História A Onze Caudas (Reescrita) - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Pain
Tags Akatsuki, Aventura, Naruto, Romance
Visualizações 64
Palavras 1.393
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Famí­lia, Ficção, Luta, Magia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom dia galerinha!!! ^-^
Hoje trago mais um capitulo quentinho para vocês e espero que gostem!
Beijos!!!

Capítulo 3 - O começo de um novo destino


Fanfic / Fanfiction A Onze Caudas (Reescrita) - Capítulo 3 - O começo de um novo destino

“Admito que apesar do tempo em que passei fugindo ou encarcerada em Kumogakure, tive alguns amigos que realmente quiseram me ajudar, mas claro que por conta do imenso perigo que corria com todas as pessoas que de alguma forma tentassem se aproximar de mim, não pude aceitar essa ajuda e mais uma vez fugi para não prejudicar todas as pessoas que eu aprendi a amar. Sou uma foragida desde então, não só pelo fato de ter fugido da vila de onde eu vivia, mas também pelo fato de fugir dos meus amigos que eram a minha única família. Eu não costumo ser uma pessoa tão emotiva, mas as vezes a solidão é tão grande que acaba comigo, corroendo não só o coração, mas a alma também...”

Mais tarde naquele mesmo dia...

 - Droga Yzu-Nii! Eu não pretendia mata-los! – Exclamo tomada por um profundo remorso devido ao ataque do esquadrão de ninjas mais cedo. Eu estava tão aflita com o acontecido que bagunçava os meus longos cabelos constantemente enquanto fitava meu reflexo cansado no espelho. Meus olhos esverdeados se encontravam calmos, porém tensos, pois mais uma vez eu havia fracassado na missão de encontrar o meu pai.

- “Entendo Yui, mas entenda também que não tínhamos como fugir dali só dialogando. Ou você acha que sairíamos numa boa depois de bater um longo papo?” – Ironiza uma voz em meu interior era Yzu-Nii se manifestando do jeito mais arrogante e desagradável possível. Yzu-Nii era a tal bijuu criada a partir das sobras do chakra de todas as bijuus existentes na terra e há até boatos de que uma síntese do chakra da Dez Caudas também fora usada no processo. Eu não sei ao certo como tudo isso foi feito, mas parece ser o experimento do século já que eles não querem largar do nosso pé nem tão cedo.

- Mas é obvio que não! Eu só achei que dessa vez ninguém iria aparecer para nos perturbar. Achei que pudéssemos viver tranquilamente enquanto procurássemos o papai, mas me enganei. – Digo fitando tristemente uma pequena fotografia onde mostrava um homem de cabelos ruivos ao lado de uma garotinha de cabelos alaranjados com aproximadamente 3 anos, ambos sorriam na foto.

- “Sei, sei, mas não adianta ficar choramingando pelos cantos. Até parece que você esqueceu que é uma assassina e muito bem treinada!” – Diz aborrecido.

- É claro que eu não me esqueci Yzu, mas estou mais que cansada de tudo isso! – Respondo também aborrecida pela sua falta de compreensão. Eu realmente não conseguia entender Yzu-Nii até porque as vezes ele parecia ser como um amigo, mas outras vezes parecia o oposto disso.

- “Bom, de qualquer forma teremos de nos mudar outra vez, eles já devem saber a nossa exata localização, mas isso claro graças a você Yui, que merece um prêmio por ser tão piedosa com o inimigo.” – Ele ironiza novamente.

- Ta, ta bom Yzu eu sei que errei, mas não é pra tanto. – Digo chateada.

- “Isso é o que você acha, mas vai se arrepender Yui se continuar agindo dessa maneira. Parece até que você não aprendeu nada após treze anos convivendo com eles.” – Diz Yzu dando início ao seu sermão.

- Não se preocupe Yzu-Nii garanto a você que isso não vai mais se repetir. – Digo recolhendo alguns pertences e os colocando dentro de uma pequena mochila que eu carregava nas costas geralmente com comida e água, mas agora com roupas e entre outras pequenas coisas.

- “Não demore muito tempo aqui Yui. Apenas junte as coisas que você realmente necessita e quanto a comida e a água podemos pegar no caminho.” – Diz Yzu voltando a atuar como um amigo. Após arrumar tudo saio da velha cabana de madeira em que estava e ainda na frente da mesma faço um jutsu para destruir o lugar juntamente com todas as provas de que residi ali.

-  Liberação de Cristal: Prisão do Cristal de Jade! – Após dizer isso uma barreira de cristal envolve a cabana de madeira que ao meu toque se desfaz completamente restando somente mínimos cristais ao solo que como poeira desaparecem ao vento.

- “Muito bem Yui, está ficando cada vez melhor.” – elogia Yzu-Nii, mas por algum motivo não sinto que aquele elogio era realmente sincero. Andamos por algumas horas, mas no fim paramos para descansar e como já havia anoitecido montamos acampamento por ali mesmo, no meio da floresta. Após fazer a fogueira me sentei perto da mesma. Retirei da minha mochila um mapa que eu carregava comigo pra onde fosse e com uma caneta vermelha comecei a fazer um x nos lugares em que já estive.

- “Yui? O que ainda faz acordada?” – Yzu indaga curioso.

- Bom, estou marcando os lugares em que já estivemos procurando por ele. Quero ter certeza de todos eles. – Respondo ainda fitando o mapa.

- “Entendo. E então? Qual é a nossa próxima parada?” – Pergunta Yzu parecendo estar ansioso.

- Que tal Kirigakure?

- “Não, muita Névoa.”

- Ta, e que tal Sunagakure?

- “Muita Areia.”

- E quanto a Konohagakure?

- “Muita... Folha.”

- Yzu sério? Não temos tempo para piadas! Você deveria levar as coisas um pouco mais a sério! – Exclamo chateada. – Não é engraçado! – Finalizo.

- “Desculpe Yui, mas não pude me controlar.” – Responde se desmanchando de tanto rir. Ele claramente estava anarquizando comigo. 

- Você é sem graça Yzu! – Exclamo guardando o mapa em minha mochila e me deitando no saco de dormir.

- “Eu? Sem graça? Não tenho culpa se você não tem senso de humor!” – Esbraveja inconformado. Ele as vezes parecia agir feito uma criança birrenta ou um adolescente mal-humorado.

- Está bem Yzu agora vê se me deixa dormir. – Digo fingindo não ouvir suas reclamações.

- “Aff, mal-amada! Sabe nem brincar!” – Exclama ainda mais aborrecido.

- Sabe Yzu se continuarmos do jeito que estamos indo, ou seja, sem nenhum resultado ou pista do meu pai acho que vamos precisar de ajuda. – Digo olhando o céu estrelado pensativa.

- “Ta louca?! Ajuda de quem?! Se todos que você conhece ou querem se livrar de você te entregando para o Raikage em pessoa pela maldita recompensa ou pior querem te matar!” – Exclama.

- Escuta Yzu, eu sinceramente acho que você deve repensar no que é pior. – Digo.

- “Por que diz isso?” – Indaga.

- Porquê de repente a ideia de morrer me pareceu ser o certo a se fazer, já que impediria de alguém me usar novamente como uma arma. – Respondo o deixando um tanto inquieto.

- “Mas Yui, se você morrer quem vai salvar o seu pai?” – Indaga. – “Ele só tem você.” – Finaliza.

- É que eu já não sei mais o que fazer. – Digo desapontada comigo mesma.

- “Então ta, vamos procurar ajuda, mas sugiro que comecemos por Konohagakure.” – Diz.

- E por que mudou de ideia assim tão rápido? – Indago curiosa.

- “Bom, porque eu me lembrei que gosto muito de folha.” – Responde tentando segurar o riso.

- Yzu, você é sem graça. – Digo. Depois de alguns segundos ouvindo Yzu ainda tagarelar acabo pegando no sono.

Longe dali...

Boceja um certo indivíduo mascarado. – Ai senpai! Já chegamos? Tobi ta cansado! Tobi precisa descansar! – Exclama o indivíduo se contorcendo todo diante de um outro indivíduo loiro. (Quanto indivíduo XD)

- Calado praga! Lembre-se que temos a missão de nos infiltrar em Iwagakure sem que eles saibam quem somos. – Diz o loiro aparentando também estar cansado.

- Tobi sabe senpai, mas Tobi acha melhor começar a missão amanhã de manhã. (Bocejo) – diz caindo em cima do loiro de tanto sono.

- Sai pra lá praga! – Exclama o loiro o jogando no chão. – Mas quer saber Tobi? Eu concordo com você, (Bocejo) andamos muito de Amegakure até aqui e já estamos bem próximos de Iwa. Então não custa nada descansarmos um pouco, não é mesmo? – Indaga retirando de sua mochila um saco de dormir e o colocando no chão da floresta.

- Isso aí senpai... – Diz o mascarado se aconchegando nas raízes de uma frondosa árvore. Em questão de segundos ele já se encontrava no decimo terceiro sono e agora roncava feito um porco velho.

- Humpf! – resmunga o loiro aborrecido com os roncos altos de seu companheiro. – Sinceramente, eu deveria ter aceitado vir com o Danna ou até mesmo com a cobra do Orochimaru, hn! – exclama revoltado enquanto tentava tapar inutilmente os ouvidos com as mãos.

Continua...


Notas Finais


E ai? O que acharam? Espero que tenham gostado!! ^-^
Beijos e até o próximo capitulo!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...