito, ruiva. — Acrescentou Boomer, a fazendo sorrir. — Com nossas habilidades melhoradas com certeza seremos mais fortes que ele.

— Continua sendo um demônio, como pretendem matá-lo? — Brick com seu pessimismo interviu, fazendo Blossom levantar e pegar outra xícara de café.

— Isso é óbvio, ele veio do inferno... o ajudamos a voltar. — Deu de ombros.

— Quem garante que ele não vai sair de novo? São suposições vagas, não? — Indagou Brick, a olhando de cima a baixo, ela estava sexy em sua camisa. Blossom levou a xícara a boca, a quentura do café a fez pensar. 

— Não temos um lugar melhor que o inferno para ele não, seria como voltar para casa e isso não tem nada de ruim, para ele. — Disse Boomer, chamando a atenção dos irmãos para si, o ruivo colocou a mão sobre o seu ombro, Butch sorriu contente.

— Talvez um outro lugar? — Levantou os ombros ao se virar para o trio. — Não sei, o que acham? 

— É uma boa, mas ainda temos o problema Sedusa, ela tem "poderes" agora, depois do pacto que fez com o dito. — O moreno os lembrou, Brick encarou a ruiva.

— Se Him for embora, ela perde o que tem não? É lógico isso... — Comentou o óbvio. — Estamos trabalhando muito com suposições, nada disso pode dar certo.

— Realmente, se não começarmos o quanto antes. — Respondeu Blossom ao ruivo, ambos trocaram olhares cúmplices, encerrando o assunto. — Tenho trabalho, então... pode me levar em casa?

[...]

Em uma semana, quase exata, o galpão que serviria para o laboratório de exames e testes fundamentais estava pronto. Os garotos se responsabilizaram por financiar tudo do bom e melhor, pedindo apenas a elas quais os materiais seriam de uso para sua pesquise. Estavam terminando os retoques finais antes que Utonium chegasse com Bubbles e Buttercup, dizendo a ele que apenas sairiam para um almoço simples. O galpão era ainda mais espaçoso que o antigo laboratório o que resultou em um número triplicado de objetos o ocupando, sem contar nas salas destinadas aos exames, e aos treinos não só dos RRB, mas para as PPG também.

— Ele está chegando. — Blossom apoiou no ombro do ruivo, encarando a porta de entrada. Ela limpou a testa livrando-se do suor, seus cabelos presos em um rabo de cavalo alto não permitiam que grudassem em seu pescoço, o resto do cabelo estava trançado, diferente de Brick só estava com o rabo de cavalo.

— E o playboy? — Lembrou o ruivo de perguntar. Blossom sorriu, virando o rosto para olhá-lo, ele se quer estava lhe observando. 

— Fica tranquilo, ele aceitou numa boa... só não sabe que foi corno, e um dos grandes. — Brick sorriu com os cantos dos lábios, ainda sem lhe olhar.

— E por que não contou, teria sido de mais efeito. — A ruiva revirou os olhos, o abraçando mesmo que estivesse um pouco suado.

— Não é preciso, estamos juntos não estamos... apesar de que. 

— Surpresa! — Disse as gêmeas ao tirar a venda dos olhos de Utonium, atrapalhando a fala de Blossom. Ela sorriu ao vê-lo com os olhos cintilando, afastando-se um pouco de Brick ao ver a alegria do pai exalando por seu poros.

— Vai falar com o seu pai. — Ela assentiu, Brick limpou as mãos em um pano e se dirigiu aos irmãos que, logo após observar as trigêmeas animadas com o professor, olhou para o irmão que se aproximava deles.

— Então é isso, nos tornamos maricas também? — Perguntou rindo Butch, virando-se para o irmão loiro, que os acompanhou até o fim do lugar onde estavam, o ambiente até estava aconchegante, apesar de quente, mas logo mudaria quando Blossom começasse a usar seus poderes.

— Não acho que sejamos maricas... só, achamos uma família. — Divagou o loiro, chamando a atenção dos irmãos mais velhos. Butch bateu no ombro do irmão, logo o abraçando de lado. O ruivo sorriu ao ver os dois ali, e bem com inclusão das trigêmeas do mesmo modo, não via a hora de se tornar mais forte, viver com medo constante não era algo que ele apreciava, o quanto antes resolvesse suas contas com o dito demônio, melhor ele aproveitaria sua liberdade.

[...]

— Eu vou matar aqueles garotos! — Gritou o afeminado, obrigando Sedusa a tapar os ouvidos para que os mesmo não sangrassem. As taças postas na mesa de jantar, quebraram com o tom agudo de ódio que ele usara. Quando enfim a gritaria cessou, a morena revirou os olhos encarando as unhas pontiagudas e o ignorou.

— Como se tivesse coragem, do jeito que é apaixonado por aquele ruivo tentação. — Cuspiu as palavras, não tinha mais medo do que Him poderia fazer consigo, o pior que poderia acontecer já havia acorrido e ela já não ligava mais para o que ele faria com ela futuramente, não seria mais doloroso que viver no inferno.

— Eu vou encontrar aquelas garotas, as massacrar, fazer picadinho e dar para os meus cachorros como lanche da madrugada. — Queimou os papéis em sua mesa, seus olhos incandescentes de puro ódio, sua pele avermelhada e as garras horrendas para fora.

— Oh, apaga o fogo, não sou obrigada a morrer queimada. A propósito, você não tem cachorros. — Assoprou a fumaça dos papéis, afastando-se da mesa e jogando-se contra o sofá da sala de estar, sendo acompanhada pelo demônio enraivecido. — Você nem sabe onde eles estão, destruiu sua única fonte de provas e está sem ideias, acha mesmo que será tão fácil assim?

— Que seja, preciso encontra-los o quanto antes, quanto menos souberem o que podem fazer com os próprios corpos, melhor. — Sedusa suspirou, novamente aquilo. Desde que sumiram Him não mencionava outra coisa a não ser sua vingança contra seus amados filhos ingratos que, com o primeiro rabo de saia que apareceu eles lhe deram as costas, o traíram e foram embora.

— Acha mesmo? O pai delas é cientista ô gênio, nem parece que comanda o inferno... sua cabeça não pensa quando está com raiva, está sendo inútil queimar tudo a sua volta, aliás só você perde com isso. — Vociferou irritada se levantando e se dirigindo a janela, para abrir as cortinas, o que clareou o mapa posto na mesa de Him. — Você tem homens em todo lugar, mande procurá-los.

— Podem não estar mais no país. — Sentou pensativo, levando a mão a boca nervoso ainda, sua mente fervilhava em fúria, mastigou a própria unha inquieto, isso não ficaria assim.

— Não acho que iriam muito longe, comece por cidades grandes, não se importariam em se esconder estando em um lugar com muita gente. — Him soltou o ar que tinha presos nos pulmões inflamados, se levantando, não acreditando no que faria. — O que vai fazer? 

— Eu mesmo irei procurá-los, nem que demore meses mas eu vou encontrá-los, não importa quanto tempo demore. — Sedusa levantou uma sobrancelha, negando e massageando a testa impaciente. — Eu vou os matar, um a um, até que não sobre nem um resquício de elemento deles para contar história... ou não me chamo Him. — A morena ficara um pouco mais feliz com o pronunciamento e até se animou.

— Que ótimo que vamos viajar, vai ser bem divertido. — Disse convencida.

Meses atrás...

A casa estava silenciosa, sem ninguém, todos os integrantes da família tinham seus afazeres em pendência e por isso, se dispersaram para seus devidos problemas. Não tinham animal de estimação e se caso tivessem, teria sido queimado, explodido ou até mesmo assassinado. No período daquela mesma noite, combinaram um jantar, seria pizza em comemoração a conquista de Bubbles no emprego e, o teste dos meninos que fora um sucesso, a ruiva nem se quer teve a chance de abrir a carta de resposta ao stúdio de  dança, pois ela havia sido incendiada e explodida assim como a caixa de correio.

Quando a família Utonium retornou de um dia cansativo, bombeiros, vizinhos e pessoas curiosas esperavam do lado de fora, em busca de algum ferido mas, por sorte, ninguém estava em casa deixando-os mais tranquilos, aliás os Utonium's eram boas pessoas para se ter como vizinhos. 

A primeira a chegar a residência fora justamente a PPG azul, estava junto do namorado e quando, conseguiram estacionar com muita dificuldade, pela quantidade de gente e de carros, sua vista parecia querer lhe enganar. Os bombeiros ainda tentavam manter as chamas em controle e a polícia, afastar as pessoas que faziam de tudo para fotografar ou até mesmo filmar. A casa em si estava um caos, no lugar da janela ao qual se via a sala, possuía um buraco, a porta fora quebrada em pequenos pedaços, os móveis da sala nem se viam mais - mesmo que ainda só restassem pouquíssimo, em virtude da mudança. -, e o andar superior totalmente tomados por chamas.

Desculpe, mas você não pode entrar.  — Bubbles piscou atônita, nem havia notado que andava em direção as chamas e assentiu. — Aliás, não devia ter ultrapassado a fita amarela. — Ela o ignorou, a casa fazia um barulho estranho ao queimar. — Você por um acaso conhecia os moradores?

Eu morava aí. — Disse sem olhá-lo nos olhos, ele a soltou deixando que se aproximasse um pouco mais, ela continuou a olhar o que podia do lado de fora. Tudo estava destruído, suas poucas fotos que ficaram, as roupas, os quadros, os quartos de suas irmãs, o da Blossom sempre sendo o mais confortável por questões de limpeza e o de Buttercup o mais divertido, pela bagunça. Pensou em seus tecidos, peças, materiais de costura, sua vida estava ali mesmo que ainda fossem poucas as coisa.

A loira socou o chão, seus olho absorvendo atonalidade azul marinho. Bubbles não era uma garota de sentir ódio, nem amargura, rancor ou sentimento de vingança por alguém, mas naquele dia... só estaria feliz se  exterminasse Him, para que nunca mais incomodasse a sua vida ou a vida de suas irmãs.

Atualidade

— Como foram os dois meses que estive fora? — Indagou sem verdadeiro interesse Brick, enquanto endireitavam os fios soltos das máquinas, se havia algo que nenhum dos dois ruivos gostavam eram de coisas fora do lugar, era contra a natureza de ambos.

— Você que devia me contar, esteve fora... viajou, conheceu lugares novos. — Respondeu juntando os fios e os prendendo com um fio de cobre grosso para que não se soltassem.

— Tenho quase certeza que não era isso o que você queria dizer. — Blossom levantou, indo até o ruivo de braços cruzados e quase encostando seu corpo ao dele, tirou o alicate de seu bolso, olhando no fundo de seus olhos. Ainda era estranho como em dois meses ela mudou, em relação a tudo que estava ocorrendo.

— Eu sei, o que eu quis dizer. — Voltou a baixar, fazendo o ruivo revirar os olhos com a teimosia de sua garota - ou melhor, namorada. -, ela cortou o fio com alicate e devolveu ao namorado. — Então...

— Eu não acredito que vou casar com uma pessoa como você. — Negou, passando a mão pelos cabelos por debaixo do boné, Blossom lhe deferiu um tapa estalado no braço esquerdo. Brick voltou a colocar o boné na cabeça e a puxou pelo pulso, a fazendo se aproximar de seu corpo quente. — Tão marrenta, insuportável e infelizmente, perfeita pra mim. — A ruiva sorriu, depositando um beijo em seus lábios.

— Ai meu Senhor, me desculpa. — Bubbles colocou as mãos nos olhos, com uma brecha entre os dedos assistindo aos dois, logo tirando a mão que tampava seu rosto. — Há que ótimo, ainda estão vestidos.

— Bubbles. — Repreendeu a ruiva.

— É uma lástima loira. — A provocou Brick, levando outro tapa estalado no braço. — Não quero te lembrar, mas você é literalmente forte Florzinha. — A líder das PPG, sorriu convencida, o mesmo revirou os olhos.

— Então finalmente estão juntos... que bom, não aguentava mais ter que aturar meu chefe até em casa. — Suspirou Bubbles, adentrando a sala a procura de algo. Brick lançou um olhar sugestivo a ruiva, que sorriu levantando o canto dos lábios.

— Salvei você de um cara chato, pode agradecer ruiva... na verdade, o agradecimento pode ser de outro modo. — A ruiva estreitou os olhos pela insinuação e Bubbles ficara vermelha pela conversa.

— Gente, por favor, eu ainda estou aqui. — Ambos riram da loira e Blossom foi ajudá-la. — Eu não estou achando.

— O que procura? — Colocou os fios soltos de seu cabelo ruivo para trás da orelha, enquanto mexia nas caixas de papelão que ainda não abriram na mudança. — Não me diga que... isso é o nosso.

— Álbum de fotografia, não era bem isso o que eu procurava, mas vai servir. — A ruiva encarou a capa, ela e as irmãs trabalharam para fazer as ornamentações, tanto da parte exterior quantos as páginas e, Utonium colou as fotos. 

— O que vai fazer? 

— Acho que precisamos de novas lembranças, boas e divertidas, precisamos de algo para que contemos aos nossos filhos não? — Blossom sorriu beijando a testa da irmã mais nova com carinho.

— É, tem razão. — Brick assistiu a tudo em silêncio, nunca tivera um momento como aquele com os irmãos, e provavelmente se um deles dissesse algo do tipo, seria caçoado pelo resto do ano e o ano seguinte, no entanto o pouco que falavam um para o outro era suficiente.

— O papo de vocês é bem futurístico. — Adentrou o local Butch, analisando o irmão encostado na parede e as gêmeas um pouco mais a frente. — Já pensam em ter filhos.

— Nós não. — Responderam os ruivos em uníssono, logo encarando-se no processo. Bubbles e o moreno riram da reação dos vermelhos, que reviraram os olhos para as crianças que são seus irmãos.

— Ué, salvaram o álbum de família? — Butch notou, vendo nas mãos da loira que balançou a cabeça em concordância, fazendo seus cabelos, agora presos mais embaixo, balançarem. — Então é relíquia, a gente nem foto tirou quando pequenos... quer dizer, o Jojo devia ter umas fotos nossas mas nada mais e o Him...

— Só para ter em sua ficha, altura, nome completo. — Comentou Brick as gêmeas, que se sentiram mal pela conversa repentina.

— Bom, vou indo, tenho que levar isso para o professor, até depois e... cuidado vocês dois. — Disse a loira aos vermelhos, Butch ficara sem entender e Blossom riu da expressão do amigo.

— Eu perdi alguma coisa? — A ruiva negou, o moreno deu de ombros e saiu, deixando novamente apenas os ruivos. Blossom estranhamente sentira a angustia do mais velho e voltou-se para ele, preocupada.

— Está bem? — Indagou receosa da resposta, aproximando do ruivo, que sorriu o mínimo que conseguia. Lembrar do seu passado muitas vezes não era bom mas, lembrar do seu pai em específico era incrível, apesar de deixá-lo sensível.

— Sabe, algo eu tenho a agradecer ao elemento y. — Blossom o olhou em questionamento sobre sua pronunciação em relação ao assunto. — Permite que eu lembre do meu pai. 

— Isso é bom, quer dizer... faz você se sentir bem? —  O ruivo ponderou sobre o assunto, pensar sobre o seu pai era complicado mas nem sempre doloroso, só tornava-se doloroso quando que um demônio filha da puta  o matou por espontânea vontade.

— Lembrar da risada e da voz não me parece ser tão ruim. —  Brick não sorria com facilidade, na verdade ele mal sorria, tinha certeza que não combinava com ele mas, os mínimos que ele lançava a ruiva, ela os considerava os mais lindos do que de qualquer outra pessoa que ela já conhecera.

—  Realmente Brick, não é...



 


Notas Finais


Gente, olha eu de novo... estou aqui novamente para falar que eu não revisei o cap o que deve ter o dobro de erros do que normalmente tem, então desculpas novamente mas, queria postar ainda hj pq amanhã o negócio vai ser corrido. Então desculpa mais uma vez por erros exorbitantes, peço um pouquinho de paciência e compreensão e um beijão para todos vocês que acompanham minha hist, um beijo no popo e até o próximo cap!!!!!!!!!!! BYEEEEEEEEEEEEE!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...