História A nova vida de uma pequena shinigami - Capítulo 158


Escrita por:

Postado
Categorias Bleach, Gintama, Naruto
Personagens Byakuya Kuchiki, Genryuusai Shigekuni Yamamoto, Hanatarou Yamada, Hinamori Momo, Ikkaku, Izuru Kira, Kenpachi Zaraki, Kurama (Kyuubi), Mayuri, Nanao Ise, Nemu Kurotsuchi (Nemuri Nanagou), Personagens Originais, Rangiku Matsumoto, Renji Abarai, Retsu Unohana, Rukia Kuchiki, Sajin Komamura, Shunsui Kyouraku, Shuuhei Hisagi, Soi Fong "Soifon", Toushirou Hijikata, Toushirou Hitsugaya, Ukitake, Yumichika
Tags Ação, Bleach, Byakuya, Drama, Gintama, Hijikata Toushirou, Hisagi Shuuhei, Hitsugaya Toushirou, Kyouraku Shunsui, Longfic, Naruto, Romance, Saga, Shinigami, Songfic, Ukitake
Visualizações 37
Palavras 2.688
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shounen, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Um especial com muito amor! 💙

Capítulo 158 - Feliz dia dos pais, papai!


Fanfic / Fanfiction A nova vida de uma pequena shinigami - Capítulo 158 - Feliz dia dos pais, papai!

Era difícil pra Juushirou explicar o que pra ele significava ser "pai". Era um misto de muito amor, e na mesma proporção, muito medo. Nunca na sua vida ele pensou que fosse se sentir tão completo, mas ao mesmo tempo, tão vulnerável. 

Se quisessem atingí-lo, não era preciso atacá-lo diretamente, bastava apenas mexer com a menina, isso já lhe mataria.

Ele era muito protetor, e na mesma medida, muito ciumento. Não impedia ninguém de ficar com a filha, mas preferia quando a mesma estava "debaixo da sua asa", ou debaixo da "asa" da mãe. (Mas acho que nisso ninguém poderia julgá-lo.)  


Desde que era jovem, ele guardava dentro de si dois sonhos, que julgava impossíveis de serem realizados.

Sendo o primeiro:

Ter uma condição de saúde estável. (Algo até engraçado a se pensar.)

E o segundo:

Ter um filho. (Ser pai.)

Algo que ele também achava difícil de acontecer um dia. Não por conta dele, e sim pelo fato de achar difícil aparecer a "mulher ideal" pra ajudá-lo nisso.

(Mal sabia ele, que quem realizaria esses dois sonhos seria a mesma pessoa.)


Ukitake era louco por crianças, totalmente apaixonado por elas. Achava fascinante o modo como elas eram ingênuas, e também extremamente sinceras. Durante suas várias idas ao 4° esquadrão pra tratar seu problema de saúde, não era raro ele ver pelos corredores alvoroços de mulheres prestes a dar à luz, ou até mesmo com seus filhos recém-nascidos nos braços. Sem que pudesse perceber ele ria feito bobo quando as via, e as mamães sempre permitiam que ele se aproximasse pra ver a criança, igualmente porquê também o admiravam.

Juushirou pensava consigo mesmo quando iria sentir aquela mesma sensação na própria pele. Quando iria ouvir aquele chorinho durante as madrugadas lhe tirando o sono, quando iria trocar suas "noites" por mamadeiras e trocas de fraldas, quando iria passar horas e horas embalando um serzinho que dependeria apenas dele, e que igualmente, só adormeceria no seu peito, sentindo o calor que dele emanava. Por fim, quando iria ouvir alguém o chamando de "papai". (Era tudo o que ele mais queria.)

Alguém pra chamar de seu filho(a). Alguém pra aconselhar, alguém pra mimar, educar, conversar, ensinar - amar.

Ele queria isso mais que tudo na vida, mas ainda assim não expunha tal coisa a muita gente. Talvez Kyouraku fosse a única pessoa "oficial" que soubesse, mas o que o 13° capitão não sabia, era que tal sonho era famoso em quase toda Sereitei.


Ah Shiro... se você soubesse o que o destino lhe aguardava...  Ou melhor,  a "garotinha" que estava reservada só pra você... E ainda por cima, que ela seria uma cópia quase perfeita da mulher por quem você se apaixonaria perdidamente... 

Que bom que o destino soprou ao menos uma vez ao seu favor, Ukitake. Pois a partir do momento que aquela pequena grande mulher pisou na sala de reuniões do 1° esquadrão naquele fim de tarde tão monótono, sua vida já estava destinada a mudar. Ou melhor, você já estava destinado à ela, e a mesma, à você.

Você seria o responsável por cuidar das duas, e ambas igualmente cuidariam de você. Você se apaixonaria perdidamente por elas, e elas, por você.

Você ainda não fazia ideia do quanto aquela menininha de cabelos castanhos e olhos verdes mudaria o seu modo de ver as coisas, do quanto aquele sorriso derreteria seu coração, do quanto aquele abraço que só ela sabia lhe dar renovaria todas as suas forças.

Sim Juushirou, você à partir de agora seria um novo homem.

Depois de tantos transtornos finalmente a sua amada esposa esperava um filho seu, e tal notícia não poderia deixá-lo mais feliz, mais emocionado, e também mais receoso.

Saber que dali a uns meses um novo serzinho carregaria dentro das veias o seu sangue, e em conjunto, o seu sobrenome. Ele não sabia se alguma característica física também seria herdada, mas isso não tinha importância, o que valia mesmo era o seu sonho ser realizado.


Às vezes ainda não lhe caía a ficha da vida que ele tinha atualmente, era mágico chegar em casa e ver que ao contrário de anos atrás, ele não estava mais sozinho. Chegar e ver aquela bagunça por todos os lados era lindo. Ver aqueles brinquedos espalhados, aqueles sapatinhos tão pequenos, aquelas roupinhas... e sem falar de anos atrás, das mamadeiras e coisas pra bebê. (♡) Ele amava demais tudo isso.


O que falar então da sua convivência com a filha além do que já sabemos? 

Que tal sabermos como é o lado "autoritário" do grisalho capitão?

O que simplesmente "não" existia. Apesar de também repreendê-la quando a mesma fazia algo errado, o papel de "carrasca" era quase exclusivamente de Harumi, simplesmente porquê ele não conseguia ficar bravo com a menina.

Apesar de ser óbvio, Hinami também era apaixonada por ele. É claro que amava a mãe, mas com ele alguma coisa era diferente. Desde que era bebê, a pequena capitã às vezes só podia contar com ele pra que a menina se acalmasse, e ela não sabia bem porquê aquilo acontecia. Bastava a menina ouvir a voz dele pra parar de chorar quase que instantaneamente. E isso sempre causava duas reações: Ela ficava "perplexa" com a facilidade que ele tinha, e ele morria ainda mais de amores...

Talvez a explicação pra aquilo acontecer fosse simplesmente o fato dele levar jeito com crianças, não era mágica nem nada do tipo. Ukitake simplesmente sabia a "manha" pra lidar com os pequenos.


Hinami via nele além do seu amado "papai", um príncipe encantado. Ele era o mais lindo, o mais incrível, o mais carinhoso, o melhor. (Na visão dela é claro.)

Mas como ela podia ter outra opinião se ele fazia quase tudo que ela queria? Bastava apenas ela dizer que "queria" as estrelas do céu que ele faria o impossível pra conseguí-las pra ela.

Ela era a sua princesa, como ele mesmo falava. Sua anjinha, sua pequena, o amor da sua vida, a razão da sua existência. Matava e morria por ela sem pensar duas vezes, e ái de quem ousasse lhe fazer mal. Talvez sua personalidade não o permitisse fazer nada, mas ao menos com a mãe aquilo era bem diferente (rs).



É claro que Harumi não gostava muito do fato dele mimá-la demais, porque sempre que ela dizia um "não" quem saía como a "bruxa má" da história era ela. Ele tentava se desculpar, dizendo que eles deveriam fazer o máximo por ela, já que a mesma era a única filha deles, mas em contrapartida, ela o respondia que esse não era o caminho certo, assim a menina não ia aprender nunca o que era a palavra "não".

(Quem tinha razão?)    

Se uma era autoritária, o outro era "liberal". Se um era ciumento, a outra não se importava muito. Se uma era pulso firme, o outro era uma manteiga derretida. 

Hinami pertencia a um universo 8 ou 80. (😥)

Mas fazer o que se ela os amava? Afinal, eles eram os seus amados papai e mamãe.



E naquele dia, era "o dia" dele....

O dia que ele considerava um dos mais felizes depois do aniversário da filha.


Era o dia dos pais!


(Que tal contar uma pequena surpresa que ele recebeu da capitã naquele ano?)


(...)




Era um dia de intenso trabalho no 13° esquadrão. Ukitake havia saído muito cedo de casa devido à uma grande demanda de documentos que ele precisava entregar com urgência. Ele nunca se queixava do trabalho, por mais cansativo que fosse, mas naquele dia bem que ele queria ter ficado em casa....

Era o seu dia... o dia dos pais...


Passou o dia imerso em documentos na companhia dos seus três subordinados, os três percebendo que ele estava um pouco triste por estar ali naquele dia, pois sabiam que ele queria mesmo era estar em casa, na companhia da família.

E foi aí que uma linda surpresa aconteceu.

Enquanto os quatro estavam no escritório trabalhando, a campainha tocou. E assim que Kyione abriu a porta, por ela passou uma menininha correndo em direção a uma mesa que ela conhecia muito bem. E assim que um certo capitão percebeu quem estava ali, logo sua expressão mudou.


Ukitake: Are? Hinami? Mas o que você...

A pequena viu o pai ficar de pé e ir até ela, e a mesma não perdeu tempo e começou a puxar o seu haori.

Hinami: Papai papai! Olha o que eu fiz pra você!

Ukitake se abaixou na altura da filha e pegou de sua mãozinha uma folha que a mesma lhe oferecia. Assim que seus belos olhos verdes focaram o  estranho "desenho" que ali estava, ele ficou um pouco confuso. Não era possível decifrar nada naquele papel, mas pra Juushirou, aquela era a mais bela das artes.

Sem que percebesse ele já estava sorrindo feito bobo, e a menina igualmente também sorria, ao ver que ele havia amado o presente.

Ukitake: Obrigado meu amor... - Ele lhe beijou a bochecha, e antes que pudesse perguntar com quem ela havia vindo, a "responsável" por ela também apareceu na porta.


Harumi parou na porta e pôs a mão contra o peito tentando recuperar o fôlego, já notando que sua pestinha já havia chegado.

Harumi: Hinami... você me deixou pra trás! - Ela ria, e os três subordinados também. - Já entregou o seu presente ao papai? - Perguntou ela já se aproximando dos dois.

Hinami: Hai! 

O grisalho viu que ela também carregava algo em mãos.

Ukitake: Amor...

Harumi: Chegou a hora do meu presente então. - Ela o entregou uma pequena caixa, e junto da mesma havia um envelope, que ele também pegou em mãos. - Feliz dia dos pais Shiro...

Ele não conseguiu nem falar nada, apenas abriu o envelope e já sentiu seu coração explodir de amor quando leu as primeiras palavras.






"Enfim chegou o seu dia amor, o dia em que você se sentiu mais feliz e realizado, o dia em que eu te vi virar um homem de verdade, o dia em que você renasceu.


 O dia dos pais.


Ainda lembro o misto de emoções que eu senti quando descobri que estava grávida. A Hinami veio de surpresa, veio sem que nós dois esperássemos, ou como eu costumo dizer, ela veio pra mudar a minha vida e a sua.

Lembra dos meus receios durante a gravidez? Do medo que eu senti ao imaginar que ela poderia nascer como eu? Da promessa que eu insisti que você me fizesse?

Lembra Shiro?

Pois é, nem faz tanto tempo, afinal a Hinami só tem um pouco mais de 3 anos, mas isso nunca saiu da minha memória, sempre que eu olho pra ela eu lembro de tudo que nós dois passamos até chegar aqui. Ela é a prova da nossa vitória como casal.

Aliás, sempre que eu olho pra ela eu também enxergo você, Shiro. Apesar da nossa pestinha fisicamente parecer mais comigo, alguns traços dela são exclusivamente seus. Os olhinhos verdes são o primeiro detalhe que eu devo frisar. Os mesmos olhos do homem por quem eu me apaixonei. Toda vez que eu olho pra você, eu enxergo a Hinami, que me transformou totalmente, e quando olho pra ela, eu te vejo, a pessoa que me realizou de todas as formas.

Apesar dela também ter herdado grande parte da minha (péssima) personalidade em alguns momentos, há características nela que eu sou grata aos deuses por serem suas. Como a extrema educação que ela sempre teve com todo mundo, nisso sem dúvidas você é o melhor exemplo pra ela. Também é incrível o modo como ela parece com você quando está dormindo, é como se eu estivesse vendo você. (Sim, eu te observo dormir, simplesmente porque acho lindo.) O modo como ela coloca a mãozinha embaixo do travesseiro é exatamente você Shiro, você tem noção do quanto isso é incrível? Ela parece mais com você do que você imagina! E eu como mãe me derreto ao fazer minhas próprias comparações!

 E já que estamos falando das "comparações da mamãe", que tal falar sobre como ela às vezes fica tímida igual a você? 

É lindo! Simplesmente lindo! Eu me derreto quando comparo vocês dois! 


Sabe que um dia ela aproveitou que você não estava em casa e veio me pedir pra casar com você quando crescesse? Não sei bem porque ela não tira essa ideia da cabeça, já que ela não tem nem noção do que isso significa. Mas, se na cabecinha dela a ideia de "certo" é um homem com suas características e atribuições, isso já me deixa extremamente feliz. Quero que a Hinami sempre tenha em mente o modo como uma mulher deve ser tratada desde cedo, com carinho e respeito, exatamente como nós duas somos tratadas por você meu amor, o nosso príncipe encantado.


(Mas sabe, em relação a casar com você, eu não deixei. Isso nem entra em cogitação.)


Sabe Shiro, eu nunca vou esquecer o apoio que você me deu quando eu estava grávida da Hinami. Você foi o meu pilar, o suporte que impediu que eu desabasse diversas vezes. Não foi nada fácil suportar aqueles meses na situação em que eu me encontrava, mas ter você do meu lado foi algo de extrema importância. E isso é algo que eu admiro em você, o fato de você ser companheiro, e isso não vem depois de termos nos casado, vem desde o dia que eu te conheci. Você sempre esteve comigo, sempre me apoiou, sempre foi tudo pra mim, e agora também pra nossa filhinha que assim como eu, te ama tanto.

O que eu posso dizer pra te homenagear por esse dia, amor? Dizer que você é o pai que eu sempre sonhei pros meus filhos caso os tivesse um dia é pouco. Também é pouco dizer que você supera as minhas expectativas no quesito dedicação e vontade de aprender. Desde que a Hinami nasceu você sempre se dispôs a aprender como cuidar e lidar com ela, apesar de em algumas coisas você até ter me surpreendido. (Como quando te vi trocando fraldas pela primeira vez, eu sequer imaginava que você soubesse fazer isso. Você também sempre foi uma caixinha de surpresas.) Você sempre fez questão de me ajudar em tudo, de me apoiar em tudo, de ajudar a Hinami em tudo, desde a segurar a mamadeira até a dar os primeiros passinhos. 

E eu acho que a maior recompensa que você recebeu por todo esse esforço e dedicação foi ver a sua filha dizer a sua primeira palavrinha especialmente pra você: Papai ♡     (Lembro que você chorou quando ouviu, e eu também, pois queria que ela tivesse dito mamãe. Mas você mereceu.)


Esse é o seu dia, e eu agradeço por poder comemorá-lo com você, meu marido, o pai da minha primogênita. 



Te amo. 

Parabéns.



Com amor,

                                                    Kosuri ♡






Meu deus.... o capitão nem se aguentava mais...

Como aquela mulher tinha coragem de sempre fazê-lo chorar de tanta felicidade?

Como ele tinha tanta sorte em tê-la na sua vida?

Como?


Ele sequer conseguia falar alguma coisa quando olhou pra ela. Apenas sorria feito bobo e balançava a cabeça pra ambos os lados sem nem saber o porquê.

Ukitake: Você... Ai... Eu não aguento... - Ele realmente desabou em lágrimas, cobriu o rosto com ambas as mãos, e foi aí que sentiu seu corpo ser abraçado. Não precisou nem olhar pra confirmar quem era, pois aquele toque ela tinha.

Harumi: Te amo... parabéns pelo seu dia... - Ela afastou as mãos dele do próprio rosto, e após se colocar na ponta dos pés lhe deu um rápido beijo, o que emocionou até os três que ali estavam. Todos eles eram felizes por ver a vida que seu admirado capitão havia construído.


Kyione: Parabéns taichou!

Ukitake: Arigatou... - Ele agora estava mais calmo, olhava pra Harumi com um semblante agradecido, não sabia explicar a sorte que tinha. -  É uma honra ser o pai da Hinami... o pai da sua filha... Vocês duas realizaram o maior sonho que eu tinha, sou eu quem deve agradecer...

A capitã pediu pra que ele abrisse a caixinha, e o mesmo riu quando viu o que tinha dentro.


Ukitake: Você não existe Kosuri...

Harumi: O perfume que você usou no primeiro baile que nós fomos juntos. Eu me apaixonei por você por causa disso também... - Ela olhou pra onde a menina estava. - Hinami, você não tem algo a dizer ao seu pai?

A menina já estava distraída com o ambiente a sua volta, mas foi até o capitão apenas pra dizer:

Hinami: Feliz dia dos pais papai!




Parabéns, Juushirou!


    



Notas Finais


Espero que tenham gostado! ♡♡♡





(Venho pensando em uma forma de fazer com que vocês leitores, participem da história. E a ideia que eu tive foi justamente saber se vocês querem passar alguma ideia de "especiais" como esse, podendo ser de qualquer situação aleatória que dê pra eu fazer algum capítulo (único) e encaixar na história exatamente como foi esse e outros já postados. É importante dizer que teria que contar com os personagens principais na ideia, fora isso suas imaginações são livres! Fiquem à vontade pra opinar, caso alguma ideia seja válida, eu levarei pra frente e irei escrever um "especial" e postar aqui.
O que acham?
Digam nos comentários! 😙

Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...